4.ª vitória de Christopher Froome no “Tour”

23 Julho, 2017 at 6:36 pm Deixe um comentário

Se a prova do ano passado havia sido já bastante equilibrada, a deste ano – 104.ª edição da mais importante competição velocipédica mundial – caracterizou-se por um extremo equilíbrio, com os três primeiros separados por menos de 30 segundos até ao derradeiro contra-relógio, ontem disputado, situação porventura inaudita.

Não obstante, controlando toda a corrida – sabedor da sua vantagem em tal especialidade do contra-relógio, em relação aos seus mais directos concorrentes -, o ciclista britânico Christopher Froome garantiu o triunfo pela quarta vez na Volta a França em Bicicleta (sendo agora o único a deter tal registo, superado por apenas quatro “mitos” do ciclismo), terceira consecutiva, confirmando o seu actual domínio a nível do panorama mundial da modalidade, apenas por uma vez tendo falhado a vitória nos últimos cinco anos (devido a queda, em 2014).

Numa prova em que alguns dos principais nomes cedo ficariam afastados, na sequência de quedas, casos de Richie Porte, Alejandro Valverde (respectivamente 5.º e 6.º classificados há um ano), Geraint Thomas ou Mark Cavendish (para além do líder da classificação por pontos e vencedor de cinco etapas, Marcel Kittel), a grande desilusão foi o colombiano Nairo Quintana (3.º lugar no ano passado e 2.º do “Giro” em 2017), apenas 12.º na geral final. Ao invés, destaque, pela positiva, para o seu compatriota, Rigoberto Uran, surpreendente vice-líder, enquanto Romain Bardet, que, até ao penúltimo dia, mantinha o 2.º lugar (que alcançara na edição precedente), salvava uma posição no pódio… por um segundo.

Nesta edição apenas um português integrou o pelotão do “Tour”, Tiago Machado, registando uma discreta posição, pese embora na primeira metade da tabela classificativa, não obstante todo o trabalho que, quase diariamente, desenvolveu na frente da corrida, procurando apoiar o seu colega Alexander Kristoff, que, contudo, acabaria por ver goradas as suas ambições de poder chegar à vitória numa etapa.

Classificação geral final:

1º Christopher Froome (Grã-Bretanha) – Team Sky – 86h 20′ 55”
2º Rigoberto Uran (Colômbia) – Cannondale Drapac – a 00′ 54”
3º Romain Bardet (França) – AG2R La Mondiale – a 02′ 20”
4º Mikel Landa (Espanha) – Team Sky – a 02′ 21′
5º Fabio Aru (Itália) – Astana – a 03′ 05′
6º Daniel Martin (Irlanda) – Quick Step Floors – a 04′ 42”
7º Simon Yates (Grã-Bretanha) – Orica – Scott – a 06′ 14”
8º Louis Meintjes (África do Sul)) – UAE – Team Emirates  – a 08′ 20”
9º Alberto Contador (Espanha) – Trek – Segafredo – a 08′ 49”
10º Warren Barguil (França) – Team Sunweb – a 09′ 25′

74º Tiago Machado (Portugal) – Team Katusha Alpecin – a 02h 43′ 36”

É a seguinte a lista completa dos vencedores da maior prova de ciclismo mundial:

  • 5 vitórias – Jacques Anquetil (1957, 1961, 1962, 1963 e 1964), Eddy Merckx (1969, 1970, 1971, 1972 e 1974), Bernard Hinault (1978, 1979, 1981, 1982 e 1985) e Miguel Indurain (1991, 1992, 1993, 1994 e 1995);
  • 4 vitórias – Christopher Froome (2013, 2015, 2016 e 2017)
  • 3 vitórias – Philippe Thys (1913, 1914 e 1920), Louison Bobet (1953, 1954 e 1955) e Greg Lemond (1986, 1989 e 1990)
  • 2 vitórias – Lucien Petit-Breton (1907 e 1908), Firmin Lambot (1919 e 1922), Ottavio Bottecchia (1924 e 1925), Nicolas Frantz (1927 e 1928), André Leducq (1930 e 1932), Antonin Magne (1931 e 1934), Sylvère Maes (1936 e 1939), Gino Bartali (1938 e 1948), Fausto Coppi (1949 e 1952), Bernard Thévenet (1975 e 1977), Laurent Fignon (1983 e 1984) e Alberto Contador (2007 e 2009);
  • 1 vitória – Maurice Garin (1903), Henri Cornet (1904), Louis Trousselier (1905), René Pottier (1906), François Faber (1909), Octave Lapize (1910), Gustave Garrigou (1911), Odile Defraye (1912), Léon Scieur (1921), Henri Pélissier (1923), Lucien Buysse (1926), Maurice De Waele (1929), Georges Speicher (1933), Romain Maes (1935), Roger Lapébie (1937), Jean Robic (1947), Ferdi Kubler (1950), Hugo Koblet (1951), Roger Walkowiak (1956), Charly Gaul (1958), Federico Bahamontes (1959), Gastone Nencini (1960), Felice Gimondi (1965), Lucien Aimar (1966), Roger Pingeon  (1967), Jan Janssen (1968), Luis Ocaña (1973), Lucien Van Impe (1976), Joop Zoetemelk (1980), Stephen Roche (1987), Pedro Delgado (1988), Bjarne Riis (1996), Jan Ullrich (1997), Marco Pantani (1998), Oscar Pereiro (2006), Carlos Sastre (2008), Andy Schleck (2010), Cadel Evans (2011), Bradley Wiggins (2012) e Vincenzo Nibali (2014).

A competição não se disputou nas épocas das duas Guerras Mundiais (1915 a 1918 e 1940 a 1946). Foram anuladas as classificações (7 vitórias) de Lance Armstrong nas edições de 1999 a 2005.

Anúncios

Entry filed under: Desporto.

Martin Landau (1928-2017) Benfica / FC Porto / Sporting – Títulos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Autor – Contacto

Destaques

Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Julho 2017
S T Q Q S S D
« Jun   Ago »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.


%d bloggers like this: