Archive for Dezembro, 2019

O Pulsar do Campeonato – 14ª Jornada

O pulsar do campeonato - 2019-20 - 14jornada

(“O Templário”, 19.12.2019)

Praticamente a chegar a meio do campeonato, contando por vitórias os 14 desafios já disputados – numa fantástica série de triunfos, a ameaçar seriamente o registo de 16 jogos ganhos pelo Fátima na segunda parte da edição de 2015-16 da prova –, o U. Almeirim apresenta-se com caminho aberto para a conquista do título de Campeão Distrital, tendo adquirido, em função dos deslizes dos adversários, uma importante “margem de erro” (no mínimo poderá perder dois encontros e empatar outro), o que o deixa em situação muito privilegiada para encarar a segunda volta.

Destaques – No “jogo grande” da 14.ª jornada, o Coruchense levou de vencida o U. Tomar, por 2-0, passando agora ambos os clubes a partilhar o 2.º posto, mas já a nove pontos do líder.

Tal como sucedera em Almeirim (e, antes, em Tomar, frente ao Abrantes e Benfica), o União foi deveras penalizado pela pecha evidenciada a nível de finalização. O domínio patenteado pelos unionistas na maior parte do tempo de jogo revelou-se improfícuo e, portanto, insuficiente para pontuar, perante um oponente que, ao invés, teve um muito bom nível de aproveitamento das oportunidades de que beneficiou.

Assumindo a iniciativa do jogo praticamente desde o seu início, os tomarenses tiveram, ainda no primeiro tempo, por duas ou três ocasiões, a baliza à sua mercê, mas, por falhas próprias e alguma infelicidade, a bola não “quis” entrar. Na segunda metade, mesmo em desvantagem, os nabantinos não deixaram de procurar inverter a situação, novamente sem êxito, desperdiçando outra soberana possibilidade, acabando por ter de conformar-se com o desfecho negativo após terem sofrido o segundo tento, também já próximo do termo da partida.

O resultado final – traduzindo-se no sexto triunfo consecutivo do Coruchense –, pese embora obtido “contra a corrente”, premeia a solidez defensiva do grupo do Sorraia e a sua organização nas transições rápidas para o contra-ataque, perante uma formação tomarense algo condicionada por problemas físicos (vários jogadores com lesões em fase de recuperação).

Por seu lado, o comandante, recebendo a frágil equipa do Moçarriense, não teve dificuldade em, não só somar mais um (expectável) triunfo, como, com alguma naturalidade, impor uma goleada, por expressiva marca de 7-1, com a particularidade de os golos terem sido repartidos entre os avançados Igor Costa “(poker”) e João Gomes (“hat-trick”), ascendendo aos dois primeiros lugares da lista de melhores marcadores, no segundo caso a par do anterior líder, Tiago Vieira.

Tendo sido invertida a ordem dos jogos que havia sido ditada pelo sorteio, o Samora Correia ganhou, no seu reduto, ao Cartaxo, por 2-1 – quinto desaire sofrido pelos cartaxeiros (terceiro nos últimos quatro jogos), cada vez mais afastados dos lugares cimeiros (agora já a nove pontos do… 4.º lugar); quanto aos samorenses, instalam-se em posição tranquila a meio da tabela, a par de Amiense e Ferreira do Zêzere, com mais do dobro dos pontos dos clubes na “linha de água”.

A realçar ainda o embate entre Amiense e Mação, com o desfecho da partida a ficar “selado” logo nos minutos iniciais, com um golo para cada lado, tendo os homens da casa travado uma equipa que vinha em crescendo, sendo que os maçaenses repartem agora o 6.º lugar com o Cartaxo.

Confirmações – Numa ronda sem grandes surpresas a assinalar, nos restantes encontros os favoritos confirmaram a sua condição, somando os três pontos em disputa.

Começando pelo Abrantes e Benfica (4.º classificado, agora somente a um ponto do duo do 2.º lugar), bateu, com alguma tranquilidade, a turma da Glória do Ribatejo, por 2-0.

Melhor fez o Ferreira do Zêzere, aplicando “chapa 3” ao Pego, voltando assim às vitórias, de que se encontrava arredado há três jornadas, consolidando a sua posição na pauta classificativa.

Num confronto mais equilibrado, o Torres Novas ganhou por tangencial 1-0 ao Rio Maior, tendo-se isolado no 8.º posto.

Por fim, o Fazendense prossegue a sua notável campanha (agora no 5.º lugar, de forma destacada), tendo ido vencer aos Riachos por 2-0, agravando ainda mais a periclitante situação do Riachense – somou a oitava derrota consecutiva –, pelo que continua como “lanterna vermelha” do campeonato, a par do Pego, pese embora apenas dois pontos abaixo de Rio Maior e Moçarriense.

II Divisão Distrital – Na “Série A” os três primeiros venceram, reforçando as respectivas posições, perfilando-se como mais sérios candidatos ao apuramento para a fase final da prova, de apuramento de Campeão e de promoção: o Alcanenense, na Atalaia, por 2-0; o Tramagal, em casa, ante o Ferreira do Zêzere “B”, por 2-1; tendo o Entroncamento goleado o Aldeiense (6-1).

Na “Série B”, o embate entre os dois primeiros (Pontével e Marinhais), disputado no terreno deste último, saldou-se por um nulo, aproveitado pelo Benavente (ganhando, também com uma goleada por 6-1, frente ao Rebocho) para encurtar distâncias.

Campeonato de Portugal – O Fátima conseguiu uma muito boa vitória, por 3-1, ante o histórico Beira-Mar, ultrapassando na classificação, precisamente, esse adversário, ascendendo a um excelente 2.º lugar, instalando-se, pois, em posição de apuramento para o “play-off” final.

Quanto ao U. Santarém não conseguiu evitar a derrota caseira (1-2) ante o Oleiros, notável 4.º classificado, tendo baixado uma posição, ocupando agora o 13.º lugar, o último em zona de manutenção, somente um ponto acima do Oliveira do Hospital.

Antevisão – Neste fim-de-semana os campeonatos distritais fazem uma pausa por ocasião das festividades de Natal, regressando o futebol distrital, apenas a 29 de Dezembro, com a disputa de uma “pré-eliminatória” da Taça do Ribatejo, com as principais atenções focadas no Cartaxo-Coruchense, sendo de notar ainda o “derby” escalabitano entre Moçarriense e Amiense, com o U. Tomar a receber a visita do Marinhais, visando avançar para os 1/8 de final da competição.

No Campeonato de Portugal, o Fátima poderá ampliar o seu pecúlio pontual, em deslocação à Praia da Vitória (Açores), para defrontar o actual penúltimo classificado, Fontinhas. Já o U. Santarém, actuando também como visitante, defrontará precisamente o Oliveira do Hospital, numa partida que se afigura de grande relevância para o escalonamento da classificação.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 19 de Dezembro de 2019)

22 Dezembro, 2019 at 11:00 am Deixe um comentário

Liga Europa – Sorteio dos 1/16 de Final

Wolverhampton – Espanyol
Sporting – Istanbul Başakşehir
Getafe – Ajax
Bayer Leverkusen – FC Porto
København – Celtic
APOEL – Basel
CFR Cluj – Sevilla
Olympiakos – Arsenal
AZ Alkmaar – LASK Linz
Brugge – Manchester United
Ludogorets – Inter
E. Frankfurt – RB Salzburg
Shakhtar Donetsk – Benfica
Wolfsburg – Malmö
Roma – Gent
Rangers – Sp. Braga

Os jogos da primeira mão serão disputados a 20 de Fevereiro de 2020, estando a segunda mão agendada para 27 de Fevereiro.

16 Dezembro, 2019 at 1:29 pm Deixe um comentário

Liga dos Campeões – Sorteio dos 1/8 de Final

B. Dortmund – Paris St.-Germain
Real Madrid – Manchester City
Atalanta – Valencia
At. Madrid – Liverpool
Chelsea – Bayern
Lyon – Juventus
Tottenham – RB Leipzig
Napoli – Barcelona

Os jogos da primeira mão serão disputados nas seguintes datas: 18, 19, 25 e 26 de Fevereiro de 2020. Por seu lado, as partidas da segunda mão estão agendadas para 10, 11, 17 e 18 de Março.

16 Dezembro, 2019 at 12:21 pm Deixe um comentário

O Pulsar do Campeonato – 13ª Jornada

O pulsar do campeonato - 2019-20 - 13jornada

(“O Templário”, 12.12.2019)

Tendo os actuais cinco primeiros classificados vencido os respectivos desafios – acentuando ainda mais o fosso que os separa de praticamente todos os restantes concorrentes (à excepção de Cartaxo e Mação) –, precisamente, a derrota sofrida pelo Cartaxo em Tomar resulta no irremediável afastamento do lugar de topo da tabela de um clube que, à partida, se assumia como um dos principais candidatos ao título, isto numa ronda em que o Mação esteve em particular evidência, igualando a maior goleada do campeonato (8-1).

Destaques – O primeiro destaque da 13.ª jornada vai, uma vez mais, para o U. Tomar, que prossegue o seu notável percurso nesta temporada, tendo somado a 11.ª vitória (oitava sucessiva perante os clubes posicionados atrás de si), impondo-se, desta feita por tangencial 1-0, a uma valorosa equipa do Cartaxo, que jogava a sua derradeira “cartada” em ordem a poder manter ainda algumas aspirações.

Após uma primeira metade repartida, no recomeço da partida os unionistas surgiriam determinados a ir em busca dos três pontos, tendo porfiado na iniciativa atacante, mas, perante uma forte oposição, apenas ao cair do pano, e na conversão de uma grande penalidade, conseguiriam chegar ao tão almejado golo que lhes viria a proporcionar ter êxito nos seus intentos.

Foi o 23.º tento apontado pelo jovem Tiago Vieira ao serviço do clube – mantendo a liderança dos melhores marcadores do campeonato na presente temporada, somando já dez golos –, igualando assim o registo de nomes históricos, como Totói ou Tito – por curiosidade, ambos protagonistas em homenagem a este último (grande figura do futebol português, tendo-se notabilizado especialmente com a camisola do V. Guimarães), promovida pelos veteranos do União no passado fim-de-semana, num encontro com as “velhas guardas” do Vitória.

Uma equipa do Mação que se mostra agora bem mais consolidada – pese embora já sem possibilidades de almejar a reconquista do título – goleou o Ferreira do Zêzere por 8-1, uma marca improvável, que terá resultado de um “dia não” dos ferreirenses, em conjugação com um bom aproveitamento das oportunidades de golo por parte dos maçaenses.

Também o Coruchense segue a bom ritmo, averbando o seu quinto triunfo consecutivo, tendo ido ganhar a Rio Maior – agora a atravessar fase negativa – por categórico “placard” de 4-1, continuando, desta forma, a pressionar os dois da frente da pauta classificativa, reiterando as suas pretensões, fazendo notar de forma bem clara que não abdicou ainda de poder chegar mais acima.

Quem continua a merecer igualmente nota de particular realce é o Fazendense, a realizar excelente campanha, isolando-se no 5.º posto, afinal, apenas quatro pontos abaixo do emblema do Sorraia. Desta vez, actuando no seu reduto, impôs um convincente 3-0 ao Torres Novas.

Surpresa – Não se pode considerar que tenha sido uma grande surpresa – atendendo inclusivamente ao desempenho que tem tido, esta época, extra-muros –, mas não seria o desfecho mais previsível, a vitória averbada pelo Amiense em Samora Correia (1-0), a conseguir assim rectificar as perdas pontuais sofridas em casa, igualando o Torres Novas na 8.ª posição, ambos com o dobro dos pontos (16 face a 8) em relação à “linha de água”.

Confirmações – Nos restantes desafios, U. Almeirim e Abrantes e Benfica confirmaram o favoritismo que lhes era creditado, enfrentando os dois clubes que repartem agora a condição de “lanterna vermelha”, tendo vencido ambos por 2-0, respectivamente no Pego (no que constitui já a 13.ª vitória consecutiva dos almeirinenses, já a ameaçar o registo de 16 triunfos sucessivos do Fátima, obtido nas 16 últimas jornadas da época de 2015-16) e na recepção ao Riachense.

Quanto ao Moçarriense, defrontando um adversário directo na luta pela manutenção, não desperdiçou a oportunidade de estancar a negativa série de seis desaires, ganhando à formação da Glória do Ribatejo, mercê de um solitário tento, o suficiente para dar um pequeno pulo na pauta classificativa, superando aqueles dois concorrentes e igualando o Rio Maior no 13.º lugar.

II Divisão Distrital – A Norte, numa “cimeira de líderes”, o Alcanenense fez valer a sua posição de comandante, e a condição de visitante, batendo o Tramagal por 3-1, voltando a destacar-se. Por seu lado, o Entroncamento, ganhando em Tomar, à equipa “B” do União, por 4-2, fez uma boa operação no sentido de poder vir a ser, no final, um dos três clubes apurados para a fase final.

A Sul, o Pontével, ganhando por 1-0 ao Porto Alto, aproveitou a “folga” do Marinhais para se isolar na liderança, sendo de notar também o triunfo do Benavente (3-0) no Espinheiro.

Campeonato de Portugal – Fátima e U. Santarém voltaram a ter uma semana positiva, conquistando pontos em terreno alheio: os fatimenses, tendo ido ganhar a Anadia por 2-0, repartem agora a 3.ª posição com o Sertanense, continuando a dois pontos do Beira-Mar (2.º); os escalabitanos registaram um nulo na Marinha Grande, ante o Marinhense, mantendo o 12.º posto.

Antevisão – Na próxima jornada do escalão principal do futebol distrital – última do ano de 2019 – o jogo grande será o que opõe o 3.º e 2.º classificados, com o Coruchense a receber o U. Tomar, num embate de desfecho imprevisível, em que nenhuma das equipas poderá perder, sob pena de ver afastar-se definitivamente o líder, U. Almeirim, o qual beneficia de total favoritismo na partida que disputará, recebendo a visita do Moçarriense. Outras partidas de interesse serão, nomeadamente, o Amiense-Mação e o Riachense-Fazendense.

Na II Divisão, salientam-se os seguintes encontros: U. Atalaiense-Alcanenense, Ortiga-U. Tomar “B”, Goleganense-Forense e, em especial, o Marinhais-Pontével, que coloca frente-a-frente os dois primeiros classificados da “Série B”.

No Campeonato de Portugal, está também agendado um aliciante confronto entre Fátima e o histórico Beira-Mar, com os fatimenses, em caso de vitória, a poder “catapultar-se” para os lugares de acesso ao “play-off” de apuramento de Campeão. Por seu lado, o U. Santarém, jogando também em casa, recebe o Oleiros, um adversário difícil, que ocupa muito meritório 5.º lugar.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 12 de Dezembro de 2019)

15 Dezembro, 2019 at 11:00 am Deixe um comentário

Tiago Rodrigues – “Prémio Pessoa” 2019

Tiago Rodrigues, de 42 anos, actor, dramaturgo, encenador e produtor (actualmente director artístico do Teatro Nacional D. Maria II), foi hoje distinguido com a 33.ª edição do “Prémio Pessoa“, no valor de 60 mil euros.

Nas edições anteriores do “Prémio Pessoa”, foram distinguidos:

2018 – Miguel Bastos Araújo (geógrafo)
2017 – Manuel Aires Mateus (arquitecto)
2016 – Frederico Lourenço (escritor)
2015 – Rui Chafes (escultor)
2014 – Henrique Leitão (investigador)
2013 – Maria Manuel Mota (investigadora)
2012 – Richard Zenith (investigador, escritor e tradutor)
2011 – Eduardo Lourenço (ensaísta e filósofo)
2010 – Maria do Carmo Fonseca (cientista)
2009 – D. Manuel Clemente (bispo)
2008 – Carrilho da Graça (arquitecto)
2007 – Irene Pimentel (historiadora e investigadora)
2006 – António Câmara (professor catedrático, empresário e investigador)
2005 – Luís Miguel Cintra (actor e encenador)
2004 – Mário Cláudio (escritor)
2003 – José Gomes Canotilho (constitucionalista)
2002 – Manuel Sobrinho Simões (investigador)
2001 – João Bénard da Costa (crítico e historiador de cinema)
2000 – Emmanuel Nunes (compositor)
1999 – Manuel Alegre (poeta) e José Manuel Rodrigues (fotógrafo)
1998 – Eduardo Souto de Moura (arquitecto)
1997 – José Cardoso Pires (escritor)
1996 – João Lobo Antunes (neurocirurgião)
1995 – Vasco Graça Moura (ensaísta)
1994 – Herberto Hélder (poeta)
1993 – Fernando Gil (filósofo)
1992 – Hannah e António Damásio (neurocientistas)
1991 – Cláudio Torres (arqueólogo)
1990 – Menez (pintora)
1989 – Maria João Pires (pianista)
1988 – António Ramos Rosa (poeta)
1987 – José Mattoso (historiador)

13 Dezembro, 2019 at 6:45 pm Deixe um comentário

Liga Europa – 6ª Jornada – Resultados e Classificações

Grupo D
LASK Linz – Sporting – 3-0
PSV Eindhoven – Rosenborg – 1-1

1º LASK Linz, 13; 2º Sporting, 12; 3º PSV Eindhoven, 8; 4º Rosenborg, 1

Grupo F
Standard Liège – Arsenal – 2-2
E. Frankfurt – V. Guimarães – 2-3

1º Arsenal, 11; 2º E. Frankfurt, 9; 3º Standard Liège, 8; 4º V. Guimarães, 5

Grupo G
Rangers – Young Boys – 1-1
FC Porto – Feyenoord – 3-2

1º FC Porto, 10; 2º Rangers, 9; 3º  Young Boys, 8; 4º Feyenoord, 5

Grupo K
Wolverhampton – Beşiktaş – 4-0
Slovan Bratislava – Sp. Braga – 2-4

1º Sp. Braga, 14; 2º Wolverhampton, 13; 3º Slovan Bratislava, 4; 4º Beşiktaş, 3

Garantiram o apuramento para os 1/16 de final os seguintes clubes: Sevilla, APOEL, Malmö, København, Basel, Getafe, LASK Linz, Sporting, Celtic, CFR Cluj, Arsenal, E. Frankfurt, FC Porto, Rangers, Espanyol, Ludogorets, Gent, Wolfsburg, Istanbul Başakşehir, Roma, Sp. Braga, Wolverhampton, Manchester United e AZ Alkmaar.

A estes juntam-se as oito equipas que transitam da Liga dos Campeões: Brugge, Olympiakos, Shakhtar Donetsk, Bayer Leverkusen, RB Salzburg, Inter, Benfica e Ajax.

Em termos gerais, temos os seguintes contingentes principais, por países: Portugal, único país com 4 representantes; Alemanha, Espanha e Inglaterra (3 clubes cada),  Áustria, Bélgica, Escócia, Holanda e Itália (2).
(mais…)

12 Dezembro, 2019 at 10:58 pm Deixe um comentário

Liga dos Campeões – 6ª Jornada – Resultados e Classificações

Grupo A
Paris St.-Germain – Galatasaray – 5-0
Brugge – Real Madrid – 1-3

1º Paris St.-Germain, 16; 2º Real Madrid, 11; 3º Brugge, 3; 4º Galatasaray, 2

Grupo B
Bayern – Tottenham – 3-1
Olympiakos – Crvena Zvezda – 1-0

1º Bayern, 18; 2º Tottenham, 10; 3º Olympiakos, 4; 4º Crvena Zvezda, 3

Grupo C
D. Zagreb – Manchester City – 1-4
Shakhtar Donetsk – Atalanta – 0-3

1º Manchester City, 14; 2º Atalanta, 7; 3º Shakhtar Donetsk, 6; 4º D. Zagreb, 5

Grupo D
Bayer Leverkusen – Juventus – 0-2
At. Madrid – Lokomotiv Moskva – 2-0

1º Juventus, 16; 2º At. Madrid, 10; 3º Bayer Leverkusen, 6; 4º Lokomotiv Moskva, 3

Grupo E
Napoli – Genk – 4-0
RB Salzburg – Liverpool – 0-2

1º Liverpool, 13; 2º Napoli, 12; 3º RB Salzburg, 7; 4º Genk, 1

Grupo F
B. Dortmund – Slavia Praha – 2-1
Inter – Barcelona – 1-2

1º Barcelona, 14; 2º B. Dortmund, 10; 3º Inter, 7; 4º Slavia Praha, 2

Grupo G
Lyon – RB Leipzig – 2-2
Benfica – Zenit – 3-0

1º RB Leipzig, 11; 2º Lyon, 8; 3º Benfica, 7; 4º Zenit, 7

Grupo H
Chelsea – Lille – 2-1
Ajax – Valencia – 0-1

1º Valencia, 11; 2º Chelsea, 11; 3º Ajax, 10; 4º Lille, 1

Garantiram o apuramento para os 1/8 de final da Liga dos Campeões os seguintes clubes: Paris St.-Germain, Real Madrid, Bayern, Tottenham, Manchester City, Atalanta, Juventus, At. Madrid, Liverpool, Napoli, Barcelona, B. Dortmund, RB Leipzig, Lyon, Valencia e Chelsea.

Limitam-se, pois, somente a cinco os países que subsistem com representação na prova: Espanha e Inglaterra, cada qual com quatro clubes; Alemanha e Itália, com três; e França, com dois representantes.

Por seu lado, transitam para a Liga Europa: Brugge, Olympiakos, Shakhtar Donetsk, Bayer Leverkusen, RB Salzburg, Inter, Benfica e Ajax.

11 Dezembro, 2019 at 10:53 pm Deixe um comentário

Grandes clássicos das competições europeias – (13) Barcelona – Inter

Barcelona Internazionale

 Época Prova Ronda       1.ª Mão                2.ª mão
1958-60 TCF   1/4  Barcelona-Inter  4-0   Inter-Barcelona  2-4
1969-70 TCF   1/8  Barcelona-Inter  1-2   Inter-Barcelona  1-1
2002-03 LCE  Grupo Barcelona-Inter  3-0   Inter-Barcelona  0-0
2009-10 LCE  Grupo Inter-Barcelona  0-0   Barcelona-Inter  2-0
2009-10 LCE   1/2  Inter-Barcelona  3-1   Barcelona-Inter  1-0
2018-19 LCE  Grupo Barcelona-Inter  2-0   Inter-Barcelona  1-1
2019-20 LCE  Grupo Barcelona-Inter  2-1   Inter-Barcelona  1-2

      Balanço global                J    V    E    D   GM   GS
Barcelona - Internazionale         14    8    4    2   24 – 11

É uma história longa, já de 60 anos – tendo-se disputado, em Maio e em Setembro de 1959, os primeiros jogos entre ambos -, a da rivalidade entre entre estes dois colossos do futebol europeu, com o Barcelona, com dois triunfos (goleando na Catalunha, e somando um agregado de 8-2 na eliminatória), a avançar então para as meias-finais da segunda edição (1958-60) da Taça das Cidades com Feiras, troféu que viria a revalidar, após a vitória na estreia desta competição (1955-58).

Para além do claro domínio do Barcelona (oito vitórias a duas e um “score” global de 24-11), ressalta ainda o relativamente escasso número de golos marcados pelo Inter – tendo ficado “em branco” em metade dos 14 jogos realizados.

Anota-se também a particularidade de os dois clubes se terem enfrentado por quatro vezes na época de 2009-10, com o Inter – então sob o comando técnico de José Mourinho – a “rectificar” o balanço da fase de grupos, vencendo a eliminatória correspondente às meias-finais, antes de bater, na Final, no “Santiago Bernabéu”, em Madrid, o Bayern, para se sagrar Campeão Europeu pela 3.ª vez no seu historial.

Nessa eliminatória de boa memória para os nerazzurri, depois de vencer, em Milão, por 3-1 (numa partida arbitrada por Olegário Benquerença), tendo inclusivamente operado reviravolta no marcador, o Inter conseguiu, na 2.ª mão – reduzido a dez elementos durante mais de uma hora, por expulsão de Thiago Motta – aguentar o nulo em “Camp Nou” praticamente até aos cinco minutos finais, vindo a consentir um único golo, insuficiente para que o Barcelona (liderado por Pep Guardiola) evitasse ser afastado da prova.

Nas outras ocasiões em que se haviam encontrado na fase de grupos da Liga dos Campeões – em 2002-03 e, precisamente, na época passada -, o Inter alcançou as meias-finais no primeiro caso (eliminado pelo AC Milan, que viria a conquistar o troféu), quedando-se o Barcelona pelos 1/4 de final (superado pelo outro finalista, Juventus); na última temporada, o Inter não foi além dessa fase de grupos (3.º classificado, atrás do Barcelona e do Tottenham), enquanto os catalães veriam o seu percurso interrompido nas meias-finais (com a incrível goleada de 4-0 sofrida ante o actual Campeão Europeu, Liverpool, depois da vitória por 3-0, averbada na 1.ª mão).

Por capricho do sorteio, Barcelona e Inter reencontraram-se já na fase de grupos da presente época – a última vez, ontem mesmo -, repetindo os duelos do ano passado. O Inter praticamente entrou a ganhar em Camp Nou, onde, ao 5.º jogo aí disputado no âmbito da Liga dos Campeões, marcou pela primeira vez, mas não conseguiria evitar a reviravolta no marcador por parte do Barcelona. A repetição da vitória do Barcelona, em Milão, traduziu-se no afastamento do clube italiano da Liga dos Campeões, superado pelos catalães e pelo Borussia Dortmund.

11 Dezembro, 2019 at 7:00 pm Deixe um comentário

Liga dos Campeões – 6ª jornada – Benfica – Zenit

BenficaBenfica – Odysseas Vlachodimos, Tomás Tavares, Rúben Dias, Francisco Ferreira “Ferro”, Alejandro “Álex” Grimaldo, Luís Fernandes “Pizzi”, Adel Taarabt, Gabriel Pires (81m – Andreas Samaris), Franco Cervi (81m – Haris Seferović), Francisco “Chiquinho” Machado e Carlos Vinicius (89m – Caio Lucas)

Zenit S. PetersburgoZenit S. Petersburgo – Mikhail Kerzhakov, Yordan Osorio, Branislav Ivanović, Douglas Santos, Vyacheslav Karavaev, Aleksandr Erokhin (66m – Aleksei Sutormin), Wílmar Barrios, Magomed Ozdoev (60m – Igor Smolnikov), Oleg Shatov (89m – Róbert Mak), Sardar Azmoun e Artem Dzyuba

1-0 – Franco Cervi – 47m
2-0 – Luís Fernandes “Pizzi” (pen.) – 60m
3-0 – Sardar Azmoun (p.b.) – 79m

Cartões amarelos – Gabriel Pires (19m); Douglas Santos (17m), Magomed Ozdoev (43m) e Aleksandr Erokhin (55m)

Cartão vermelho – Douglas Santos (56m)

Árbitro – Antonio Mateu Lahoz (Espanha)

Não se afigurava linear o apuramento do Benfica para a Liga Europa, uma vez que pressupunha uma vitória por 2-0, ou, alternativamente, por três (ou mais) golos de diferença, de modo a não ficar dependente de uma derrota caseira do Lyon (caso em que bastaria o triunfo benfiquista, por qualquer margem).

E, não obstante, até começaram cedo a chegar boas notícias de Lyon, com o RB Leipzig a inaugurar o marcador logo aos 9 minutos, vantagem que viria a consolidar pouco depois da meia hora… O caminho da formação portuguesa parecia, por essa via, “atapetado”: um golo prometia, então, poder chegar para garantir o objectivo.

Dentro de campo, algo alheia ao que se ia passando em Lyon, a equipa do Benfica – personalizada e confiante como ainda não se tinha visto na presente edição da prova –  assumiu, logo desde início, a iniciativa do jogo, que viria a dominar, de princípio a fim.

O primeiro sinal de inconformismo seria dado, apenas com três minutos jogados, por Taarabt, rematando ainda fora da área. Mas, com a equipa do Zenit aglomerada no seu meio-campo, na expectativa do erro do adversário, o golo tardava em chegar, apesar dos esforços benfiquistas, na tentativa de desbloquear o marcador.

Sem se deixar abater animicamente, o Benfica regressou para a segunda parte a grande ritmo, tendo então a felicidade de chegar ao golo logo aos dois minutos, com um oportuno Cervi, sem dificuldade, a empurrar a bola para a baliza, a solicitação de Pizzi.

Mantendo-se o resultado de Lyon, o Zenit continuava em posição de apuramento para a fase seguinte da “Liga dos Campeões”, com o clube francês a cair para o último posto do grupo, por troca com o Benfica.

Pelo que se torna algo difícil compreender o desnorte então evidenciado pela equipa russa, primeiro, com Erokhin, depois de ludibriado por Taarabt, a recorrer a uma “placagem”, para, no minuto imediato, ser Douglas Santos a interceptar a bola com o braço, na sua grande área, o que lhe valeu segundo amarelo e consequente expulsão, a par da grande penalidade, de que resultou o segundo golo benfiquista, numa boa conversão de Pizzi, a enganar Kerzhakov.

Tudo corria “sobre rodas”, pese embora o Lyon tivesse já, entretanto, reduzido a desvantagem ante o RB Leipzig para 1-2.

O Benfica aproveitava a desorientação do Zenit para ir em busca de um terceiro golo,  tendo mesmo desperdiçado um par de flagrantes oportunidades, mas, num lance de contra-ataque, viria ainda a sofrer um calafrio, quando Azmoun, com um remate muito perigoso, proporcionou a Vlachodimos a defesa da noite, com uma excelente estirada.

No lance imediato, Carlos Vinicius, isolado frente ao guardião contrário, não foi eficaz, permitindo a defesa para canto, de cuja conversão, surgiria, num corte desastrado, também de Azmoun, o terceiro golo benfiquista.

Faltavam pouco mais de dez minutos e a missão do Benfica parecia cumprida na perfeição. Mas tal sentimento de tranquilidade não duraria cinco minutos, altura em que o Lyon empatava o seu jogo com o RB Leipzig (entrando assim em posição de apuramento, trocando com o Zenit, então relegado para o 4.º lugar do grupo); um golo sofrido poderia significar a eliminação do Benfica…

No entretanto – entre o terceiro golo benfiquista e o segundo do Lyon -, Bruno Lage optara já por reforçar o meio-campo, com a entrada de Samaris, trocando, em paralelo, Cervi por Seferović, procurando, desta forma, explorar a (que passava a ser necessária) assumpção de risco por parte dos russos.

Porém, reduzida a dez elementos, algo atordoada pelo que se estava a passar (quer na Luz, quer em Lyon), a turma do Zenit não conseguiria, nesses dez minutos finais, provocar qualquer efectivo perigo para a baliza portuguesa.

Mesmo acabando por ter de sofrer nesses minutos derradeiros – perante a ameaça que subsistia de poder eventualmente sofrer um golo nalgum lance de bola parada, ou ressalto fortuito -, o Benfica fecharia a sua presença nesta edição da “Liga dos Campeões” com a sua melhor exibição e um categórico triunfo por 3-0 sobre o líder destacado do campeonato russo (dez pontos de vantagem sobre o 2.º classificado, Krasnodar, a onze jornadas do fim), garantindo assim, por mérito próprio, não dependente de terceiros, a qualificação para a Liga Europa.

Num balanço final, num grupo equilibrado como se antevia que este seria, o que se veio a confirmar, é inevitável a sensação de que o apuramento para os 1/8 de final da “Champions” estava perfeitamente ao alcance, tendo acabado por ficar à “mão de semear”, não fossem, em última instância, os dois golos consentidos na fase final do jogo de Leipzig…

10 Dezembro, 2019 at 10:52 pm Deixe um comentário

Grandes clássicos das competições europeias – (14) Barcelona – Juventus

Barcelona Juventus

 Época Prova Ronda       1.ª Mão               2.ª mão
1970-71 TCF   1/16 Barcelona-Juvent. 1-2 Juvent.-Barcelona 2-1
1985-86 TCE   1/4  Barcelona-Juvent. 1-0 Juvent.-Barcelona 1-1
1990-91 TVT   1/2  Barcelona-Juvent. 3-1 Juvent.-Barcelona 1-0
2002-03 LCE   1/4  Juvent.-Barcelona 1-1 Barcelona-Juvent. 1-2
2014-15 LCE  Final Barcelona-Juvent. 3-1 (Est. Olímp. Berlim)
2016-17 LCE   1/4  Juvent.-Barcelona 3-0 Barcelona-Juvent. 0-0
2017-18 LCE  Grupo Barcelona-Juvent. 3-0 Juvent.-Barcelona 0-0

      Balanço global                J    V    E    D   GM   GS
Barcelona - Juventus               13    4    4    5   15 – 14

Num confronto de extremo equilíbrio, regista-se uma ligeira superioridade da Juventus em termos de vitórias, pese embora o “score” global lhe seja desfavorável.

Os dois clubes defrontaram-se na Final da Liga dos Campeões de 2014-15, com triunfo do Barcelona, que conquistou então o seu 5.º título de Campeão Europeu (último, até à data), culminando a época de estreia de Luís Enrique no banco, coincidindo igualmente com o último jogo do “maestro”, Xavi, pela equipa catalã.

Nos embates a eliminar, a Juventus seguiu em frente por três vezes (tendo inclusivamente ganho os jogos das duas mãos na Taça das Cidades com Feiras, em 1970-71), face a apenas duas eliminatórias ganhas pelo Barcelona (em 1985-86 e em 1990-91).

Naquela que foi a derradeira edição da Taça das Cidades com Feiras (1970-71), a formação italiana superaria ainda os húngaros do Pécsi, o Twente e o Köln, vindo contudo a perder a Final, ante o Leeds United (com duas igualdades, a dois golos em Turim, e 1-1 em Leeds).

Em 1986, o Barcelona eliminaria, nas meias-finais da Taça dos Campeões Europeus, o Göteborg (no desempate da marca de grande penalidade, após duas vitórias caseiras por 3-0), acabando por ter uma das maiores desilusões da sua história (tendo adiado, ainda por mais alguns anos, a conquista do seu primeiro título de Campeão europeu) ao perder a Final, disputada em Sevilha, ante o Steaua… no desempate da marca de grande penalidade (não tendo conseguido bater o guardião Helmuth Ducadam uma única vez!).

Melhor não seria a sorte dos catalães em 1991, tendo perdido também a Final da Taça das Taças, ante o Manchester United.

Em 2002-03, nos 1/4 de final da Liga dos Campeões, o empate averbado em Turim (golo de Saviola) parecia conferir vantagem aos catalães; porém, na 2.ª mão, depois de ter começado por inaugurar o marcador, e apesar de se ter visto reduzida a dez unidades (por expulsão de Edgar Davids), a “Vecchia Signora” forçaria ainda o prolongamento, período no qual viria mesmo a superiorizar-se, com Buffon em grande evidência. O grupo então comandado por Marcello Lippi viria contudo a perder igualmente a Final, ante o AC Milan… no desempate da marca de grande penalidade.

Em 2016-17, o triunfo dos transalpinos seria ainda mais concludente, ganhando por 3-0 em Turim, o que, praticamente, definiu o desfecho da eliminatória. Porém, como que numa espécie de “maldição” associada aos embates entre Barcelona e Juventus – e depois de terem ultrapassado o Monaco nas 1/2 finais -, os italianos voltariam a ser batidos na Final, derrotados pelo Real Madrid por categórica marca de 4-1, no que corresponde já à sétima final da Taça / Liga dos Campeões perdida pela Juventus, um “record” destacado (face a cinco finais perdidas por Bayern e Benfica).

Registe-se ainda a curiosidade de o Barcelona nunca ter conseguido ganhar na 2.ª mão  / 2.ª volta (sendo que jogou quatro vezes em terreno alheio e apenas duas em casa).

Por uma única vez estes dois emblemas integraram o mesmo grupo da Liga dos Campeões, há duas temporadas. Nessa ocasião, a turma da Catalunha “retribuiria” o 3-0 com que fora brindada na época imediatamente precedente, em partida disputada apenas cinco meses antes.

Os dois clubes prosseguiriam para a fase a eliminar (à frente do Sporting, 3.º classificado do grupo): a Juventus eliminaria ainda o Tottenham, antes de ser afastada nos 1/4 de final pelo Real Madrid, futuro vencedor da prova; quanto ao Barcelona, depois de ultrapassar o Chelsea, permitiria à Roma uma inesperada reviravolta (perdendo 0-3 em Itália, desperdiçando a vantagem de 4-1 obtida em Camp Nou), caindo, pois, naquela mesma eliminatória.

10 Dezembro, 2019 at 7:00 pm Deixe um comentário

Artigos Mais Antigos


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Dezembro 2019
S T Q Q S S D
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

  • RT @vnmartins82: As declarações de LFV no período de campanha eleitoral, desde Tiago Dantas até Lage/JJ, deixam a nú a falta de transparênc… 5 minutes ago
  • RT @NunoElfuser: A simplicidade de dois campeões! «Em tom de brincadeira, dizíamos um para o outro: 'Amanhã à mesma hora'» | MAISFUTEBOL… 30 minutes ago
  • RT @1904Militancia: Se alguém ainda tinha dúvidas em quem votar, espero que este tratamento ao Bernardo Silva as tenha esclarecido. 32 minutes ago

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.