Archive for 29 Abril, 2020

Grandes clássicos das competições europeias – (2) Real Madrid – Juventus

Real Madrid Juventus

 Época Prova Ronda       1.ª Mão                2.ª mão
1961-62 TCE   1/4  Juventus-R.Madrid 0-1 R.Madrid-Juventus 0-1
1961-62 TCE   1/4  Juventus-R.Madrid 1-3 (Desempate - Paris)
1986-87 TCE   1/8  R.Madrid-Juventus 1-0 Juventus-R.Madrid 1-0
1995-96 LCE   1/4  R.Madrid-Juventus 1-0 Juventus-R.Madrid 2-0
1997-98 LCE  Final R.Madrid-Juventus 1-0 (Amesterdão)
2002-03 LCE   1/2  R.Madrid-Juventus 2-1 Juventus-R.Madrid 3-1
2004-05 LCE   1/8  R.Madrid-Juventus 1-0 Juventus-R.Madrid 2-0
2008-09 LCE  Grupo Juventus-R.Madrid 2-1 R.Madrid-Juventus 0-2
2013-14 LCE  Grupo R.Madrid-Juventus 2-1 Juventus-R.Madrid 2-2
2014-15 LCE   1/2  Juventus-R.Madrid 2-1 R.Madrid-Juventus 1-1
2016-17 LCE  Final R.Madrid-Juventus 4-1 (Milennium, Cardiff)
2017-18 LCE   1/4  Juventus-R.Madrid 0-3 R.Madrid-Juventus 1-3

      Balanço global                J    V    E    D   GM   GS
Real Madrid - Juventus             21   10    2    9   26 – 25

Num dos mais marcantes “clássicos” do futebol europeu, a estatística global de 21 duelos disputados – todos eles no âmbito da principal competição de clubes da Europa – é equilibrada, em termos de vitórias (dez a nove, a favor do Real).

Todavia, tal vantagem é mais vincada em termos de desfecho das “decisões”, com o Real Madrid a vencer as duas Finais da “Liga dos Campeões” disputadas entre ambos os clubes, em 1998 e 2017, enquanto a Juventus se impôs em duas meias-finais (em 2003 e 2015).

Em termos globais, nas sete ocasiões em que se defrontaram em eliminatórias, o Real Madrid garantiu o apuramento para a fase seguinte por três vezes (1962, 1987 e 2018), tendo a Juventus interrompido a campanha do rival nos restantes quatro casos (para além de 2003 e 2015, também em 1996 e em 2005).

Na primeira época em que se cruzaram (1961-62), após a decisão da eliminatória apenas num terceiro jogo (de desempate, realizado em Paris) – tendo cada equipa começado por vencer no terreno do adversário (com a curiosa história de a Juventus ter tido de mudar de equipamento na 2.ª mão) -, o Real Madrid (com Di Stéfano, Puskas e Gento) afastaria ainda, de seguida, o Standard de Liège, nas meias-finais, antes de ser derrotado pelo Benfica, na Final de Amesterdão.

Em 1987, enfrentando-se logo na 2.ª eliminatória (1/8 de final) – o que, a par do confronto entre Real e Napoli (de Maradona), na 1.ª eliminatória da edição imediata (1987-88) da Taça dos Campeões Europeus terá acelerado a criação da Liga dos Campeões -, tendo cada equipa vencido a partida disputada no respectivo terreno (em ambos os casos por tangencial 1-0), os merengues acabariam por ser mais eficazes no desempate da marca de grande penalidade, avançando para os 1/4 de final, fase em que eliminariam (agora com base na regra de desempate pelos golos marcados fora de casa) o Crvena Zvezda, antes de virem a ser afastados nas meias-finais pelo Bayern, a caminho da Final de Viena, na qual o FC Porto se sagrou pela primeira vez Campeão Europeu.

Na temporada de 1995-96, sob o comando técnico de Marcelo Lippi (e contando com figuras como as de Del Piero, Deschamps, Vialli, Conte ou Paulo Sousa), após ter revertido uma desvantagem de 0-1 em Madrid, ganhando por 2-0 em Turim, a Juventus – tendo entretanto suplantado também o Nantes, nas meias-finais – conquistaria o seu segundo título de Campeão Europeu (último, até à data, tendo, desde então, perdido já cinco finais da “Champions”, totalizando sete finais perdidas na principal competição europeia de clubes), ao ganhar o desempate da marca de grande penalidade, no Estádio Olímpico de Roma, frente ao então detentor do título, Ajax.

Em 1998, o Real Madrid conquistava a sua sétima coroa de Campeão Europeu, batendo a Juventus (ainda com Zidane nas suas fileiras), na Final de Amesterdão, mercê de um contestado golo do montenegrino Predrag Mijatović (na pequena área, a contornar o guardião Peruzzi), no que constituía então a estreia do clube branco (dirigido por Jupp Heynckes, com Roberto Carlos, Seedorf ou Raul) como vencedor da Liga dos Campeões, colocando enfim termo a um longo jejum, de 32 anos – correspondendo precisamente a metade de todas as edições das competições europeias até agora disputadas – desde a última vitória na Taça dos Campeões, em 1966.

Já depois de o Real Madrid ter entretanto somado três títulos sob a égide da Liga dos Campeões (1998, 2000 e 2002), a Juventus impor-se-ia, nas meias-finais de 2003, superando a derrota de 1-2 no “Santiago Bernabéu” com um triunfo por 3-1 no “Stadio delle Alpi” (face a um adversário em que alinhavam os “galácticos” Roberto Carlos, Zidane, Ronaldo, Raúl González e Luís Figo – o qual possibilitaria a Buffon a defesa de uma grande penalidade). A “Vecchia Signora” viria, porém, a perder a Final de Manchester, no desempate da marca de grande penalidade, face ao AC Milan.

Nos 1/8 de final da época de 2004-05 operou-se quase como que um remake de 1995-96, outra vez com o Real a começar por ganhar em casa mercê de um solitário golo, vindo a Juventus a superar tal desvantagem, com o 2-0 averbado em Turim, pese embora, desta feita, apenas após prolongamento. O grupo italiano seria, contudo, afastado nas meias-finais pelo futuro Campeão Europeu, Liverpool.

Dez anos volvidos, em 2015, depois de se superiorizar novamente ao Real Madrid nas meias-finais (tal como sucedera em 2003), desta vez em função de um tangencial triunfo caseiro (2-1), que defendeu em Madrid, onde empatou a uma bola – com um jogador da formação do Real, Álvaro Morata, a marcar pela equipa transalpina nos dois jogos -, a Juventus voltaria a ser desfeiteada na Final, em Berlim, perdendo com o Barcelona.

Em 2017, no Millennium Stadium, em Cardiff, nova vitória do Real Madrid numa Final – conquistando o 12.º título de Campeão Europeu, coincidindo com o seu sexto troféu da Liga dos Campeões (e, em paralelo, a sétima Final perdida pelos italianos) -, ganhando à Juventus por categórica marca de 4-1, com Cristiano Ronaldo a bisar.

Por fim, em 2018 – quarto embate de gigantes em cinco épocas -, uma eliminatória ainda bem presente na nossa memória, com o soberbo golo de Cristiano Ronaldo em Turim (bisando de novo), num fantástico triunfo por 3-0 do Real; e a expulsão de Buffon em Madrid, com a formação espanhola a desempatar a eliminatória apenas já em tempo de compensação (ao minuto 98, na conversão de uma grande penalidade, outra vez por… Cristiano Ronaldo – no seu 10.º golo em sete jogos (!) ante aquele que viria a ser o novo clube do português), reduzindo a expressão da derrota dos merengues para 1-3, o suficiente para garantir a qualificação, impedindo o que prometia ser uma épica recuperação da Juventus. Depois de afastar o Bayern nas meias-finais, o Real Madrid conquistaria a principal competição da UEFA pela 13.ª vez, na Final de Kiev, frente ao Liverpool, na muito infeliz noite de Loris Karius.

Os dois emblemas integraram ainda o mesmo grupo da “Champions” em duas ocasiões, em 2008-09 e em 2013-14, tendo o Real Madrid alcançado a qualificação de ambas as vezes – não obstante tenha perdido as duas partidas de 2008, por 1-2 em Turim e 0-2 em Madrid (bis de Del Piero) -, enquanto a Juventus sairia afastada em 2013 (3.ª classificada do grupo).

Em 2008-09, o Real Madrid cairia logo nos 1/8 de final, aos pés do Liverpool, perdendo os dois jogos, com um score agregado de 5-0, quedando-se a Juventus na mesma fase, afastada pelo Chelsea.

Em 2014 – tendo começado, nessa fase de grupos, por vencer a Juventus, em casa, por 2-1 e empatado em Turim a dois golos -, depois de afastar, nas sucessivas eliminatórias, nada menos do que três clubes alemães (Schalke 04, Borussia Dortmund e Bayern), o Real conquistaria enfim a tão almejada “10.ª” – após um interregno de doze anos, desde a última vitória anterior -, na Final em Lisboa, no Estádio da Luz, derrotando o At. Madrid, por 4-1, no prolongamento (tendo-se salvado da derrota, com um golo de Sergio Ramos já em período de compensação do tempo regulamentar).

29 Abril, 2020 at 7:00 pm Deixe um comentário


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Abril 2020
S T Q Q S S D
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.