Liga Europa – 3ª jornada – Benfica – Rangers

5 Novembro, 2020 at 8:55 pm Deixe um comentário

BenficaBenfica – Odysseas Vlachodimos, Diogo Gonçalves (45m – Gilberto Moraes), Jan Vertonghen, Nicolás Otamendi, Nuno Tavares (45m – Alejandro “Álex” Grimaldo), Luís Fernandes “Pizzi” (21m – Jardel Vieira), Julian Weigl, Adel Taarabt, Everton Soares (67m – Gian-Luca Waldschmidt), Rafael “Rafa” Silva e Haris Seferović (60m – Darwin Núñez)

RangersRangers – Allan McGregor, James Tavernier, Connor Goldson, Filip Helander, Borna Barišić, Steven Davis, Ryan Jack, Joe Aribo (69m – Scott Arfield), Glen Kamara, Ryan Kent e Alfredo Morelos

1-0 – Connor Goldson (p.b.) – 2m
1-1 – Diogo Gonçalves (p.b.) – 24m
1-2 – Glen Kamara – 25m
1-3 – Alfredo Morelos – 51m
2-3 – Rafael “Rafa” Silva – 77m
3-3 – Darwin Núñez – 90m

Cartões amarelos – Não houve

Cartão vermelho – Nicolás Otamendi (19m)

Árbitro – Jesús Gil Manzano (Espanha)

Jesus apostou na “poupança” (deixando de fora, de início, Grimaldo, Waldschmidt e Darwin Núñez) e as coisas estiveram a ponto de correr mesmo muito mal, também devido, especialmente, a um erro de principiante da parte do experiente Otamendi, de que resultou a inferioridade numérica do Benfica durante mais de 70 minutos…

No final, o Benfica conseguiu, in extremis (já em período de compensação), salvar a manutenção da invencibilidade caseira em todos os 24 jogos até à data disputados no seu reduto na Liga Europa (novo record na competição), mercê de uma obra de arte da dupla Waldschmidt e Darwin Núñez, com o segundo a dar a sequência ideal (remate para o fundo da baliza, desviando a bola do alcance do guardião contrário) a uma excelente abertura do primeiro, fazendo a bola romper pelo centro da defesa adversária.

E as coisas até tinham começado tão bem! Logo na viragem do primeiro para o segundo minuto de jogo, uma arrancada de Rafa, junto à linha final, com um passe atrasado, a solicitar a entrada de um companheiro, culminou no primeiro golo, em função de uma infeliz intercepção do defesa central do Rangers.

Ainda no primeiro quarto de hora, o Benfica, então a assumir a iniciativa e o controlo do jogo, teria ainda outra ocasião de perigo a seu favor, mas que não concretizaria.

Até que, num lançamento em profundidade, para as costas da defesa benfiquista, Ryan Kent surgiu isolado (não sendo clara a legalidade do seu posicionamento), em fuga na direcção da baliza, para ficar cara a cara com Vlachodimos; Otamendi, sem pernas para conseguir acompanhar o adversário, começou por dar-lhe dois pequenos toques (de “baixa intensidade”) com a mão nas costas, procurando desequilibrá-lo, o que conseguiria com um contacto com as pernas. O árbitro, sem complacência, exibiu-lhe de imediato o cartão vermelho (acabaria por ser o único cartão durante todo o jogo!…).

Pizzi seria o sacrificado, para a entrada de Jardel para o eixo da defesa, mas, ainda antes de a equipa se conseguir recompor e reorganizar, já tinha sofrido dois golos, de rajada, em menos de dois minutos: o primeiro, numa defeituosa tentativa de alívio da bola por parte de Diogo Gonçalves, a fazer um autêntico remate para a sua própria baliza; o segundo, com o Rangers a aproveitar todas as facilidades concedidas.

A equipa do Benfica estava completamente à deriva, o que se agravaria, logo no arranque da segunda parte – e já após Jesus ter trocado ambos os defesas laterais – com o terceiro tento dos escoceses. Valeria então Vlachodimos para protelar/evitar o que se adivinhava poder ser um ainda maior dilatar do marcador, neutralizando um punhado de situação de grande perigo (nessa fase o Rangers ficou a dever a si próprio mais dois ou três golos…).

Com meia hora para jogar, Jesus atribuiu a Darwin Núnez uma das mais ingratas missões que se podem dar a um avançado: procurar, miraculosamente, inverter o rumo dos acontecimentos, no seio de uma equipa desorientada, com um jogador a menos, perante um adversário confiante e confortável com a vantagem que alcançara.

E Darwin – um portento da natureza, não apenas em termos físicos – não falhou! Primeiro, “fabricando” o segundo golo do Benfica, que “ofereceu” a Rafa. Seria, em condições normais, um suplemento anímico suficientemente forte para empurrar a equipa em busca do empate. Mas, nem nesse quarto de hora final, nunca foi esse o sinal transmitido, num conjunto tristonho, sem ideias, sem saber como “desatar o nó”… até ao fantástico lance (praticamente final), com a dupla de “suplentes” a conseguir inventar, “do nada”, o 3-3!

Um resultado deveras lisonjeiro para o Benfica – claramente desfasado do que “produziu” durante os noventa minutos, penalizando algum “excesso de confiança” do Rangers -, com uma exibição do colectivo, que, uma vez mais, deixa muitas interrogações a pairar. Continua a haver muito trabalho por fazer, a vários níveis. O apuramento para a fase seguinte da competição parece praticamente adquirido, mas vai ser necessário jogar muito mais…

Entry filed under: Desporto. Tags: , , , .

15 Liga Europa – 3ª Jornada – Resultados e Classificações

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Novembro 2020
S T Q Q S S D
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.


%d bloggers like this: