Archive for Fevereiro, 2019

O Pulsar do Campeonato – 17ª Jornada

O pulsar do campeonato - 2018-19 - 17jornada

(“O Templário”, 14.02.2019)

Trinta, foram os golos apontados na 17.ª jornada do Campeonato Distrital da I Divisão, o que passa a constituir novo “record” da presente edição da prova (por larga margem, dado que o anterior máximo era de apenas 23 tentos, na primeira ronda da segunda volta), correspondendo a uma média de quase 4,3 golos por jogo, fruto de três goleadas e de um inesperado equilíbrio no marcador em Alcanena, num desafio com sete golos.

Destaques – O primeiro destaque vai para a categórica goleada (6-0) imposta pelo U. Santarém ao Ferreira do Zêzere, dando sequência ao robusto triunfo da semana anterior em Almeirim, com os ferreirenses, por seu lado, a repetirem o “placard” já sofrido em Coruche. Nesta fase crucial da competição, quando entramos no seu último terço, o conjunto escalabitano parece ser actualmente o mais assertivo de todos os candidatos.

Depois de um imprevisto nulo caseiro ante o “lanterna vermelha”, o Cartaxo voltou a mostrar a sua ambição, goleando por 5-0 em Samora Correia, com realce para os quatro tentos de Wemerson Silva, já na liderança dos melhores marcadores (total de dez golos), partilhada com Moleiro (Amiense). Segue, não obstante, a considerável distância (sete pontos) do comandante.

Também o Amiense, com outra goleada, por 5-2, na recepção ao Marinhais (que vinha de um ciclo de cinco jogos sem perder), conseguiu voltar aos triunfos, colocando termo a uma série de… cinco jogos sem ganhar (incluindo a partida dos 1/4 de final da Taça), tendo reforçado o seu 3.º lugar, mantendo bem vivas as aspirações a interferir na decisão do título.

Em Alcanena, num encontro em que se tocaram os extremos da tabela, o último classificado, Alcanenense, ofereceu boa réplica ao guia, Coruchense, com o desfecho a saldar-se num triunfo da turma do Sorraia por 4-3, depois de ter chegado a beneficiar de vantagem de dois golos. Pese embora em período porventura menos afirmativo, a verdade é que a formação de Coruche é, a par do Torres Novas, a que mais pontos somou (dez) nas quatro jornadas já disputadas na segunda volta, apenas tendo deixado escapar a vitória em Santarém, ante o seu perseguidor.

Surpresas – Quem continua a desperdiçar pontos onde não se esperaria é o U. Almeirim, que concedeu uma igualdade (1-1) na deslocação à Glória do Ribatejo, um resultado bastante comprometedor para as suas aspirações, voltando a atrasar-se na luta pelos lugares de topo, estando agora a seis pontos do líder e a cinco do U. Santarém. Tratou-se da terceira jornada sucessiva em que os almeirinenses não conseguiram ganhar.

Não terá sido totalmente surpreendente o marcador final do prélio realizado nas Fazendas de Almeirim, mas assinala-se que o favorito, Fazendense, não conseguiu melhor que o empate (1-1) na recepção ao Torres Novas. Para o conjunto da casa foi o sexto empate nas últimas sete jornadas, enquanto os torrejanos, mesmo tendo interrompido um ciclo de três vitórias, dão sequência a esta fase de resultados positivos; aos cinco pontos angariados em toda a primeira volta, somam já mais dez pontos, nos últimos quatro desafios, o que lhes confere agora uma margem de cinco pontos em relação à “linha de água”.

Confirmação – Potenciando o factor casa, o At. Ouriense confirmou a sua melhor posição relativa na pauta classificativa, ganhando ao U. Tomar, mercê de um solitário golo, ascendendo assim ao 6.º lugar, somente a três pontos do Cartaxo. Ao invés, os unionistas, tendo registado terceiro desaire consecutivo, “marcam passo”, vendo afastar-se as equipas classificadas na primeira metade da tabela (o Fazendense está já a seis pontos), apenas com o 8.º classificado (Samora Correia) a manter-se em “ponto de mira” no imediato, um ponto acima.

II Divisão Distrital – O Caxarias fez história em Abrantes, ao impor uma igualdade (1-1) ao Abrantes e Benfica, que viu assim interrompida a sua magnífica senda triunfal, após 19 vitórias em outras tantas partidas disputadas! Com o triunfo (2-0) sobre o U. Tomar “B”, o Riachense deu passo determinante para o apuramento para a fase final, que confirmará na próxima ronda, caso vença, no seu reduto, a formação da Ortiga (que goleou o Sardoal por 6-1), agora o seu rival mais próximo, a seis pontos. Menção ainda à vitória do Tramagal sobre o Pego (4-2).

A Sul, com o triunfo (4-2) do Forense sobre o Pontével, tudo ficou já definido no que respeita aos três grupos qualificados para a fase de apuramento de Campeão: Rio Maior (vencedor na Ribeira de Santarém, ante os “Caixeiros”, por 1-0), Moçarriense (2-0 em Salvaterra de Magos, frente ao Salvaterrense), para além do próprio Forense, em estreia nestas lides.

Campeonato de Portugal – Sem surpresa, pela segunda semana, os clubes do Distrito somam por derrotas os encontros disputados, ambos derrotados em terreno alheio por tangencial 0-1: o Fátima, pelo agora vice-líder, Anadia; o Mação, em Vila Franca de Xira, por uma das equipas que integra o trio dos 3.º classificados, Vilafranquense.

Os fatimenses mantiveram a 9.ª posição, agora a par do Oleiros, com oito pontos de vantagem em relação à “linha de água”; por seu lado, os maçaenses, que subsistem na condição de “lanterna vermelha”, distam agora treze pontos desse limiar.

Antevisão – O “jogo grande” da próxima jornada, no escalão principal, é o “derby” municipal, entre U. Santarém e Amiense, que, em caso de triunfo dos donos da casa, poderá começar a clarificar as águas a nível da disputa do título; ao contrário, se for o emblema de Amiais de Baixo a conseguir ter êxito, tal contenda poderá ficar ainda mais animada.

Os outros candidatos, embora com missões de grau de dificuldade diferenciado, são favoritos, atendendo ainda a que actuam, todos eles, no respectivo reduto: o Coruchense recebe o Samora Correia, com os samorenses vindo de um pesado desaire caseiro; o U. Almeirim terá a visita do “lanterna vermelha”, Alcanenense (que impôs um nulo no Cartaxo, tendo perdido tangencialmente face ao guia); o Cartaxo defronta o Fazendense, que não perde há onze jogos…

Para o U. Tomar, recebendo o Marinhais, será importante voltar às vitórias, em ordem a que o grupo possa serenar definitivamente, ganhando maior ânimo para a fase final da temporada.

Na II Divisão, para além do decisivo Riachense-Ortiga, também o Rio Maior poderá praticamente confirmar o 1.º lugar na Série B, caso vença o Benavente.

No Campeonato de Portugal, pese embora joguem em casa, Fátima e Mação não deverão ter tarefa fácil, recebendo, respectivamente, o Torreense (6.º classificado) e o Nogueirense (8.º).

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 14 de Fevereiro de 2019)

Anúncios

17 Fevereiro, 2019 at 12:00 pm Deixe um comentário

Liga Europa – 1/16 de final (1.ª mão)

Viktoria Plzeň – D. Zagreb – 2-1
Brugge – Salzburg – 2-1
Rapid Wien –  Inter – 0-1
Slavia Praha – Genk – 0-0
Krasnodar – Bayer Leverkusen – 0-0
Zürich – Napoli – 1-3
Malmö – Chelsea – 1-2
Shakhtar Donetsk – E. Frankfurt – 2-2
Celtic – Valencia – 0-2
Rennes – Betis – 3-3
Olympiakos – D. Kyiv – 2-2
Lazio – Sevilla – 0-1
Fenerbahçe – Zenit – 1-0 (12.02.2019)
Sporting – Villarreal – 0-1
BATE Borisov – Arsenal – 1-0
Galatasaray – Benfica – 1-2

14 Fevereiro, 2019 at 10:58 pm Deixe um comentário

Liga Europa – 1/16 de final – Galatasaray – Benfica

GalatasarayGalatasaray – Fernando Muslera, Martin Linnes (73m – Mariano Ferreira), Christian Luyindama, Marcão, Yuto Nagatomo, Younès Belhanda, Fernando, Papa “Badou” Ndiaye (73m – Sinan Gümüş), Sofiane Feghouli, Mbaye Diagne e Henry Onyekuru

BenficaBenfica – Odysseas Vlachodimos, Sébastien Corchia, Rúben Dias, Francisco Ferreira “Ferro”, Yuri Ribeiro, Florentino Luís, Gedson Fernandes (87m – Andreas Samaris), Franco Cervi (81m – Filip Krovinović), Eduardo Salvio (48m – Gabriel Pires), João Félix e Haris Seferović

0-1 – Eduardo Salvio (pen.) – 27m
1-1 – Christian Luyindama – 54m
1-2 – Haris Seferović – 64m

Cartões amarelos – Fernando (40m), Badou Ndiaye (50m) e Yuto Nagatomo (70m); Gedson Fernandes (41m), Gabriel Pires (53m) e João Félix (90m)

Árbitro – Jesús Gil Manzano (Espanha)

14 Fevereiro, 2019 at 8:50 pm Deixe um comentário

Liga dos Campeões – 1/8 de final (1.ª mão)

20.02.2019 – Schalke 04 – Manchester City –
20.02.2019 – At. Madrid – Juventus –
12.02.2019 – Manchester United – Paris St.-Germain – 0-2
13.02.2019 – Tottenham – B. Dortmund – 3-0
19.02.2019 – Lyon – Barcelona –
12.02.2019 – Roma – FC Porto – 2-1
13.02.2019 – Ajax – Real Madrid – 1-2
19.02.2019 – Liverpool – Bayern –

13 Fevereiro, 2019 at 10:55 pm Deixe um comentário

Benfica, 10 – Nacional, 0

11 Fevereiro, 2019 at 12:55 am Deixe um comentário

O Pulsar do Campeonato – 16ª Jornada

O pulsar do campeonato - 2018-19 - 16jornada

(“O Templário”, 07.02.2019)

Em mais uma jornada com um embate entre dois dos principais pretendentes ao título da I Divisão Distrital, o U. Santarém, goleando em Almeirim, volta a afirmar-se como um dos mais fortes candidatos, ao mesmo tempo que o Cartaxo tornou a atrasar-se, devido ao comprometedor empate caseiro averbado (somando já o sexto jogo que não consegue vencer no seu reduto).

Destaques – Vindo de dois empates nas duas primeiras rondas da segunda volta (no Cartaxo e, em casa, frente ao Coruchense), o U. Santarém foi o grande vencedor da semana, indo golear um rival directo, U. Almeirim, no terreno deste, por 4-1, num desafio em que até começou por se ver em desvantagem no marcador, mas no qual viria a beneficiar de, desde relativamente cedo, os almeirinenses terem ficado em inferioridade numérica (aliás, terminariam o embate reduzidos a apenas nove elementos em campo, numa altura em que o resultado estava já feito).

Uma prova de força dos escalabitanos, que prosseguem a marcação cerrada ao líder, somente a um ponto. Ao invés, o U. Almeirim, que virara da primeira para a segunda volta com duas goleadas ante os então guias, Amiense e Coruchense, deu agora um passo atrás, passando a distar quatro pontos da turma do Sorraia, e três pontos em relação ao adversário que defrontou.

Em Ferreira do Zêzere, depois do U. Almeirim, também o Amiense foi travado, pelo mesmo resultado (igualdade a um golo), com os ferreirenses a dar boa resposta à eliminação da Taça do Ribatejo, aos pés do comandante do escalão secundário. A formação de Amiais de Baixo não consegue vencer há cinco partidas (incluindo a da Taça) – após um magnífico ciclo de sete triunfos consecutivos –, tendo vindo gradualmente a ceder terreno face aos primeiros, resistindo, não obstante, no 3.º posto, agora partilhado com o U. Almeirim.

Destaca-se ainda a recuperação empreendida pelo Torres Novas, que somou terceiro triunfo sucessivo em outros tantos encontros na segunda volta – depois de toda a primeira metade da prova sem conseguir ganhar –, batendo o Samora Correia por 2-1, apresentando o melhor registo de todos os clubes neste período, estando agora somente a dois pontos do Ferreira do Zêzere, e, mais importante, já com uma margem de quatro pontos em relação à “linha de água”.

Por fim, realce também para a primeira vitória do Marinhais no campeonato, sobre o At. Ouriense, mercê de um solitário golo marcado, o suficiente para deixar a “lanterna vermelha” e igualar o rival Glória do Ribatejo na 12.ª posição, dando sequência a um bom ciclo de quatro desafios sem perder, a que se soma o apuramento para as meias-finais da Taça do Ribatejo.

Surpresas – A grande surpresa do fim-de-semana foi o nulo cedido pelo Cartaxo ante o agora último classificado, Alcanenense – que segue com quinze desafios sem triunfar no campeonato, desde a vitória obtida na jornada inaugural, estando em situação cada vez mais delicada, à medida que a competição vai avançando –, enquanto os cartaxeiros voltam a ver ampliar-se o fosso para os primeiros, agora de sete pontos em relação ao líder e de seis pontos face ao 2.º.

Uma meia-surpresa sucedeu também em Tomar, onde o União não foi capaz de contrariar uma muito personalizada equipa do Fazendense, invicta há nove jogos, a qual, depois de seis empates sucessivos, logrou mesmo chegar à vitória, e logo na cidade Templária, “retribuindo” o desfecho da primeira volta (então favorável aos unionistas), colocando assim termo a uma longa série de treze confrontos sem triunfar ante os nabantinos, que perdurava já desde 2013!

Cedo se tendo adiantado no marcador, surpreendendo o adversário em lances de bola parada, o onze das Fazendas de Almeirim chegaria ao 2-0 ainda na primeira metade da partida. Pese embora tenha porfiado bastante, em especial na etapa complementar, o U. Tomar não conseguiria melhor que reduzir para a desvantagem mínima, tendo desperdiçado soberana ocasião para restabelecer a igualdade, praticamente no “último segundo”.

Confirmação – O líder, Coruchense, teve uma tarde tranquila, recebendo e batendo o grupo da Glória do Ribatejo por convincente 3-0, no que foi o quarto desaire sucessivo dos forasteiros.

II Divisão Distrital – O Abrantes e Benfica continua a ganhar (3-1 na Atalaia), enquanto o Riachense obteve um importante empate em Caxarias (1-1), o que lhe permitiu ampliar para cinco pontos a sua vantagem sobre o 4.º classificado, tendo beneficiado também da vitória do U. Tomar “B” (3-2) sobre a formação da Ortiga, com os tomarenses a regressar a essa posição.

A Sul, o Forense surpreendeu o Rio Maior, ganhando no terreno do líder (2-1), não tendo o Moçarriense ido além do empate (2-2) na recepção ao Benavente. A quatro rondas do termo desta primeira fase, parece faltar apenas a confirmação matemática dos clubes que se juntarão na fase final aos já apurados Abrantes e Benfica, Pego e Rio Maior, com as vagas remanescentes a ser, muito provavelmente, preenchidas por Riachense, Forense e Moçarriense.

Campeonato de Portugal – Esta foi uma semana negativa para os representantes do Distrito, ambos desfeiteados em casa, com o Fátima a ser batido pelo Alverca (que, não obstante, subsiste em zona de despromoção), por inesperada marca de 0-3, interrompendo assim uma série de três jogos sem derrota, tendo o Mação perdido (1-3) ante o 3.º classificado, Anadia.

Não há, pois, novidades que pudessem ser de alguma forma animadoras para os maçaenses, reduzindo-se, em paralelo, de doze para nove pontos, a “margem de segurança” dos fatimenses.

Antevisão – Na I Divisão, a perspectiva é de que a 17.ª jornada possa ser favorável para o quarteto da frente, pese embora as deslocações do Coruchense (a Alcanena) e do U. Almeirim (à Glória do Ribatejo), recebendo o U. Santarém e o Amiense, respectivamente, o Ferreira do Zêzere e Marinhais. Mais difícil se antevê a missão do Cartaxo (5.º), em Samora Correia.

No escalão secundário do Distrital, a Norte, o confronto de maior interesse será o que opõe Riachense (3.º) à equipa “B” do U. Tomar (4.º), sendo que o conjunto dos Riachos, se vencer, poderá praticamente garantir a qualificação para a fase final. A Sul, o Forense-Pontével deverá também ditar, desde já, os três apurados, isto no caso de os visitantes não ganharem.

No Campeonato de Portugal, cabe agora ao Fátima visitar Anadia, numa saída de elevado grau de dificuldade, enquanto que o Mação viaja até Vila Franca de Xira, onde não encontrará maiores facilidades, defrontando outro pretendente aos lugares cimeiros.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 7 de Fevereiro de 2019)

10 Fevereiro, 2019 at 12:00 pm Deixe um comentário

O Pulsar do Campeonato – Taça do Ribatejo – 1/4 de final

opulsardocampeonato-2018-19-tribatejo-1-4-final

(“O Templário”, 31.01.2019)

O União de Tomar despediu-se do sonho da reconquista da Taça do Ribatejo, perdendo na sempre algo ingrata fórmula de desempate por via de pontapés da marca de grande penalidade, após ter imposto um empate no terreno do líder do campeonato. Por curiosidade, avançam para as meias-finais todas as quatro equipas que disputaram esta eliminatória em casa.

Destaques – O primeiro destaque da ronda relativa aos 1/4 de final da Taça do Ribatejo vai para a vitória do Abrantes e Benfica, grupo que milita no escalão secundário, frente ao Ferreira do Zêzere, por 3-1, ampliando para 18 triunfos consecutivos, em outros tantos encontros disputados, a sua fantástica série de êxitos nesta temporada, afastando assim da prova o segundo clube primodivisionário (após ter vencido e eliminado já, na fase de grupos, o Torres Novas).

Em Coruche, no desafio que colocava frente a frente o guia do campeonato, Coruchense, ao actual detentor do troféu da Taça do Ribatejo, U. Tomar, assistiu-se a um jogo que começou por ser equilibrado, com os donos da casa a tentar assumir a iniciativa, procurando aproveitar o vento favorável, embora sem situações concretas de golo para qualquer dos lados.

Porém, com pouco mais de meia hora, o cariz da partida alterar-se-ia de forma substancial, em função de uma jogada em que um jogador da casa atingiu impetuosamente Flávio Graça nas costas, recebendo imediata ordem de expulsão, enquanto o tomarense, forçado a abandonar o rectângulo de jogo, ficaria no chão a contorcer-se com fortes dores durante vinte minutos, até ser transportado para o hospital, não se vindo a confirmar, felizmente, os receios de fractura.

A partir daí, o Coruchense cedeu a iniciativa ao adversário, passando a jogar na expectativa do erro. Se, até final do primeiro tempo, com a preocupação pelo estado físico de Flávio a sobrepor-se, o jogo foi algo incaracterístico – sem prejuízo de os nabantinos terem reclamado ainda uma grande penalidade, não concedida pelo árbitro –, na segunda parte, o domínio seria praticamente total do U. Tomar, acabando os visitados por ser felizes, chegando ao golo inaugural, a meio desse período, após terem beneficiado de lance de bola parada.

Até final, os unionistas, empurrando o adversário para a sua zona defensiva, procurariam, com grande insistência, restabelecer o empate, o que, contudo, só viriam a alcançar já no terceiro minuto dos quatro de tempo de compensação, colocando alguma justiça no marcador, com a curiosidade de, em jogos sucessivos, a turma do Sorraia ter sofrido o tento da igualdade já para além dos 90 minutos, tal como ocorrera na semana anterior, em Santarém.

O União teria ainda oportunidade para consumar a reviravolta no marcador, antes de se chegar aos pontapés da marca de grande penalidade, situação em que, perdulário, não conseguiu concretizar nenhuma das suas três tentativas, com a bola sempre a subir demasiado, duas vezes por cima do travessão, e, na última, a embater com estrondo na barra da baliza. Após terem sido apurados, na eliminatória anterior, por esta via, os tomarenses acabariam por ser penalizados, num encontro em que, muito dignamente, enfrentando o comandante do campeonato, e em terreno alheio, com exibição globalmente superior ao seu oponente, caíram de pé.

Confirmações – Na capital do Distrito, o U. Santarém venceu o “derby” municipal, ante uma equipa do Amiense a atravessar fase de menor fulgor, sem conseguir triunfar nos últimos quatro jogos, superiorizando-se por 2-0, garantindo assim o apuramento para as meias-finais pelo segundo ano sucessivo.

Por fim, em Marinhais, a equipa da casa – única ainda sem se ter estreado a vencer no campeonato da I Divisão – ganhou ao Pontével, do escalão secundário, por tangencial 1-0, o suficiente para seguir em frente na competição, no seu melhor desempenho da última década.

As meias-finais, a serem disputadas a duas mãos, estão agendadas para 3 e 24 de Março, com os seguintes emparelhamentos: Abrantes e Benfica-Coruchense e U. Santarém-Marinhais.

Campeonato de Portugal – Confirmaram-se as expectativas de desempenho dos clubes representativos do Distrito, na 19.ª jornada do Nacional, com o Fátima a obter um resultado positivo (nulo) na deslocação à Sertã, frente ao Sertanense (agora a última equipa acima da “linha de água”), enquanto o Mação foi, com alguma naturalidade, derrotado em Leiria (3-0) pelo novo líder da prova, U. Leiria.

Os fatimenses mantêm a 9.ª posição, tendo ampliado para doze pontos a sua margem de segurança em relação a tal linha, quando faltam disputar 15 jornadas. De forma simétrica, o Mação, que subsiste como “lanterna vermelha”, dista agora doze pontos do conjunto da Sertã.

Antevisão – Na retoma dos campeonatos Distritais, o grande realce vai para o confronto entre U. Almeirim e U. Santarém, dois dos principais candidatos ao título. Por outro lado, com o Amiense a enfrentar também um teste difícil na deslocação a Ferreira do Zêzere, Coruchense (recebendo a formação da Glória do Ribatejo) e Cartaxo (que terá a visita do Alcanenense) poderão aproveitar a perda de pontos de algum ou alguns dos seus mais directos concorrentes.

O U. Tomar recebe o Fazendense, tendo em mira a possibilidade de começar a subir na tabela, enquanto o Torres Novas – por curiosidade, depois de toda a primeira volta sem vencer, a única equipa que ganhou os dois jogos já disputados na segunda volta (tendo batido o Glória do Ribatejo por 2-0, em jogo em atraso da 14.ª jornada, realizado no passado fim-de-semana) – joga também em casa, ante o Samora Correia, entretanto beneficiado com a sanção imposta ao Marinhais (derrota por 0-3, em partida da ronda inaugural, por ter efectuado quatro substituições no segundo tempo, sendo o limite regulamentar de três alterações no “onze” em tal período).

No escalão secundário, a Norte, destaca-se o Caxarias-Riachense, decisivo para as eventuais aspirações dos comandados de Marco Marques, recebendo o U. Tomar “B” a equipa da Ortiga. A Sul, nota para o Rio Maior-Forense, actuais 1.º e 3.º classificados, podendo também o Moçarriense “carimbar” desde já o apuramento para a fase final, caso vença o Benavente.

No Campeonato de Portugal, o Fátima recebe uma equipa do Alverca em recuperação na pauta classificativa, num jogo em que não deverá esperar facilidades; por seu lado, o Mação, actuando também em casa, defronta o Anadia, actualmente no 5.º lugar, ainda na expectativa da possibilidade de alcançar as duas primeiras posições, distando somente três pontos do 2.º posto.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 31 de Janeiro de 2019)

3 Fevereiro, 2019 at 12:00 pm Deixe um comentário

Joan Baez – Fare Thee Well

Joan Baez no Coliseu: De Woodstock a Grândola, o adeus à voz de um povo

Naquela que foi a primeira data europeia da sua última digressão de sempre (os 78 anos impressionam, mas também pesam; e ela também tem direito à sua reforma), Joan Baez apresentou-se sem os pés nus que a caracterizaram no início da década de 60 («a Madona dos pés descalços», chamaram-lhe), mas com o mesmo espírito do festival de Woodstock no qual participou. Ali, perante centenas de pessoas, estava a mulher que marchou lado a lado com Martin Luther King, a mulher que atuou no Vietname em tempo de guerra, a mulher que nunca se esqueceu dos mais desafortunados, a mulher que entre os seus amantes conta nomes tão díspares quanto Steve Jobs e Dylan.

Foi precisamente este último quem teve a honra de “abrir” o espetáculo, através de uma das suas canções mais icónicas: ‘Don’t Think Twice, It’s Alright’. Não foi a única que se ouviu do Nobel da Literatura, ao longo de quase duas horas de concerto; afinal de contas, Dylan «compôs as melhores canções», conforme no-lo explica Baez. Subindo ao palco para «prestar homenagem a Portugal e ao público português», a cantautora trouxe consigo temas das mais diversas épocas e quadrantes, mesmo que o mote tenha sido a apresentação de “Whistle Down the Wind”, o seu derradeiro álbum, editado no ano passado. Saímos do Coliseu a pensar que acabámos de presenciar uma enorme aula de cançonetismo, a pensar que toda a história da música está interligada, que todos aqueles poetas de outrora escolheram a sua profissão por um bem comum: o de ensinar as novas gerações, que ensinarão as subsequentes.

Primeiro a solo, depois na companhia de Dirk Powell e do seu filho, Gabriel – do qual estava grávida quando atuou em Woodstock – Joan Baez foi circulando por temas ainda hoje tão capazes de emocionar como ‘Farewell, Angelina’, ‘It Ain’t Me Babe’, ‘Deportee’ (a qual dedicou aos emigrantes e refugiados de todo o mundo, ela que é filha de pai mexicano) ou ‘Diamonds & Rust’, que mereceu um dos aplausos mais efusivos da noite, da parte de um público que mal ela entrou já a estava a aplaudir de pé. Com a ajuda de Grace Stumberg, que por momentos, blasfémia!, quase soou tão grande quanto a própria Baez, interpretou ‘Me and Bobby McGee’, da autoria de um mago da country, Kris Kristofferson. E não escondeu um sorriso irónico ao apontar ‘Hello in There’ como uma canção sobre… velhos.

O grande momento – porque nos toca invariavelmente, e demasiado – aconteceria pouco depois, ao interpretar «a única canção portuguesa» que conhecia: ‘Grândola, Vila Morena’. Quer dizer: ela apresentou-a, mas quem a cantou foi o público, a uma só voz, possuído pela liberdade no mesmo dia em que uma manifestação anti-fascista juntou cerca de meio milhar de pessoas no Rossio. Tornou-se quase como que um cliché ver um artista “de fora” recuperar Zeca Afonso (já muitos o fizeram, do rock à eletrónica), mas é um momento sempre pungente. Seguir-se-ia ‘A Hard Rain’s A-Gonna Fall’, que fez sentido se pensarmos no temporal que se abateu sobre o país esta sexta-feira, e ‘The President Sang Amazing Grace’, canção escrita por Zoe Mulford, do tempo «em que o [seu] país tinha um Presidente a sério», no caso Barack Obama.

Até final, ainda houve espaço para muitos pedidos do público (um dos quais, ‘Gracias A La Vida’, de Violeta Parra, deixou para o final), para a tradicional ‘The House of the Rising Son’ (conhecida por todos os roqueiros deste mundo e mais alguns) e para dois encores, primeiro com ‘Imagine’, de Lennon e ‘Here’s To You’, e depois com ‘Forever Young’ e ‘The Boxer’, de Paul Simon, outro artista que se reformou recentemente. O concerto terminaria com Baez a receber, em mãos, o ramo de flores oferecido por uma fã mais extremosa. E isso nem foi a única prenda que teve esta noite: também ganhou a nossa gratidão eterna. Até sempre.

(Paulo André Cecílio)


Se todas as despedidas fossem como a de Joan Baez, não cansaria dizer adeus

O que difere, essencialmente, nesta Fare Thee Well Tour, para além de se afirmar como derradeira (deixando as digressões antes dos 80 anos), é a pose e o empenho. Melhor do que a víramos em 2010, no mesmo Coliseu, há nela uma inesperada jovialidade que se espelha na forma como lida com o envelhecimento natural da voz. Em lugar de surgir, ali, como uma cantora idosa numa despedida a contragosto, Joan Baez mostra-se altiva e enérgica, como se não lhe pesassem mais do que duas décadas de carreira (e na verdade já lá vão 6 décadas, feitas agora, desde a sua primeira actuação regular em clubes folk).

(Nuno Pacheco – Público)

1 Fevereiro, 2019 at 11:55 pm Deixe um comentário


Autor – Contacto

Destaques

Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Fevereiro 2019
S T Q Q S S D
« Jan    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.