Posts filed under ‘Tema livre’

HERDEIROS (I)

Em anterior “Tema livre”, já aqui tive oportunidade de fazer referência às monarquias e aos herdeiros das “Casas Reais” europeias.

Porém, de forma mais extensiva, são muitos os “géneros de herdeiros” de que se pode falar, ou de como “filho de peixe sabe nadar”…

Dado que o tempo escasseia, deixo-vos apenas com o lançamento do tema e alguns exemplos de que poderei falar ao longo da semana (igualmente tendo por suporte número especial da revista “Courrier International”):

– George Bush e George W. Bush
– Mário Soares e João Soares
– Jawaharlal Nehru e Indira Gandhi
– Salvador Allende e Isabel Allende
– Francis Ford Copolla e Sofia Copolla
– Paul McCartney e Stella McCartney
– Elis Regina e Maria Rita Mariano
– Ravi Shankar e Norah Jones
– José Águas e Rui Águas
– Julio Iglesias e Enrique Iglesias e Julio Iglesias Jr.
– Gilles Villeneuve e Jacques Villeneuve
– Graham Hill e Damon Hill
– Nelson Piquet e Nelson Angelo Piquet
– Keke Rosberg e Nico Rosberg
– Niki Lauda e Mathias Lauda
– Al Unser e Al Unser Jr.

(aceitam-se mais sugestões…)

[1316]

17 Maio, 2004 at 8:58 am 1 comentário

“RECORDAR É VIVER” (VII)

Numa altura em que faziam grande sucesso em Portugal os Fischer Z, com So Long, que nos transportam para os anos 80, também com Stayin Alive, dos Bee Gees.

Época dourada da “New wave” romântica e futurista, com os Depeche Mode, Duran Duran, Spandau Ballet, Orchestral Manoeuvres in the Dark, Culture Club, A-Ha… e tantos outros…

E podemos acabar esta semana revivalista (uma “brincadeira” sem qualquer pretensão de reflectir o panorama musical dos anos 70 e 80, mas apenas o recuperar de algumas memórias), dando um novo (grande) salto ao passado, citando António Mourão (este é um “cromo difícil”… que “ofereço” à minha mãe…): Ó Tempo Volta Pra Trás!

P. S. Tudo isto (as músicas que por aqui passaram durante esta semana)… e muito mais, está disponível nesta página.

[1307]

14 Maio, 2004 at 8:28 am 1 comentário

“RECORDAR É VIVER” (VI)

… Até que, em 1977, se inicia o apogeu do “Disco Sound”, decisivamente impulsionado pelos filmes de John Travolta: Saturday Night Fever, Grease e Staying Alive.

Surgem os Boney M, com Daddy Cool (de 1976) e Rivers of Babylon, os Village People, com YMCA, Gloria Gaynor, com I Will Survive (de 1979).

Mas, “noutra onda”, 1978 é também o ano do Caçador (The Deer Hunter), com a música dos Shadows

[1305]

13 Maio, 2004 at 12:35 pm 2 comentários

“RECORDAR É VIVER” (V)

Mas – e particularmente em Portugal – havia um jovem belga que “destroçava corações”, com um sucesso tão inesperado quanto estrondoso, com concertos de Estádio, com mais de 30 000 espectadores, em 1977.

Entre 1972 e 1978, Art Sullivan venderia mais de 10 milhões de discos, com grandes êxitos como: “Petite fille aux yeux bleus”, “Adieu Sois Heureuse”, Une Larme d’Amour”, “Un Ocean de Caresses”, “Jenny Lady”, “Donne Donne Moi” e, o maior de todos, “Petite Demoiselle”…

Art Sullivan ver-se-ia mesmo obrigado a “aprender português”, editando músicas nesta língua, especialmente para o nosso mercado.

Um fenómeno, um cometa, que, de tempos a tempos, regressa para satisfação dos seus saudosistas admiradores; a compilação “36 Canções” seria disco de Platina, em 2000!

Na mesma época, havia também um espanhol que suscitava muitos “suspiros”: Camillo Sesto, com Quieres Ser Mi Amante… tal como Jean-François Maurice, com os “28º Graus à Sombra“…

[1304]

13 Maio, 2004 at 8:40 am 5 comentários

“RECORDAR É VIVER” (IV)

Mais ou menos pela mesma época, fazia furor um grego, nascido no Egipto em 1946, de nome Artemios Venturis Roussos, que viria a ser consagrado como Demis Roussos.

Ficaram famosas, sendo êxitos fenomenais, músicas como: Goodbye My Love Goodbye, Forever and Ever, We Shall Dance, entre muitas outras.

Numa altura, em que, por cá, Carlos Mendes imortalizava a “Amélia dos olhos doces“.

[1301]

12 Maio, 2004 at 8:38 am 3 comentários

"RECORDAR É VIVER" (III)

Em meados da década de 70, surgia uma das “marcas” que mais contribuiria para as exportações da Suécia.

Continue Reading 11 Maio, 2004 at 8:44 am 1 comentário

"RECORDAR É VIVER" (II)

E que tal o “Ontem, Hoje e Amanhã“, de José Cid!?

Ou as rivais Simone de Oliveira (Desfolhada) e Madalena Iglésias (Ele e Ela)… (ver letra em “entrada estendida”).

Amanhã, vamos “correr mundo”, começando a recordar alguns êxitos internacionais do passado…

P. S. São atribuídos hoje os Prémios Laureus de Desporto; conheça os nomeados aqui.

[1294]
(mais…)

10 Maio, 2004 at 1:55 pm 1 comentário

"RECORDAR É VIVER" (I)

Num “blogue” que tem vindo a apelar à memória (em duas vertentes: “memorizando” o presente para “memória futura” e, a par e passo, quando oportuno, recordando o passado), e “pegando” numa das primeiras entradas da “Vertigem”, no tema livre desta semana vamos recordar e (re)viver algumas das canções que fizeram história, nos anos 60, e, principalmente, nas décadas de 70 e 80 – também uma perspectiva histórica, em que a evolução das tendências e dos “gostos musicais” ficará bem patente.

E, claro, a começar, o Recordar é Viver, de Vitor Espadinha:

“Foi em Setembro que te conheci
Trazias nos olhos a luz de Maio
Nas mãos o calor de Agosto
E um sorriso
Um sorriso tão grande que não cabia no tempo
Ouve, vamos ver o mar
Foste a trinta de Fevereiro de um ano por inventar
Falámos, falámos coisas tão loucas que acabámos em silêncio
Por unir as nossas bocas
E eu aprendi a amar

REFRÃO: Sim eu sei que tudo são recordações
Sim eu sei é triste viver de ilusões
Mas tu foste a mais linda história de amor
Que um dia me aconteceu
E recordar é viver, só tu e eu

Foi em Novembro que partiste
Levavas nos olhos as chuvas de Março
E nas mãos o mês frio de Janeiro
Lembro-me que me disseste que o meu corpo tremia
E eu, eu queria ser forte, respondi que tinha frio
Falei-te do vento norte
Não, não me digas adeus
Quem sabe, talvez um dia… como eu tremia, meu Deus
Amei como nunca amei
Fui louco, não sei, talvez
Mas por pouco, por muito pouco eu voltaria a ser louco
Amar-te-ia outra vez”

[1293]

10 Maio, 2004 at 12:30 pm 1 comentário

MONARQUIAS EUROPEIAS (X)

A monarquia sueca tem mais de mil anos, desde Eric, que reinou de 970 a 995. Gustavo I libertaria a Suécia de um longo domínio Dinamarquês em 1523, passando então a monarquia a ser hereditária.

Em 1810, Jean-Baptiste Bernadotte, um dos marechais de Napoleão, foi eleito príncipe herdeiro, tornando-se em 1818 Carlos XIV, Rei da Suécia e da Noruega.

Carlos Gustavo (XVI) é o sétimo representante da dinastia dos Bernadotte, tendo nascido em 1946. Com a morte do pai num acidente em Copenhaga, o seu avô assumiria, em 1950, o trono sueco.

Exerceu funções na armada, após o que estudou Economia em Estocolmo. Trabalharia depois para a missão sueca na ONU e para a Agência Sueca de Desenvolvimento e Colaboração com África.

Em 1973, com a morte do avô, tornou-se Rei da Suécia. Conhecera entretanto, nos Jogos Olímpicos de Munique, em 1972, a brasileira Sílvia Sommerlath (de origem alemã, tendo vivido no Brasil, de 1947 a 1957), então exercendo funções de guia intérprete no certame, com quem casaria em 1976; teriam três filhos: a princesa Vitória, o príncipe Carlos Filipe e a princesa Madalena.

De acordo com a lei da Sucessão, de 1980, o trono é transmitido ao filho mais velho. A herdeira é portanto a princesa Vitória, nascida em 1977, que estudou ciências políticas e história na Universidade de Yale, nos EUA.

E assim se conclui uma pequena “viagem” pelas monarquias europeias…

P. S. O Terras do Nunca recorda-nos que Jacque Brel faz hoje 75 anos e remete-nos para Brel em inglês (com passagem pela Polónia!…).

P. S. 2 – Novos agradecimentos, ao Forum Comunitário e Gayxoto.

[1180]

9 Abril, 2004 at 8:12 am

MONARQUIAS EUROPEIAS (IX)

A história da monarquia britânica remonta ao século IX; contudo, a dinastia Windsor apenas reina desde 1917.

Aquando da I Guerra Mundial, o Rei decidiu adoptar o nome de George V – ocultando a descendência alemã de Saxe-Cobourg-Gotha, da Rainha Vitória (de Hannover); apenas Eduardo VII (filho de Vitória) reinara sob o patronímico de Saxe-Cobourg-Gotha.

Com a morte de George V, em 1936, o trono passou para o filho mais velho, Eduardo VIII, que abdicaria, ao fim de 327 dias, para casar com a norte-americana e divorciada Wallis Simpson, evitando também as suas proclamadas tendências pró-germânicas.

Suceder-lhe-ia o irmão, assumindo o nome de George VI, pai de Elizabeth II; nascida em 1926, seria proclamada Rainha em 1952, na sequência do falecimento do Rei; assumiria o trono britânico com a coroação em 1953. Reina, ainda hoje, não só sobre o Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte, mas também sobre diversos outros países / territórios, como, por exemplo, a Austrália e o Canadá!

Casara entretanto, em 1947, com Filipe de Mountbatten, que se tornaria Duque de Edimburgo, de quem teria 4 filhos: Carlos (Príncipe de Gales), a princesa Ana, André (duque de Iorque) e Eduardo (Conde de Wessex).

O herdeiro, príncipe Carlos, nasceu em 1948, tendo iniciado a sua escolaridade na Escócia. Estudaria na Austrália, após o que cursou Arqueologia, Antropologia e História em Cambridge.

Em 1970, foi admitido na Câmara dos Lordes do Parlamento Britânico, tendo de seguida integrado a armada.

Casou, em 1981, com Diana Spencer, de quem teve dois filhos: William (Guilherme) e Harry. Divorciaram-se em 1996, um ano antes do trágico desaparecimento da princesa Diana, num acidente automóvel em Paris.

[1178]

8 Abril, 2004 at 12:48 pm

Artigos Mais Antigos Artigos mais recentes


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Fevereiro 2020
S T Q Q S S D
« Jan    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
242526272829  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.