Archive for 11 Dezembro, 2009

D. Manuel Clemente – “Prémio Pessoa” – 2009

O Bispo do Porto, D. Manuel Clemente, foi hoje distinguido com o Prémio Pessoa, concedido anualmente à pessoa de nacionalidade portuguesa que durante esse período – e na sequência de uma actividade anterior – tiver sido protagonista de uma intervenção particularmente relevante e inovadora na vida artística, literária ou científica do país.

«Em tempos difíceis como os que vivemos actualmente, D. Manuel Clemente é uma referência ética para a sociedade portuguesa no seu todo», considerou o júri do Prémio Pessoa.

D. Manuel Clemente, de 61 anos, antigo Bispo auxiliar de Lisboa, foi nomeado Bispo do Porto em Fevereiro de 2007. Licenciado em História e Teologia, doutorado em Teologia Histórica, é presidente da Comissão Episcopal da Cultura, Bens Culturais e Comunicações Sociais, exercendo também funções de docência de História da Igreja na Universidade Católica Portuguesa, instituição em que é igualmente Director do Centro de Estudos de História Religiosa.

Nas edições anteriores, foram premiados:

2008 – Carrilho da Graça (arquitecto)
2007 – Irene Pimentel (historiadora e investigadora)
2006 – António Câmara (professor catedrático, empresário e investigador)
2005 – Luís Miguel Cintra (actor e encenador)
2004 – Mário Cláudio (escritor)
2003 – José Gomes Canotilho (constitucionalista)
2002 – Manuel Sobrinho Simões (investigador)
2001 – João Bénard da Costa (crítico e historiador de cinema)
2000 – Emmanuel Nunes (compositor)
1999 – Manuel Alegre (poeta) e José Manuel Rodrigues (fotógrafo)
1998 – Eduardo Souto de Moura (arquitecto)
1997 – José Cardoso Pires (escritor)
1996 – João Lobo Antunes (neurocirurgião)
1995 – Vasco Graça Moura (ensaísta)
1994 – Herberto Hélder (poeta)
1993 – Fernando Gil (filósofo)
1992 – Hannah e António Damásio (neurocientistas)
1991 – Cláudio Torres (arqueólogo)
1990 – Menez (pintora)
1989 – Maria João Pires (pianista)
1988 – António Ramos Rosa (poeta)
1987 – José Mattoso (historiador)

11 Dezembro, 2009 at 1:28 pm Deixe um comentário

Blogosfera em 2009 (VII)

A 16 de Março, Pedro Adão e Silva iniciava o seu “Léxico Familiar”. Enquanto uns chegam (ou regressam), outros partem, como era o caso, a 19 de Março, de Henrique Fialho, anunciando o fim da publicação do “Insónia”.  Regressaria à actividade, em “novo pouso”, retomando a “Antologia do Esquecimento”.

Em paralelo, João Távora fazia também o anúncio de uma paragem para repensar o projecto do “Risco Contínuo”. Depois de reestruturação dos seus membros participantes, a 30 de Julho o blogue perdia a generalidade dos seus autores, nomeadamente com o regresso do seu mentor (assim como de Duarte Calvão) ao “Corta-Fitas”. O “Risco Contínuo” passaria então a ser mantido exclusivamente por Pedro Quartin Graça.

A 24 de Março, era a vez de Henrique Raposo e Rui Ramos apresentarem o seu novo blogue “Clube das Repúblicas Mortas”.

Ainda antes do final do mês, era anunciada com “pompa”  a entrada de Miguel Esteves Cardoso (escreveria um único post!) e de João Pereira Coutinho para o quadro de autores do “Geração de 60”.  Pouco mais de quinze dias depois, Manuel S. Fonseca comunicava a sua saída (no que seria seguido por Pedro Norton) e, paralelamente, daqueles dois seus convidados…

Entretanto, no dia 30 de Março de 2009 assinalava-se um invulgar (e mesmo inédito) “marco histórico” na blogosfera portuguesa, com o mais antigo blogue ainda em actividade em Portugal, o “Macacos sem galho”,  da autoria de Pedro Couto e Santos, a completar 10 anos de actividade ininterrupta, num pioneirismo e perseverança dignos de registo.

Chegava então à blogosfera o “Aventar” – «Expor ao vento. Arejar. Segurar pelas ventas. Farejar, pressentir, suspeitar. Chegar», «um blogue de e para livres pensadores», formado por uma vasta equipa.

No mesmo dia, numa iniciativa do jornal Público e de um grupo de bloggers (a partir de uma ideia de Carlos Santos, José Gomes André e Nuno Gouveia), era criado o blogue colectivo “Eleições 2009“, agregando mais de 40 participantes (entre os quais tive também a honra de constar), com uma pluralidade de perspectivas políticas, visando acompanhar os três actos eleitorais a realizar no ano de 2009, numa forma pioneira de cobertura das eleições em Portugal.

O mês de Março findava com o regresso de Gonçalo Magalhães Collaço, acompanhado por Luís Silva Santos e Pedro Graça, no “Albergue Português”, que registaria contudo escassa actividade.

11 Dezembro, 2009 at 8:46 am Deixe um comentário


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Dezembro 2009
S T Q Q S S D
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.