EURO 2016 – 1/2 Finais – Portugal – P. Gales

6 Julho, 2016 at 8:49 pm Deixe um comentário

PortugalPaís de Gales2-0

Portugal Rui Patrício, Cédric Soares, Bruno Alves, José Fonte, Raphaël Guerreiro, Danilo Pereira, João Mário, Renato Sanches (74m – André Gomes), Adrien Silva (79m – João Moutinho), Nani (86m – Ricardo Quaresma) e Cristiano Ronaldo

País de Gales Wayne Hennessey, James Chester, James Collins (66m – Jonathan Williams), Ashley Williams, Chris Gunter, Joe Allen, Joe Ledley (58m – Sam Vokes), Andy King, Neil Taylor, Hal Robson-Kanu (63m – Simon Church) e Gareth Bale

1-0 – Cristiano Ronaldo – 50m
2-0 – Nani – 53m

“Melhor em campo” – Cristiano Ronaldo

Amarelos – Bruno Alves (71m) e Cristiano Ronaldo (72m); Joe Allen (8m), James Chester (62m) e Gareth Bale (88m)

Árbitro – Jonas Eriksson (Suécia)

Stade de Lyon – Lyon (20h00)

Ronaldo-PGales

Estamos na Final!

Enfim, ao sexto jogo do Europeu, a vitória nos noventa minutos. Justa, cristalina, incontestável.

Portugal entrava em campo – pela primeira vez no seu historial, na 7.ª presença em meias-finais de grandes competições a nível internacional (5.ª em fases finais de Campeonatos da Europa) – como favorito, frente a um “estreante” nestas andanças, País de Gales.

Pese embora privada de Pepe (ausente por lesão, substituído por Bruno Alves, curiosamente o único jogador de campo que ainda não se estreara na prova) e de William Carvalho, a cumprir suspensão disciplinar (rendido por Danilo), a selecção nacional assumiria, desde o primeiro minuto, tal condição, lançando-se desenfreadamente sobre o meio-campo contrário, mas com um ritmo e dinâmica demasiado impulsivos, falhos da necessária organização.

Após um quarto de hora inicial de grandes “correrias”, mas completamente ineficaz (nem um único remate enquadrado com a baliza, para amostra) – tendo entretanto os portugueses reclamado mais uma grande penalidade, por “gravata” de um defesa galês sobre Ronaldo, a terceira não sancionada, em outros tantos jogos -, seria inevitável um abaixamento da intensidade do jogo, o que, de imediato seria aproveitado pelos galeses, para, sem alardes, em lances de grande pragmatismo, se acercarem da área portuguesa e criarem perigo, com três remates num período de menos de dez minutos.

Com o avançar do tempo, as equipas pareciam ir encaixando cada vez mais uma na outra, anulando-se mutuamente; ao intervalo – e não obstante Portugal ter criado o lance de maior perigo no derradeiro minuto, com Cristiano Ronaldo a cabecear sobre a trave, após centro de Adrien -, computava-se um único remate à baliza, e, curiosamente, a favor de Gales.

Os portugueses sofriam e começavam a impacientar-se, recordando os jogos com Islândia e Áustria, na fase de grupos, quando, logo ao quinto minuto do segundo período, Portugal conseguiu enfim “desatar o nó”: na conversão de mais um canto, João Mário colocaria a bola, com um passe curto, em Raphaël Guerreiro, o qual, com um centro perfeito para a zona de intervenção de Ronaldo, lhe proporcionou, com um sensacional impulso, voando acima dos centrais, cabecear de forma imparável para o fundo da baliza de Hennessey.

Estava feito o mais difícil: o golo que permitiria ao grupo português serenar, e passar a explanar de forma mais ordenada e consequente o seu futebol. A equipa nacional seria então feliz, na medida em que, apenas três minutos volvidos – ainda antes de a turma de Gales sequer pensar em esboçar qualquer tipo de reacção -, praticamente sentenciaria o desfecho desta meia-final.

Uma vez mais Ronaldo, ainda de fora da área, a tentar o remate, que, contudo, parecia sair fraco e denunciado, à figura do guardião contrário, quando Nani, liberto – aproveitando ainda uma simulação de Renato Sanches, a deixar passar a bola, sem lhe tocar -, a desviou subtilmente, ampliando a vantagem lusa para 2-0.

Não obstante faltassem ainda cerca de 40 minutos por jogar, desde logo se anteviu que o ascendente motivacional português seria determinante até final do desafio, não permitindo ao opositor qualquer veleidade.

De forma rápida, o País de Gales esgotou as três substituições, alterando o seu sistema táctico, o que abriria espaço para o contra-golpe português, que dispôs então de algumas oportunidades para dilatar a vantagem: logo aos 65 minutos, com Nani a obrigar o guarda-redes galês a defesa incompleta, tendo João Mário, na recarga, rematado ao lado do poste, desperdiçando o golo de forma incrível; apenas cinco minutos volvidos, na sequência de um canto, Fonte a rematar de cabeça, com boa intervenção de Hennessey; e aos 73 minutos, em mais um lance de contra-ataque, Renato Sanches, a rematar algo precipitadamente, ainda de fora da área, gorando-se a possibilidade de marcar.

O mesmo Renato seria então substituído, e, por alguns minutos, Portugal pareceu ter dificuldades em fazer os devidos ajustamentos tácticos (cinco minutos mais tarde seria Adrien a ceder também o seu lugar no meio-campo português), surgindo então a fase de maior perigo do País de Gales, a obrigar Rui Patrício a mostrar concentração, aos 77 e 80 minutos.

No entretanto, Danilo, a surgir isolado frente ao guardião contrário, poderia ter também colocado o marcador em 3-0, o que, a concretizar-se, teria dado sequência lógica à tendência do jogo, sempre com Portugal mais perto do terceiro tento, do que o País de Gales de reduzir a desvantagem. Finalmente, já a quatro minutos do termo da partida, Ronaldo, perdendo o ângulo, acabaria por rematar à malha lateral da baliza galesa.

As estatísticas do jogo constituem apenas mais um indicador da clara superioridade manifestada pela turma portuguesa nesta partida, perante um brioso e digno grupo galês: 17-9 em remates; 6-3 em remates à baliza; 6-2 em cantos; pese embora uns ilusórios 46-54% em posse de bola.

Fazendo história, pela segunda vez a selecção de Portugal atinge a Final do Campeonato da Europa de Futebol, uma nova oportunidade, a não desperdiçar, de se poder sagrar Campeã!

Anúncios

Entry filed under: Desporto, Euro-2016.

EURO 2016 – 1/4 Final Portugal na Final!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Autor – Contacto

Destaques

Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Julho 2016
S T Q Q S S D
« Jun   Ago »
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

  • RT @trainmaniac: Felizmente que Pizzi é um jogador com pouco ou nenhum hype. Incrível centrocampista e na sua maturidade plena. 5 hours ago
  • RT @Bernardo_PL: "há um consenso bipartidário, o q adensa o drama britânico: sem rumo, sem estratégia, sem senso, sem alternativas" https:/… 11 hours ago
  • RT @insoniascarvao: O Benfica é que podia oferecer uma biblioteca inteira ao Geraldes, just saying 1 day ago

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.


%d bloggers like this: