EURO 2020 – 1/8 de final – França – Suíça

28 Junho, 2021 at 10:45 pm Deixe um comentário

FrançaSuíça3-3 (4-5 g.p.)

França Hugo Lloris, Raphaël Varane, Clément Lenglet (45m – Kingsley Coman) (111m – Marcus Thuram), Presnel Kimpembe, Benjamin Pavard, Paul Pogba, N’Golo Kanté, Adrien Rabiot, Antoine Griezmann (88m – Moussa Sissoko), Karim Benzema (94m – Olivier Giroud) e Kylian Mbappé

Suíça Yann Sommer, Nico Elvedi, Manuel Akanji, Ricardo Rodríguez (87m – Admir Mehmedi), Silvan Widmer (73m – Kevin Mbabu), Remo Freuler, Granit Xhaka, Steven Zuber (79m – Christian Fassnacht), Xherdan Shaqiri (73m – Mario Gavranović), Haris Seferović (97m – Fabian Schär) e Breel Embolo (79m – Ruben Vargas)

0-1 – Haris Seferović – 15m
1-1 – Karim Benzema – 57m
2-1 – Karim Benzema – 59m
3-1 – Paul Pogba – 75m
3-2 – Haris Seferović – 81m
3-3 – Mario Gavranović – 90m

Desempate da marca de grande penalidade:

0-1 – Mario Gavranović
1-1 – Paul Pogba
1-2 – Fabian Schär
2-2 – Olivier Giroud
2-3 – Manuel Akanji
3-3 – Marcus Thuram
3-4 – Ruben Vargas
4-4 – Presnel Kimpembe
4-5 – Admir Mehmedi
Kylian Mbappé permitiu a defesa a Yann Sommer

“Melhor em campo” – Granit Xhaka

Amarelos – Raphaël Varane (30m), Kingsley Coman (88m) e Benjamin Pavard (91m); Nico Elvedi (32m), Ricardo Rodríguez (62m), Granit Xhaka (76m) e Manuel Akanji (108m)

Árbitro – Fernando Andres Rapallini (Argentina)

Arena Națională – Bucareste (20h00)

Num mesmo dia, em dois jogos do “EURO”, depois de um 3-3 (nos 90 minutos), outro 3-3!

A França entrou mal no jogo, espartilhada pela organização suíça e as coisas piorariam bastante quando, à passagem do quarto de hora inicial, o avançado benfiquista inaugurou o marcador.

O que se viu, durante largos minutos, foi uma selecção francesa refém de vários equívocos tácticos, incapaz de ripostar. Este estado de coisas prolongou-se mesmo pelo segundo tempo, até chegar um momento que parecia ter sido crucial, por volta dos 55 minutos: a possibilidade de a Suíça ampliar a vantagem para 2-0, mercê de uma grande penalidade assinalada a seu favor… mas que Ricardo Rodríguez desaproveitaria, permitindo a defesa a Lloris.

Os helvéticos passaram então por um período de desconcentração, que evoluiu mesmo para fase de desnorte, tendo consentido – em dois rápidos lances de contra-ofensiva, com um intervalo de apenas dois minutos – dois golos à França, apontados ambos por Benzema, o primeiro deles com um admirável gesto técnico a dois tempos, primeiro na recepção da bola (que tinha ficado “para trás”), a ir “recuperá-la”, e, de imediato, um toque subtil a desviá-la do alcance do guarda-redes suíço.

Sem “saber bem como” a França tinha passado para a “mó de cima”, acabando por não surpreender, então, o terceiro tento, numa outra excelente execução de Pogba.

Muito surpreendente acabaria por ser, então, a reacção suíça, a emular a resposta dada pela Croácia frente à Espanha no jogo da tarde. Quando Seferović bisou, reduzindo para 2-3, já dentro dos dez minutos finais, a recordação bem viva do embate de três horas antes assomou ao espírito de todos os intervenientes: os suíços acreditando que seria ainda possível evitar a derrota; os franceses entrando como que numa espécie de “pânico”, tolhidos pelo receio. E o 3-3 acabaria mesmo por surgir, já em tempo de compensação!

No prolongamento, as duas equipas mostraram-se exaustas, tanto em termos físicos como a nível mental, pelo que faltou discernimento para conseguir decidir a eliminatória, mesmo que não se possa dizer que tenha havido, de parte a parte, qualquer estratégia deliberadamente defensiva, apostando no desempate da marca de grande penalidade.

Mas tal acabou por se revelar uma inevitabilidade. Aí, os suíços, mais confiantes – perante um Campeão do Mundo assolado pelo “fantasma” do prematuro regresso a casa -, e apostando em quatro homens mais frescos, fizeram o pleno, marcando nas suas cinco tentativas. Os franceses ainda adiaram o destino até ao limite, para acabar por ser a sua estrela maior a ficar como “réu” de derrota, ao possibilitar a defesa decisiva a Yann Sommer.

De forma absolutamente inédita no historial da competição, ficam afastados – logo nos 1/8 de final – o Campeão da Europa em título (Portugal) e o vice-campeão europeu (França), assim como o Campeão mundial (a mesma França) e o vice-campeão do Mundo (Croácia).

Um dia alucinante, que ficará para a história dos “Europeus”!

Entry filed under: Euro-2020.

EURO 2020 – 1/8 de final – Croácia – Espanha EURO 2020 – 1/8 de final – Inglaterra – Alemanha

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Junho 2021
S T Q Q S S D
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.


%d bloggers like this: