Archive for 2 Outubro, 2019

Liga dos Campeões – 2ª Jornada – Resultados e Classificações

Grupo A
Galatasaray – Paris St.-Germain – 0-1
Real Madrid – Brugge – 2-2

1º Paris St.-Germain, 6; 2º Brugge, 2; 3º Galatasaray e Real Madrid, 1

Grupo B
Tottenham – Bayern – 2-7
Crvena Zvezda – Olympiakos – 3-1

1º Bayern, 6; 2º Crvena Zvezda, 3; 3º Olympiakos e Tottenham, 1

Grupo C
Manchester City – D. Zagreb – 2-0
Atalanta – Shakhtar Donetsk – 1-2

1º Manchester City, 6; 2º D. Zagreb e Shakhtar Donetsk, 3; 4º Atalanta, 0

Grupo D
Juventus – Bayer Leverkusen – 3-0
Lokomotiv Moskva – At. Madrid – 0-2

1º Juventus e At. Madrid, 4; 3º Lokomotiv Moskva, 3; 4º Bayer Leverkusen, 0

Grupo E
Genk – Napoli – 0-0
Liverpool – RB Salzburg – 4-3

1º Napoli, 4; 2º RB Salzburg e Liverpool, 3; 4º Genk, 1

Grupo F
Slavia Praha – B. Dortmund – 0-2
Barcelona – Inter – 2-1

1º B. Dortmund e Barcelona, 4; 3º Inter e Slavia Praha, 1

Grupo G
RB Leipzig – Lyon – 0-2
Zenit – Benfica – 3-1

1º Zenit e Lyon, 4; 3º RB Leipzig, 3; 4º Benfica, 0

Grupo H
Lille – Chelsea – 1-2
Valencia – Ajax – 0-3

1º Ajax, 6; 2º Chelsea e Valencia, 3; 4º Lille, 0

2 Outubro, 2019 at 9:55 pm Deixe um comentário

Liga dos Campeões – 2ª jornada – Zenit – Benfica

Zenit S. PetersburgoZenit S. Petersburgo – Andrei Lunev, Igor Smolnikov (63m – Yordan Osorio), Branislav Ivanović, Yaroslav Rakitskiy, Douglas Santos, Sebastián Driussi, Wílmar Barrios, Magomed Ozdoev, Oleg Shatov (68m – Vyacheslav Karavaev), Sardar Azmoun (81m – Aleksandr Erokhin) e Artem Dzyuba

BenficaBenfica – Odysseas Vlachodimos, Tomás Tavares, Rúben Dias, Jardel Vieira, Alejandro “Álex” Grimaldo, Ljubomir Fejsa (60m – Carlos Vinicius), Luís Fernandes “Pizzi” (60m – Caio Lucas), Gabriel Pires, Adel Taarabt, Rafael “Rafa” Silva e Haris Seferović (81m – Raúl de Tomás)

1-0 – Artem Dzyuba – 22m
2-0 – Rúben Dias (p.b.) – 70m
3-0 – Sardar Azmoun – 78m
3-1 – Raúl de Tomás – 85m

Cartão amarelo – Yaroslav Rakitskiy (44m)

Árbitro – Carlos del Cerro Grande (Espanha)

Os resultados e as exibições do Benfica em desafios da Liga dos Campeões têm vindo a assumir um padrão, nas últimas épocas, que afastam já a causalidade ou qualquer outro aspecto relacionado com a aleatoriedade do jogo.

É evidente a falta de competitividade que, de forma consistente, tem vindo a ser patenteada,  a este nível, de exigência máxima em termos europeus: 11 derrotas sofridas nos últimos 14 jogos disputados na fase de grupos da competição são números demasiado eloquentes.

Esta noite, ciente da necessidade de pontuar, atendendo ao mau arranque nesta edição, com o desaire caseiro sofrido ante o RB Leipzig, o Benfica – depois de um primeiro susto, logo ao segundo minuto – até pareceu entrar com disposição positiva, procurando jogar de igual para igual (Seferović cabecearia, com perigo, aos cinco minutos).

Porém, a partir do primeiro tento sofrido, aos 22 minutos – com Vlachodimos, apertado, a passar a bola a Fejsa, que não conseguiu dominar, perdendo a bola para Ozdoev, deixando espaço à rápida incursão de Dzyuba, que não perdoou -, a equipa logo se descompôs, revelando, durante cerca de uma hora de jogo, inexplicáveis fragilidades, e, pior, mostrando-se desconcentrada, abúlica, e com erros gritantes, inaceitáveis em alta competição, que o Zenit aproveitou para, sem dificuldade, elevar a contagem até 3-0, podendo, inclusivamente, o marcador ter atingido expressão mais violenta (o resultado tangencial ao intervalo era, aliás, lisonjeiro para o Benfica).

Nessa fase, após Bruno Lage ter arriscado, fazendo sair Fejsa para a entrada de Carlos Vinicius, a equipa benfiquista estava já claramente descompensada, esquecida das imprescindíveis marcações, deixando enormes clareiras livres ao seu adversário.

Assim chegaria o segundo golo do Zenit, numa transição rápida, com Rúben Dias – ao tentar interceptar a bola, que, cruzada por Karavaev, rumava para a fácil finalização de um contrário, nas suas costas -, infeliz, a introduzir a bola na sua própria baliza.

E, poucos minutos depois, o terceiro tento, outra vez com o meio campo e defensiva encarnadas, completamente distraídos, na sequência de um livre, a conceder completa liberdade de movimentos ao ataque russo.

Ao longo de todo esse período, o grupo português apresentava-se desligado, sem agressividade, permitindo ao Zenit superiorizar-se em praticamente todos os duelos individuais e bolas divididas.

De positivo ficou unicamente, já na parte final do encontro, o grito de inconformismo de Raúl de Tomás – cuja entrada em campo, a nove minutos do fim, até chegou a dar a sensação de, de alguma forma, poder ser um “presente envenenado”, considerando a forma destrambelhada como a equipa se posicionava – com um potente remate, de fora da área, ao ângulo da baliza, a quebrar o seu jejum pessoal de golos ao serviço do Benfica, estreando-se enfim a marcar.

Nos derradeiros minutos, Raúl de Tomás, Gabriel e Carlos Vinicius estariam ainda perto de poder voltar a chegar ao golo, mas o resultado não se alteraria.

Urge “arrepiar caminho”: a salvação da participação europeia do Benfica nesta época passa, necessariamente, por uma vitória no próximo jogo frente ao Lyon.

2 Outubro, 2019 at 9:53 pm Deixe um comentário

Grandes clássicos das competições europeias – (21) Real Madrid – Manchester United

Real Madrid Manchester United

 Época Prova Ronda       1.ª Mão                2.ª mão
1956-57 TCE   1/2  R.Madrid-M.Utd.  3-1   M.Utd.-R.Madrid  2-2
1967-68 TCE   1/2  M.Utd.-R.Madrid  1-0   R.Madrid-M.Utd.  3-3
1999-00 LCE   1/4  R.Madrid-M.Utd.  0-0   M.Utd.-R.Madrid  2-3
2002-03 LCE   1/4  R.Madrid-M.Utd.  3-1   M.Utd.-R.Madrid  4-3
2012-13 LCE   1/8  R.Madrid-M.Utd.  1-1   M.Utd.-R.Madrid  1-2
2016-17 STE  Final R.Madrid-M.Utd.  2-1 (Philip II Ar.,Skopje)

      Balanço global                J    V    E    D   GM   GS
Real Madrid - Manchester United    11    5    4    2   22 – 17

Vem de longe a rivalidade entre estes dois históricos do futebol europeu, que se defrontaram pela primeira vez, na temporada de 1956-57, nas meias-finais, logo na segunda edição da Taça dos Campeões Europeus, de que o Real Madrid começara, desde início, a ser o “crónico” vencedor, tendo triunfado em todas as cinco primeiras finais da prova.

Nas outras três eliminatórias em que os espanhóis levaram a melhor sobre o clube inglês, o Real Madrid revalidaria o título de Campeão Europeu em 1999-00 (8.º dos seus treze títulos), quedando-se pelas meias-finais em 2002-03 (eliminado pela Juventus) e em 2012-13 (suplantado pelo Borussia Dortmund).

Por seu lado, o Manchester United, na única ocasião em que conseguiu superar o Real Madrid no confronto directo (defendendo o tangencial triunfo averbado em casa, impondo um empate a três golos no “Santiago Bernabéu”), também na já distante época de 1967-68, conquistaria a Taça dos Campeões, ganhando ao Benfica na Final, em Wembley, após prolongamento.

A última vez que os dois clubes se cruzaram foi na Supertaça Europeia de 2016-17, em Sjopke, na Macedónia, com José Mourinho (depois de três épocas em que orientou o Real Madrid, entre 2010 e 2013, tendo marcado presença nas meias-finais da Liga dos Campeões nesses três anos) então no comando técnico do Manchester United (vencedor da Liga Europa da referida temporada), tendo a equipa espanhola conquistado também o troféu em disputa.

2 Outubro, 2019 at 7:00 pm Deixe um comentário


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Outubro 2019
S T Q Q S S D
« Set   Nov »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.