Archive for 19 Fevereiro, 2007

A CAIXA QUE MUDOU O MUNDO – 50 ANOS EM PORTUGAL (XII)

No dia 25 de Abril de 1976, data das primeiras eleições Legislativas, para constituição da Assembleia da República, a RTP apresenta as primeiras emissões experimentais a cores.

Em Outubro de 1976, durante todo o mês, o “2º canal” está inoperacional, em reestruturação.

Por estes anos, a televisão emite uma série juvenil que ficaria na memória da minha geração: “Os Pequenos Vagabundos” (“Les Galapiats“). A par de outros enormes sucessos que, ainda hoje, todos recordamos: Sandokan, Miguel Strogoff, e… Espaço 1999!

E, também, séries infantis que deixariam uma marca vincada: Wickie, o Viking; Heidi; Abelha Maia (em 1978); ou Abre-te Sésamo. Assim como o “Fungagá da Bicharada”, com Júlio Isidro e José Barata Moura (futuro Reitor da Universidade de Lisboa).

No 2º canal, Lauro António apresentava o “Cinemateca”, programa sobre cinema.

Em 1977, comemorando os 20 anos da televisão em Portugal, chegam a Portugal as primeiras telenovelas brasileiras, com “Gabriela, Cravo e Canela“; viriam a revolucionar o panorama televisivo português.

Por esta altura, iniciava-se também um programa que marcaria um período, o concurso “A Visita da Cornélia”, apresentado por Raul Solnado, onde despontariam novas figuras da cultura e do espectáculo em Portugal.

É também o ano da chegada a Portugal dos “Marretas” (“The Muppet Show”, com os famosos Sapo Cocas e a Miss Piggy, para além dos “Velhos” Statler e Waldorf).

O dia 18 de Dezembro de 1977 regista a primeira transmissão via satélite para os Açores.

Já no ano de 1978, a “Escrava Isaura” – novela transmitida à hora de almoço – sucede a “Gabriela”, tornando-se também num retumbante êxito de audiências. À noite, a aposta era em “O Casarão“, uma novela em jeito de saga familiar, cuja narrativa abarcava um vasto período de tempo, recorrendo à técnica do “flash-back”, que confundiria alguns dos espectadores.

19 Fevereiro, 2007 at 12:30 pm Deixe um comentário

"E DEUS PEGOU-ME PELA CINTURA" (I) – PRÉ-PUBLICAÇÃO

É com grande prazer que procederei – ao longo desta semana, no Memória Virtual – à “pré-publicação” de um capítulo do mais recente livro de Luís Carmelo, a lançar brevemente, “E Deus Pegou-me Pela Cintura“:

O dia cinzento, os eléctricos como fios de lâmina, as árvores desfolhadas e o taxista, um insecto lívido e ignorante. Guilherme trocou depois a nota de cinco euros pelos passeios descarnados em direcção ao Calvário. Os tempos desencontraram-se de vez e nada havia já a fazer: as imagens estavam em todos os jornais e passavam na televisão de hora a hora. Previra-o, é verdade; e a frieza mais óbvia que agora acompanhava Guilherme apenas provava o estado mais de premonição do que de consolação que vivera em Portalegre. Sabia-o, sempre o soubera; porventura, desde o dia 15 de Setembro, quando aquele mágico reencontro no Algarve ditou uma imensidão que não fora moldada para este mundo. Diante do gigantismo do destino, “o pobre desconfia” – pensava Guilherme, no momento em que parou em frente da esquadra e leu com atenção a placa: “4ª Divisão – Esquadra de Investigação Criminal”. Entrou serenamente no nº 7 do Largo do Calvário, dirigiu-se ao polícia de serviço, um jovem candidato a James Bond que leu em diagonal a carta registada recebida na Infante Santo. “Pois é, senhor Guilherme Moutinho, aguarde um bocadinho na sala de espera que o senhor inspector já vai recebê-lo”. “Inspector”?, repetiu Guilherme. O polícia sorriu com algum desdém, fez um gesto vago e atendeu de imediato a florista que estava em pulgas por causa de um roubo no quarteirão da frente.

O salão parecia ter sido uma enfermaria noutros tempos – as mesmas janelas largas, metalizadas e brancas; a mesma disposição de cavalaria sobre o comprido e a mesma luminosidade baça e inquietante. As paredes estavam cheias de cartazes, injunções, avisos e um calendário com uma mulher meio despida que marcava o dia de hoje: segunda-feira, dia 30/10/2006. Na porta do fundo que estava entreaberta, surgiu um sujeito alto de sobrancelhas arqueadas, lábios crispados e umas mãos pequeninas que se agitavam como salmões a subir um rio. “Rodolfo Taipas, faça o favor de entrar!” (o inspector olhou detalhadamente para o interlocutor como se já há muito o conhecesse).

Guilherme sentou-se e ouviu aquele tipo de prólogo moralista que menos poderia suportar: “O tema, a pessoa de quem vou falar, as notícias de choque que estão a passar a toda a hora nos media, tudo isso me embaraça e até inibe, senhor Guilherme Moutinho. Mas eu sou um profissional, compreenderá, e tenho que agir como tal… seja em que circunstância for. É o meu trabalho”.

“E Deus Pegou-me Pela Cintura” – Luís Carmelo

19 Fevereiro, 2007 at 8:35 am Deixe um comentário


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Fevereiro 2007
S T Q Q S S D
« Jan   Mar »
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.