Archive for 3 Novembro, 2020

Eleições Presidenciais EUA – 2020 (X)

Eis-nos chegados ao “Dia D” das eleições presidenciais nos EUA, com o candidato Joe Biden a perfilar-se como favorito, mas ainda com todas as possibilidades em aberto.

Resumem-se, no mapa abaixo, as tendências apontadas pelas sondagens, Estado a Estado, classificadas em quatro escalões de probabilidade (vitória praticamente segura de um dos candidatos; forte probabilidade de vitória; ligeira vantagem; situação de “empate”):


Click the map to create your own at 270toWin.com

 

De forma esquemática, e recuperando os cenários que, semana a semana, aqui fui apresentando, resume-se de seguida a evolução de tais tendências, ao longo das últimas dez semanas:

A evolução dos números relativos a Donald Trump centra-se sobretudo no reforço (4.ª semana) ou retrocesso (3.ª e 5.º semanas) da sua posição no Estado do Ohio (18 “Grandes Eleitores”) – tendo mantido constante (125) o somatório de votos “seguros” e/ou de forte probabilidade de vitória.

Quanto a Joe Biden, começou por reforçar posições na Florida (29) – 2.ª e 6.ª semanas – e Arizona (11), registando-se retrocesso na Florida na 5.ª e 8.ª semanas.

Na 7.ª semana (13 de Outubro) o candidato democrata parecia ter, pela primeira vez, a vitória “assegurada”, ao reforçar posições determinantes em três dos Estados nos quais apresentava ainda vantagens relativamente frágeis: Arizona (11), Wisconsin (10) e Nevada (9). Em paralelo, o candidato republicano cedia no Iowa (6).

Na 8.ª semana – a duas semanas das eleições -, e para além do caso da Florida, Biden parecia ceder também terreno na Pennsylvania (20) e, novamente, no Arizona (11) – apesar de ter reforçado no Colorado (9).

Na semana passada as sondagens apontavam para a recuperação do Estado da Pennsylvania (20) por parte de Biden (reforçando também a posição no New Hampshire), o que voltava a colocar o candidato democrata em posição privilegiada para a vitória final.

Nesta derradeira semana, Biden parece ter ganho, de novo, ténue vantagem na Florida (29), enquanto a Carolina do Norte (15) voltava a situação de empate. Por seu lado, o Iowa (6) parece pender para Trump.


Em síntese, Biden terá a vitória dependente da confirmação da vantagem nos “Grandes Lagos” – fundamentalmente do desfecho na Pennsylvania: ganhando aí (sendo previsível que possa somar, pelo menos, 273 votos no Colégio Eleitoral, portanto, acima da fasquia mínima de 270), poderia até perder no Nevada, podendo dispensar, também, o Arizona e a Florida (Estados em que se perfila com vantagens mais frágeis) -, isto mesmo que Trump consiga vencer nos restantes battleground states (Ohio, Georgia e Carolina do Norte), como será, porventura, mais expectável.

Caso viesse a claudicar na Pennsylvania, as contas poderiam complicar-se: nessa circunstância Biden necessitaria – para além de triunfar no Michigan, Minnesota e Wisconsin, Estados “críticos” para o cômputo final – de ganhar igualmente no Arizona, o que não é, de todo, seguro (ou, ainda menos provável, na Florida).

Para Trump, a possibilidade de vitória nestas eleições passará, necessariamente, por ganhar na Pennsylvania (para além, claro, da Florida, Ohio, Georgia e Carolina do Norte), e, adicionalmente, ainda um outro dos Estados em que parece registar desvantagem com alguma significância (Arizona, Nevada ou Minnesota).

A eventualidade de um cenário de hipotético empate (269-269) subsiste também (por exemplo, se Biden, ganhando na Pennsylvania, viesse a perder no Arizona e no Minnesota; ou, alternativamente, caso Biden perca na Pennsylvania e numa das circunscrições do Nebraska).

Em qualquer caso, não será muito provável que Biden venha a ultrapassar os 300 “Grandes Eleitores”, como decorreria da conjugação de todas as situações em que parece dispor de alguma vantagem nas sondagens. Ao invés, em relação a Trump, será expectável que, para além da sua base de apoio “segura” e dos Estados em que apresenta vantagens menos significativas, venha a atingir, pelo menos, 219 (ou 248) votos no “Colégio Eleitoral”, pelo que a incerteza subsistirá, possivelmente, durante toda a noite eleitoral.

Se tivesse de fazer uma aposta – inevitavelmente falível -, seria nos 290-248, a favor de Joe Biden, com o seguinte detalhe (ordenando os Estados por grau decrescente de probabilidade de vitória de cada um dos candidatos):

3 Novembro, 2020 at 10:30 am 1 comentário


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Novembro 2020
S T Q Q S S D
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.