Archive for Abril, 2020

COVID-19 – Evolução no mês de Abril

Dados Boletim DGS - Abril
Abril - Média móvel 7 dias
COVID-19 - Internados e Recuperados - Abril

30 Abril, 2020 at 7:42 pm Deixe um comentário

Grandes clássicos das competições europeias – (2) Real Madrid – Juventus

Real Madrid Juventus

 Época Prova Ronda       1.ª Mão                2.ª mão
1961-62 TCE   1/4  Juventus-R.Madrid 0-1 R.Madrid-Juventus 0-1
1961-62 TCE   1/4  Juventus-R.Madrid 1-3 (Desempate - Paris)
1986-87 TCE   1/8  R.Madrid-Juventus 1-0 Juventus-R.Madrid 1-0
1995-96 LCE   1/4  R.Madrid-Juventus 1-0 Juventus-R.Madrid 2-0
1997-98 LCE  Final R.Madrid-Juventus 1-0 (Amesterdão)
2002-03 LCE   1/2  R.Madrid-Juventus 2-1 Juventus-R.Madrid 3-1
2004-05 LCE   1/8  R.Madrid-Juventus 1-0 Juventus-R.Madrid 2-0
2008-09 LCE  Grupo Juventus-R.Madrid 2-1 R.Madrid-Juventus 0-2
2013-14 LCE  Grupo R.Madrid-Juventus 2-1 Juventus-R.Madrid 2-2
2014-15 LCE   1/2  Juventus-R.Madrid 2-1 R.Madrid-Juventus 1-1
2016-17 LCE  Final R.Madrid-Juventus 4-1 (Milennium, Cardiff)
2017-18 LCE   1/4  Juventus-R.Madrid 0-3 R.Madrid-Juventus 1-3

      Balanço global                J    V    E    D   GM   GS
Real Madrid - Juventus             21   10    2    9   26 – 25

Num dos mais marcantes “clássicos” do futebol europeu, a estatística global de 21 duelos disputados – todos eles no âmbito da principal competição de clubes da Europa – é equilibrada, em termos de vitórias (dez a nove, a favor do Real).

Todavia, tal vantagem é mais vincada em termos de desfecho das “decisões”, com o Real Madrid a vencer as duas Finais da “Liga dos Campeões” disputadas entre ambos os clubes, em 1998 e 2017, enquanto a Juventus se impôs em duas meias-finais (em 2003 e 2015).

Em termos globais, nas sete ocasiões em que se defrontaram em eliminatórias, o Real Madrid garantiu o apuramento para a fase seguinte por três vezes (1962, 1987 e 2018), tendo a Juventus interrompido a campanha do rival nos restantes quatro casos (para além de 2003 e 2015, também em 1996 e em 2005).

Na primeira época em que se cruzaram (1961-62), após a decisão da eliminatória apenas num terceiro jogo (de desempate, realizado em Paris) – tendo cada equipa começado por vencer no terreno do adversário (com a curiosa história de a Juventus ter tido de mudar de equipamento na 2.ª mão) -, o Real Madrid (com Di Stéfano, Puskas e Gento) afastaria ainda, de seguida, o Standard de Liège, nas meias-finais, antes de ser derrotado pelo Benfica, na Final de Amesterdão.

Em 1987, enfrentando-se logo na 2.ª eliminatória (1/8 de final) – o que, a par do confronto entre Real e Napoli (de Maradona), na 1.ª eliminatória da edição imediata (1987-88) da Taça dos Campeões Europeus terá acelerado a criação da Liga dos Campeões -, tendo cada equipa vencido a partida disputada no respectivo terreno (em ambos os casos por tangencial 1-0), os merengues acabariam por ser mais eficazes no desempate da marca de grande penalidade, avançando para os 1/4 de final, fase em que eliminariam (agora com base na regra de desempate pelos golos marcados fora de casa) o Crvena Zvezda, antes de virem a ser afastados nas meias-finais pelo Bayern, a caminho da Final de Viena, na qual o FC Porto se sagrou pela primeira vez Campeão Europeu.

Na temporada de 1995-96, sob o comando técnico de Marcelo Lippi (e contando com figuras como as de Del Piero, Deschamps, Vialli, Conte ou Paulo Sousa), após ter revertido uma desvantagem de 0-1 em Madrid, ganhando por 2-0 em Turim, a Juventus – tendo entretanto suplantado também o Nantes, nas meias-finais – conquistaria o seu segundo título de Campeão Europeu (último, até à data, tendo, desde então, perdido já cinco finais da “Champions”, totalizando sete finais perdidas na principal competição europeia de clubes), ao ganhar o desempate da marca de grande penalidade, no Estádio Olímpico de Roma, frente ao então detentor do título, Ajax.

Em 1998, o Real Madrid conquistava a sua sétima coroa de Campeão Europeu, batendo a Juventus (ainda com Zidane nas suas fileiras), na Final de Amesterdão, mercê de um contestado golo do montenegrino Predrag Mijatović (na pequena área, a contornar o guardião Peruzzi), no que constituía então a estreia do clube branco (dirigido por Jupp Heynckes, com Roberto Carlos, Seedorf ou Raul) como vencedor da Liga dos Campeões, colocando enfim termo a um longo jejum, de 32 anos – correspondendo precisamente a metade de todas as edições das competições europeias até agora disputadas – desde a última vitória na Taça dos Campeões, em 1966.

Já depois de o Real Madrid ter entretanto somado três títulos sob a égide da Liga dos Campeões (1998, 2000 e 2002), a Juventus impor-se-ia, nas meias-finais de 2003, superando a derrota de 1-2 no “Santiago Bernabéu” com um triunfo por 3-1 no “Stadio delle Alpi” (face a um adversário em que alinhavam os “galácticos” Roberto Carlos, Zidane, Ronaldo, Raúl González e Luís Figo – o qual possibilitaria a Buffon a defesa de uma grande penalidade). A “Vecchia Signora” viria, porém, a perder a Final de Manchester, no desempate da marca de grande penalidade, face ao AC Milan.

Nos 1/8 de final da época de 2004-05 operou-se quase como que um remake de 1995-96, outra vez com o Real a começar por ganhar em casa mercê de um solitário golo, vindo a Juventus a superar tal desvantagem, com o 2-0 averbado em Turim, pese embora, desta feita, apenas após prolongamento. O grupo italiano seria, contudo, afastado nas meias-finais pelo futuro Campeão Europeu, Liverpool.

Dez anos volvidos, em 2015, depois de se superiorizar novamente ao Real Madrid nas meias-finais (tal como sucedera em 2003), desta vez em função de um tangencial triunfo caseiro (2-1), que defendeu em Madrid, onde empatou a uma bola – com um jogador da formação do Real, Álvaro Morata, a marcar pela equipa transalpina nos dois jogos -, a Juventus voltaria a ser desfeiteada na Final, em Berlim, perdendo com o Barcelona.

Em 2017, no Millennium Stadium, em Cardiff, nova vitória do Real Madrid numa Final – conquistando o 12.º título de Campeão Europeu, coincidindo com o seu sexto troféu da Liga dos Campeões (e, em paralelo, a sétima Final perdida pelos italianos) -, ganhando à Juventus por categórica marca de 4-1, com Cristiano Ronaldo a bisar.

Por fim, em 2018 – quarto embate de gigantes em cinco épocas -, uma eliminatória ainda bem presente na nossa memória, com o soberbo golo de Cristiano Ronaldo em Turim (bisando de novo), num fantástico triunfo por 3-0 do Real; e a expulsão de Buffon em Madrid, com a formação espanhola a desempatar a eliminatória apenas já em tempo de compensação (ao minuto 98, na conversão de uma grande penalidade, outra vez por… Cristiano Ronaldo – no seu 10.º golo em sete jogos (!) ante aquele que viria a ser o novo clube do português), reduzindo a expressão da derrota dos merengues para 1-3, o suficiente para garantir a qualificação, impedindo o que prometia ser uma épica recuperação da Juventus. Depois de afastar o Bayern nas meias-finais, o Real Madrid conquistaria a principal competição da UEFA pela 13.ª vez, na Final de Kiev, frente ao Liverpool, na muito infeliz noite de Loris Karius.

Os dois emblemas integraram ainda o mesmo grupo da “Champions” em duas ocasiões, em 2008-09 e em 2013-14, tendo o Real Madrid alcançado a qualificação de ambas as vezes – não obstante tenha perdido as duas partidas de 2008, por 1-2 em Turim e 0-2 em Madrid (bis de Del Piero) -, enquanto a Juventus sairia afastada em 2013 (3.ª classificada do grupo).

Em 2008-09, o Real Madrid cairia logo nos 1/8 de final, aos pés do Liverpool, perdendo os dois jogos, com um score agregado de 5-0, quedando-se a Juventus na mesma fase, afastada pelo Chelsea.

Em 2014 – tendo começado, nessa fase de grupos, por vencer a Juventus, em casa, por 2-1 e empatado em Turim a dois golos -, depois de afastar, nas sucessivas eliminatórias, nada menos do que três clubes alemães (Schalke 04, Borussia Dortmund e Bayern), o Real conquistaria enfim a tão almejada “10.ª” – após um interregno de doze anos, desde a última vitória anterior -, na Final em Lisboa, no Estádio da Luz, derrotando o At. Madrid, por 4-1, no prolongamento (tendo-se salvado da derrota, com um golo de Sergio Ramos já em período de compensação do tempo regulamentar).

29 Abril, 2020 at 7:00 pm Deixe um comentário

Grandes clássicos das competições europeias – (3) Barcelona – AC Milan

Barcelona AC Milan

 Época Prova Ronda       1.ª Mão                2.ª mão
1959-60 TCE   1/8   Milan-Barcelona 0-2    Barcelona-Milan 5-1
1988-89 STE  Final  Barcelona-Milan 1-1    Milan-Barcelona 1-0
1993-94 LCE  Final  Milan-Barcelona 4-0  (Spyros Louis,Atenas)
2000-01 LCE  Grupo  Barcelona-Milan 0-2    Milan-Barcelona 3-3
2004-05 LCE  Grupo  Milan-Barcelona 1-0    Barcelona-Milan 2-1
2005-06 LCE   1/2   Milan-Barcelona 0-1    Barcelona-Milan 0-0
2011-12 LCE  Grupo  Barcelona-Milan 2-2    Milan-Barcelona 2-3
2011-12 LCE   1/4   Milan-Barcelona 0-0    Barcelona-Milan 3-1
2012-13 LCE   1/8   Milan-Barcelona 2-0    Barcelona-Milan 4-0
2013-14 LCE  Grupo  Milan-Barcelona 1-1    Barcelona-Milan 3-1

      Balanço global                J    V    E    D   GM   GS
Barcelona - AC Milan               19    8    6    5   30 – 23

Num clássico rico, envolvendo uma Final da Liga dos Campeões, para além de uma Supertaça Europeia, assinalam-se, em especial, as (três) goleadas registadas nos confrontos entre estes dois históricos do futebol mundial.

Logo em 1959, o Barcelona derrotou o AC Milan por 5-1; em 1994, na referida Final da Liga dos Campeões, foi a vez de os italianos golearem por inequívoco marcador de 4-0; um desfecho do qual o Barcelona, de alguma forma, se desforrou, nos 1/8 de final da época de 2012-13.

Na primeira daquelas épocas, após ter afastado o clube italiano nos 1/8 de final da Taça dos Campeões Europeus, a formação catalã superaria o Wolverhampton (com duas goleadas), antes de sucumbir nas meias-finais, ante o Real Madrid (perdendo por duplo 1-3).

Na Supertaça Europeia de 1988-89, o Campeão Europeu AC Milan – com Gullit, Rijkaard e Van Basten – levaria a melhor frente ao Barcelona (vencedor da Taça das Taças), ganhando por tangencial 1-0 em “San Siro”.

Em 1994, o “dream team” do Barcelona (liderado por Cruijff, contando com Koeman, Guardiola, Romário ou Stoitchkov, tetra-campeão de Espanha) assumia, em teoria, claro favoritismo, perante um adversário que não conseguia vencer há seis jogos no campeonato de Itália, e que se apresentava privado de nomes como Baresi, Costacurta ou Marco van Basten.

Contrariando as expectativas gerais, a turma dirigida por Fabio Capello resolveria a contenda em pouco mais de 45 minutos (ao marcar, logo a abrir o segundo tempo, o seu terceiro tento). O AC Milan, com uma equipa alicerçada em Maldini, Desailly e Dejan Savićević, superiorizava-se de novo – de forma inequívoca, como que um “passeio”, dominando de princípio a fim, goleando por 4-0 – ao Barcelona, numa célebre Final, disputada em Atenas, assim conquistando o seu primeiro troféu da “Liga dos Campeões”, sagrando-se Campeão Europeu pela 5.ª vez (de um total de sete títulos conquistados).

Os dois clubes cruzaram-se, depois, em três eliminatórias, todas elas na principal prova da UEFA, sempre com o Barcelona a sair vencedor, eliminando, nessas três ocasiões, o AC Milan.

Em 2005-06, nas meias-finais, os catalães – orientados por Frank Rijkaard, com Ronaldinho Gaúcho em destaque, numa equipa em que alinhavam também Deco e Samuel Eto’o (ainda antes do apogeu de Xavi e Iniesta) – ganharam em Itália por tangencial 1-0, vantagem que preservaram com um nulo em Camp Nou – numa rara eliminatória em que os italianos ficaram em branco no cômputo dos dois jogos – o suficiente para garantir ao Barcelona a sua quinta presença na Final, conquistando o título de Campeão Europeu pela segunda vez (primeira sob o formato de Liga dos Campeões), ao bater, no Stade de France, em Paris, o Arsenal.

Em 2011-12, depois de terem partilhado o mesmo grupo – tendo o Barcelona vencido outra vez em Milão (3-2) -, apurando-se ambos para a fase a eliminar, reencontraram-se nos 1/4 de final: após o nulo em San Siro, os blaugrana impuseram-se por 3-1 em casa; viriam, contudo, a ceder nas meias-finais, ante o Chelsea.

Na temporada imediata, novo embate, desta feita nos 1/8 de final, com o Barcelona – com a tal goleada de 4-0 – a reverter o desaire (0-2) averbado em Itália, na 1.ª mão. O emblema catalão superaria ainda o Paris Saint-Germain (mercê de dois empates), antes de cair com estrondo, outra vez nas meias-finais, com duas goleadas sofridas ante o Bayern (0-4 e 0-3).

Para além da época de 2011-12, catalães e milaneses integraram o mesmo Grupo da Liga dos Campeões noutras três temporadas.

Logo em 2000-01, ainda na fase inicial de grupos, tinha sido a vez de o AC Milan ganhar na Catalunha, a que se seguiu uma recheada igualdade (3-3) em Itália (com hat-trick de Rivaldo – que, dois anos depois, se transferiria para “San Siro” -, numa equipa em que alinhava Simão Sabrosa), o que resultou, então, na eliminação do Barcelona (3.º classificado no grupo, também atrás do Leeds United). Quanto aos rossoneri, quedar-se-iam pela segunda fase de grupos, suplantados por Deportivo Coruña e Galatasaray.

Na temporada de 2004-05, cada um dos clubes venceu as respectivas partidas disputadas em casa: 1-0 em Milão; 2-1 em Espanha – tendo avançado ambos na competição. O Barcelona seria depois suplantado, nos 1/8 de final, pelo Chelsea; por seu lado, o AC Milan começaria por afastar o Manchester United (com dois empates); o arqui-rival Inter, nos 1/4 de final, com vitórias nos jogos das duas mãos, e o PSV Eindhoven, nas meias-finais, apurando-se assim para a sua 10.ª Final da Taça/Liga dos Campeões.

Tratou-se da também histórica Final de Istambul, frente ao Liverpool, na qual, depois de chegar ao intervalo a ganhar por 3-0, o AC Milan consentiria três golos ao adversário no curto intervalo de seis minutos (entre os 54 e os 60 minutos), para acabar por ser batido no desempate da marca de grande penalidade, perdendo pela quarta vez no jogo decisivo.

Por fim, em 2013-14 – no(s) último(s) confronto(s) até à data -, após a igualdade a um golo em Milão, o Barcelona venceu, na 2.ª volta, por 3-1, tendo ambos os clubes avançado novamente para a fase eliminar (suplantando o Ajax e o Celtic). O AC Milan seria afastado logo nos 1/8 de final, com dois desaires sofridos ante o At. Madrid (1-4 no “Vicente Calderón”). Um destino comum ao que o Barcelona viria a ter, o qual, após superar o Manchester City com dois triunfos, acabou por ser também eliminado pelos colchoneros, nos 1/4 de final.

15 Abril, 2020 at 7:00 pm Deixe um comentário

Grandes clássicos das competições europeias – (4) Barcelona – Chelsea

Barcelona Chelsea

 Época Prova Ronda       1.ª Mão                2.ª mão
1965-66 TCF   1/2  Barcelona-Chelsea 2-0 Chelsea-Barcelona 2-0
1965-66 TCF   1/2  Barcelona-Chelsea 5-0 (Desempate-Barcelona)
1999-00 LCE   1/4  Chelsea-Barcelona 3-1 Barcelona-Chelsea 5-1
2004-05 LCE   1/8  Barcelona-Chelsea 2-1 Chelsea-Barcelona 4-2
2005-06 LCE   1/8  Chelsea-Barcelona 1-2 Barcelona-Chelsea 1-1
2006-07 LCE  Grupo Chelsea-Barcelona 1-0 Barcelona-Chelsea 2-2
2008-09 LCE   1/2  Barcelona-Chelsea 0-0 Chelsea-Barcelona 1-1
2011-12 LCE   1/2  Chelsea-Barcelona 1-0 Barcelona-Chelsea 2-2
2017-18 LCE   1/8  Chelsea-Barcelona 1-1 Barcelona-Chelsea 3-0

      Balanço global                J    V    E    D   GM   GS
Barcelona - Chelsea                17    6    6    5   29 – 21

Este “clássico” Barcelona-Chelsea é uma rivalidade dos “tempos modernos”, já na era da Liga dos Campeões, com um “aperitivo” na época de 1965-66, na Taça das Cidades com Feiras (prova não organizada pela UEFA).

De facto – após tal confronto inaugural, favorável ao Barcelona, decidido apenas num terceiro jogo -, os dois clubes cruzaram-se, no decurso de um período de 18 anos (de 2000 a 2018), nada menos que 14 vezes, disputando seis eliminatórias (duas delas meias-finais da “Champions League”)… mas nenhuma Final, com a turma catalã a levar a melhor em quatro dessas ocasiões – a que acrescem os dois jogos realizados na fase de grupos de 2006-07.

Pelo que o aparente equilíbrio a nível de vitórias, empates e derrotas é desfeito, se tivermos em consideração o desfecho das eliminatórias, com o Barcelona a seguir em frente por cinco vezes, face a apenas dois casos (2005 e 2012) em que foi o Chelsea a levar a melhor.

Na estreia dos duelos entre ambos, na referida temporada de 1965-66, depois de triunfos caseiros por 2-0 em ambas as mãos das meias-finais da Taça das Cidades com Feiras, apenas num terceiro jogo, de desempate, disputado na cidade condal (local definido por “moeda ao ar”), a eliminatória ficou decidida, com um categórico 5-0 para a equipa “blaugrana”. Na Final, a duas mãos, o Barcelona, batendo o Zaragoza, conquistaria o seu terceiro troféu na competição.

Após um interregno de 34 anos, os dois emblemas voltaram a encontrar-se, na época de 1999-00, com o Chelsea a vencer em Londres por 3-1, vantagem que se revelaria insuficiente, face à goleada sofrida em Barcelona, perdendo por 5-1, números alcançados, não obstante, apenas após prolongamento. Todavia, o conjunto catalão (onde alinhavam Luís Figo e Simão Sabrosa) viria a ser afastado logo de seguida, perdendo as meias-finais ante o Valencia.

De 2004-05 a 2008-09, apenas na temporada de 2007-08 não tivemos direito a reedição deste “clássico”.

No primeiro dessas edições da Liga dos Campeões, o Chelsea (dirigido por José Mourinho – que, logo na sua época de estreia no clube, reconquistaria, após um longo jejum de 50 anos, o título de Campeão de Inglaterra -, contando com Ricardo Carvalho, Paulo Ferreira e Tiago) reverteria o 1-2 sofrido em Barcelona, com um 4-2 em Londres (tendo chegado a 3-0 ainda antes dos vinte minutos). A formação inglesa ultrapassaria ainda o Bayern, vindo contudo a ser batida nas meias-finais pelo Liverpool (devido a um único tento sofrido, nos 180 minutos da eliminatória).

Em 2005-06, novo reencontro, outra vez nos 1/8 de final, desta feita com o Barcelona a ir vencer a “Stamford Bridge” por 2-1, preciosa vantagem que conservou, em casa, com um empate a uma bola. Na sua caminhada triunfal para a conquista da primeira “Liga dos Campeões” (segundo título de Campeão Europeu) o Barcelona (dirigido por Frank Rijkaard) superiorizar-se-ia ainda ao Benfica (1/4 de final) e AC Milan, antes de bater, na Final no “Stade de France”, o Arsenal.

Confirmando “que não há duas sem três”, os dois clubes defrontaram-se, uma vez mais, em 2006-07, agora na fase de grupos, cabendo então ao Chelsea ganhar em casa (1-0), tendo ido empatar 2-2 a “Camp Nou”, apurando-se ambos para a fase a eliminar. O então Campeão em título, Barcelona, cairia logo nos 1/8 de final, ante o Liverpool; quanto ao Chelsea, depois de afastar o FC Porto e o Valencia, acabaria por ter a “mesma sorte”, sendo – novamente, tal como sucedera em 2004-05 – afastado nas meias-finais pelo Liverpool, desta vez no desempate da marca de grande penalidade.

Após um ano de intervalo, Barcelona e Chelsea voltaram a cruzar-se em 2008-09, nas meias-finais, com o desfecho a saldar-se por dois empates, mas a favorecer o Barcelona (na época de estreia de Pep Guardiola), que, após o nulo registado em “Camp Nou”, conseguiria, na 2.ª mão, já em período de compensação, marcar um golo em Londres (por Andrés Iniesta) que lhe proporcionaria o apuramento, numa partida marcada por uma muito “infeliz” arbitragem, extremamente contestada pelos ingleses (isto depois de o Chelsea ter deixado antes pelo caminho a Juventus e o… Liverpool). Vencendo a Final, disputada em Roma, frente ao detentor do título, Manchester United, o Barcelona sagrar-se-ia então Campeão Europeu pela terceira vez no seu historial.

A disputa das meias-finais da Liga dos Campeões teria uma reedição três anos volvidos, em 2011-12, desta vez com o Chelsea a ser mais bem sucedido, ganhando em casa por 1-0 e forçando um empate a dois golos em Barcelona, tal como fizera cinco anos (desta vez, recuperando de uma desvantagem de 0-2, em inferioridade numérica, por expulsão de Terry, com o tento decisivo, de Fernando Torres, a surgir também em tempo de compensação).

Os “blues” garantiam a presença na Final de Munique (arbitrada por Pedro Proença), na qual, mais “felizes” nas grandes penalidades, bateriam o anfitrião Bayern, assim conquistando para o Chelsea o primeiro troféu de Campeão da Europa, sob a direcção de Roberto Di Matteo (após ter substituído André Villas-Boas, no período entre os jogos da 1.ª e da 2.ª mão dos 1/8 de final).

Por fim, as duas equipas tornaram a confrontar-se nos 1/8 de final, há duas épocas (2017-18), com o Barcelona a ser, outra vez, mais forte: após a igualdade a um golo averbada em Londres, os catalães venceram por categórico 3-0 em casa. Todavia, o Barcelona veria a sua campanha findar logo de seguida, nos 1/4 de final, ao perder, de forma absolutamente imprevista, também por 3-0, em Roma (desperdiçando assim a aparentemente “confortável” vantagem de 4-1 obtida na 1.ª mão).

8 Abril, 2020 at 7:00 pm Deixe um comentário

COVID-19 – Novos casos vs. Média móvel 7 dias

COVID-19-Média
COVID-19-Media

4 Abril, 2020 at 12:21 pm Deixe um comentário

Europe’s coronavirus lockdown measures compared

Politico-1Politico-2

(via Politico)

3 Abril, 2020 at 10:51 pm Deixe um comentário


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Abril 2020
S T Q Q S S D
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.