EURO 2020 – Final – Itália – Inglaterra

11 Julho, 2021 at 10:54 pm Deixe um comentário

ItáliaInglaterra1-1 (3-2 g.p.)

Itália Gianluigi Donnarumma, Giovanni Di Lorenzo, Leonardo Bonucci, Giorgio Chiellini, Emerson dos Santos (118m – Alessandro Florenzi), Nicolò Barella (54m – Bryan Cristante), Jorge Frello Filho “Jorginho”, Marco Verratti (96m – Manuel Locatelli), Federico Chiesa (86m – Federico Bernardeschi), Lorenzo Insigne (90m – Andrea Belotti) e Ciro Immobile (54m – Domenico Berardi)

Inglaterra Jordan Pickford, Kyle Walker (120m – Jadon Sancho), John Stones, Harry Maguire, Kieran Trippier (70m – Bukayo Saka), Kalvin Phillips, Declan Rice (74m – Jordan Henderson) (120m – Marcus Rashford), Luke Shaw, Mason Mount (99m – Jack Grealish), Raheem Sterling e Harry Kane

0-1 – Luke Shaw – 2m
1-1 – Leonardo Bonucci – 67m

Desempate da marca de grande penalidade:
1-0 – Domenico Berardi
1-1 – Harry Kane
Andrea Belotti permitiu a defesa a Jordan Pickford
1-2 – Harry Maguire
2-2 – Leonardo Bonucci
Marcus Rashford rematou ao poste
3-2 – Federico Bernardeschi
Jadon Sancho permitiu a defesa a Gianluigi Donnarumma
Jorge Frello Filho “Jorginho”permitiu a defesa a Jordan Pickford
Bukayo Saka permitiu a defesa a Gianluigi Donnarumma

“Melhor em campo” – Leonardo Bonucci

Amarelos – Nicolò Barella (47m), Leonardo Bonucci (55m), Lorenzo Insigne (84m), Giorgio Chiellini (90m) e Jorge Frello Filho “Jorginho” (114m); Harry Maguire (106m)

Árbitro – Björn Kuipers (Países Baixos)

Wembley Stadium – Londres (20h00)

Ficou bastante aquém, esta Final, em termos de qualidade de futebol jogado, em relação ao padrão desta fase final do Europeu.

Ficaria condicionada, praticamente logo de entrada, com o golo marcado pela Inglaterra, a reforçar a confiança da equipa da casa, em contraponto a alguma dúvida e inevitável perturbação provocada no adversário.

Com a selecção inglesa a poder actuar da forma que lhe era mais confortável, gerindo o jogo, a Itália denotou, durante largos minutos, incapacidade para assentar o seu futebol, surpreendentemente em perda na batalha do meio-campo.

Mas, a partir da meia hora, os ingleses como que se começaram a aburguesar – passando, mesmo que de forma algo inconsciente, a defender, notoriamente demasiado cedo, a vantagem alcançada. Tal proporcionaria à squadra azurra, primeiro, restabelecer o controlo emocional, e, logo depois, gradualmente, ir assumindo posição dominante, ancorada nas exibições de Jorginho e Verratti, com Chiesa a forçar no ataque.

Demoraria ainda bastante tempo, mas, depois de algumas ocasiões de perigo não concretizadas, a Itália acabaria mesmo por chegar à igualdade, aproveitando a forma como, durante mais de meia hora, a Inglaterra abdicara do jogo.

Até final do tempo regulamentar, seria ainda a Itália a beneficiar da melhor oportunidade para decidir esta Final, com Berardi a falhar frente a Pickford.

Tendo-se mostrado necessário recorrer ao prolongamento, desde logo se podia antecipar que o caminho dos “penalties” começava a estar traçado. A formação italiana dava mostras de cansaço, enquanto à Inglaterra faltava ambição, mesmo após a entrada de Grealish para os últimos vinte minutos.

Ainda assim seriam os transalpinos, num derradeiro esforço, a intensificar a pressão nos minutos finais, procurando evitar a “lotaria”, cenário com o qual os ingleses pareciam conviver bem. De tal forma que Southgate decidiu mesmo apostar em alterações especificamente com tal finalidade, já no minuto 120, fazendo entrar Marcus Rashford e Jadon Sancho.

Tal como no início do desafio, a Inglaterra ainda voltaria a estar em vantagem, tirando partido da defesa de Pickford a remate de Belotti… mas, precisamente, seriam Rashford e Sancho a falhar as suas tentativas (este último no “fatídico” 8.º penalty da série, do qual, nas 25 ocasiões em que se processou, em desempates nos Europeus e Mundiais, desde 2004, apenas 12 foram convertidas com sucesso).

Jorginho ainda desperdiçou o primeiro “match point”, mas o jovem Bukayo Saka possibilitaria a Gianluigi Donnarumma a consagração como melhor jogador do torneio e, da Itália, como nova Campeã da Europa, sucedendo a Portugal, repetindo o triunfo obtido em 1968. Com todo o mérito, daquela que, durante toda a prova, demonstrou ser a equipa mais consistente.

Entry filed under: Euro-2020.

Djokovic = Nadal = Federer = 20 Grand Slams EURO 2020 – 1/8 Final – 1/4 Final – 1/2 Finais – Final

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Julho 2021
S T Q Q S S D
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.


%d bloggers like this: