Archive for Fevereiro, 2012

Kiva – empreste pequenos montantes e mude a vida de alguém para melhor

Já ouviu falar de micro-crédito? E em concreto do KIVA? Pois o KIVA cujo lema é Kiva – Loans that change lives tem larga experiência como mediador de micro-crédito um pouco em todo o mundo e conta também com vários investidores portugueses. O processo baseia-se em pequenos empréstimos (a partir de 25 dólares – cerca de 20€) que qualquer um de nós pode colocar à disposição de um dos vários projectos que são apresentados na plataforma. Se o projecto auxiliado reunir um mínimo de investimento indispensável inicia-se e, no tempo anunciado, o investimento deverá ser recuperado e devolvido a quem emprestou. No fundo, estamos perante mais um caso de social lending ou de crowdfunding. Mas, será que funciona mesmo?

A convite do blogue Economia & Finanças, escrevi um pequeno artigo sobre a minha experiência pessoal com o Kiva, desde 2010, e os 8 projectos – Tanzânia (comércio alimentar), Mali (agricultura), Filipinas (comércio de peixe), Equador (comércio), Uganda (para financiar custos com estudos), R. Dominicana (comércio de artigos de medicina natural), Peru (comércio) e Burundi (frutas e vegetais) – em que dei uma pequena colaboração, o qual pode ler aqui.

Anúncios

29 Fevereiro, 2012 at 6:35 pm Deixe um comentário

Governo vai alterar Acordo Ortográfico

Francisco José Viegas afirmou ontem que o Governo se prepara para alterar o Acordo Ortográfico até 2015 e que cada português é livre para escrever como entender.

O secretário de Estado da Cultura admitiu ontem em entrevista à TVI-24 alterar até 2015 algumas regras do novo Acordo Ortográfico, que já está em vigor nos organismos do Estado desde janeiro deste ano.

Manifestando o seu desacordo com algumas normas, Francisco José Viegas lembrou que “do ponto de vista teórico, a ortografia é uma coisa artificial. Portanto, podemos mudá-la. Até 2015 podemos corrigi-la, temos essa possibilidade e vamos usá-la. Nós temos que aperfeiçoar o que há para aperfeiçoar. Temos três anos para o fazer”. […]

(Expresso)

Uma dúvida se me suscita: pode o Governo português, unilateralmente, alterar um suposto acordo de índole internacional?

P.S. A propósito, a ler, no Aventar, “Acordo Ortográfico: a gaguez de Francisco José Viegas“.

29 Fevereiro, 2012 at 5:43 pm 1 comentário

Viegas admite “aperfeiçoar” Acordo Ortográfico até 2015

O secretário de Estado da Cultura entende que existe a “possibilidade” de, até 2015, se mudarem algumas normas inscritas no novo Acordo Ortográfico (AO). “Temos essa possibilidade e eu acho que vamos usá-la. Temos de aperfeiçoar aquilo que há para aperfeiçoar”, disse Francisco José Viegas, nesta terça-feira à noite. […]

“A mim parece-me que é um não-problema. Os materiais impressos e oficiais do Centro Cultural de Belém obedecem a uma norma geral, que é a mesma que vigor em todos os organismos sob a tutela do Estado. Portanto, é um assunto encerrado. O dr. Vasco Graça Moura escreverá como quiser. Como eu posso escrever”, continuou, sublinhando que “não há uma polícia da língua, há um acordo que não implica sanções graves para cada um de nós”.

Viegas lembrou que há jornais que não adoptaram o novo AO (como o PÚBLICO) e que não são punidos por isso. “Há uma resolução do Conselho de Ministros já de 2010, que impõe o AO. De acordo com essa resolução, o AO entraria em vigor nos organismos sob tutela do Estado em Janeiro 2011. Parte da imprensa já utiliza o AO, a TVI utiliza o AO. Há alguns jornais que não o fazem e, como imagina, não há coimas, não há multas para quem não suprime algumas das consoantes mudas.”

“O que é bom considerar é o seguinte: do ponto de vista teórico, a ortografia é uma coisa artificial, provavelmente, e portanto, se é artificial, nós podemos mudá-la. Mas temos uma vantagem. É que até 2015, podemos corrigi-la. Temos essa possibilidade e eu acho que vamos usá-la”, afirmou, já depois de lamentar a forma como o processo foi conduzido, mas também o que entende ser uma discussão de “última hora”. “Temos de aperfeiçoar aquilo que há para aperfeiçoar. Temos algum tempo, temos três anos para o fazer.”

(Público)

29 Fevereiro, 2012 at 1:24 pm Deixe um comentário

10 anos do fim do Escudo



















A “teoria da relatividade” aplicada ao dinheiro: no dia 28 de Fevereiro de 2002 todas estas notas foram trocadas por… 220,92 €!

O Decreto-Lei n.º 117/2001, de 17 de Abril, determinou a cessação do curso legal das notas e moedas expressas em escudos, deixando – a partir de 1 de Março de 2002 – de ter curso legal e poder liberatório, sendo consequentemente retiradas da circulação as notas denominadas em Escudos, emitidas pelo Banco de Portugal, tal como as moedas metálicas.

Para quem ainda disponha destas notas “em carteira”, podem algumas das mesmas ser ainda trocadas, no Banco de Portugal, até dia 28 de Fevereiro de 2022

Não obstante, tal apenas é aplicável aos seguintes modelos, que tinham curso legal há 10 anos, aquando do último dia de vida do Escudo:

  • 500$00, CH 13, efígie «João de Barros»;
  • 1000$00, CH 13, efígie «Pedro Álvares Cabral»;
  • 2000$00, CH 02, efígie «Bartolomeu Dias»;
  • 5000$00, CH 03, efígie «Vasco da Gama»;
  • 10000$00, CH 02, efígie «Infante D. Henrique».

28 Fevereiro, 2012 at 8:45 am 2 comentários

10 anos de “Jornalismo Digital”

O blogue “Jornalismo Digital“, criado por Elisabete Barbosa, completa hoje dez anos de existência. Parabéns pela perseverança!

27 Fevereiro, 2012 at 7:55 pm Deixe um comentário

Óscares – 2012 – Vencedores


E os vencedores dos Óscares foram:

  • Melhor filme – “O Artista” (The Artist)
  • Melhor realizador –  Michael Hazanavicius (The Artist)
  • Melhor actor – Jean Dujardin (The Artist)
  • Melhor actriz – Meryl Streep (“A Dama de Ferro” – The Iron Lady)
  • Melhor actor secundário – Christopher Plummer (“Assim é o amor” – Begginers)
  • Melhor actriz secundária – Octavia Spencer (“As Serviçais” – The Help)

Consultar a lista completa aqui.

27 Fevereiro, 2012 at 8:00 am Deixe um comentário

Fim da publicação do jornal espanhol “Público”

24 Fevereiro, 2012 at 11:30 pm Deixe um comentário

Liga Europa – 1/16 Final (2ª mão)

                                 2ª mão     1ª mão      Total
Manchester City - FC Porto         4-0        2-1        6-1
Manchester United - Ajax           1-2        2-0        3-2
Athletic Bilbao - Lok. Moskva      1-0        1-2        2-2
Metalist Kharkiv - Salzburg        4-1        4-0        8-1
Valencia - Stoke City              1-0        1-0        2-0
Olympiakos - Rubin Kazan           1-0        1-0        2-0
Anderlecht - AZ Alkmaar            0-1        0-1        0-2
At. Madrid - Lazio                 1-0        3-1        4-1
Twente - Steaua                    1-0        1-0        2-0
Schalke 04 - Viktoria Plzen        3-1 (a.p.) 1-1        4-2
Standard Liège - Wisla Krakow      0-0        1-1        1-1
Besiktas - Sp. Braga               0-1        2-0        2-1
PAOK - Udinese                     0-3        0-0        0-3
PSV Eindhoven - Trabzonspor        4-1        2-1        6-2
Brugge - Hannover                  0-1        1-2        1-3
Sporting - Legia Warsaw            1-0        2-2        3-2

Os finalistas da edição anterior da prova, FC Porto e Braga, foram afastados na primeira ronda a eliminar, apesar da vitória do Braga em Istambul (frente ao Besiktas, equipa na qual alinharam 4 portugueses: Manuel Fernandes, Ricardo Quaresma, Simão Sabrosa e Hugo Almeida – orientados por Carlos Carvalhal), pela margem mínima, insuficiente para reverter o desaire da 1ª mão, não obstante ter beneficiado de oportunidades para ampliar a marca. Má imagem continua o FC Porto a deixar em Inglaterra, com a 13ª derrota em 16 jogos, mais uma vez vergado ao peso de uma goleada (depois de 4-0 e 5-0, nas últimas deslocações, frente ao Arsenal).

O Sporting, com um difícil triunfo, confirmou a posição de vantagem que trazia de Varsóvia, sendo agora o único representante português na prova, tendo a oportunidade de poder vingar o FC Porto, na próxima eliminatória, em que defrontará o Manchester City.

Entre o lote de 16 equipas que prosseguem em prova, destaque para os contingentes: espanhol (At. Madrid, At. Bilbao e Valencia) e holandês (AZ, PSV e Twente), ambos com 3 representantes; inglês (as duas equipas de Manchester, que transitaram da Liga dos Campeões) e alemão (Hannover e Schalke 04). Com a eliminação da Lazio, de Itália subsiste apenas a Udinese. Tal como Portugal (e Itália), também Bélgica, Grécia, Turquia e Ucrânia mantêm um único representante na competição.

Os 1/8 Final, a disputar já nos próximos dias 8 e 15 de Março, têm o seguinte alinhamento:

Metalist Kharkiv – Olympiakos
Sporting – Manchester City
Twente – Schalke 04
Standard Liège – Hannover
Valencia – PSV Eindhoven
AZ Alkmaar – Udinese
At. Madrid – Besiktas
Manchester United – Athletic Bilbao

23 Fevereiro, 2012 at 7:55 pm Deixe um comentário

Processo Casa Pia – Decisão sobre o Recurso

Há quase ano e meio, o acórdão do processo Casa Pia – na ausência de provas materiais –, fundamentava-se em provas inevitavelmente controversas, deixando naturalmente campo aberto a uma forte margem de subjectividade, constando no seu espírito:

  • Basicamente, a desmontagem dos alibis apresentados pela defesa, a interrogação permanente sobre se poderiam as vítimas «estar a mentir», a demonstração de que não era inviável que fosse verdade, culminando com uma convicção íntima, formada através de uma interminável série de interrogatórios e contra-interrogatórios – sendo a forma «como foi dito» considerada essencial para avaliar «o que foi dito» – atribuindo à «ressonância emocional» dos testemunhos um cariz de «ressonância de verdade».
  • Sem certezas absolutas – não obstante se referir ter sido adoptado o standard requerido na circunstância, de um elevado nível de exigência, da «prova para além de qualquer dúvida razoável» -, ouvidos arguidos, vítimas, peritos, consultores técnicos, e cerca de nove centenas de testemunhas, o Tribunal foi formando uma convicção, baseada nos depoimentos das vítimas, na sua aparente genuinidade – incluindo as suas contradições, inconsistências e “passos em falso” -, em que, necessariamente, a palavra de Carlos Silvino da Silva não terá deixado de ser decisiva no desequilibrar dos “pratos da balança”.

Hoje, foi conhecida a decisão sobre o Recurso apresentado pelos réus: o Tribunal da Relação de Lisboa veio confirmar no essencial as decisões do primeiro julgamento; porém, decidiu considerar nulo o acórdão da 1ª instância (devido à alteração do intervalo de datas em que os crimes teriam sido praticados, considerada no decurso do julgamento, face às datas inicialmente apontadas) no que se refere à parte relativa a crimes alegadamente praticados em Elvas por Hugo Marçal, Carlos Cruz e Carlos Silvino, reenviando para 1.ª instância a sentença desses crimes, determinando assim a repetição de parte do julgamento.

Desta forma – excluindo-se o efeito decorrente de tais alegados crimes, a ser novamente objecto de apreciação – a pena de Carlos Silvino foi (provisoriamente) reduzida de 18 para 15 anos, sendo a de Carlos Cruz reduzida de 7 para 6 anos. Mantêm-se as penas dos arguidos Jorge Ritto, Manuel Abrantes e Ferreira Dinis. Em relação a Hugo Marçal, que havia sido condenado em 1.ª instância apenas por tais crimes, alegadamente praticados em Elvas, terá de se submeter a novo julgamento, não lhe sendo fixada, para já, qualquer pena. O mesmo acontece com Gertrudes Nunes, que enfrentará novo julgamento em relação aos casos de Elvas.

23 Fevereiro, 2012 at 4:27 pm Deixe um comentário

Zeca – 25 anos



23 Fevereiro, 2012 at 10:18 am Deixe um comentário

Artigos Mais Antigos


Autor – Contacto

Destaques

Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Fevereiro 2012
S T Q Q S S D
« Jan   Mar »
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
272829  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.