Campeonato do Mundo de Hóquei em Patins – Final

9 Setembro, 2017 at 1:42 pm Deixe um comentário

Final – Espanha – Portugal – 3-3 (3-3 a.p.) (2-1 g.p.)

3.º / 4.º lugar – Argentina – Itália – 4-2

5.º / 6.º lugar – Angola – Colômbia – 5-1

7.º / 8.º lugar – Chile – Moçambique – 5-5 (9-7 a.p.)

9.º / 10.º lugar – França – Alemanha – 6-4

11.º / 12.º lugar – Holanda – Áustria – 5-3

13.º / 14.º lugar – África do Sul – Macau – 7-2

15.º / 16.º lugar – EUA – Egipto – 6-1

Foi uma final de contornos verdadeiramente dramáticos a que opôs Portugal e Espanha, com o conjunto português a não ter aquela pequena dose de felicidade que lhe poderia ter proporcionado a reconquista do título de Campeão do Mundo.

O encontro começou com algumas similitudes face ao de ontem, frente à Argentina, com o nulo a manter-se praticamente até aos 20 minutos – também com Portugal a procurar jogar em ataque organizado, e os espanhóis sempre mais perigosos no contra-ataque -, altura em que uma desconcentração defensiva permitiu à Espanha inaugurar o marcador, por Albert Casanovas.

Os espanhóis viriam a ampliar a marca ainda antes do termo da primeira parte, com Jordi Adroher a aproveitar da melhor forma outra falha da defesa portuguesa, saindo para o intervalo com uma importante vantagem, que acabaria por condicionar toda o tempo restante.

De facto, apesar de Portugal ter revelado excelente capacidade de reacção, restabelecendo a igualdade a dois golos, ainda antes de estarem decorridos os cinco primeiros minutos do segundo tempo, graças a tentos apontados por Hélder Nunes e Gonçalo Alves, a verdade é que a turma portuguesa teria de andar sempre a “correr atrás do prejuízo”…

A expectativa seria então a de que a formação lusa, na “mó de cima” em termos de ascendente motivacional, concretizasse a reviravolta no marcador. Mas a Espanha recompor-se-ia, sempre a procurar impor uma toada lenta, mais de contenção, mantendo o empate durante mais dez minutos, até que viria mesmo a recolocar-se em vantagem, por Eduard Lamas.

Faltavam então dez minutos para o termo da contenda e Portugal teria então de porfiar muito, numa “luta contra o tempo” que começava, rapidamente, a esgotar-se. Até que, a dez segundos do fim, o guardião português, Ângelo Girão, procurando recuperar de forma algo precipitada a bola, numa disputa fora da área, já atrás da baliza, se envolveria com um contrário, fazendo falta, que seria sancionada com cartão azul e consequente livre directo.

Tudo parecia perdido. Só que, nesse momento, a Espanha não tomou a opção que seria mais inteligente nas circunstâncias e que lhe garantiria de imediato o triunfo, de rematar à tabela final e recuperar a bola para a conter nos segundos derradeiros. Falhando a conversão de tal livre directo, tal viria a suscitar novo choque junto à tabela de fundo, que originaria, desta feita, a punição com livre directo contra a Espanha, faltavam apenas quatro segundos para acabar o desafio!

Assumindo a responsabilidade por este momento crucial, Hélder Nunes não vacilaria; depois de permitir a defesa ao guarda-redes a um primeiro remate, recuperaria a bola, para o desfeitear, empatando o jogo a três, somente a dois segundos do final do tempo regulamentar. Portugal parecia ter conseguido o “milagre”: a final ia para prolongamento.

Só que aí, tendo de enfrentar ainda 1m50s em situação de inferioridade numérica (pela exclusão de Ângelo Girão, sendo que a Espanha, tendo sofrido o golo, voltava a estar completa), a equipa portuguesa viu-se condicionada, acabando por adoptar uma táctica de risco mínimo, que se prolongaria até final destes dez minutos suplementares, sem que tivesse sido obtido qualquer golo… tendo falhado então a sorte a Portugal, num remate de longe de Diogo Rafael, a embater no poste, no último segundo!

Chegava-se assim ao desempate da marca de grande penalidade. Depois de quatro tentativas falhadas (duas para cada lado), João Rodrigues colocaria Portugal, pela primeira vez nesta final, em vantagem. Porém, nas duas últimas tentativas, os portugueses não conseguiriam desfeitear o guardião contrário (Xavi Malian), tendo, ao invés, a Espanha marcado por duas vezes (por Lamas e Casanovas, os “carrascos”, que tinham já apontado dois dos três golos), assim se sagrando Campeã do Mundo de Hóquei em Patins, reconquistando o título que havia perdido para a Argentina há dois anos…

No palmarés da prova, a Espanha reforçou a liderança, agora com 17 títulos (1951, 1954, 1955, 1964, 1966, 1970, 1972, 1976, 1980, 1990, 2001, 2005, 2007, 2009, 2011, 2013 e 2017), seguida de perto por Portugal, com 15 campeonatos ganhos (1947, 1948, 1949, 1950, 1952, 1956, 1958, 1960, 1962, 1968, 1974, 1982, 1991, 1993 e 2003), a Argentina conquistou a prova por 5 vezes (1978, 1984, 1995, 1999 e 2015); a Itália obteve 4 títulos (1953, 1986, 1988 e 1997); e, por fim, a Inglaterra foi 2 vezes Campeã Mundial, nas duas edições inaugurais da competição (1936 e 1939).

A selecção de Portugal, pela décima vez no seu historial vice-campeã do Mundo, soma agora 42 lugares de honra (em todas as edições, à excepção da de 2007, em que se quedou na 6.ª posição):

               Campeão      2.º      3.º      4.º      Total
Portugal          15         10       15        2        42
Espanha           17         12        7        4        40
Itália             4          9       10        8        31
Argentina          5          8       10        4        27
Suíça              -          1        1        4         6
Bélgica            -          1        -        5         6 
Alemanha           -          -        -        6         6
Chile              -          -        -        4         4
Inglaterra         2          1        -        -         3
Holanda            -          1        -        2         3
Brasil             -          -        -        3         3
Moçambique         -          -        -        1         1
Anúncios

Entry filed under: Desporto.

Campeonato do Mundo de Hóquei em Patins – 1/2 Finais Liga dos Campeões – 1ª Jornada (Benfica – CSKA Moskva)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Autor – Contacto

Destaques

Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Setembro 2017
S T Q Q S S D
« Ago   Out »
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.


%d bloggers like this: