Suécia Portugal – (Mundial-2014 – Play-off – 2ª mão)

19 Novembro, 2013 at 10:33 pm Deixe um comentário

Suécia Suécia – Andreas Isaksson, Mikael Lustig, Per Nilsson, Mikael Antonsson, Martin Olsson, Sebastian Larsson (90m – Alexander Gerndt), Rasmus Elm (45m – Anders Svensson), Kim Kallstrom, Alexander Kacaniklic (82m – Jimmy Durmaz), Johan Elmander e Zlatan Ibrahimovic

Portugal Portugal – Rui Patrício, João Pereira, Pepe, Bruno Alves, Fábio Coentrão (52m – Antunes), Raul Meireles (73m – William Carvalho), Nani, João Moutinho, Miguel Veloso, Cristiano Ronaldo e Hugo Almeida (82m – Ricardo Costa)

0-1 – Cristiano Ronaldo – 50m
1-1 – Zlatan Ibrahimovic – 68m
2-1 – Zlatan Ibrahimovic – 72m
2-2 – Cristiano Ronaldo – 77m
2-3 – Cristiano Ronaldo – 79m

Cartões amarelos – Martin Olsson (54m), Anders Svensson (61m), Kim Kallstrom (69m) e Mikael Antonsson (84m); Nani (59m)

Árbitro – Howard Webb (Inglaterra)

Depois do desfecho da primeira mão, ambas as selecções encararam esta “segunda parte” da eliminatória com alguma cautela, dando a entender que “havia muito tempo” para as decisões. De facto, no primeiro tempo, e após alguma tomada de iniciativa dos suecos no arranque do jogo, rapidamente se passou a uma toada morna, com o jogo bem repartido, mas com a equipa portuguesa a manter a situação perfeitamente controlada.

Teria inclusivamente, por intermédio de Cristiano Ronaldo, aos 36 minutos, e Hugo Almeida, aos 39 minutos, duas soberanas ocasiões de golo, não aproveitadas. Só já na fase derradeira desta etapa inicial do jogo, a Suécia assustaria, em dois lances de bola parada, em particular num remate de Ibrahimovic, que, contudo, saiu bastante alto.

No recomeço, os suecos terão reconhecido que era chegada a altura de mudar a abordagem ao jogo, e de, finalmente arriscar; logo aos 4 minutos, a centro atrasado de Ibrahimovic, já na linha de fundo, surgiria Larsson a rematar à “queima-roupa”, com Rui Patrício, com excelente intervenção, positivamente a negar o que teria sido o primeiro golo da Suécia.

Só que, precisamente no lance imediato, Cristiano Ronaldo, lançado em profundidade, num passe “a rasgar”, para as costas da defesa sueca, embalaria em corrida, numa diagonal de algumas dezenas de metros, sempre perseguido pelos suecos, conseguindo isolar-se, rematando cruzado para a baliza do desamparado Isaksson, num golo à “matador”, que, pensava-se, proporcionava a Portugal uma confortável e decisiva vantagem de dois golos na eliminatória, até porque, no quarto de hora seguinte, a selecção portuguesa conseguiria gerir, de forma tranquila, essa situação de vantagem.

Chegaria então o momento em que o desafio sofreria uma brutal aceleração, numa fase da partida de enorme intensidade: no espaço de apenas quatro minutos, a Suécia, na sequência de dois lances de bola parada, operaria uma reviravolta no marcador, com dois tentos de Ibrahimovic: primeiro, dando a melhor finalização a um pontapé de canto, antecipando-se à defensiva portuguesa, com um cabeceamento cruzado, a desviar a bola do alcance do guardião português; logo de seguida, na conversão de um livre, com um remate forte, a “furar” a barreira (pelo chão), passando por baixo de Rui Patrício.

Temeu-se que a equipa portuguesa se pudesse de alguma forma descontrolar. Paulo Bento concretizaria então uma substituição, já planeada antes do segundo golo sueco, trocando Raul Meireles pelo estreante William Carvalho; uma opção de risco, no momento mais difícil do desafio e da eliminatória. Não haveria contudo tempo sequer para uma “ambientação” do novo recruta, pois, aos dois golos de Ibrahimovic em quatro minutos, responderia Cristiano Ronaldo, de imediato, com dois golos… num intervalo de apenas dois minutos! Fantástico!

Aproveitando o entusiasmo sueco e o balanceamento da equipa para o ataque, em busca do terceiro golo, que colocaria a Suécia em posição de apuramento, Cristiano Ronaldo conseguiria concretizar mais um rapidíssimo lance de contra-ataque, controlando a bola, na recepção, com um toque de joelho, acabando por rematar, já algo em desequilíbrio, sem hipóteses para Isaksson. E se o 2-2 voltava já a colocar Portugal no Mundial, Ronaldo não se ficaria por aí, consumando nova sensacional reviravolta, garantindo a vitória da equipa portuguesa, com um também fantástico terceiro golo, a contornar o guarda-redes adversário, desferindo um forte remate, já quase sem ângulo..

Um verdadeiro recital de Cristiano Ronaldo, que, com o “hat-trick” registado, igualou Pauleta como o melhor marcador de sempre da selecção de Portugal, podendo inclusivamente ter chegado ao quarto golo logo depois, com mais um remate cruzado, a sair a milímetros do poste (já nos derradeiros minutos, ainda ensaiaria mais um remate perigoso). Mas o resultado estava feito…

Não tendo conseguido evitar as “horas extras” do play-off, e, neste, acabando também por passar por alguns momentos de apuro e de sofrimento, durante cerca de dez minutos (entre os dois golos dos empates, a 1-1, e a 2-2), Portugal teve, na “Hora H”, de maior pressão, o discernimento que lhe permitiu ser feliz, respondendo de forma extraordinariamente afirmativa quando tal era requerido, deixando agora sem (segunda possibilidade de) reacção a Suécia, confirmando assim um justo apuramento para o Mundial, a oitava fase final de uma grande competição internacional em que marca presença, de forma consecutiva, desde 2000.

Nos outros duelos do “play-off” de apuramento na Europa, a Grécia confirmou o apuramento, empatando a um golo na Roménia; a Croácia eliminou a Islândia, vencendo por 2-0; por fim, a França conseguiria reverter a desvantagem da primeira mão, ganhando à Ucrânia por 3-0.

Estão já apurados 30 dos 32 finalistas do Mundial: Brasil, Argentina, Chile, Colômbia, Equador, Alemanha, Bélgica, Bósnia-Herzegovina, Croácia, Espanha, França, Grécia, Holanda, Inglaterra, Itália, Portugal, Rússia, Suíça, Costa Rica, EUA, Honduras, Argélia, Camarões, Costa do Marfim, Ghana, Nigéria, Austrália, Coreia do Sul, Irão e Japão. Uruguai e México deverão completar amanhã o lote.

Um destaque final para a presença de três treinadores portugueses na fase final do Mundial, ao comando das selecções de Portugal (Paulo Bento), Grécia (Fernando Santos) e Irão (Carlos Queirós).

Anúncios

Entry filed under: Desporto.

Portugal – Suécia (Mundial-2014 – Play-off – 1ª mão) «50 maneiras de deixar o seu amor»

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Autor – Contacto

Destaques

Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Novembro 2013
S T Q Q S S D
« Out   Dez »
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.


%d bloggers like this: