EURO 2020 – Grupo F – 2ª jornada – Portugal – Alemanha

19 Junho, 2021 at 6:52 pm Deixe um comentário

PortugalAlemanha2-4

Portugal Rui Patrício, Nélson Semedo, Rúben Dias, Pepe, Raphaël Guerreiro, William Carvalho (58m – Rafa Silva), Danilo Pereira, Bernardo Silva (45m – Renato Sanches), Bruno Fernandes (64m – João Moutinho), Diogo Jota (83m – André Silva) e Cristiano Ronaldo

Alemanha Manuel Neuer, Matthias Ginter, Mats Hummels (62m – Emre Can), Antonio Rüdiger, Joshua Kimmich, İlkay Gündoğan (73m – Niklas Süle), Toni Kroos, Robin Gosens (62m – Marcel Halstenberg), Kai Havertz (73m – Leon Goretzka), Thomas Müller e Serge Gnabry (87m – Leroy Sané)

1-0 – Cristiano Ronaldo – 15m
1-1 – Rúben Dias (p.b.) – 35m
1-2 – Raphaël Guerreiro (p.b.) – 39m
1-3 – Kai Havertz – 51m
1-4 – Robin Gosens – 60m
2-4 – Diogo Jota – 67m

“Melhor em campo” – Robin Gosens

Amarelos – Kai Havertz (66m) e Matthias Ginter (77m)

Árbitro – Anthony Taylor (Inglaterra)

Fußball Arena München – Munique (17h00)

Para Portugal o melhor deste jogo foi o resultado…

Durante cerca de uma hora a selecção portuguesa foi submersa como que numa enxurrada de futebol ofensivo por parte da Alemanha, nunca conseguindo encontrar antídoto para deter essa avalancha.

Logo nos minutos iniciais os alemães, com uma entrada em jogo de rompante, deixando a equipa nacional atordoada, introduziriam a bola na baliza, lance, contudo, invalidado por posição irregular.

O primeiro golo de Portugal, fruto de uma rápida transição – na sequência de um canto contra -, que apanhou a Alemanha em contrapé, com Bernardo Silva a fazer o lançamento, no momento certo, para Diogo Jota, que faria excelente assistência para Cristiano Ronaldo (o qual começara por aliviar a bola na nossa área, correndo de seguida quase todo o campo) empurrar com facilidade para a baliza, revelar-se-ia “pura” ilusão.

Rapidamente se tendo refeito do embate sofrido – é verdade que, no entretanto, Portugal tivera ainda ocasião de criar uma outra situação de perigo -, a Alemanha voltaria a colocar em prática, uma, duas, três, “n” vezes, o seu lance estudado, fazendo a bola circular entre corredores, surgindo quase sempre em superioridade numérica face a uma descompensada linha defensiva de quatro elementos de Portugal, com Nélson Semedo, sistematicamente, a ser atraído para tentar fechar mais no centro, deixando aberta uma “cratera” no flanco direito, espaço que Gosens aproveitou para “semear  o pânico”: teve intervenção nos dois auto-golos dos defesas portugueses – os quais, em desespero de causa, se limitaram a antecipar-se aos avançados que se preparavam para empurrar a bola para a baliza -, fez a assistência para o terceiro golo e seria, ele próprio o autor do quarto tento alemão!

Durante toda essa fase – que pareceu uma eternidade – o meio-campo português foi como um “passador”, com William Carvalho e Danilo Pereira impotentes para contrariar o ritmo de jogo adversário, e, em última instância, na procura de repelir as investidas alemãs, com todo o sector defensivo da seleçcão nacional a denotar uma confrangedora lentidão, incapaz de vencer a inércia, como que “adormecido”, perdendo sempre a “segunda bola”, concedendo demasiado espaço e liberdade de acção.

Com uma péssima (e dificilmente compreensível) actuação a nível defensivo – como referido, múltiplas vezes apanhado em inferioridade perante a “cavalgada” germânica -, sem intensidade nem agressividade (apenas duas faltas cometidas no primeiro tempo, finalizando com 5 faltas, contra 15 do opositor!), chegou a recear-se mesmo que o resultado pudesse vir a atingir números avassaladores, que nos colocariam, virtualmente, fora do “EURO” (Rui Patrício teria ainda, pelo menos, uma bastante difícil intervenção, a negar mais um golo).

Acabaria por valer a opção de Joachim Löw, quando – considerando, aos 4-1, o jogo ganho e “acabado” – fez sair Gosens, logo aos 62 minutos, visando dar também algum descanso a Hummels (“tocado”), Gündoğan e  Havertz.

A partir daí, “tirando o pé do acelerador”, a Alemanha daria enfim possibilidade à equipa portuguesa de respirar, tendo, então o melhor período no jogo. Conseguindo, finalmente, ter bola, reduziria, pouco tempo depois, para 2-4 – com Cristiano Ronaldo, quase em cima da linha de baliza, num gesto acrobático, a assistir para Diogo Jota, também a marcar de forma pouco ordodoxa, de alguma forma expondo as fragilidades defensivas contrárias -, minimizando os efeitos do que poderia ter sido um verdadeiro descalabro, antes de Renato Sanches, com um potente remate, ter feito a bola embater com estrondo no poste, no que teria sido um bastante enganador 3-4.

No final, mais do que o desfecho negativo, o que fica bem patente é a grande preocupação por uma exibição tão pobre, tão desconexa, de um lote de jogadores que não constituiu, na acepção da palavra, uma “equipa”, mostrando-se, ao contrário, um conjunto “esfrangalhado”.

O apuramento continua, claro, a ser possível, mas, para não ficar dependente de terceiros, será necessário rectificar muitas situações, e de forma rápida, perante o enorme desafio que constituirá o confronto com os Campeões do Mundo, visando pontuar.

Entry filed under: Euro-2020.

EURO 2020 – Grupo F – 2ª jornada – Hungria – França EURO 2020 – Grupo E – 2ª jornada – Espanha – Polónia

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Junho 2021
S T Q Q S S D
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.


%d bloggers like this: