Análise sobre a evolução do Campeonato Distrital – Divisão Principal

11 Novembro, 2012 at 9:00 am Deixe um comentário


(“O Templário”, 08.11.2012 – clicar na imagem para ampliar)

A extrema dificuldade que o 1.º classificado (Mação) teve em levar de vencida o último (Moçarriense – que, na ronda anterior, derrotara o At. Ouriense, outra das equipas do topo da tabela classificativa), vencendo pela renhida margem de 4-3, atesta a competitividade e grande equilíbrio de forças entre praticamente todos os participantes nesta Divisão Principal do Campeonato Distrital da Associação de Futebol de Santarém, que, curiosamente, o actual desnível pontual entre as várias equipas concorrentes não ilustra.

No que respeita ao União de Tomar, dois triunfos consecutivos, 8 golos marcados em duas partidas, podem traduzir o reencontrar do caminho da serenidade – colocando fim a uma série de cinco resultados desfavoráveis –, dando novo e reforçado ânimo para uma boa continuidade da prova, ainda nesta sua 1ª fase.

Outro desfecho talvez não totalmente esperado foi o do desaire do Amiense – que tinha em curso uma série de três vitórias consecutivas –, em Fazendas de Almeirim (2-1, para a equipa da casa, que vai “fazendo o seu caminho”, recuperando de uma má fase inicial), com a formação de Amiais de Baixo, para já, a atrasar-se ligeiramente em relação ao líder.

Uma boa operação fez o Pontével, que depois do 0-4 em Tomar, obteve, numa única semana, as suas duas primeiras vitórias na prova, primeiro, no feriado de dia 1, recebendo, em jogo em atraso da 1.ª jornada, o Glória do Ribatejo, e, no domingo, vencendo, também em casa, o Coruchense (1-0), equipa que averbou a terceira derrota consecutiva.

Depois de um excelente arranque, em quebra parece estar também a formação da U. Abrantina, sem vencer há quatro partidas, não obstante tivesse defrontado nesta ronda um adversário de respeito, porventura o mais sério candidato ao título, a formação do Riachense, vencedora por clara margem, de 3-0.

Também o Benavente, derrotado por 1-3 em Ourém, ante o At. Ouriense, somou igualmente o quarto jogo consecutivo sem vencer.

Na classificação geral, não obstante o desnível pontual, começa a verificar-se uma aproximação a nível da linha de fronteira entre os seis primeiros e os restantes. O Mação continua isolado no comando, mas sob a cerrada mira do Riachense, logo seguidos por Amiense e At. Ouriense, subsistindo ainda alguma indefinição sobre as reais aspirações destas equipas, e, em particular, sobre quais delas virão efectivamente a disputar até final o título e consequente promoção ao novo Campeonato Nacional da Federação Portuguesa de Futebol, da próxima temporada.

Daí para baixo, ninguém estará ainda seguro de obter o desejado lugar na primeira metade da tabela classificativa. De facto, dada a fórmula de disputa da competição, esta 1.ª fase tem essencialmente dois objectivos paralelos: o de procurar alcançar um lugar nos 6 primeiros – assim garantindo, automaticamente, a manutenção –, ao mesmo tempo que se busca somar o máximo de pontos para a 2.ª fase, sabendo-se que os pontos agora angariados apenas contarão em metade para essa etapa complementar da prova).

Assim sendo, na parte nevrálgica da classificação, na tal zona onde poderá vir a definir-se essa fronteira, a U. Abrantina garantiu já, até ao momento, 8 pontos para a 2.ª fase, face a 7 do Benavente, 6 do Fazendense, e 5 do União de Tomar e do Pontével. Portanto, apesar de nos aproximarmos do final da primeira volta, tudo está ainda por jogar…

Numa comparação face à época anterior, também à nona jornada, o Mação mantém a posição de melhor classificado (embora, na temporada passada, então atrás das equipas que viriam a ser promovidas à III Divisão Nacional, Alcanenense e Torres Novas), somando agora mais dois pontos; o Amiense apresenta melhoria relevante (mais 6 pontos); o At. Ouriense, numa demonstração de regularidade e consistência, tem exactamente o mesmo número de pontos e ocupa igualmente o mesmo lugar na tabela (4.º); o Benavente tem agora mais um ponto, mas recuou uma posição (de 5.º para 6.º); também o Fazendense soma mais um ponto este ano; ao invés, o União de Tomar regista menos um ponto, baixando de 7.º para 8.º lugar; assim como, por fim, o Moçarriense, que caiu de penúltimo para último classificado, somando igualmente menos um ponto que na prova transacta.

Nas próximas jornadas, o União volta a enfrentar um ciclo de grande dificuldade, com uma sucessão de três jogos, precisamente com três das equipas da frente da classificação (recepção ao Riachense, deslocação a Ourém no fecho da primeira volta, e nova saída, até Mação, no início da segunda volta), nos quais – fundamentalmente em termos anímicos – será importante ir pontuando, para, logo de seguida, enfrentar período decisivo, frente a adversários mais do “seu campeonato”. Apesar das dificuldades que espreitam no caminho, a esperança continua bem viva na recuperação, tendo em mira algumas equipas actualmente posicionadas mais acima na tabela classificativa, mas que, possivelmente, por falta de alternativas válidas a nível de plantel, poderão vir a quebrar de rendimento em fase mais adiantada da competição.

Isto num ano em que é antecipável que possam vir a ser cinco as equipas a ser despromovidas à Divisão Secundária, uma vez que, nesta fase – não obstante ainda inicial – do Campeonato Nacional da III Divisão, Torres Novas e Cartaxo não parecem denotar capacidade para evitar o regresso ao Distrital na próxima temporada, e a campanha do Alcanenense (severamente desfeiteado em casa nesta ronda, perdendo 1-4) parece, por agora, longe de deixar antever a possibilidade de confirmação de aspirações a uma eventual promoção ao futuro novo Campeonato Nacional da Federação Portuguesa de Futebol da próxima época, reservada apenas aos 3 primeiros classificados desta época (caso em que apenas seriam despromovidos quatro clubes do Distrital no final do campeonato em curso).

(Crónica publicada no jornal “O Templário”, de 8 de Novembro de 2012, a cujos responsáveis agradeço a oportunidade que me foi possibilitada de ter esta experiência de escrita publicada e impressa num dos jornais de referência da cidade de Tomar)

Anúncios

Entry filed under: Media e Comunicação, Pessoal, Tomar.

«Ofício de caça e recolecção» Prestige – 10 anos depois

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Autor – Contacto

Destaques

Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Novembro 2012
S T Q Q S S D
« Out   Dez »
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.


%d bloggers like this: