Archive for 19 Janeiro, 2014

U. Tomar – Centenário (XVI)

Centenario - 16

(“O Templário”, 16.01.2014)

Retomando o fio condutor da história, depois da festiva temporada de 1964-65, as exigências competitivas eram substancialmente acrescidas com o regresso do União – 23 anos depois da última participação – à II Divisão Nacional, prova cujo jogo de estreia, a 12 de Setembro de 1965, teria um penoso desfecho para as cores unionistas, perdendo 0-6 em Leça da Palmeira.

Mas, a época de 1965-66, teria também o seu grande dia de “festa”, a 7 de Novembro de 1965, com um histórico jogo para o União de Tomar, que – apenas então, ao fim de mais de 50 anos de existência –, se estrearia na segunda mais importante competição futebolística nacional, a Taça de Portugal! O adversário neste baptismo seria, bem a propósito, o Belenenses, clube do qual o União é a delegação n.º 2.

E, de forma absolutamente surpreendente, visitando um “grande” do futebol português, num encontro ao mais alto nível – porventura o, até então, mais exigente em termos competitivos de toda a sua história – a turma unionista, com uma enorme força de vontade e coragem, imporia, no final do tempo regulamentar, um excelente empate a dois golos (tentos do União marcados por Totói e por Morado), traduzindo, perante tão categorizado opositor e num terreno pesado, uma admirável resistência! Que apenas viria a ser quebrada já na 2.ª parte do prolongamento, em que a equipa nabantina acabaria enfim por soçobrar, vindo a sofrer mais três golos nesse derradeiros quinze minutos, saldando-se assim o desfecho desta eliminatória (1/32 Final) numa tão concludente como ilusória vantagem belenense, de 5-2…

«Está em nítido progresso o futebol da divisão secundária do nosso futebol. Especialmente, ontem, à tarde, o União constituiu uma excelente surpresa não apenas para a crítica mas para o público que esteve no Restelo e que dispensou calorosa e significativa salva de palmas, quando os jogadores de Tomar abandonaram o relvado, após 2 horas de jogo. Este União, a jogar sempre assim, seria uma equipa que podia figurar na segunda metade da tabela do Campeonato Nacional da I Divisão, com o seu futebol perfeitamente sistematizado, uma estruturação em toda a equipa que a faz mover-se como um bloco, uma preocupação de manter sempre a bola rente à relva, enfim uma entreajuda entre os vários sectores que muito complicaram o trabalho do Belenenses, obrigando-o por vezes a remeter-se a uma defensiva preocupada e desorientada para salvaguardar as suas balizas.

E no meio de tudo isto, o que é mais espantoso é que o «onze» visitante não adoptou qualquer sistema defensivo, antes dispôs os seus haveres exactamente como os do adversário, encaixando-se no seu sistema e jogando durante as duas horas de igual para igual. Enfim, uma excelente equipa, um magnífico representante da linda cidade de Tomar, que passa a ter na sua equipa de futebol mais um excelente motivo de propaganda da sua terra. Parabéns ao clube e ao seu técnico, que julgamos ser o argentino Di Paola, que fez parte de uma bela equipa do Lusitano eborense.»(1)

____________

(1) Cf. “A Bola”, 8 de Novembro de 1965 – Crónica de Aurélio Márcio

19 Janeiro, 2014 at 12:00 pm Deixe um comentário

O pulsar do campeonato – 12ª jornada

Pulsar - 12

(“O Templário”, 16.01.2014)

E, num ápice, na retoma do campeonato distrital da I Divisão, assistimos a uma revolução no topo da pauta classificativa! Chegados à penúltima jornada da primeira volta da competição, as duas equipas que, durante toda a prova, até agora, a haviam liderado – Torres Novas e Fazendense – vêem-se sensacionalmente ultrapassadas pelo At. Ouriense e pelo Coruchense, com a imprevisibilidade do futebol a constituir-se como um dos seus grandes atractivos. Agora com o quarteto da frente concentrado num intervalo de um único ponto, o campeonato está verdadeiramente ao rubro.

De facto, contrariando a expectativa que aqui havia adiantado de uma ronda possivelmente marcada pelos empates, apenas se registaram duas igualdades, um nulo no Cartaxo-Torres Novas, e a dois golos no Empregados do Comércio-Pontével (curiosamente, o primeiro empate averbado pela equipa visitante, que assim conseguiu finalmente estancar um ciclo de quatro derrotas sucessivas).

Mas o grande desfecho da ronda chega-nos de Ourém, com a goleada imposta pelo At. Ouriense ao Amiense, por categórica marca de 6-2. Em Coruche, num resultado mais previsível, o Coruchense, vencendo o Benavente por 2-1, guindou-se também ao comando da prova, posição que partilha com os oureenses – sendo agora ambas, precisamente, as únicas equipas com apenas uma derrota (o Coruchense, em Tomar; o At. Ouriense, em Mação, curiosamente logo na jornada inaugural, pelo que – tendo evitado também o desaire caseiro perante o União de Tomar, devido à tal grande penalidade desaproveitada pelos nabantinos, já em período de descontos – mantém uma série invicta de onze jogos).

Para tal ascensão ao topo da classificação, contribuiu também – para além do empate cedido pelos torrejanos – a derrota sofrida pelo Fazendense… em Mação, no que se afigurava como um verdadeiro jogo de “tripla”, onde perdeu por 0-2.

Por fim, nos restantes encontros, vitórias previsíveis do U. Chamusca sobre a U. Abrantina (por margem inequívoca, de 3-0), e do União de Tomar face ao Assentis, por 4-2, confirmando a retoma – depois de uma ligeira “seca” de golos, nas partidas com o Cartaxo e na Chamusca – da grande produtividade ofensiva, na sequência dos 4-0 averbados ante o Alferrarede (exceptuando aqueles dois jogos “em branco”, os unionistas acumulam um extraordinário pecúlio de 22 golos marcados nos últimos cinco jogos disputados – pese embora dois deles a contar para a Taça do Ribatejo).

A tradução destes resultados a nível classificativo consubstancia-se num agrupamento generalizado dos diversos clubes concorrentes; para além do já referido quarteto, também a meio da tabela se assiste a uma compactar de posições, estando o 5.º e o 9.º classificados separados por apenas quatro pontos. O Amiense – distando agora cinco pontos de Fazendense e Torres Novas – encabeça este grupo, com dois pontos de vantagem sobre o Mação, surgindo logo de seguida U. Tomar e Pontével, apenas um ponto mais abaixo, duo que conta também com essa mesma folga mínima, face ao Pontével.

Tendo voltado aos triunfos, o União de Tomar tem vindo paulatinamente a recuperar posições, ascendendo ao 7.º posto; porém, a margem sobre a zona mais arriscada da tabela é ainda perigosamente curta: apenas quatro pontos separam os unionistas do par formado por Cartaxo e Assentis; estando o Benavente e U. Chamusca somente um ponto mais atrás.

A excepção é, por agora, a formação da U. Abrantina, cada vez mais última, já com um fosso de sete pontos face aos mais directos concorrentes. O que não significa, necessariamente, que o União de Tomar – que se deslocará precisamente a Abrantes na próxima jornada –, não deva estar prevenido para os riscos que aí poderá correr, tendo de encarar com máxima concentração este desafio, em ordem a prosseguir na senda dos bons resultados.

Na derradeira ronda da primeira metade da prova, destaque ainda para um aliciante confronto entre Fazendense e At. Ouriense (defrontando-se portanto o anterior e o actual guia), com a turma de Fazendas de Almeirim a procurar recuperar a liderança. Mas teremos mais: em especial, o Amiense-Coruchense, em que o grupo de Amiais de Baixo procurará impor nova derrota à formação do Sorraia; assim como o curioso derby do município do Cartaxo, em Pontével.

Na II Divisão Distrital, as equipas da frente de ambas as séries venceram os seus desafios, mantendo-se portanto as respectivas posições e distâncias relativas: o Atalaiense lidera na série mais a Norte, com o Pego a um ponto e o Caxarias a três; a Sul, o Barrosense continua a dispor de vantagem de três pontos sobre o U. Almeirim, com o Porto Alto a cinco pontos.

Por fim, referência ainda ao Campeonato Nacional de Seniores, que teve a sua antepenúltima jornada da primeira fase, com o Alcanenense a obter um bom triunfo em Porto de Mós (3-0), enquanto o Fátima e Riachense registaram empates a um golo, respectivamente na deslocação às Caldas, e na recepção ao Lourinhanense. O clube de Alcanena mantém o 3.º lugar, a dois pontos do U. Leiria – que, curiosamente, recebe na próxima ronda, num desafio que se assume como sendo de cariz determinante –, imediatamente seguido pelo Fátima, três pontos mais abaixo; o Riachense, ainda “lanterna vermelha”, tem agora o Portomosense a três pontos. Por seu lado, o Fátima, de visita ao Carregado, e o Riachense, em deslocação a Torres Vedras, procurarão somar mais alguns pontos.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 16 de Janeiro de 2014)

19 Janeiro, 2014 at 10:00 am Deixe um comentário


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Janeiro 2014
S T Q Q S S D
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.