Archive for Junho, 2009

Pentateuco – Primeiro livro impresso em Portugal tem 522 anos

O “Pentateuco”, considerado o primeiro livro impresso em Portugal – cujo único exemplar original conhecido se encontra na Biblioteca Bodleiana, na Universidade de Oxford -, foi concluído em 30 de Junho de 1487, na oficina do editor judeu Samuel Gacon (primeira oficina tipográfica em Portugal, localizada em Faro), faz hoje precisamente 522 anos.

Trata-se do primeiro livro da Bíblia, uma narrativa desde a criação do Mundo, até à fixação do povo hebreu no Egipto, tendo sido, nesta primeira versão em Portugal, impressa em 110 fólios, com composição de 30 – 32 linhas.

Anúncios

30 Junho, 2009 at 4:00 pm Deixe um comentário

Cassini e os anéis de Saturno


(no El País)

29 Junho, 2009 at 9:13 pm Deixe um comentário

Agradecimento

Pelos parabéns a propósito do 6º aniversário do Memória Virtual, a:

Obrigado pelas vossas palavras de incentivo!

29 Junho, 2009 at 9:06 pm Deixe um comentário

Memória Virtual – 6 anos

6 anos / 6 rostos / 5 endereços web / 3 plataformas de publicação / cerca de 5 200 entradas / cerca de 990 000 visitantes / mais de 1 400 000 visualizações de página.

Obrigado!

28 Junho, 2009 at 9:30 am 1 comentário

INA – Institut National de l’Audiovisuel

O INA – Institut National de l’Audiovisuel estreou uma nova versão do seu sítio, dedicada ao visionamento e escuta, disponibilizando mais de 25 000 horas de emissão de televisão (mais de 100 000 programas!) e rádio francesas, sendo cerca de 80 % dos arquivos de consulta gratuita. Está também disponível uma loja online.

(via Le Monde)

26 Junho, 2009 at 9:58 am Deixe um comentário

Museu da Cidade

Encontra-se já disponível o sítio na Internet do Museu da Cidade (localizado em Lisboa, no Campo Grande), um museu de História, criado com o objectivo de documentar e divulgar a história de Lisboa nas diferentes etapas da sua evolução urbanística, económica, política, social e das mentalidades.

Do seu espólio destaca-se a colecção de artefactos mais antigos da ocupação humana do local, datados de 300 000 a.C. a 100 000 a.C.; as primeiras representações da cidade de Lisboa; os projectos para a inovadora obra de construção do Aqueduto das Águas Livres; os da edificação da baixa pombalina, surgida na sequência do Terramoto de 1755; terminando com O Fado, da autoria de José Malhoa, obra incontornável da pintura do século XX. O Museu da Cidade conserva também uma maqueta representando Lisboa antes do terramoto.

Neste sítio podem ver-se reconstituições virtuais de edifícios anteriores ao terramoto de 1755.

(via De Rerum Natura)

24 Junho, 2009 at 10:44 pm Deixe um comentário

História do Twitter


(via Manolith)
Mais aqui:

22 Junho, 2009 at 9:13 pm Deixe um comentário

British Library faculta arquivos de jornais desde o Século XIX

British Library faculta a consulta online de arquivos de jornais desde o século XIX, abrangendo mais de dois milhões de páginas, de cerca de meia centena de periódicos ingleses de índole nacional e regional. A pesquisa é gratuita; contudo, para aceder aos artigos é necessário fazer pagamentos a partir de cerca de 7 libras/dia (possibilitando a consulta de 100 artigos).

18 Junho, 2009 at 10:01 pm Deixe um comentário

A (não) descentralização do futebol português-2

Num ano em que o Distrito de Santarém perdera já um representante nos Campeonatos Nacionais de futebol (com a desistência do Abrantes do Campeonato da II Divisão), e em que Cartaxo e Torres Novas foram despromovidos da III Divisão para os Distritais, a aplicação de uma regra geral a uma situação específica, especial e de cariz algo excepcional como a da renúncia do Riachense à promoção aos Nacionais, faz com que a região passe a dispor de um único representante no Campeonato Nacional da III Divisão, o Rio Maior…

Sim, esse mesmo clube que viu todos os seus jogadores seniores rescindir o contrato por atrasos salariais de vários meses, e que – recorrendo aos juniores para as três últimas jornadas da prova, de forma a evitar a desclassificação – se viu mimoseado com desfechos de 16-1 (em casa, frente ao Sintrense) e 17-0 (com o Portosantense)!

Ou seja, a Associação de Futebol de Santarém – é verdade que, essencialmente, por responsabilidades imputáveis a clubes (os dirigentes do Rio Maior, em ultimato que fizeram aos jogadores imediatamente antes das rescisões fizera saber que, se as mesmas se concretizassem, o clube abandonaria a prática do futebol senior)  – corre o risco de na próxima época, de 2009-10, não ter qualquer representação no Campeonato Nacional da III Divisão… situação curiosa para uma prova que se denomina “Nacional”!

A aplicação de uma regra como a que está em causa, que privilegia as associações distritais mais poderosas, mais não faz que contribuir para o acentuar e mesmo perpetuar as já vincadas assimetrias entre litoral e interior do país. Estou convicto de que será de entendimento generalizado que tal não será o caminho mais adequado para o desenvolvimento harmonioso das regiões, nas suas várias componentes, económica, sócio-cultural, e, no caso concreto, desportiva.

Não sendo especialista em Direito, sei, não obstante, que as leis devem ter um carácter genérico e abstracto. Mas quando a interpretação da lei é cega a tal ponto que se proporciona a aplicações indevidas e injustas, não será altura de questionar tal aplicação?

17 Junho, 2009 at 10:22 pm Deixe um comentário

A (não) descentralização do futebol português

A história conta-se em poucas palavras: tudo começou no passado dia 3 de Junho quando o Riachense (Campeão Distrital da Associação de Futebol de Santarém) declarou (nomeadamente por razões financeiras) renunciar ao direito a ser promovido à III Divisão Nacional; com naturalidade, a A. F. Santarém contactou o clube vice-campeão distrital (União de Tomar) para inquirir sobre a sua disponibilidade para uma eventual promoção, em substituição do Riachense, a que os responsáveis da equipa de Tomar – depois de avaliarem os riscos inerentes a tal opção, nomeadamente de índole económico-financeira – se mostraram receptivos.

A partir desse momento a decisão deste caso estava “nas mãos” da Federação Portuguesa de Futebol. Quanto me foi possível apurar, tratar-se-á de uma situação não especificamente regulamentada, pelo que se recorrerá ao critério geral de preenchimento de vagas: em lugar do Campeão distrital de Santarém será promovido o 2º classificado do campeonato da associação com mais clubes inscritos (sendo as principais a de Braga, Porto e Lisboa…).

Uma lógica que não deixa de ter subjacente algo de contraditório com o desenvolvimento do país em geral, na medida em que privilegia as associações mais poderosas.

Subsiste uma questão, que por esta via endereço aos responsáveis da Federação Portuguesa de Futebol e da Associação de Futebol de Santarém: O que acontecerá no final da época 2009-10 caso o Riachense (ou outro qualquer clube) se sagre Campeão Distrital e renuncie (novamente…) à promoção à III Divisão Nacional?

17 Junho, 2009 at 2:14 pm Deixe um comentário

Artigos Mais Antigos


Autor – Contacto

Destaques

Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Junho 2009
S T Q Q S S D
« Maio   Jul »
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.