Archive for Junho, 2010

Fotobiografia de Tito de Morais

Com apresentação de Guilherme d’Oliveira Martins e de Nuno Tito de Morais Ramos de Almeida, vai ser lançada na Livraria Bertrand do Chiado, hoje, dia 24 de Junho de 2010, pelas 18:30 horas, a fotobiografia de Manuel Tito de Morais, um trabalho da Comissão Executiva das Comemorações do Centenário de Tito de Morais.

Editada pela Guerra e Paz, a fotobiografia com prefácio da autoria de Mário Soares, resultou da pesquisa e texto de Luísa Tito de Morais, Maria José Gama, Álvaro Sales Lopes, Jaime Mendes e Luís Novaes Tito.

(via A Barbearia do Senhor Luís)

24 Junho, 2010 at 10:10 am Deixe um comentário

John Isner – Nicolas Mahut – 59-59 no 5º set em Wimbledon!

Após 10 horas de disputa sem tréguas, o estado-unidense John Isner e o francês Nicolas Mahut viram o jogo de ténis que disputam no Torneio de Wimbledon interrompido pelo 2º dia consecutivo, quando o marcador assinala 59-59 (!) no 5º e decisivo set.

O encontro entre ambos os tenistas (a contar para a 1ª ronda do Torneio) começou ontem, prosseguiu hoje, e prolonga-se para amanhã!

John Isner (23ª “cabeça-de-série”) venceu a primeira partida por 6-4, perdendo de seguida por 3-6 e 6-7, voltando a triunfar no 4º set, por 7-6. Após 2 tie-breaks, e não estando prevista esta fórmula de desempate no set decisivo no Torneio de Wimbledon, os tenistas têm enfrentado uma aparentemente interminável 5ª partida, já com mais de 7 horas, superando os records de set e encontro mais longos de toda a história do ténis.

Absolutamente fantástico!

(foto Oli Scarff / Getty Images – via NBC Sports)

O tenista dos EUA dispôs de um primeiro match point a 10-9, e dois pontos de encontro adicionais a 33-32, mas não conseguiu encerrar o encontro; por fim, no serviço do francês (provindo das qualificações), teve novo ponto decisivo a 59-58, que desperdiçaria uma vez mais, inclinando-se e deixando-se cair de joelhos…

Isner: «Nothing like this will ever happen again. Ever. I don’t know what to say. He’s serving fantastic, I’m serving fantastic. I’d like to see the stats.»

Mahut: «He’s (Isner) just a champ. We’re fighting like we never did before. Someone has to win so we’ll have to come back tomorrow to find out who wins the match.»

(foto AP / Sang Tan – via)

Pode ver a notícia com o registo das diferentes fases de evolução do jogo no The New York Times e um vídeo aqui.

P. S. Ainda com mais de 1 hora de jogo disputado no terceiro dia (somando um total acumulado de 11 horas e 5 minutos), John Isner acabou por vencer Nicolas Mahut por 70-68 no 5º set! Foram assim quebrados diversos records:

  • Encontro mais longo de sempre (11 horas e 5 minutos – anteriormente, 6h33, entre Fabrice Santoro-Arnaud Clement, em Roland Garros, em 2009)
  • Encontro com mais jogos (183 – anteriormente, 122, entre Smith/Diller-Cornejo/Fillol, na Taça Davis, em 1973; ou, em singulares, 112 jogos, entre Pancho Gonzalez-Chrlie Pasarell, em Wimbledon, no ano de 1969)
  • 5.º set mais longo num torneio do Grand Slam (70-68, num total de 138 jogos – anteriormente, 40 jogos, 21-19, entre Andy Roddick-Younes El Aynaoui, no Open da Austrália, em 2003)
  • Total de “ases” num encontro (112, por John Isner, e 103 de Nicola Mahut; e 78, por Ivo Karlovic, em jogo da Taça Davis, em 2009).

(foto Reuters – via Record)

23 Junho, 2010 at 10:20 pm Deixe um comentário

Mundial 2010 – Balanço intercalar

O Campeonato do Mundo de Futebol de 2010 atingiu hoje (em número de jogos disputados) a sua metade, não obstante terem decorrido apenas 11 dias de competição.

Após a realização dos 32 jogos das duas primeiras rondas da Fase de Grupos poderão ser inúmeras as ilações a retirar, mas poucas de carácter definitivo; basicamente, duas: Holanda e Brasil garantiram já o apuramento para os 1/8 Final; as selecções da Coreia do Norte e Camarões estão já virtualmente eliminadas.

Subsistem, assim, ainda por atribuir, 14 vagas na fase seguinte da prova, com nada menos que 28 países ainda na liça; por sua vez, estes podem dividir-se em dois grupos:

  • os que dependem apenas de si (17): Uruguai, México, Argentina, Grécia, Eslovénia, EUA, Inglaterra, Gana, Alemanha, Sérvia, Japão, Dinamarca, Paraguai, Itália, N. Zelândia, Portugal e Chile; e
  • os que se encontram dependentes de resultados de terceiros (11): França, África do Sul, Coreia do Sul, Nigéria, Argélia, Austrália, Eslováquia, Costa do Marfim, Suíça, Espanha e Honduras.

A situação, Grupo a Grupo, ainda com uma infinidade de possibilidades em aberto:

Grupo AUruguai e México necessitam de apenas um empate para garantir a qualificação, pelo que este resultado na partida da última ronda entre estas duas selecções afastaria automaticamente a França e a África do Sul, equipas com uma ténue réstia de esperança: a de, vencendo, conseguir ainda anular a diferença de golos desfavorável que registam face às selecções americanas (desde que uma delas vença a outra), cifradas entre um mínimo de 4 golos (França vs. México) e 6 golos (África do Sul vs. Uruguai).

Grupo B – A Argentina até poderá perder com a Grécia… desde que a Coreia do Sul não vença a Nigéria. A Grécia dependerá apenas de si, na hipotética medida em que tenha a capacidade de vencer a Argentina por 3 golos de diferença! Pode, não obstante qualificar-se com uma vitória tangencial, desde que a Coreia do Sul não vença; ou, empatando, se os coreanos forem derrotados. À Coreia do Sul, que dispõe de vantagem sobre a Grécia, por ter mais um golo marcado, bastar-lhe-á obter o mesmo resultado que a equipa helénica… desde que não perca. Por fim, a Nigéria será apurada desde que vença a equipa coreana, mas apenas se a Grécia for derrotada pela Argentina.

Grupo C – A Eslovénia necessita “apenas” de um empate frente à Inglaterra, mas poderá mesmo apurar-se em caso de derrota, desde que haja empate no EUA-Argélia, ou, sendo a Argélia a ganhar, desde que as eventuais vitórias na última jornada sejam pela margem mínima, excepto se a Argélia marcar mais 3 golos que os eslovenos. Os EUA dependem também apenas de si próprios: a vitória sobre a Argélia garante-lhes o apuramento, podendo mesmo qualificar-se com um empate se a equipa inglesa não vencer. A Inglaterra encontra-se em circunstância análoga (não obstante a desvantagem decorrente de ter menos 2 golos marcados que os estado-unidenses): apura-se com a vitória frente à Eslovénia, ou com um empate… desde que os EUA não percam, e, neste caso, apenas na eventualidade de marcarem pelo menos mais 2 golos que os rivais do outro lado do Atlântico. Por fim, a Argélia poderá qualificar-se apenas se vencer, se a Inglaterra não ganhar à Eslovénia, ou, neste caso, se conseguir superar a actual desvantagem de golos face aos eslovenos.

Grupo D – O Gana qualifica-se se vencer, ou, empatando com a Alemanha, desde que a Sérvia não derrote a Austrália; pode inclusivamente apurar-se perdendo, desde que mantenha a vantagem no desempate por diferença de golos face à Sérvia (em caso de empate desta) e à Austrália (em caso de vitória desta equipa). A Alemanha apresenta-se em situação análoga: a vitória garante-lhe a qualificação, que pode também obter com um empate (desde que a Sérvia não ganhe), e, inclusivamente, perdendo, com as mesmas condicionantes que o Gana. A Sérvia garante também o apuramento se ganhar à Austrália e, empatando, desde que a Alemanha perca; no limite, poderá hipoteticamente qualificar-se com uma derrota, se os alemães sofressem uma goleada. Finalmente, a Austrália, não só necessita imperiosamente de vencer, como terá de esperar por uma derrota alemã…

Grupo E – Com a Holanda já qualificada, tudo se decide entre Japão e Dinamarca, no jogo que opõe as duas selecções, com vantagem (por 1 golo de diferença) para o Japão, a quem bastará portanto o empate; à Dinamarca só a vitória servirá.

Grupo F – O Paraguai apura-se desde que não perca com a N. Zelândia, ou, mesmo se for derrotado, se houver empate no Itália-Eslováquia ou se a Eslováquia, vencendo os italianos, não anular a desvantagem de 4 golos face aos paraguaios com que entra na derradeira ronda. Itália e N. Zelândia, que, de forma absolutamente inesperada, partem em absoluta igualdade para o jogo decisivo, serão apurados se vencerem; caso empatem, será apurada a equipa que marcar mais golos, podendo haver a necessidade de recorrer a um sorteio para desempatar a tal igualdade absoluta. Por fim, a Eslováquia necessitará de vencer os Campeões do Mundo, Itália, e esperar que a N. Zelândia não derrote o Paraguai; se esta última variante ocorrer, a Eslováquia necessitaria anular a referida desvantagem de 4 golos face aos paraguaios.

Grupo G – Com o Brasil também já qualificado para os 1/8 Final, a vaga restante disputa-se entre Portugal e Costa do Marfim. À equipa portuguesa bastará um empate, ou, caso seja vencida pelo Brasil, não desperdiçar a vantagem de 9 golos que detém sobre os marfinenses… A equipa africana necessita de – em caso de derrota portuguesa pela margem mínima – vencer por 8 golos de diferença, ou um tento a menos por cada golo adicional da eventual desvantagem da selecção portuguesa.

Grupo H – O Chile será apurado desde que obtenha, no mínimo, um empate frente à Espanha; caso seja derrotado, necessita que a Suíça não vença as Honduras, ou, se tal acontecer, não supere a desvantagem de golos. A Espanha poderá apurar-se vencendo, empatando, ou até perdendo, desde que faça pelo menos resultado igual ao que a Suíça obtiver no jogo com os hondurenhos. A Suíça apura-se se vencer, desde que a Espanha não ganhe (ou, se tal ocorrer, se reverter a desvantagem de 1 golo); ou, caso empate, se a Espanha perder; pode ainda apurar-se perdendo, desde que a Espanha seja derrotada por margem superior, e no pressuposto de que manteria a vantagem de golos face à equipa centro-americana. Finalmente, as Honduras apenas podem sonhar com uma vitória face aos helvéticos e com uma derrota da Espanha, necessitando de inverter a desvantagem de 4 golos relativamente aos espanhóis e de 3 golos em relação à Suíça.

Sobre a forma em que as equipas se encontrarão e o modo como impressionaram nos dois jogos já disputados, parece ser ainda demasiado prematuro estar desde já a fazer projecções para a fase mais decisiva da competição…

21 Junho, 2010 at 9:25 pm Deixe um comentário

Mundial 2010 – Resultados e Classificações – 2ª

GRUPO A        Jg  V  E  D   G  Pt  África Sul-México.....1-1
Uruguai    Uruguai  2  1  1  -  3-0  4  Uruguai-França........0-0
México     México  2  1  1  -  3-1  4  África Sul-Uruguai....0-3
França     França  2  -  1  1  0-2  1  França-México.........0-2
África Sul África Sul  2  -  1  1  1-4  1  França-África Sul.....---
                                    México-Uruguai........---

GRUPO B        Jg  V  E  D   G  Pt  Argentina-Nigéria.....1-0
Argentina  Argentina  2  2  -  -  5-1  6  Coreia Sul-Grécia.....2-0
Coreia Sul Coreia Sul  2  1  -  1  3-4  3  Grécia-Nigéria........2-1
Grécia     Grécia  2  1  -  1  2-3  3  Argentina-Coreia Sul..4-1
Nigéria    Nigéria  2  -  -  2  1-3  -  Nigéria-Coreia Sul....---
                                    Grécia-Argentina......---

GRUPO C        Jg  V  E  D   G  Pt  Inglaterra-EUA........1-1
Eslovénia  Eslovénia  2  1  1  -  3-2  4  Argélia-Eslovénia.....0-1
EUA        EUA  2  -  2  -  3-3  2  Eslovénia-EUA.........2-2
Inglaterra Inglaterra  2  -  2  -  1-1  2  Inglaterra-Argélia....0-0
Argélia    Argélia  2  -  1  1  0-1  1  Eslovénia-Inglaterra..---
                                    EUA-Argélia...........---

GRUPO D        Jg  V  E  D   G  Pt  Alemanha-Austrália....4-0
Gana       Gana  2  1  1  -  2-1  4  Sérvia-Gana...........0-1
Alemanha   Alemanha  2  1  -  1  4-1  3  Alemanha-Sérvia.......0-1
Sérvia     Sérvia  2  1  -  1  1-1  3  Gana-Austrália........1-1
Austrália  Austrália  2  -  1  1  1-5  1  Gana-Alemanha.........---
                                    Austrália-Sérvia......---

GRUPO E        Jg  V  E  D   G  Pt  Holanda-Dinamarca.....2-0
Holanda    Holanda  2  2  -  -  3-0  6  Japão-Camarões........1-0
Japão      Japão  2  1  -  1  1-1  3  Holanda-Japão.........1-0
Dinamarca  Dinamarca  2  1  -  1  2-3  3  Camarões-Dinamarca....1-2
Camarões   Camarões  2  -  -  2  1-3  -  Dinamarca-Japão.......---
                                    Camarões-Holanda......---

GRUPO F        Jg  V  E  D   G  Pt  Itália-Paraguai.......1-1
Paraguai   Paraguai  2  1  1  -  3-1  4  N.Zelândia-Eslováquia.1-1
Itália     Itália  2  -  2  -  2-2  2  Eslováquia-Paraguai...0-2
N.Zelândia N. Zelândia  2  -  2  -  2-2  2  Itália-N.Zelândia.....1-1
Eslováquia Eslováquia  2  -  1  1  1-3  1  Eslováquia-Itália.....---
                                    Paraguai-N.Zelândia...---

GRUPO G        Jg  V  E  D   G  Pt  Costa Marfim-Portugal.0-0
Brasil     Brasil  2  2  -  -  5-2  6  Brasil-Coreia Norte...2-1
Portugal   Portugal  2  1  1  -  7-0  4  Brasil-Costa Marfim...3-1
C. Marfim  Costa Marfim  2  -  1  1  1-3  1  Portugal-Coreia Norte.7-0
Cor. Norte Coreia Norte  2  -  -  2  1-9  -  Portugal-Brasil.......---
                                    Cor.Norte-C.Marfim....---

GRUPO H        Jg  V  E  D   G  Pt  Honduras-Chile........0-1
Chile      Chile  2  2  -  -  2-0  6  Espanha-Suíça.........0-1
Espanha    Espanha  2  1  -  1  2-1  3  Chile-Suíça...........1-0
Suíça      Suíça  2  1  -  1  1-1  3  Espanha-Honduras......2-0
Honduras   Honduras  2  -  -  2  0-3  -  Chile-Espanha.........---
                                    Suíça-Honduras........---

Marcadores (2ª Jornada) – Diego Forlán (Uruguai) – 2, Álvaro Pereira (Uruguai), Park Chu-Young (Coreia Sul – p.b., pela Argentina), Gonzalo Higuaín (Argentina) – 3, Lee Chung-Yong (Coreia Sul), Kalu Uche (Nigéria), Dimitrios Salpingidis (Grécia), Vasileios Torosidis (Grécia), Javier Hernandez (México), Cuauhtemoc Blanco (México), Milan Jovanovic (Sérvia), Valter Birsa (Eslovénia), Zlatan Ljubijankic (Eslovénia), Landon Donovan (EUA), Michael Bradley (EUA), Wesley Sneijder (Holanda), Brett Holman (Austrália), Asamoah Gyan (Gana), Samuel Eto’o (Camarões), Nicklas Bendtner (Dinamarca), Dennis Rommedahl (Dinamarca), Enrique Vera (Paraguai), Cristian Riveros (Paraguai), Shane Smeltz (N. Zelândia), Vincenzo Iaquinta (Itália), Luís Fabiano (Brasil) – 2, Elano (Brasil), Didier Drogba (Costa Marfim), Raul Meireles (Portugal), Simão Sabrosa (Portugal), Hugo Almeida (Portugal), Tiago (Portugal) – 2, Liedson (Portugal), Cristiano Ronaldo (Portugal), Mark Gonzalez (Chile) e David Villa (Espanha) – 2

Melhores marcadores – Gonzalo Higuaín (Argentina), 3; Diego Forlán (Uruguai), Asamoah Gyan (Gana), Luís Fabiano (Brasil), Elano (Brasil), Tiago (Portugal) e David Villa (Espanha), 2

21 Junho, 2010 at 9:20 pm Deixe um comentário

Mundial 2010 – Portugal – Coreia do Norte

Portugal Coreia do Norte 7-0

Portugal Eduardo, Miguel, Bruno Alves, Ricardo Carvalho, Fábio Coentrão, Pedro Mendes, Tiago, Raul Meireles (70m – Miguel Veloso), Cristiano Ronaldo, Simão Sabrosa (74m – Duda) e Hugo Almeida (77m – Liedson)

Coreia do Norte Ri Myong-Guk, Cha Jong-Hyok (75m – Nam Song-Chol), Pak Chol-Jin, Ri Jun-Il, Ji Yun-Nam, Ri Kwang-Chon, An Yong-Hak, Mun In-Guk (58m – Kim Yong-Jun), Pak Nam-Chol (58m – Kim Kum-Il), Hong Yong-Jo e Jong Tae-Se

1-0 – Raul Meireles – 29m
2-0 – Simão Sabrosa – 53m
3-0 – Hugo Almeida – 56m
4-0 – Tiago – 60m
5-0 – Liedson – 81m
6-0 – Cristiano Ronaldo – 87m
7-0 – Tiago – 89m


(foto via TSF)

Num jogo em que o único resultado aceitável era a vitória portuguesa, dado não só o desnível de potencial entre ambas as selecções, mas também o calendário do grupo de apuramento, e na sequência do nulo registado na jornada inaugural, a selecção nacional entrou em campo com boa disposição, deliberadamente ofensiva, criando duas ocasiões de perigo, logo aos 4 e aos 6 minutos, ambas por… Ricardo Carvalho: primeiro, num falhado remate à meia-volta; e, logo de seguida, acertando novamente no poste.

Não aproveitadas estas oportunidades decorrentes de uma entrada com algum fulgor, a Coreia do Norte começou gradualmente a ganhar confiança, tornando-se cada vez mais atrevida, começando por dar um primeiro sinal de aviso à passagem dos 10 minutos, com um remate a rasar o poste, nova ameaça aos 17 minutos e, ainda outra, cerca dos 23 minutos, fase em que a equipa portuguesa parecia algo aturdida coma a reacção coreana.

Procurando acalmar a toada algo precipitada, Portugal veria coroada de êxito uma boa jogada, com Tiago a fazer uma boa abertura, para uma excelente finalização de Raul Meireles, a marcar o golo inaugural da equipa portuguesa na prova, jogava-se o 29º minuto da partida.

Daí até final do primeiro tempo, apenas digno de menção um remate cruzado, da esquerda para a direita, de Cristiano Ronaldo, a sair ligeiramente ao lado da baliza, já com 41 minutos e, mesmo a fechar, uma iniciativa de Simão, porém com o cruzamento a não sair bem.

A selecção da Coreia do Norte iniciava a segunda parte do jogo, na condição de eliminada… mas seria a equipa portuguesa a assumir, de novo, a iniciativa do jogo, com Tiago, com um bom remate, a colocar à prova a atenção do guarda-redes adversário logo no minuto inicial, a que responderiam de imediato os coreanos, obrigando Eduardo a “dizer presente”.

Num reinício animado, seria Hugo Almeida a dividir uma bola com o guarda-redes norte-coreano, em mais uma jogada de perigo eminente. E, de seguida, um livre apontado por Jong Tae-Se, com Eduardo a mostrar estar concentrado.

Pouco depois, Hugo Almeida, desenquadrado da baliza, não conseguiria dar a melhor sequência a uma boa jogada da ofensiva portuguesa. Antes de a equipa da Coreia do Norte se desequilibrar por completo, ante o turbilhão ofensivo português, com 3 golos no espaço de 7  minutos, marcados sucessivamente por Simão Sabrosa, Hugo Almeida e Tiago.

Após 10 minutos de sonho (que, já noutras circunstâncias, viria a repetir a findar o encontro), Portugal acalmaria a toada, procurando aliciar a equipa coreana a subir no terreno, visando explorar eventuais situações de contra-ataque.

Cristiano Ronaldo ainda acertaria com estrondo na trave, em mais um potente remate. Do outro lado, Jong Tae-Se ameaçaria uma vez mais Eduardo, já na aproximação dos 80 minutos, precisamente antes de mais um golo português, o quinto, por Liedson, entrado em campo escassos minutos antes.

Haveria ainda tempo para o consumar do descalabro coreano, com um golo risível de Cristiano Ronaldo, a beneficiar de uma carambola do esférico no guarda-redes, que lhe tabelou na nuca, ressaltando para a cabeça, antes de cair no chão, à mercê de um leve empurrão para a baliza com o pé, e, de seguida, com Tiago, com mais uma excelente execução de cabeça, a bisar.

Com uma boa exibição, não obstante ter sido alcançada frente a um débil opositor, Portugal beneficiaria do mérito de ter obrigado a equipa coreana a abrir o seu jogo, desequilibrando por completo (destroçando mesmo) a sua estrutura defensiva, o que conseguiria aproveitar da melhor forma, com alto grau de eficácia, sem nunca abdicar de procurar dilatar a marca.

Depois dos 5-3 de 1966, outro Portugal – Coreia do Norte entra na história dos Mundiais: 7-0!

E, com 9 (!) golos de vantagem em relação à Costa do Marfim, só uma absolutamente indesejável catástrofe impediria Portugal de prosseguir para os 1/8 Final…

Melhor jogador – Cristiano Ronaldo

Amarelos – Pak Chol-Jin (32m) e Hong Yong-Jo (47m); Pedro Mendes (38m) e Hugo Almeida (70m)

Árbitro – Pablo Pozo (Chile)

Cape Town (12h30)


(CNN)

O jogo visto no Twitter, via The Guardian.

Crónica no The New York Times.

21 Junho, 2010 at 2:22 pm Deixe um comentário

Maestrina Joana Carneiro – Prémio Helen M. Thompson

A maestrina portuguesa Joana Carneiro foi distinguida com o prémio Helen M. Thompson (criado em 1981 para celebrar a vida e a obra de Helen M. Thompson, que promoveu a orquestra sinfónica nos EUA), pela sua actividade na direcção da Berkeley Simphony, que exerce apenas desde o início da temporada de 2009-10.

A Liga das Orquestras Americanas justificou a atribuição do prémio pelo reconhecimento do «empenho de Joana Carneiro em alargar a comunidade base da Berkeley Simphony e a tradição da orquestra, ao apresentar trabalhos de compositores do nosso tempo», sublinhando ainda que «em apenas uma época, o talento excepcional de Joana Carneiro inspirou os músicos da Berkeley Simphony e aumentou a qualidade do seu desempenho».

19 Junho, 2010 at 11:39 am Deixe um comentário

José Saramago – 1922-2010

Natural da aldeia de Azinhaga (concelho da Golegã), onde nasceu a 16 de Novembro de 1922, José Saramago, Prémio Nobel da Literatura em 1998, e também distinguido com o “Prémio Camões” (em 1995), faleceu hoje, aos 87 anos, na ilha de Lanzarote (Canárias), em Espanha, onde residia há vários anos.

Escritor tardio (não obstante ter publicado o primeiro livro, “Terra do Pecado”, em 1947), da sua obra destacam-se os romances: Manual de Pintura e Caligrafia (1977), Levantado do Chão (1980), Memorial do Convento (1982), O Ano da Morte de Ricardo Reis (1984), A Jangada de Pedra (1986), História do Cerco de Lisboa (1989), O Evangelho Segundo Jesus Cristo (1991), Ensaio Sobre a Cegueira (1995), Todos os Nomes (1997), Ensaio Sobre a Lucidez (2004), As Intermitências da Morte (2005), A Viagem do Elefante (2008) e Caim (2009).

Algumas referências mais destacadas ao falecimento de Saramago, na imprensa internacional: The New York Times, El País, El MundoLe Monde, BBC Guardian.

«A morte serve para que possamos continuar a viver», José Saramago, 2005 – programa “Pessoal e Transmissível”, TSF

18 Junho, 2010 at 2:42 pm Deixe um comentário

Mundial 2010 – Resultados e Classificações – 1ª

GRUPO A        Jg  V  E  D   G  Pt  África Sul-México.....1-1
África Sul África Sul  1  -  1  -  1-1  1  Uruguai-França........0-0
México     México  1  -  1  -  1-1  1  África Sul-Uruguai....---
França     França  1  -  1  -  0-0  1  França-México.........---
Uruguai    Uruguai  1  -  1  -  0-0  1  França-África Sul.....---
                                    México-Uruguai........---

GRUPO B        Jg  V  E  D   G  Pt  Argentina-Nigéria.....1-0
Coreia Sul Coreia Sul  1  1  -  -  2-0  3  Coreia Sul-Grécia.....2-0
Argentina  Argentina  1  1  -  -  1-0  3  Grécia-Nigéria........---
Nigéria    Nigéria  1  -  -  1  0-1  -  Argentina-Coreia Sul..---
Grécia     Grécia  1  -  -  1  0-2  -  Nigéria-Coreia Sul....---
                                    Grécia-Argentina......---

GRUPO C        Jg  V  E  D   G  Pt  Inglaterra-EUA........1-1
Eslovénia  Eslovénia  1  1  -  -  1-0  3  Argélia-Eslovénia.....0-1
EUA        EUA  1  -  1  -  1-1  1  Eslovénia-EUA.........---
Inglaterra Inglaterra  1  -  1  -  1-1  1  Inglaterra-Argélia....---
Argélia    Argélia  1  -  -  1  0-1  -  Eslovénia-Inglaterra..---
                                    EUA-Argélia...........---

GRUPO D        Jg  V  E  D   G  Pt  Alemanha-Austrália....4-0
Alemanha   Alemanha  1  1  -  -  4-0  3  Sérvia-Gana...........0-1
Gana       Gana  1  1  -  -  1-0  3  Alemanha-Sérvia.......---
Sérvia     Sérvia  1  -  -  1  0-1  -  Gana-Austrália........---
Austrália  Austrália  1  -  -  1  0-4  -  Gana-Alemanha.........---
                                    Austrália-Sérvia......---

GRUPO E        Jg  V  E  D   G  Pt  Holanda-Dinamarca.....2-0
Holanda    Holanda  1  1  -  -  2-0  3  Japão-Camarões........1-0
Japão      Japão  1  1  -  -  1-0  3  Holanda-Japão.........---
Camarões   Camarões  1  -  -  1  0-1  -  Camarões-Dinamarca....---
Dinamarca  Dinamarca  1  -  -  1  0-2  -  Dinamarca-Japão.......---
                                    Camarões-Holanda......---

GRUPO F        Jg  V  E  D   G  Pt  Itália-Paraguai.......1-1
Eslováquia Eslováquia  1  -  1  -  1-1  1  N.Zelândia-Eslováquia.1-1
Itália     Itália  1  -  1  -  1-1  1  Eslováquia-Paraguai...---
N.Zelândia N. Zelândia  1  -  1  -  1-1  1  Itália-N.Zelândia.....---
Paraguai   Paraguai  1  -  1  -  1-1  1  Eslováquia-Itália.....---
                                    Paraguai-N.Zelândia...---

GRUPO G        Jg  V  E  D   G  Pt  Costa Marfim-Portugal.0-0
Brasil     Brasil  1  1  -  -  2-1  3  Brasil-Coreia Norte...2-1
C. Marfim  Costa Marfim  1  -  1  -  0-0  1  Brasil-Costa Marfim...---
Portugal   Portugal  1  -  1  -  0-0  1  Portugal-Coreia Norte.---
Cor. Norte Coreia Norte  1  -  -  1  1-2  -  Portugal-Brasil.......---
                                    Cor.Norte-C.Marfim....---

GRUPO H        Jg  V  E  D   G  Pt  Honduras-Chile........0-1
Chile      Chile  1  1  -  -  1-0  3  Espanha-Suíça.........0-1
Suíça      Suíça  1  1  -  -  1-0  3  Chile-Suíça...........---
Espanha    Espanha  1  -  -  1  0-1  -  Espanha-Honduras......---
Honduras   Honduras  1  -  -  1  0-1  -  Chile-Espanha.........---
                                    Suíça-Honduras........---

Marcadores (1ª Jornada) – Siphiwe Tshabalala (África Sul), Rafael Márquez (México), Lee Jung-Soo (Coreia Sul), Park Ji-Sung (Coreia Sul), Gabriel Heinze (Argentina), Steven Gerrard (Inglaterra), Clint Dempsey (EUA), Robert Koren (Eslovénia), Asamoah Gyan (Gana), Lukas Podolski (Alemanha), Miroslav Klose (Alemanha), Thomas Müller (Alemanha), Cacau (Alemanha), Daniel Agger (Dinamarca – p.b., a favor da Holanda), Dirk Kuyt (Holanda), Keisuke Honda (Japão), Antolin Alcaraz (Paraguai), Daniele De Rossi (Itália), Robert Vittek (Eslováquia), Winston Reid (N. Zelândia), Maicon (Brasil), Elano (Brasil), Ji Yun-Nam (Coreia Norte), Jean Beausejour (Chile) e Gelson Fernandes (Suíça)

16 Junho, 2010 at 4:53 pm Deixe um comentário

Colecção de Ensaios – Fundação Francisco Manuel dos Santos

A Fundação Francisco Manuel dos Santos promove a publicação de uma colecção de ensaios, textos breves sobre os mais diversos problemas contemporâneos, com especial incidência na realidade portuguesa, tendo por grandes objectivos programáticos: conhecer Portugal, pensar o País e contribuir para a identificação e a resolução dos grandes problemas nacionais, assim como promover o debate público.

16 Junho, 2010 at 8:44 am 6 comentários

Mundial 2010 – Portugal – Costa do Marfim

Portugal Costa do Marfim 0-0

Portugal Eduardo, Paulo Ferreira, Bruno Alves, Ricardo Carvalho, Fábio Coentrão, Pedro Mendes, Deco (62m – Tiago), Raul Meireles (85m – Ruben Amorim), Cristiano Ronaldo, Danny (55m – Simão Sabrosa) e Liedson

Costa do Marfim Boubacar Barry, Guy Demel, Kolo Touré, Didier Zokora, Siaka Tiene, Yaya Touré, Emmanuel Eboué (89m – Romaric), Cheik Ismael Tiote, Gervinho (82m – Abdelkader Keita), Salomon Kalou (66m – Didier Drogba) e Aruna Dindane


(foto Diário de Notícias)

Ao 13º jogo do Mundial, a selecção de Portugal entrou finalmente em campo, num jogo que não fugiria à toada geral da prova – pelo menos até agora, nesta jornada inaugural, de grande contenção e risco mínimo, em que se registou o sexto empate.

O momento de maior emoção no decurso da primeira parte surgiria logo aos 11 minutos, com um remate de Cristiano Ronaldo a embater com estrondo no poste, para, à passagem dos 23 minutos, ser a Costa do Marfim a criar perigo, com Gervinho a ganhar um ressalto já dentro da área, mas, no último momento, um defesa português conseguiria aliviar.

O jogo apresentava-se repartido, com Portugal a procurar estruturar as suas jogadas ofensivas, enquanto a Costa do Marfim privilegiava a velocidade do contra-ataque, ao mesmo tempo que se fazia impor o poder físico e de choque na equipa marfinense, com os portugueses a denotarem dificuldade em penetrar no meio-campo contrário, a verem-se obrigados a jogar para trás, não conseguindo abrir o jogo, actuando praticamente sem extremos, jogando muito pelo faixa central do terreno, zona em que os adversários têm maior facilidade em garantir as marcações.

Não obstante o maior tempo de posse de bola de Portugal (56 %) no final da primeira meia-hora de jogo, a equipa da Costa do Marfim começara a ganhar algum predomínio já desde os 25 minutos.

Numa partida sem grandes ocasiões de perigo junto das balizas – com o jogo a ser disputado muito longe das grandes áreas, os guarda-redes teriam de intervir de forma mais afincada apenas por uma vez, em ambos os casos em antecipação aos avançados -, a maior oportunidade da equipa marfinense surgiria aos 42 minutos, com uma série de trocas de bola dentro da área portuguesa, a ver jogar, culminando num canto, que não teria consequências. A Costa do Marfim acabava a primeira parte a controlar o jogo…

E regressaria prometendo, logo a abrir o segundo tempo, uma toada de maior dinamismo, com acção junto da baliza de Eduardo, ganhando novo canto.

Portugal respondia, aos 50 minutos, com uma descida até à baliza adversária, num lance com algum aparato, mas inconsequente. E, mais três minutos, volvidos, quase consecutivamente, duas boas iniciativas da equipa da Costa do Marfim, dentro da área portuguesa, numa delas com Eduardo a ser chamado a mostrar a sua concentração no jogo.

Aos 57 minutos, uma das melhores jogadas da partida, com Deco a chegar até à linha do fundo, do lado esquerdo, cruzando para a cabeça de Liedson, num remate de fácil defesa. No minuto imediato, Gervinho imitaria Deco e, ainda mais dois minutos, surgiria nova ofensiva marfinense, com novo canto e um remate de cabeça a levar algum perigo. à passagem da hora de jogo, o encontro parecia então querer animar, ganhando maior ritmo.

Aos 67 minutos a equipa portuguesa ensaiava uma naturalmente desaconselhável jogada de filigrana por entre os poderosos centrais da defesa adversária, condenada ao insucesso. Cinco minutos decorridos, a bola chegaria a entrar na baliza da Costa do Marfim, mas o árbitro havia já interrompido o jogo, sancionando falta. Cristiano Ronaldo, com uma exibição algo apagada, parecia começar a estar mais em jogo, surgindo também Liedson.

Com 78 minutos de jogo, Raul Meireles teria então um primeiro ensaio de remate de meia-distância, ligeiramente ao lado da baliza contrária.

De forma simétrica à evolução registada na primeira parte, Portugal parecia surgir agora mais forte, na fase final da partida. Já com 80 minutos, Ronaldo teria então ensejo de marcar um livre “ao seu jeito”, mas a bola sairia sem a melhor direcção.

Até final do encontro – à excepção do período de compensação (3 minutos), em que haveria ainda tempo para dois grandes “sustos” na pequena área portuguesa -, a iniciativa e o “sinal mais” continuara a ser da equipa portuguesa, mas sem resultados práticos.

Num encontro tão repartido, sem domínio claro de qualquer das equipas, o empate é não só o resultado mais ajustado, como o desfecho quase inevitável da postura adoptada por ambos os conjuntos.

Melhor jogador – Cristiano Ronaldo

Amarelos – Didier Zokora (7m) e Guy Demel (21m); Cristiano Ronaldo (21m)

Árbitro – Jorge Larrionda (Uruguai)

Port Elizabeth (15h00)

(ver fotos do Estadão)

O jogo visto no Twitter, numa extraordinária infografia animada do The Guardian.

15 Junho, 2010 at 4:50 pm Deixe um comentário

Artigos Mais Antigos Artigos mais recentes


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Junho 2010
S T Q Q S S D
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.