UMA VITÓRIA ANUNCIADA

23 Janeiro, 2006 at 8:33 am 1 comentário

Cavaco Silva obteve mais de 50 % dos votos, garantindo a eleição para o cargo de Presidente da República, ocupado, pela primeira vez em 31 anos, por um representante do centro-direita do espectro político português.

Todas as sondagens pré-eleitorais o indicavam; todas as projecções realizadas ontem o apontavam. Era uma vitória anunciada… mas, como agora se conclui, não “inevitável”.

Não é agora altura para procurar minorar a “tangencial” vitória de Cavaco Silva – para já (números ainda provisórios), com uma vantagem de cerca de 64 000 votos sobre o somatório dos restantes candidatos (ou seja, cerca de 32 000 votos acima do número mínimo para ser eleito); a legitimidade do vencedor é inquestionável. Tal como ontem afirmou, a maioria presidencial “dissolve-se” no próprio dia da eleição… tal como as “minorias presidenciais”.

Os portugueses decidiram em consciência; Cavaco Silva será o Presidente de todos os portugueses. Independentemente das diferenças de opinião, é mais que altura de todos “puxarmos” para o mesmo lado!

Tal como o indicavam as tendências das sondagens realizadas no decurso da campanha eleitoral (com uma clara erosão das percentagens que lhe eram atribuídas) a vitória de Cavaco foi difícil, acabando por aproximar-se bastante do que seria a sua votação mínima expectável (com um patamar mínimo que se intuia poder situar-se na ordem dos 49 %); alcançou 50,6 %, o suficiente para derrotar a “esquerda”.

Não entendo a “desunião” da esquerda (com 5 candidatos, dispersando votos entre si) como factor responsável pela derrota. Julgo que o facto do espectro de candidatos ser alargado terá contribuído, ainda assim, para que a abstenção não fosse ainda mais elevada.

O principal responsável pela derrota é, inequivocamente, o Partido Socialista (tal como nas eleições autárquicas com uma opção errada em termos de candidato). “A posteriori” é bem mais fácil perceber a dimensão do erro cometido; a derrota de Mário Soares (recolhendo apenas 14 % dos votos) é esmagadora! Não seria contudo difícil avaliar, logo à partida, que a opção Soares (ainda mais, depois do episódio com Manuel Alegre) não seria bem compreendida nem aceite pelos portugueses.

Ainda assim, uma palavra de apreço para o voluntarismo de Mário Soares, traído por um sonho anacrónico de “regresso ao passado”. Apesar da expressão da derrota, não merece ver diminuído o seu papel de estadista. O “fair-play” com que aceitou o desfecho é também digno de menção.

Votei em Manuel Alegre, porque entendia que – dos candidatos a estas eleições – era o que reunia condições que faziam dele o candidato com perfil mais adequado às funções de Presidente da República. Alegre, tendo uma expressiva votação (mais de 20 %), tem uma “vitória de Pirro”, uma vez que ficou a décimas (as décimas “a mais” conquistadas por Cavaco) do grande objectivo.

Deverá não obstante compreender o siginificado desta votação; começou por ser um voto de protesto contra a opção socialista, adquiriu alguma dinâmica de “esperança” que levou a que os indecisos “caíssem” preferencialmente para “o seu lado”. Mas, e assim o entendo pessoalmente, foi uma votação com especificidades próprias; esta “minoria” esgotou-se ontem; que Alegre não seja tentado a extrapolações indevidas dos resultados que obteve.

Jerónimo de Sousa sustém o peso relativo do eleitorado comunista (excendendo mesmo, com os seus 8,6 %, a votação da CDU nas legislativas), beneficiando do seu “perfil simpático”, e também da relativamente “boa imprensa” de que dispõe.

Francisco Louçã é – depois de Soares – o grande derrotado da noite eleitoral, “quedando-se” pelos 5,3 % (a determinada altura, pareceu chegar a estar no limiar da votação mínima para receber a comparticipação estatal, atribuída aos candidatos com mais de 5 % dos votos… o que terá sido um “grande susto”). O seu discurso repetitivo, com alguma “arrogância”, começa a cansar o eleitorado; esta sua campanha acaba por ser, de alguma forma, um “espelho” do que foi a campanha de Paulo Portas nas últimas legislativas.

Garcia Pereira teve uma votação residual (0,4 %), sem expressão, muito abaixo das percentagens do PCTP/MRPP.

Uma palavra final para o comportamento de José Sócrates ao longo de todo este processo. Não posso avaliar, em consciência, se Sócrates realmente “desejaria” este desfecho. Mas, o que parece claro é que é o responsável por uma estratégia errada, sendo portanto da sua responsabilidade, em primeira análise, a derrota da esquerda. O Partido Socialista pareceu “desistir cedo demais” de lutar pela vitória, parecendo “menorizar” a importância destas eleições. Não conseguindo mobilizar António Guterres primeiro, nem, de seguida, António Vitorino, deixou-se enredar na teia da candidatura de Manuel Alegre, o que levou os portugueses a não perdoarem a sua opção de última hora por Mário Soares.

O seu discurso de ontem foi “politicamente correcto”; o que é importante a partir de hoje é trabalhar pelo futuro de Portugal, num quadro de perfeita normalização institucional, com um Presidente que deverá exercer um papel de “árbitro imparcial”. Em democracia, o povo tem sempre razão; é essa a sua lógica subjacente inatacável. Sócrates esteve bem dizendo que a opção de Manuel Alegre foi legítima e que o Partido Socialista é plural. Ficou muito mal que a sua intervenção se tivesse sobreposto à de Manuel Alegre (mal estiveram também as televisões, privilegiando as palavras do Primeiro-Ministro, em detrimento das do candidato…); é difícil crer que tal tenha acontecido por casualidade.

Entry filed under: Sociedade.

CAVACO SILVA, PRESIDENTE BLASFÉMIAS – 1 MILHÃO DE VISITANTES

1 Comentário Add your own

  • 1. orixa  |  24 Janeiro, 2006 às 3:04 pm

    Notem que o blog Editorial Ordem das Letras, que passou meses a atacar a esquerda e Alegre insultando-o de «traidor», e a propagandear fanaticamente Mário Soares, apagou ontem tudo o que escrevera. Esta cobardia do autor não surpreende. O suposto «antonio duarte bento» nao é nem mais nem menos que um pseudónimo… do querido paulinho, esse jornalista venal que manda na weblog e tem esse lado escuro e sujo de Mr.Hyde

    Responder

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Subscribe to the comments via RSS Feed


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Janeiro 2006
S T Q Q S S D
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.


%d bloggers like this: