Archive for 10 Dezembro, 2007

Blogosfera em 2007 (VI)

Depois das eleições do CDS-PP, o 31 da Armada apresenta a primeira “cobertura blogosférica” de um congresso partidário, a V Convenção do Bloco de Esquerda, realizada no fim-de-semana de 2 e 3 de Junho.

A 6 de Junho, Pacheco Pereira escreve no Abrupto sobre os “sinais de crise” na blogosfera.

«METABLOGUISMO – SINAIS DE CRISE

Assiste-se a um significativo empobrecimento da blogosfera que tem mais leitores, para além da pornográfica e futebolística, e que é essencialmente política e “literária”. Por um lado, é cada vez maior a sobreposição da agenda comunicacional “lá fora” com a agenda “cá dentro”. É um processo que resulta do reforço do contínuo entre blogues e jornais. Hoje não há nenhum tema dos blogues que não chegue praticamente em tempo real aos jornais, cujos jornalistas observam os blogues todos os dias. Por outro lado, o efeito de politização intensa dos blogues e da cada vez maior circulação dos autores de comentário nos blogues para as colunas dos jornais, da rádio e da televisão, torna obrigatório que eles sigam também em tempo real os eventos políticos. As agendas tornam-se mutuamente dependentes e o efeito final é empobrecedor. Há, no entanto, aspectos, como a crítica aos media, que ainda se centram apenas nos blogues.

Este pode ser apenas um efeito transitório, mas existe. Mas o mais empobrecedor, é o aparecimento em força de fenómenos de “amiguismo” e “grupismo”, que abafam o espírito analítico e tornam os blogues tão permeáveis à cultura da troca do favor e do silêncio crítico que já existe quanto baste na comunicação social tradicional e na sociedade portuguesa. Um livro não é bom apenas porque é publicado pelo autor do blogue ao lado e a permuta de pré-publicações e anúncios congratulatórios não pode ser apenas feita por passividade ou expectativa de retribuição. É suposto que quem anuncia um livro o acha com qualidade, o conheça ou o tenha lido. Senão os blogues ficam iguais ao Jornal de Letras, mais uma coterie, ou um grupo de coteries, mais ou menos rivais que disputam entre si o escasso espaço público das editoras e da “influência”.

A polémica do “amiguismo” suscitada por João Pedro George foi um primeiro alerta para esta situação. Rapidamente redundou, pela habitual máquina simplificadora, em se saber se se podia ou não escrever críticas dos livros dos amigos e colegas, o que não é o ponto. No ponto, George tinha toda a razão e o modo hostil como foi recebido particularmente revelador de que tocara numa questão sensivel.

É uma espécie de Princípio de Peter. As razões do sucesso podem tornar-se as razões do insucesso. O sucesso da blogosfera criou um novo circuito literário, jornalístico, de comentário político, de crítica, que é, como se costuma dizer, “incontornável” para directores de órgãos de informação, editores, organizadores de colóquios, animadores culturais, empresas “culturais”, vereações municipais, etc.. Mas os sintomas de entrada no establishment começam a ser evidentes, com a complacência generalizada nos blogues com os produtos da própria blogosfera.

Que isto se discuta tão pouco é já por si um sintoma da doença. Não era isso uma das coisas que os blogues criticavam na imprensa?»

A 7 tinha início o Desconcertante, de Fernando Martins; para, a 13, se assistir ao nascimento do Zero de Conduta, com a participação de Filipe Calvão, José Neves, Pedro Sales e Vasco Carvalho; e, a 15 de Junho, do Puro Arábica, com Fátima F. Ramos e César David Sousa.

E, se uns começam, outros findam, como foi o caso, a 14 de Junho, do Minha Rica Casinha.

A 26 de Junho, novo texto de Pacheco Pereira, a propósito da responsabilização dos autores de blogues, não apenas no que concerne aos seus conteúdos, como também em relação aos respectivos comentários:

«Agora que os blogues começam a sentar-se no banco dos réus, o que é normal em si mesmo porque a lei não pode ficar à porta da Rede se nela se cometerem crimes, independentemente do juízo que se possa ter sobre os casos da actualidade, há uma coisa que me parece indefensável: que o autor ou autores de um blogue não sejam responsáveis pelos comentários que publicam, anónimos ou não, caso as suas caixas de comentários sejam totalmente abertas. Por isso, os blogues que acham que lá por porem uma salva de prata, ou um prato de barro, em cima de um monte de lixo, podem ser vistos apenas pela prata ou pelo barro, enganam-se. O lixo dos comentários, tantas vezes puramente calunioso, está lá, à vista de todos e não serve nenhuma liberdade, nem nenhuma opinião “anti-sistema”, muito menos o “povo” ou a democracia. Bem pelo contrário, serve quase sempre o pior dos sistemas, a mesquinhice da aldeia, a claustrofobia do boato e da insinuação, o crime da calúnia. Depois não se queixem.»

A 28 de Junho surgia o “Movimento Informação é Liberdade”, movimento promovido por um grupo de jornalistas – que recorreram também à criação de um blogue com o mesmo nome – que, “constatando que se encontra em marcha o mais violento ataque à liberdade de Imprensa em 33 anos de democracia, decidiu juntar a sua voz à de todos os cidadãos e entidades que se têm pronunciado sobre a matéria e manifestam publicamente o seu repúdio por todo o edifício jurídico aprovado pela Assembleia da República, ou à espera de aprovação, referente à sua actividade profissional, que consideram limitativo do direito Constitucional de informar e ser informado”.

A concluir o mês de Junho, a 30, Miguel Portas dava início ao Sem Muros, blogue em que o eurodeputado do Bloco de Esquerda se propunha acompanhar diariamente, ao longo dos 6 meses seguintes, “sem preconceitos e sem piedade“, a Presidência portuguesa da União Europeia, “Comentando actos oficiais e notícias das outras europas de que a europa se faz. Procurando os contrastes de olhar”.

10 Dezembro, 2007 at 1:02 pm 3 comentários

Eleições Presidenciais EUA – 2008 (VI)

Eleições Presidenciais EUA - 2008

Inicio hoje, neste espaço, uma retrospectiva sobre os resultados das 55 eleições precedentes para Presidente dos EUA, desde 1789 a 2004.

  • 1789 (a)
      George Washington – 69 votos do Colégio Eleitoral
      – John Adams – 34
  • 1792
      George Washington – 132
      – John Adams – 77
      – George Clinton – 50
      – Thomas Jefferson – 4
      – Aaron Burr – 1
  • 1796
      John Adams – 71
      – Thomas Jefferson – 68
      – Thomas Pinckney – 59
      – Aaron Burr – 30
  • 1800 (b)
      Thomas Jefferson – 73
      – Aaron Burr – 73
      – John Adams – 65
      – Charles C. Pinckney – 64
      – John Jay – 1
  • 1804
      Thomas Jefferson – 162
      – Charles C. Pinckney – 14
  • 1808
      James Madison – 122
      – Charles C. Pinckney – 47
      – George Clinton – 6
  • 1812
      James Madison – 128
      – De Witt Clinton – 89
  • 1816
      James Monroe – 183
      – Rufus King – 34
  • 1820
      James Monroe – 231
      – John Quincy Adams – 1
  • 1824 (c)
      John Quincy Adams – 84
      – Andrew Jackson – 99
      – William H. Crawford – 41
      – Henry Clay – 37
  • (a) Apenas 10 Estados participaram na eleição. A legislatura de Nova Iorque não designou eleitores; a Carolina do Norte e Rhode Island ainda não haviam ratificado a Constituição.

    (b) Dado o empate entre Thomas Jefferson e Aaron Burr, coube ao Congresso designar o Presidente. Na votação por Estados, 10 votaram em Jefferson, face a apenas 4 em Burr.

    (c) Considerando que nenhum dos candidatos obtivera a maioria requerida, o Congresso procedeu à designação do Presidente, de entre os 3 candidatos mais votados. Numa votação por Estados, 13 votaram em John Quincy Adams, 7 em Andrew Jackson e 4 em William H. Crawford

    10 Dezembro, 2007 at 9:55 am Deixe um comentário


    Autor – Contacto

    Destaques

    Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
    Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

    Calendário

    Dezembro 2007
    S T Q Q S S D
    « Nov   Jan »
     12
    3456789
    10111213141516
    17181920212223
    24252627282930
    31  

    Arquivos

    Pulsar dos Diários Virtuais

    O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

    O que é a memória?

    Memória - TagCloud

    Jogos Olímpicos

    Eleições EUA 2008

    Twitter

    Categorias

    Notas importantes

    1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

    Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

    2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

    Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.