Archive for Novembro, 2009

Nabantia – O último “post” de Jorge Ferreira

Jorge Ferreira mantinha – sob a discrição de um anonimato de que os mais atentos anteviam a autoria -, completaram-se ontem precisamente dois anos, o melhor blogue sobre uma cidade que aprendeu a amar, em cujo Instituto Politécnico dava aulas e a que se dedicou com todas as suas forças e energias nos últimos anos, Tomar.

Numa trágica ironia, o blogue Nabantia perfez ontem o seu 2º aniversário, ainda evocado pelo já muito gravemente doente Jorge Ferreira. Aqui fica a minha singela homenagem, transcrevendo o seu último escrito:

Considerando o facto de em dois anos não ser possível, ainda, pesem todos os avanços da ciencia, assegurar uma vida em plenitude quer no aspecto físico, quer mental, vê-se a Gerência Nabantia na contingência de descansar um diazito desta lufa-lufa. O estado social também tem o direito de dar uma folguita aos blogues

Que descanse em paz!

(via Fumaças)

22 Novembro, 2009 at 12:34 pm Deixe um comentário

Obrigado, Jorge Ferreira!

É mais uma notícia que nos deixa sem palavras.

Para além de toda a sua vida pessoal e profissional, com múltiplas actividades, desde a política, à advocacia, passando pela docência (no Instituto Politécnico de Tomar) e pelo papel de colunista, Jorge Ferreira era um dos mais entusiastas da blogosfera, desdobrando-se por vários blogues, permanentemente atento e acompanhando a actualidade no dia a dia.

Sem que tivesse tido o privilégio de o conhecer pessoalmente, foi-se criando entre nós uma ligação de cumplicidade / amizade “virtual”, com uma empatia potenciada também pelos seus escritos sobre Tomar e pelo interesse e atenção que fazia a gentileza de ir dedicando aos meus blogues, sempre com uma palavra simpática de incentivo. Um homem naturalmente bom, cheio de energia e de vida.

De uma forma sempre discreta, deixara antever, por mais de uma vez, que a  doença que procurava combater, o ia atacando, o ia minando.

Deixa-nos hoje, aos 48 anos de idade. Costuma dizer-se que é uma perda irreparável; assim é com toda a propriedade: fica um espaço vazio, que não mais poderá ser preenchido.

Obrigado, Jorge Ferreira!

21 Novembro, 2009 at 5:17 pm Deixe um comentário

Darwin nos Açores

Era uma vez um navio da marinha real britânica com cerca de 27 metros de comprimento que entre 1826 e 1843 fez três grandes viagens para cartografar os mares do hemisfério sul – chamava-se Beagle. Na segunda dessas viagens embarcaram 74 tripulantes, entre os quais um jovem e entusiasta naturalista de 22 anos. Durante quatro anos, nove meses e cinco dias, entre 1831 e 1836, Charles Darwin viajou à volta do mundo no navio comandado pelo Capitão FitzRoy. Mas apenas um terço desse período, cerca de 18 meses, foram realmente passados no mar. Durante a maior parte do tempo Darwin caminhou em terra firme, em longas caminhadas e expedições a cavalo, trilho acima, trilho abaixo numa recolha incansável de fósseis, plantas e animais, muitos nunca antes descritos pela ciência. A lavra foi grande e quando voltou a pisar Inglaterra no dia 2 de Outubro de 1836, tinha recolhido 5436 espécimes. […]

No próximo dia 24 de Novembro o Observatório do Mar dos Açores (OMA) associa-se às celebrações darwinianas com o lançamento de um pequeno opúsculo que celebra a passagem de Darwin pelos Açores.

A obra será lançada no próximo dia 24 de Novembro pelas 18h na Biblioteca Municipal de São Roque do Pico e na Fábrica da Baleia do Faial.

(via De Rerum Natura)

20 Novembro, 2009 at 5:38 pm Deixe um comentário

Mais um…

Mais um dia especial, desta vez na “era do Facebook” (obrigado Ana Silvério, Rui Oliveira, Tito de Morais, Rui Branco, Catarina Campos, Carlos Castro, João Gomes, Marta Botelho, Teresa Sampaio, João Canavilhas e Catarina Lira Pereira).

O meu obrigado sobretudo a ti, que – pela quinta vez – estás ao meu lado, de mão dada, nesta ocasião, tal como em todos os dias desde então.

20 Novembro, 2009 at 5:30 pm Deixe um comentário

Bósnia-Herzegovina – Portugal (Mundial 2010 – “Play-off”)

Ancorado numa tão preciosa como frágil vantagem obtida no encontro da 1ª mão, Portugal entrou em campo em Zenica, frente à Bósnia, algo retraído, concedendo a iniciativa (e a posse de bola) ao adversário.

Que, curiosamente, não assumiu a esperada pressão e ataque continuado, procurando ao invés surpreender a equipa portuguesa em lances rápidos, provocando alguns momentos de tensão nas imediações da área, a exigirem cortes / alívios expeditos.

Por seu lado, Portugal apenas a espaços conseguia libertar-se e sair para o ataque, tendo beneficiado da primeira ocasião de perigo à passagem dos 25 minutos, com Raul Meireles a rematar, mas a possibilitar a oposição do guardião adversário.

A partida ia decorrendo numa toada movimentada, não obstante algo morna em termos de jogadas de ataque, com um remate surpresa da equipa bósnia, de meia distância, aos 35 minutos, levando novamente algum perigo à baliza portuguesa, não obstante a bola ter saído bastante por cima.

Cerca dos 40 minutos, outro momento em que Portugal se aproximou da área da Bósnia, mas com passes demasiado curtos, num interminável rendilhado, acabaria por perder a posse de bola.

Para, quase a concluir a primeira parte, a defesa portuguesa ser excessivamente cerimoniosa, permitindo aos avançados bósnios internarem-se até à imediação da pequena área, felizmente sem consequências.

A abrir o segundo tempo, um rasgo de génio de Nani em plena área bósnia, repleto de técnica, a afastar a defesa do lance, mas não conseguindo fazer o “mais fácil”… Na resposta Pjanić remataria com perigo, com a bola quase a rasar o poste.

Mas a equipa portuguesa surgira transfigurada, assumindo o domínio do jogo, instalando-se no meio terreno adversário. O corolário lógico, logo aos 10 minutos, na sequência de uma excelente combinação, a desmarcar Raul Meireles na zona central, à entrada da área, que, com toda a calma (e tempo), começou por controlar a bola, desferindo depois um remate cruzado, ao poste mais distante, sem hipótese de defesa. Estava feito o golo que praticamente garantia a qualificação! 

Nos minutos imediatos, como que atordoada pelo rude golpe sofrido (passava a necessitar de marcar três golos… uma autêntica missão impossível), a equipa bósnia sentiu-se algo perdida, dando espaços para a manobra da selecção nacional, que poderia ter ampliado a vantagem por mais de uma ocasião (Raul Meireles poderia ter bisado…).

Já depois de cenas deploráveis, na sequência da expulsão de Salihović – com objectos a serem arremessados para o relvado, atingindo o árbitro assistente -, obrigando a uma interrupção de alguns minutos, Portugal desperdiçaria nova e soberana ocasião de golo.

Aos 80 minutos, numa iniciativa esporádica da Bósnia, Džeko ainda poderia ter igualado o marcador, mas falhou o alvo. Na jogada seguinte, a defesa portuguesa concederia novas facilidades.

Até final, haveria ainda tempo para mais três oportunidades de golo para Portugal: aos 84 minutos, com Edinho a obrigar o guarda-redes a defesa difícil; aos 88 minutos, Bruno Alves a não conseguir desviar eficazmente; e, mesmo a finalizar, já no 94º minuto, a mais escandalosa perdida, novamente por Edinho.

Culminando uma campanha algo titubeante, Portugal garantia – com mais facilidades do que previsto – o apuramento para o Mundial, na sexta presença consecutiva em fases finais de grandes provas internacionais de futebol (todas as edições dos Campeonatos da Europa e do Mundo), desde 2000.

Bósnia-Herzegovina – Kenan Hasagić, Sanel Jahić, Safet Nadarević e Boris Pandža; Senijad Ibričić, Zlatan Bajramović (83m – Džemal Berberović), Haris Medunjanin (45m – Zlatan Muslimović), Miralem Pjanić e Sejad Salihović; Vedad Ibišević e Edin Džeko

Portugal – Eduardo; Paulo Ferreira, Ricardo Carvalho, Bruno Alves e Duda; Pepe, Nani (73m – Edinho), Raul Meireles, Tiago e Simão Sabrosa (80m – Deco); Liedson (90m – Miguel Veloso)

0-1 – Raul Meireles – 56m

Cartões amarelos – Sanel Jahić (25m), Safet Nadarević (37m), Edin Džeko (58m), Sejad Salihović (76m) e Džemal Berberović (90m); Simão Sabrosa (27m)

Cartão vermelho – Sejad Salihović (76m)

Árbitro – Roberto Rosetti (Itália)

Todos os jogos da 2ª mão dos play-off na Europa tiveram como desfecho no final do tempo regulamentar o resultado de 1-0! A Grécia foi vencer à Ucrânia, tendo a Eslovénia vencido e eliminado a Rússia; enquanto a França perdia em casa perante a Irlanda, vendo-se obrigada a prolongamento, em que, beneficiando de um golo bastante “polémico”, alcançou também a qualificação. Na zona africana, no desempate, disputado no Sudão, a Argélia derrotou o Egipto… por 1-0. Por fim, no play-off América do Sul / América do Norte e Central, jogado entre Uruguai e a Costa Rica, o empate a um golo favoreceu a equipa uruguaia, que havia vencido a primeira mão.

Concluída a fase de qualificção, são as seguintes as 32 selecções com apuramento garantido para a Fase Final do Mundial: Brasil, Chile, Paraguai, Argentina, Uruguai; EUA, México, Honduras; Dinamarca, Suíça, Eslováquia, Alemanha, Espanha, Inglaterra, Sérvia, Itália, Holanda, Portugal, Grécia, Eslovénia, França; Austrália, Japão, Coreia do Sul, Coreia do Norte; Nova Zelândia; Ghana, Costa do Marfim, Nigéria, Camarões, Argélia e África do Sul.

18 Novembro, 2009 at 8:42 pm Deixe um comentário

i – Problemas e soluções


Mais uma excelente primeira página do jornal i, com um jornalismo que não se limita a noticiar os problemas, mas também a procura de soluções.

18 Novembro, 2009 at 11:40 am 3 comentários

“Unfriend” – Palavra do ano

O New Oxford English Dictionary anunciou a sua palavra do ano de 2009, considerada como tendo um potencial de longevidade e sendo o seu significado claramente compreensível no contexto das redes sociais online:

  • unfriend – verb – To remove someone as a ‘friend’ on a social networking site such as Facebook

Pode ler mais sobre a “palavra do ano”, um «não necessariamente fiável, mas fascinante barómetro tecnológico», aqui (com uma análise da sua recente evolução histórica) ou aqui, e, ainda, aqui.

17 Novembro, 2009 at 7:44 pm Deixe um comentário

Jornal i recebe prémios de melhor design

O jornal i foi distinguido nos prémios ÑH com o título de “Melhor Design Editorial de Espanha & Portugal”,  na categoria dos jornais com 20 mil a 60 mil exemplares.

P. S. O i foi entretanto também premiado como “Best European National Newspaper of the year“.

16 Novembro, 2009 at 1:24 pm Deixe um comentário

Changes in Media Over the Past 550 Years

(via ContraFactos & Argumentos)

16 Novembro, 2009 at 8:31 am Deixe um comentário

Portugal – Bósnia-Herzegovina (Mundial 2010 – “Play-off”)

Na primeira de duas partidas decisivas para definir o apuramento para a Fase Final do Campeonato do Mundo de Futebol, a disputar no próximo ano na África do Sul, a  equipa portuguesa teria uma entrada promissora, com a bola a rondar a baliza da Bósnia por algumas vezes nos primeiros cinco minutos, com Raul Meireles, Simão e Liedson a tentar a sorte.

Aos 6 minutos, o primeiro aviso da Bósnia, com Misimović a demonstrar grande espontaneidade no remate… um pouco por cima da trave. À passagem dos 12 minutos, a Bósnia teria outras duas boas iniciativas de ataque, não obstante inconsequentes.

Para, em cima do quarto de hora, Nani procurar despertar novamente a selecção nacional; pouco depois, com 18 minutos decorridos, não seria contudo expedito no remate, em situação privilegiada, já em plena área. Mais dois minutos decorridos, Bruno Alves não conseguiria também ser efectivo na concretização.

Cada vez mais ameaçadora – depois de um livre directo, na zona frontal, a embater na muralha defensiva bósnia, aos 25 minutos, e de um remate de Raul Meireles, a obrigar o guarda-redes Hasagić a intervenção difícil, à meia hora de jogo – a equipa portuguesa acabaria mesmo por chegar ao golo, no minuto seguinte, num imparável desvio de cabeça de Bruno Alves, a dar a melhor sequência a um cruzamento de Nani.

Aos 38 minutos, seria a vez de Eduardo ser colocado à prova por Salihović, com um remate forte, a obrigar o guarda-redes português a aplicar-se a fundo. Parecendo afrouxar o ritmo de jogo, a equipa portuguesa permitia à bósnia subir no terreno; aos 42 minutos, Ibričić dava novo e sério aviso, surgindo a cabecear, com a bola a embater com estrondo na barra. O intervalo parecia chegar em boa hora para a selecção nacional.

No início da segunda parte, no retomar do jogo, mantinha-se uma toada de domínio repartido, com a Bósnia a procurar – quando tinha possibilidade para tal – instalar-se no meio terreno português.

O encontro apenas animaria já na aproximação à hora de jogo, primeiro com um excelente trabalho de Liedson, “picando” a bola sobre um defesa, para, já isolado, na cara do guardião, rematar ao lado; logo de seguida, com Deco a rematar desastradamente, quando tinha condições para dilatar a vantagem; e, ainda, Raul Meireles, também a não ser eficaz.

Na melhor fase da equipa portuguesa – com dez minutos de intensa pressão – , Simão Sabrosa, numa boa iniciativa sobre o lado esquerdo, já dentro da área, não conseguiria contudo finalizar.

A equipa Bósnia parecia em nítida perda, recuando no terreno, denotando alguma falta de frescura física – ao mesmo tempo que algumas das suas principais figuras iam vendo cartões amarelos, que afastarão Muratović, Rahimić e Spahić do jogo de quarta-feira, em Zenica -, quando, de forma inesperada, Edin Džeko ameaçaria a baliza portuguesa, com um remate quase a embater no poste, estavam decorridos 75 minutos. 

Curiosamente, o episódio mais extraordinário deste jogo estava ainda por chegar: aos 88 minutos, com toda a defesa portuguesa paralisada, atónita, a ver o que se estava a passar, os bósnios – na mesma jogada – rematariam consecutivamente, primeiro à trave, de imediato ao poste, num lance que, miraculosamente, não resultou em golo. 

A partida encerraria com uma defesa apertada de Hasagić, a negar o golo a Tiago. 

Frente a uma equipa que se mostrou desinibida, com a vitória pela margem mínima hoje alcançada (ficando a dever a si própria a obtenção de um resultado mais confortável) – mas com o importante factor de não ter sofrido golos em casa -, a selecção nacional deverá ter de demonstrar capacidade de sofrimento na Bósnia; não obstante, em condições normais, dificilmente deixará de ser apurada.

Portugal – Eduardo; Paulo Ferreira, Ricardo Carvalho, Bruno Alves e Duda; Pepe, Raul Meireles e Deco (84m – Tiago); Nani (68m – Fábio Coentrão), Simão Sabrosa (88m – Hugo Almeida) e Liedson

Bósnia-Herzegovina– Kenan Hasagić, Sanel Jahić, Safet Nadarević e Emir Spahić; Senijad Ibričić, Samir Muratović (86m – Miralem Pjanić), Elvir Rahimić, Zvjezdan Misimović (81m – Zlatan Muslimović) e Sejad Salihović; Vedad Ibišević e Edin Džeko

1-0 – Bruno Alves – 31m

Cartões amarelos – Deco (13m); Vedad Ibišević (15m), Samir Muratović (37m), Elvir Rahimić (48m) e Emir Spahić (71m)

Árbitro – Martin Atkinson (Inglaterra)

Nos outros jogos dos play-off na Europa, a Rússia venceu tangencialmente (2-1) a Eslovénia; a França foi vencer à Irlanda, por 1-0; enquanto a Grécia empatou a zero com a Ucrânia.

Entretanto, garantiram também o apuramento, após os encontros hoje disputados, as selecções da Nova Zelândia, Nigéria e Camarões, assim elevando para 26 o número de equipas já qualificadas, juntando-se a Brasil, Chile, Paraguai, Argentina, EUA, México, Honduras, Dinamarca, Suíça, Eslováquia, Alemanha, Espanha, Inglaterra, Sérvia, Itália, Holanda, Austrália, Japão, Coreia do Sul, Coreia do Norte, Ghana, Costa do Marfim e África do Sul.

Para completar o lote de 32 finalistas, subsiste por definir a  atribuição de seis vagas: para além das quatro que resultarão dos play-off europeus, uma a disputar entre Costa Rica e Uruguai, e, a derradeira, a decidir entre Argélia e Egipto (que – depois da vitória egípcia por 2-0 no jogo de hoje, colocando em absoluta igualdade de pontos e golos marcados e sofridos ambas as selecções – terão de desempatar na próxima quarta-feira, em jogo a realizar no Sudão).

14 Novembro, 2009 at 11:23 pm Deixe um comentário

Artigos Mais Antigos Artigos mais recentes


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Novembro 2009
S T Q Q S S D
« Out   Dez »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.