O VOTO EM BRANCO

3 Abril, 2004 at 10:08 pm

A propósito do livro de Saramago, “Ensaio sobre a lucidez”, a ler o artigo de Augusto Santos Silva, hoje no Público: “Quando Um Nobel Menoriza a Literatura“.

(Artigo completo em “entrada estendida”)

[1161]

“Quando Um Nobel Menoriza a Literatura”
Por AUGUSTO SANTOS SILVA
Sábado, 03 de Abril de 2004

A “polémica dos diabos” que Saramago havia prometido, com o seu “Ensaio sobre a Lucidez”, tem-se desenvolvido com a alarido esperado. É uma polémica política, e não literária ou cultural. A literatura serve apenas de roupagem ou pretexto, coisa que a declaração recorrente, entre os intervenientes, de que (ainda) não leram o romance sumamente ilustra.

Pode e deve, naturalmente, discutir-se o manifesto político de Saramago sobre o “uivo” contra a exaustão da democracia, através do voto em branco. Mas não é menos interessante acrescentar-se-lhe a análise da encenação majestática do autor e da sua obra, que tem sido isso o processo de lançamento público e comercial do livro.

Na segunda-feira em Lisboa, hoje no Porto, o que está em causa não é o romance, mas o panfleto. E quem o apresenta ou debate não são professores ou críticos da literatura, ou sequer vultos proeminentes do campo intelectual, mas sim personalidades políticas cuidadosamente escolhidas, ao modo de um bloco central civilizado e alargado à família comunista, por causa da filiação, ou, como o próprio diz, “fidelidade” de Saramago. Lá estiveram e estarão um PSD culto, um PS de esquerda, um comunista institucional ou uma respeitada independente.

Assim se transformou há dias, na capital, assim se transformará provavelmente hoje a norte, e ainda haverá de fazer-se mais vezes, a literatura em sessão de esclarecimento, promovida e dirigida para milhares de assistentes. Leitores? Não, eleitores. E a cargo de quem? Pois a cargo dos próprios senadores do regime contestado!

José Barata Moura, no papel de comunista institucional, reitor que é da Universidade, ainda é o que menos se deixa prender neste padrão. Mas os outros, os verdadeiros patriarcas? Saramago não consta do panteão literário de Mário Soares, como o próprio declara a quem queira ouvi-lo. Soares esteve lá como paladino oficial da democracia, o que cumpriu com brilho. E Marcelo Rebelo de Sousa, para que foi convocado, se não para garantir a dupla bênção da mão direita do Estado e da televisão das massas?

É suposto que se apresenta um livro para convidar a lê-lo. Mas como se convida alguém a ler um romance, se o próprio autor e a editora se encarregam de descarná-lo de toda a sua matéria literária, para reduzi-lo a um panfleto? Como se atribui a Marcelo, o comentador oficial do reino mediático, o encargo de convidar a ler, se o que ele faz, usando instrumentalmente os livros como as armas da sua consagração maciça, é insinuar todos os domingos a milhões de espectadores que, aos livros, basta folheá-los, não é preciso lê-los nem apreciá-los? Marcelo faz jorrar catadupas de livros, que recebe, mostra e depois remete para a biblioteca da terra, assim conseguindo, de uma penada, mostrar-se conhecedor, culto e benemérito, maneira como outra de montar uma carreira pessoal e política. Mas o que de cada livro ele comunica ao espectador só muito excepcionalmente ultrapassa o que qualquer pessoa leria na badana respectiva.

Só há uma interpretação possível para a escolha de Marcelo, o não-leitor que fala dos livros, por Saramago e pela Caminho. É que, justamente, o seu protagonismo no lançamento encenado do “Ensaio” é a forma mais eficaz de esvaziar o romance da matéria literária, reduzindo-a à superfície da “provocação”.

Acontece que, despido da matéria literária, o texto de Saramago só tem a oferecer-nos o mais chão e previsível primarismo. A saber: a) a democracia (“burguesa”) é a máscara angélica da opressão (até se verifica dispor de uma polícia política…); b) quando a direita governa, então é que a democracia deixa mesmo de sê-lo; c) a oposição institucional, o “partido do meio”, é uma variante quase indistinta do poder, aparência outra da mesma essência; d) a “verdadeira” esquerda só pode estar na fronteira entre a participação táctica e a dissidência estrutural, só é possível ter alternativa se houver alteridade face à própria natureza do regime; e) na democracia, como em qualquer outro sistema de poder, uma oligarquia manda e oprime, as pessoas comuns sofrem e revoltam-se; f) entre os que mandam, os que mandam nas polícias e nos exércitos mostram maldade maior do que os que tratam de coisas úteis, como a cultura, a justiça ou a administração local, e estes são, portanto, “recuperáveis”; g) como a revolução morreu, assassinada pelos seus filhos totalitários, à amargura resta a subterrânea desinquietação da ordem, a irrupção do sobressalto, a clandestina negação, a manipulação dos instrumentos formais da soberania, como o voto em branco, para desafiar o poder no seu próprio terreno. Mas sem positividade, sem futuro, como logo vieram lembrar, a este comunista adversário da democracia mas desencantado da revolução, os ideólogos da “revolução ainda é uma criança”.

Lido como manifesto, o “Ensaio” é a ladainha de um não-democrata pós-revolucionário. Mas isso não merece nenhuma polémica dos diabos, situa Saramago no lugar político e no tempo histórico que ele próprio escolheu.

Para quê, então, menorizar de tal maneira a literatura? Para que é que o nosso Nobel se coloca na posição simétrica dos que buscam no livro a caução de uma envergadura política que procuram desesperadamente transmitir, como faz Santana Lopes com os seus livros-álbuns de autoglorificação, aceitando que se retire qualquer dimensão literária ao seu romance? É verdade que a literatura leve e digestiva fez o seu caminho de afirmação institucional, com o silêncio cúmplice do campo literário, e já merecemos ter, como vamos ter, por convite do Instituto Português do Livro e das Bibliotecas, a representar a literatura portuguesa na Bienal de São Paulo, essa proficiente escritora chamada Margarida Rebelo Pinto. Mas dói-me que doravante se possa dizer que até o Nobel Saramago condescende, por vaidade ou comércio, na desvalorização do que ele faz de melhor, e é literatura, em troca do que faz de pior, e é teimar em ser mestre-escola dos seus concidadãos. Dói-me que nem nisso fosse inteiramente coerente, que, para abençoar a sua negação do regime, se fosse acolher às asas protectoras de senadores e patriarcas desse mesmo regime. E contudo, caros leitores, nada disto era preciso. No “Ensaio sobre a Lucidez”, lutando por entre a ganga doutrinal, vê-se bem viva a imensa qualidade literária de Saramago. Apesar da pose do autor, apesar da encenação político-comercial da editora, está aí mais um grande romance da literatura portuguesa.

[1161]

Entry filed under: Sociedade.

SALGUEIRO MAIA NOMEADOS PARA PRÉMIOS LAUREUS DE DESPORTO


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Abril 2004
S T Q Q S S D
« Mar   Maio »
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

  • RT @InvictosSomos: Nadie ha ganado más Balones de Oro (5) que él. Nadie ha ganado más Botas de Oro (6) que él. Nadie tiene mejor promedio g… 1 hour ago
  • RT @MundoMaldini: Biscotto entre franceses y rumanos e Italia eliminada. España-Francia y Alemania-Rumanía semifinales de la Eurocopa sub… 2 hours ago
  • RT @2010MisterChip: NO. Nadie se merece quedar fuera así. Y ojo que no critico a franceses y rumanos. Yo habría hecho lo mismo en su lugar… 2 hours ago

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.


%d bloggers like this: