Posts filed under ‘Euro-2012’

EURO 2012 – 1/4 Final – 1/2 Finais – Final

     1/4 FINAL               1/2 FINAIS              FINAL

R. ChecaPortugal--- Vencedor do R. Checa - PortugalVencedor do Espanha- França--- EspanhaFrança--- Vencedor do .............-.............-


AlemanhaGrécia--- Vencedor do .............-.............- Vencedor do Alemanha - GréciaVencedor do Inglaterra - Itália--- InglaterraIália---

19 Junho, 2012 at 9:40 pm Deixe um comentário

EURO 2012 – Fase de Grupos – Classificações finais

Grupo A               J     V     E     D    GM   GS     P
1º R. Checa    R. Checa    3     2     -     1     4 -  5     6
2º Grécia      Grécia    3     1     1     1     3 -  3     4
3º Rússia      Rússia    3     1     1     1     5 -  3     4
4º Polónia     Polónia    3     -     2     1     2 -  3     2
Grupo B               J     V     E     D    GM   GS     P
1º Alemanha    Alemanha    3     3     -     -     5 -  2     9
2º Portugal    Portugal    3     2     -     1     5 -  4     6
3º Dinamarca   Dinamarca    3     1     -     2     4 -  5     3
4º Holanda     Holanda    3     -     -     3     2 -  5     -
Grupo C               J     V     E     D    GM   GS     P
1º Espanha     Espanha    3     2     1     -     6 -  1     7
2º Itália      Itália    3     1     2     -     4 -  2     5
3º Croácia     Croácia    3     1     1     1     4 -  3     4
4º Irlanda     Irlanda    3     -     -     3     1 -  9     -
Grupo D               J     V     E     D    GM   GS     P
1º Inglaterra  Inglaterra    3     2     1     -     5 -  3     7
2º França      França    3     1     1     1     3 -  3     4
3º Ucrânia     Ucrânia    3     1     -     2     2 -  4     3
4º Suécia      Suécia    3     1     -     2     5 -  5     3

19 Junho, 2012 at 9:38 pm Deixe um comentário

EURO 2012 – Grupo D – 3ª jornada – Inglaterra – Ucrânia

InglaterraUcrânia1-0

Numa partida decisiva, em que à Inglaterra bastava o empate para garantir o apuramento, necessitando a Ucrânia, imperiosamente da vitória, os ingleses assumiram e demonstraram a sua superioridade, no regresso de Rooney, após ter cumprido dois jogos de suspensão (castigo que provinha da fase de qualificação).

E Rooney voltou… e marcou.

Porém, não obstante o maior poderio inglês, este encontro fica indelevelmente marcado por uma inacreditável falha de arbitragem – incompreensível como o árbitro de baliza não viu adequadamente o lance -, quando a Ucrânia, num remate de Dević, introduziu a bola na baliza inglesa, no que seria o golo do empate, a cerca de meia hora do final do jogo, com John Terry, de forma acrobática, a retirá-la… nitidamente para lá da linha decisiva!

Depois da Polónia, também a Ucrânia, país co-organizador da prova, se queda pela fase de Grupos, denotando alguma fragilidade competitiva ao mais alto nível.

Beneficiando da derrota da França perante a Suécia, a Inglaterra acabaria mesmo por sagrar-se vencedora do seu Grupo, tendo agora de medir forças com a Itália.

Inglaterra Joe Hart, Glen Johnson, John Terry, Joleon Lescott, Ashley Cole, James Milner (70m – Theo Walcott), Steven Gerrard, Scott Parker, Wayne Rooney (87m – Alex Oxlade-Chamberlain), Ashley Young e Danny Welbeck (82m – Andy Carroll)

Ucrânia Andriy Pyatov, Oleh Gusev, Yaroslav Rakitskiy, Yevhen Khacheridi, Yevhen Selin, Anatoliy Tymoshchuck, Marko Dević (70m – Andriy Shevchenko), Andriy Yarmolenko, Denys Garmash (78m – Serhiy Nazarenko), Yevhen Konoplyanka e Artem Milevskiy (77m – Bohdan Butko)

1-0 – Wayne Rooney – 48m

“Melhor em campo” – Steven Gerrard (Inglaterra)

Amarelos – Steven Gerrard (73m) e Ashley Cole (78m); Anatoliy Tymoshchuck (63m), Yaroslav Rakitskiy (74m) e Andriy Shevchenko (86m)

Árbitro – Viktor Kassai (Hungria)

Donbass Arena – Donetsk (19h45)

19 Junho, 2012 at 9:38 pm Deixe um comentário

EURO 2012 – Grupo D – 3ª jornada – Suécia – França

SuéciaFrança2-0

Com a qualificação praticamente garantida – apenas seria eliminada se perdesse… por 0-2, e a Ucrânia vencesse a Inglaterra por 1-0 – a França deu esta noite uma pálida imagem das suas capacidades (como que ausente do jogo), acabando por ser derrotada, precisamente pela marca que lhe poderia ter custado o apuramento, não obstante o segundo golo dos suecos apenas tenha surgido já em período de compensação.

A Suécia, já virtualmente eliminada, sem nada a perder (não poderia sequer escapar ao último lugar do Grupo…), despediu-se da competição da melhor forma, com um claro triunfo (destacando-se o excelente golo de Ibrahimović), assim colocando termo à série de 23 encontros consecutivos sem perder por parte dos franceses. E mereceu indubitavelmente esta vitória, pelo domínio que exerceu ao longo da partida.

Acabou por valer à França a cooperação da Inglaterra, que – “fazendo pela vida” – derrotou a Ucrânia, originando assim dois “choques de titãs” nos 1/4 Final: Espanha – França e Inglaterra – Itália.

Pedro Proença, que tinha realizado uma boa arbitragem no “fácil” Espanha – Irlanda, teve hoje a sua actuação manchada por dois lances em que houve contacto da bola com o braço, na área, que poderiam ter originado a marcação de duas grandes penalidades…

Suécia Andreas Isaksson, Jonas Olsson, Olof Mellberg, Andreas Granqvist, Martin Olsson, Emir Bajram (45m – Christian Wilhelmsson), Kim Källström, Sebastian Larsson, Zlatan Ibrahimović, Anders Svensson (79m – Samuel Holmén) e Ola Toivonen (78m – Pontus Wernbloom)

França Hugo Lloris, Mathieu Debuchy, Adil Rami, Philippe Mexès, Gaël Clichy, Alou Diarra, Hatem Ben Arfa (59m – Florent Malouda), Samir Nasri (77m – Jérémy Ménez), Yann M’Vila (83m – Olivier Giroud), Franck Ribéry e Karim Benzema

1-0 – Zlatan Ibrahimović – 54m
2-0 – Sebastian Larsson – 90m

“Melhor em campo” – Zlatan Ibrahimović (Suécia)

Amarelos – Anders Svensson (70m) e Samuel Holmén (81m); Philippe Mexès (68m)

Árbitro – Pedro Proença (Portugal)

Estádio Olímpico de Kiev – Kiev (19h45)

19 Junho, 2012 at 9:37 pm Deixe um comentário

EURO 2012 – Grupo C – 3ª jornada – Croácia – Espanha

CroáciaEspanha0-1

Numa partida de risco mínimo, ambas as equipas pareceram satisfeitas com o nulo no marcador, até para além da hora de jogo, com a particularidade de o seleccionador espanhol, Vicente Del Bosque, ter retirado de campo os seus dois homens mais avançados, abdicando de um ponta de lança “fixo”.

Por seu lado, a Croácia, apenas a partir dos 66 minutos, com uma dupla substituição, fazendo entrar Jelavić e Perišić, foi determinadamente em busca do golo de que necessitaria para se qualificar… e esteve perto: teve três avisos sérios – com a Espanha a passar por apuros, e com a eventual eliminação suspensa de uma sempre possível falha – , um deles, com um magnífico remate de cabeça de Rakitić, a obrigar Casillas à “defesa da noite”, para além da reclamação de duas grandes penalidades, não assinaladas pelo árbitro (uma na primeira parte, por falta de Sergio Ramos, em cima da linha de área, outra prestes a findar o encontro, com Busquets a agarrar o adversário dentro da zona de rigor).

Este lance ocorreria precisamente no minuto anterior ao do golo da Espanha, na sequência de um rápido contra-ataque, que Jesús Navas não teve dificuldade em concretizar, isolado frente ao guardião adversário. Com o triunfo da Itália, estava consumada a eliminação da Croácia.

Croácia Stipe Pletikosa, Domagoj Vida (66m – Nikica Jelavić), Vedran Ćorluka, Gordon Schildenfeld, Ivan Strinić, Ognjen Vukojević (81m – Eduardo), Ivan Rakitić, Luka Modrić, Darijo Srna, Mario Mandžukić e Danijel Pranjić (66m – Ivan Perišić)

Espanha Iker Casillas, Álvaro Arbeloa, Gerard Piqué, Sergio Ramos, Jordi Alba, Xavi Hernández (89m – Álvaro Negredo), Sergio Busquets, Xabi Alonso, Andrés Iniesta, David Silva (73m – Cesc Fàbregas) e Fernando Torres (61m – Jesús Navas)

0-1 – Jesús Navas – 88m

“Melhor em campo” – Andrés Iniesta (Espanha)

Amarelos – Vedran Ćorluka (27m), Darijo Srna (44m), Ivan Strinić (53m), Mario Mandžukić (90m), Nikica Jelavić (90m) e Ivan Rakitić (90m)

Árbitro – Wolfgang Stark (Alemanha)

Arena Gdansk – Gdansk (19h45)

18 Junho, 2012 at 9:38 pm Deixe um comentário

EURO 2012 – Grupo C – 3ª jornada – Itália – Irlanda

ItáliaIrlanda2-0

O “plano de jogo” da Itália para este encontro decisivo era absolutamente linear: era necessário vencer (e, para tal, bastava um golo), esperando que não acontecesse o desfecho fatal (2-2) no Espanha – Croácia.

Entrando de forma determinada em campo, em busca do tal golo, os italianos cedo empurraram os irlandeses para a sua zona defensiva, alcançando cantos atrás de cantos (7-1 só na primeira parte…). Seria portanto com alguma naturalidade que o golo chegaria, à passagem dos 35 minutos.

Era o que bastava à Itália… que, nesse momento, passava inclusivamente a liderar o Grupo, situação que manteria praticamente até final, enquanto a Espanha não marcou frente à Croácia (o que apenas ocorreria aos 88 minutos!).

No segundo tempo, parecendo descansar, a Itália proporcionou à Irlanda reentrar no jogo, criar algumas situações de perigo, colocando-se à mercê de uma eventual falha, que poderia afastá-la dos 1/4 Final.

Apenas próximo do termo da partida, sentindo o perigo, a Itália voltaria a “despertar”. Balotelli, que havia entrado em campo para o último quarto de hora, encerraria a contenda, no derradeiro minuto, com um golo de excelente execução. Mesmo sem deslumbrar, a Itália, como habitualmente, segue em frente.

Itália Gianluigi Buffon, Ignazio Abate, Daniele De Rossi, Giorgio Chiellini (57m – Leonardo Bonucci), Federico Balzaretti, Claudio Marchisio, Andrea Pirlo, Thiago Motta, Andrea Barzagli, Antonio Cassano (63m – Alessandro Diamanti) e Antonio Di Natale (74m – Mario Balotelli)

Irlanda Shay Given, John O’Shea, Sean St Ledger, Richard Dunne, Stephen Ward, Glenn Whelan, Keith Andrews, Aiden McGeady (65m – Shane Long), Damien Duff, Kevin Doyle (76m – Jon Walters) e Robbie Keane (86m – Simon Cox)

1-0 – Antonio Cassano – 35m
2-0 – Mario Balotelli – 90m

“Melhor em campo” – Antonio Cassano (Itália)

Amarelos – Federico Balzaretti (28m), Daniele De Rossi (71m) e Gianluigi Buffon (73m); Keith Andrews (37m), John O’Shea (39m) e Sean St Ledger (84m)

Vermelho – Keith Andrews (89m)

Árbitro – Cüneyt Çakır (Turquia)

Estádio Municipal de Poznan – Poznan (19h45)

18 Junho, 2012 at 9:38 pm Deixe um comentário

EURO 2012 – Grupo B – 3ª jornada – Portugal – Holanda

PortugalHolanda2-1

Parecendo confiar na (vitória da) Alemanha, e escudado na possibilidade de, inclusivamente, poder perder por um golo de diferença, Portugal entrou em campo, frente à Holanda, numa toada expectante, de “esperar para ver”, assim concedendo a iniciativa atacante aos adversários.

Que não se fizeram rogados, empurrando, logo desde início, a equipa portuguesa para as imediações da sua área. E, depois de dois “avisos”, acabariam mesmo por chegar ao golo, apenas com 11 minutos decorridos.

Parece que foi o melhor que poderia acontecer à selecção de Portugal… A partir daí (tal como sucedera nos dois jogos anteriores, quando em posição desvantajosa) mudou radicalmente de atitude, passando a assumir o controlo de bola e, também, o domínio do jogo.

Com a Holanda a continuar a ter de arriscar, começaram a surgir espaços para as ofensivas portuguesas, perante uma defesa holandesa com muitas dificuldades “em se encontrar”.

Primeiro, aos 18 minutos, Hélder Postiga a surgir completamente isolado na cara do guardião holandês, mas a não ter o discernimento para concretizar o golo, rematando ligeiramente ao lado. Para, pouco depois – e quando a Alemanha, inaugurando o marcador no outro jogo, aos 19 minutos, voltara a recolocar Portugal em posição de apuramento – ser Cristiano Ronaldo, também numa boa posição para poder marcar, a cabecear à figura de Stekelenburg.

O mesmo Cristiano Ronaldo não vacilaria contudo, apenas com 28 minutos (e, com a Dinamarca já empatada a um golo, desde o minuto 24, empurrando Portugal novamente para “fora do EURO”), dando a melhor conclusão a uma excelente desmarcação, culminando uma magnífica abertura de João Pereira, com um remate fora do alcance do guarda-redes adversário, dirigindo a bola para o fundo das redes.

Com a igualdade a um em ambos os campos, Portugal voltava a “entrar” na prova. E o jogo prosseguiria com a mesma toada, com Portugal a dominar por completo a batalha a meio-campo, sem que os holandeses conseguissem “pegar no jogo”, e, a criar mais oportunidades: ao minuto 32, uma “bomba” de Cristiano Ronaldo – hoje a dar sinais de maior motivação, e sobretudo, mais confiança – a obrigar Stekelenburg a aplicar-se a fundo, com uma defesa de recurso, para a frente.

Depois de um primeiro tempo a alta rotação, com o “jogo partido”, com ambas as equipas com os olhos apenas no ataque, a segunda parte iniciar-se-ia em ritmo bastante mais moderado.

A Holanda, a necessitar de ganhar por dois para manter algumas aspirações ao apuramento, ia procurando acelerar o ritmo de jogo, com dois “avisos” quase consecutivos, a findar o primeiro quarto de hora.

Portugal jogava então, assumidamente, em contra-ataque, com rápidas transições. Aos 72 minutos, Nani teria uma soberana ocasião de desempatar a partida, mas não teve a frieza necessária para ultrapassar o guarda-redes contrário, bem a arrojar-se ao chão, fazendo uma enorme “mancha”.

O melhor exemplo da forma de jogo de Portugal culminaria, de forma excelente, no segundo golo: bola recuperada na defesa por Pepe, a passar a Cristiano Ronaldo (que fora lá atrás dar uma ajuda), o qual, ao mesmo tempo que, de imediato, colocava a bola em João Moutinho, fazia uma veloz aceleração em direcção à área contrária, seguido de um rápido lançamento para Nani, na direita, e de um cruzamento de primeira, a rasgar toda a defesa holandesa, numa magnífica assistência para… Ronaldo, que, com a frieza que faltara dois minutos antes a Nani, dominou a bola, passou para o outro pé, sentou os defesas e rematou fora do alcance de Stekelenburg.

Nos minutos imediatos, Portugal provocaria ainda dois enormes sustos à defesa contrária, mas sem consequências. Já com a Dinamarca a perder, desde os 80 minutos, Portugal teria a sorte de ver um cabeceamento adversário a embater no poste da baliza de Rui Patrício.

Para, num minuto 90, um agora já super-confiante Cristiano Ronaldo, a entrar em drible, tirando os adversários do caminho, para rematar, com estrondo… ao poste!

Com uma estratégia inicial algo arriscada, Portugal teve a capacidade de compreender que as lacunas da defesa holandesa poderiam proporcionar golos, mas foi o domínio do meio-campo que se revelou crucial para assumir as rédeas da partida, e libertar a linha avançada para levar, por sucessivas vezes, o perigo até junto da baliza holandesa.

Com uma exibição muito bem conseguida, Portugal (novamente a afastar a Holanda, agora aureolada com o título de vice-campeã mundial, mas muito distante do seu melhor rendimento) garante o apuramento para os 1/4 Final, onde tem encontro marcado com a R. Checa, para uma desforra do EURO 96…

Precisamente desde 1996, foi esta a primeira vez que Portugal não ganhou o seu grupo de apuramento, o que, contudo, não assume relevância particular, face à quinta qualificação consecutiva para os 1/4 Final!

Portugal Rui Patrício, João Pereira, Bruno Alves, Pepe e Fábio Coentrão, Miguel Veloso, Raul Meireles (72m – Custódio), João Moutinho, Nani (87m – Rolando), Cristiano Ronaldo e Hélder Postiga (64m – Nélson Oliveira)

Holanda Maarten Stekelenburg, Gregory van der Wiel, Ron Vlaar, Joris Mathijsen, Jetro Willems (67m – Ibrahim Afellay), Nigel de Jong, Rafael van der Vaart, Arjen Robben, Robin van Persie, Wesley Sneijder e Klaas-Jan Huntelaar

0-1 – Rafael van der Vaart – 11m
1-1 – Cristiano Ronaldo – 28m
2-1 – Cristiano Ronaldo – 74m

“Melhor em campo” – Cristiano Ronaldo (Portugal)

Amarelos – João Pereira (90m); Jetro Willems (51m) e Robin van Persie (69m)

Árbitro – Nicola Rizzoli (Itália)

Estádio Metalist – Kharkiv (19h45)

17 Junho, 2012 at 9:36 pm Deixe um comentário

EURO 2012 – Grupo B – 3ª jornada – Dinamarca – Alemanha

DinamarcaAlemanha1-2

Num jogo sempre muito “desconfiado”, a Alemanha começaria por marcar cedo, numa altura em que Portugal perdia já com a Holanda, o que fez com que ambas as equipas estivessem “apuradas”, entre os 11 e os 19 minutos.

O que voltaria a suceder, por um novo curto período de tempo, entre o minuto 24 (com o empate alcançado pela Dinamarca) e o minuto 28 (empate de Portugal).

As equipas manter-se-iam algo na expectativa, jogando também com o que se passava no Portugal-Holanda. Depois do golo do triunfo da equipa portuguesa, curiosamente, era a Alemanha que passava a estar na “corda bamba”: um eventual golo da Dinamarca implicaria o afastamento dos germânicos do EURO!

A equipa alemã assumiria então a sua superioridade, conseguindo o golo que, definitivamente, tranquilizaria a Alemanha… e Portugal!

Nos 1/4 Final, segue-se um curioso confronto entre Alemanha e Grécia.

Dinamarca Stephan Andersen, Lars Jacobsen, Simon Kjær, Daniel Agger, Simon Poulsen, William Kvist, Christian Eriksen, Jakob Poulsen (82m – Tobias Mikkelsen), Niki Zimling (79m – Christian Poulsen), Michael Krohn-Dehli e Nicklas Bendtner

Alemanha Manuel Neuer, Lars Bender, Mats Hummels, Holger Badstuber, Philipp Lahm, Sami Khedira, Bastian Schweinsteiger, Thomas Müller (84m – Toni Kroos), Mesut Özil, Lukas Podolski (64m – André Schürrle) e Mario Gomez (74m – Miroslav Klose)

0-1 – Lukas Podolski – 19m
1-1 – Michael Krohn-Dehli – 24m
1-2 – Lars Bender – 80m

“Melhor em campo” – Lukas Podolski (Alemanha)

Amarelos – Não houve

Árbitro – Carlos Velasco Carballo (Espanha)

Arena Lviv – Lviv (19h45)

17 Junho, 2012 at 9:35 pm Deixe um comentário

EURO 2012 – Grupo A – 3ª jornada – R. Checa – Polónia

R. ChecaPolónia1-0

Com ambas as equipas a dependerem apenas de si próprias para o apuramento, à R. Checa ia bastando o empate enquanto se manteve também a igualdade no outro jogo, entre Grécia e Rússia; a Polónia sabia, logo à partida, que necessitava vencer.

Com o golo da Grécia, praticamente a findar a primeira parte, passavam a ser gregos e russos a estar na calha para o apuramento. A R. Checa passava também a necessitar de ganhar.

E, com um golo solitário, vencendo no terreno de um dos países organizadores, alcandorava-se ao 1º lugar do Grupo, depois do desastrado início na prova (derrota por 1-4 com a Rússia), enquanto os seus carrascos da ronda inaugural se viam eliminados!

R. Checa e Grécia avançam para os 1/4 Final, cruzando-se com os dois primeiros do Grupo de Portugal, enquanto Polónia e Rússia encerraram a sua participação na prova.

R. Checa Petr Čech, Theodor Gebre Selassie, Tomás Sivok, Michal Kadlec, David Limberský, Tomáš Hübschman, Jaroslav Plašil, Petr Jirácek (84m – František Rajtoral), Daniel Kolář, Václav Pilař (88m – Jan Rezek) e Milan Baroš (90m – Tomáš Pekhart)

Polónia Przemysław Tytoń, Lukasz Piszczek, Marcin Wasilewski, Damien Perquis, Sebastian Boenisch, Dariusz Dudka, Eugen Polanski (56m – Kamil Grosicki), Jakub Błaszczykowski, Rafal Murawski (73m – Paweł Brożek), Ludovic Obraniak (73m – Adrian Mierzejewski) e Robert Lewandowski

1-0 – Petr Jirácek – 72m

“Melhor em campo” – Petr Jirácek (R. Checa)

Amarelos – David Limberský (12m), Jaroslav Plašil (87m) e Tomáš Pekhart (90m); Rafal Murawski (22m), Eugen Polanski (48m), Marcin Wasilewski (61m), Jakub Błaszczykowski (87m) e Damien Perquis (90m)

Árbitro – Craig Thomson (Escócia)

Estádio Municipal de Wroclaw – Wroclaw (19h45)

16 Junho, 2012 at 11:39 pm Deixe um comentário

EURO 2012 – Grupo A – 3ª jornada – Grécia – Rússia

GréciaRússia1-0

Bastou um simples golo para que uma enorme reviravolta acontecesse na classificação do Grupo, com a Grécia a subir do último ao 2º lugar, enquanto a Rússia – que entrara de forma exuberante na prova, com a goleada de 4-1 à R. Checa – se via surpreendentemente relegada para a 3ª posição (também em função do golo que permitiu aos checos vencerem o Grupo), sendo assim eliminada da competição!

O intenso caudal ofensivo dos russos no segundo tempo, principalmente no derradeiro quarto de hora, após a marcação do golo da R. Checa no outro encontro do Grupo, acabaria por ser infrutífero, em parte devido à grande precipitação que se apoderou da equipa russa, e, noutra parte, em virtude da grande solidariedade revelada pelos gregos, a “tapar” todos os espaços e caminhos para a sua baliza, oferecendo o corpo à bola, criando uma barreira que se revelaria intransponível.

Grécia Michalis Sifakis, Vasilis Torosidis, Kyriakos Papadopoulos, Sokratis Papastathopoulos, Kostas Katsouranis, Giorgos Tzavellas, Giannis Maniatis, Giorgos Karagounis (67m – Grigoris Makos), Dimitris Salpingidis (83m – Sotiris Ninis), Georgios Samaras e Theofanis Gekas (64m – José Holebas)

Rússia Vyacheslav Malafeev, Aleksandr Anyukov (81m – Marat Izmailov), Aleksei Berezutskiy, Sergei Ignashevich, Yuri Zhirkov, Roman Shirokov, Igor Denisov, Denis Glushakov (72m – Pavel Pogrebnyak), Alan Dzagoev, Andrei Arshavin e Aleksandr Kerzhakov (45m – Roman Pavlyuchenko)

1-0 – Giorgos Karagounis – 45m

“Melhor em campo” – Giorgos Karagounis (Grécia)

Amarelos – Giorgos Karagounis (61m) e José Holebas (90m); Aleksandr Anyukov (61m), Yuri Zhirkov (69m), Alan Dzagoev (70m) e Pavel Pogrebnyak (90m)

Árbitro – Jonas Eriksson (Suécia)

Estádio Nacional Narodowy – Varsóvia (19h45)

16 Junho, 2012 at 11:28 pm Deixe um comentário

Artigos Mais Antigos Artigos mais recentes


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Janeiro 2022
S T Q Q S S D
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.