Jogos Olímpicos 2016 – Rio de Janeiro

Terminaram os Jogos Olímpicos de 2016, realizados no Brasil, tendo por sede o Rio de Janeiro, culminando a XXXI Olimpíada, com o seguinte quadro de medalhas:

(clicar na imagem para consultar a tabela completa)

Portugal, conquistando apenas uma medalha de bronze – após a medalha de prata obtida em Londres, na canoagem -, a 24.ª do seu historial (somando agora um pecúlio de 4 medalhas de ouro, 8 de prata e 12 de bronze), posicionou-se no grupo dos 78.º classificados (10 países, com igual resultado, entre os quais, por exemplo, a Áustria e a Finlândia), num total de 87 países medalhados, assim mantendo a média de uma medalha por Olimpíada, desde a estreia, há 104 anos, em Estocolmo.

Telma Monteiro(imagem via Sapo Desporto / Lusa)

Nesta edição, para além da medalha de bronze conquistada pela judoca Telma Monteiro, destaque ainda para os seguintes dez “Diplomas Olímpicos” (classificações até ao 8.º lugar) – face a nove, obtidos em 2012 -, com a particularidade de se registarem em diversas disciplinas técnicas:

  • Emanuel Silva / João Ribeiro – 4.º lugar na Canoagem – K2 1.000m
  • João Pereira – 5.º lugar no Triatlo
  • Fernando Pimenta – 5.º lugar na Canoagem – K1 1.000m
  • Marcos Freitas – 5.º lugar no Ténis de Mesa (1/4 de final)
  • Selecção Olímpica de Portugal – 5.º lugar no Futebol (1/4 de final)
  • Nélson Évora – 6.º lugar no Atletismo – Triplo-salto
  • Patrícia Mamona – 6.º lugar no Atletismo – Triplo-salto
  • Ana Cabecinha – 6.º lugar no Atletismo – 20 km Marcha
  • David Fernandes / Emanuel Silva / Fernando Pimenta / João Ribeiro – 6.º lugar na Canoagem – K4 1.000m
  • Nélson Oliveira – 7.º lugar em Ciclismo – Contra-relógio

Numa classificação por pontos, a equipa portuguesa obteve a sua segunda melhor pontuação de sempre (41 pontos), apenas superada (44 pontos) em 2004, em Atenas.

Para além das anteriores, referência ainda ao 9.º lugar de Rui Bragança (Taekwondo) e de Luciana Diniz (Hipismo – Salto de obstáculos) e ao 10.º posto de Sergiu Oleinic e Joana Ramos (ambos no Judo), Susana Costa (Triplo-salto) e Rui Costa (Ciclismo – prova de Estrada).

A nível global, as grandes figuras destes Jogos Olímpicos foram – tal como há quatro anos, em Londres, e há oito anos em Pequim – Michael Phelps (EUA – conquistando mais 5 medalhas de ouro e 1 de prata, elevando para 28 o record de medalhas olímpicas conquistadas por um atleta, das quais 23 medalhas de ouro) e Usain Bolt (Jamaica – repetindo os triunfos nos 100 e 200 metros, assim como na prova de estafetas 4×100 metros, alcançando portanto uma tripla “tripla”).

Destaque ainda para os fantásticos records mundiais obtidos no atletismo, pelo sul-africano Wayde Van Niekerk (43.03 segundos, nos 400 metros, superando a marca de 43.18 segundos obtida por Michael Johnson há já 17 anos) e pela etíope Almaz Ayana (29:17.45 nos 10.000 metros femininos, melhorando a marca de 29:31.78, da chinesa Wang Junxia, este um registo já com 23 anos).

Tal como há quatro anos, referência ainda para o britânico Mo Farah (nascido na Somália), bisando o título de duplo campeão olímpico, nos 5.000 e nos 10.000 metros. Por seu lado, a estado-unidense Simon Biles, com 4 medalhas de ouro e 1 de bronze consagrou-se como a melhor ginasta da competição.

A ler: «O Balanço Possível de Portugal nos Jogos Olímpicos», por Rui Pedro Silva.

22 Agosto, 2016 at 6:21 pm Deixe o seu comentário

Benfica / FC Porto / Sporting – Títulos

7 Agosto, 2016 at 11:18 pm Deixe o seu comentário

Eleições Presidenciais EUA – 2016

A três meses e meio das eleições presidenciais nos EUA – agendadas para o próximo dia 8 de Novembro -, e numa altura em que se realizou já a Convenção Republicana, estando a decorrer a Convenção Democrata, eis uma simulação do que poderá traduzir-se num cenário de absoluto empate entre os candidatos democrata, Hillary Clinton, e republicano, Donald Trump, cada um, teoricamente, com 191 “grandes eleitores” com forte tendência em seu respectivo favor, a que se somam, em ambos os casos, 78 “grandes eleitores” afectos a Estados ainda com tendência indefinida, como são os casos da Pennsylvania, Michigan, Virginia, Minnesota, Wisconsin e Colorado (por agora, a pender ligeiramente para Clinton), e da Florida, Ohio, North Carolina, Nevada, Iowa e New Hampshire (com a média das sondagens a favorecer Trump):


Click the map to create your own at 270toWin.com

26 Julho, 2016 at 6:54 pm Deixe o seu comentário

Christopher Froome vence “Tour de France” pela terceira vez

Numa prova bastante equilibrada – com os dez primeiros separados por apenas cerca de sete minutos (somente cerca de três minutos entre o 2.º e o 10.º classificados!) -, o ciclista britânico (nascido no Quénia) Christopher Froome conquistou pela terceira vez a Volta a França em Bicicleta, segunda consecutiva, numa edição que controlou, de forma tranquila, praticamente desde o início até ao seu termo, acabando como seus “lugares-tenente” o francês Romain Bardet – beneficiando de uma fuga que lhe proporcionou o triunfo na antepenúltima etapa – e o colombiano Nairo Quintana, que fora 2.º classificado nos dois anos precedentes.

Em relação aos portugueses, depois de duas desistências nas duas últimas edições, Rui Costa quedou-se, na geral, no 49.º lugar, acabando, surpreendentemente, por ser o 5.º classificado na classificação do “Prémio da Montanha”; aquém da forma que o caracterizou em anos anteriores, o antigo Campeão do Mundo tentou, por três vezes, vencer etapas, protagonizando fugas, num esforço digno de realce, não conseguindo, porém, melhor do que um 2.º lugar, outro 5.º, na penúltima etapa, e um 15.º posto, no dia anterior. Por seu lado, Nelson Oliveira – que se evidenciou nos contra-relógios, com um magnífico 3.º lugar, apenas superado por Tom Dumoulin e Christopher Froome – terminou numa mais modesta 80.ª posição, depois de, no ano passado, ter finalizado nos 50 primeiros.

Classificação geral final:

1º Christopher Froome (Grã-Bretanha) – Team Sky – 89h 04′ 48”
2º Romain Bardet (França) – AG2R La Mondiale – a 04′ 05”
3º Nairo Quintana (Colômbia) – Movistar Team – a 04′ 21”
4º Adam Yates (Grã-Bretanha) – Orica-BikeExchange  – a 04′ 42”
5º Richie Porte (Austrália) – BMC Racing Team – a 05′ 17”
6º Alejandro Valverde (Espanha) – Movistar Team – a 06′ 16”
7º Joaquin Oliver Rodriguez (Espanha) – Team Katusha – a 06′ 58”
8º Louis Meintjes (África do Sul)) – Lampre-Merida – a 06′ 58”
9º Daniel Martin (Irlanda) – Etixx- Quick Step – a 07′ 04”
10º Roman Kreuziger (R. Checa) – Tinkoff – a 07′ 11′

49º Rui Costa (Portugal) – Lampre-Merida – a 02h 11′ 42”
80º Nelson Oliveira (Portugal) – Movistar Team – a 03h 04′ 53”

É a seguinte a lista completa dos vencedores da maior prova de ciclismo mundial:

  • 5 vitórias – Jacques Anquetil (1957, 1961, 1962, 1963 e 1964), Eddy Merckx (1969, 1970, 1971, 1972 e 1974), Bernard Hinault (1978, 1979, 1981, 1982 e 1985) e Miguel Indurain (1991, 1992, 1993, 1994 e 1995);
  • 3 vitórias – Philippe Thys (1913, 1914 e 1920), Louison Bobet (1953, 1954 e 1955), Greg Lemond (1986, 1989 e 1990) e Christopher Froome (2013, 2015 e 2016)
  • 2 vitórias – Lucien Petit-Breton (1907 e 1908), Firmin Lambot (1919 e 1922), Ottavio Bottecchia (1924 e 1925), Nicolas Frantz (1927 e 1928), André Leducq (1930 e 1932), Antonin Magne (1931 e 1934), Sylvère Maes (1936 e 1939), Gino Bartali (1938 e 1948), Fausto Coppi (1949 e 1952), Bernard Thévenet (1975 e 1977), Laurent Fignon (1983 e 1984) e Alberto Contador (2007 e 2009);
  • 1 vitória – Maurice Garin (1903), Henri Cornet (1904), Louis Trousselier (1905), René Pottier (1906), François Faber (1909), Octave Lapize (1910), Gustave Garrigou (1911), Odile Defraye (1912), Léon Scieur (1921), Henri Pélissier (1923), Lucien Buysse (1926), Maurice De Waele (1929), Georges Speicher (1933), Romain Maes (1935), Roger Lapébie (1937), Jean Robic (1947), Ferdi Kubler (1950), Hugo Koblet (1951), Roger Walkowiak (1956), Charly Gaul (1958), Federico Bahamontes (1959), Gastone Nencini (1960), Felice Gimondi (1965), Lucien Aimar (1966), Roger Pingeon  (1967), Jan Janssen (1968), Luis Ocaña (1973), Lucien Van Impe (1976), Joop Zoetemelk (1980), Stephen Roche (1987), Pedro Delgado (1988), Bjarne Riis (1996), Jan Ullrich (1997), Marco Pantani (1998), Oscar Pereiro (2006), Carlos Sastre (2008), Andy Schleck (2010), Cadel Evans (2011), Bradley Wiggins (2012) e Vincenzo Nibali (2014).

A competição não se disputou nas épocas das duas Guerras Mundiais (1915 a 1918 e 1940 a 1946). Foram anuladas as classificações (7 vitórias) de Lance Armstrong nas edições de 1999 a 2005.

24 Julho, 2016 at 12:06 pm Deixe o seu comentário

Campeonato da Europa de Hóquei em Patins – Final

Final – Portugal – Itália – 6-2

3º / 4º lugar – Espanha – Suíça – 7-1

5º / 6º lugar – França – Alemanha – 1-1 (2-1 g.p.)

7º / 8º lugar – Inglaterra – Áustria – 6-1

André Girão e Nélson Filipe (guarda-redes), Henrique Magalhães, Rafa Costa, Diogo Rafael, Reinaldo Ventura, Gonçalo Alves, Ricardo Barreiros, Hélder Nunes e João Rodrigues, sob a orientação técnica de Luís Sénica, são os novos Campeões da Europa de Hóquei em Patins, no 21.º título continental da selecção de Portugal, que reconquista 18 anos depois do precedente, assim quebrando um longo “jejum”, na 52.ª edição do torneio, disputada em Oliveira de Azeméis.

Portugal-Hoquei-2016(via site da Federação de Patinagem de Portugal)

Após a desvantagem de dois golos registada ao intervalo face ao anterior detentor do título (golos da Itália logo aos 3 e aos 4 minutos da primeira parte), Portugal encetou estupenda recuperação, começando por reduzir para 1-2 no segundo minuto da segunda metade, por Diogo Rafael, o qual bisou, empatando a partida, com 12 minutos decorridos. Tendo conseguido concretizar a reviravolta aos 14 minutos, por Reinaldo Ventura, na conversão de uma grande penalidade, nos derradeiros minutos a selecção nacional esteve imparável, aproveitando o desnorte italiano, finalmente forçado a “desmontar” a estratégia defensiva que até então adoptara, marcando por mais três vezes: Rafa Costa (no minuto 17), para, no minuto imediato, João Rodrigues e Hélder Nunes ampliarem ainda o marcador, tendo o derradeiro tento sido obtido na sequência de um livre directo.

Com 6 goleadas nas 6 partidas disputadas, obtendo um excepcional score global de 54-4 (duplo 8-0 à Suíça, 14-1 à Áustria, 12-0 à Inglaterra, 6-1 à Espanha, culminando com o 6-2 frente à Itália na final, assim sucedendo aos italianos na conquista do troféu), fica bem patente a brilhante proeza de Portugal – coroada igualmente, a nível individual, pelo título de melhor marcador, obtido por João Rodrigues, com os 14 golos apontados -, a demonstrar uma superioridade absoluta e incontestável, raramente vista em competições desta grandeza.

Nas 52 edições do Campeonato da Europa de Hóquei em Patins – que se estreou em 1926 em Herne Bay (Inglaterra) – Portugal amplia o seu domínio como país que mais vezes se sagrou Campeão (21), seguido pela Espanha (16), Inglaterra (12 – nas doze primeiras edições, até 1939) e Itália (3).

Para além dos 21 títulos conquistados (1947, 1948, 1949, 1950, 1952, 1956, 1959, 1961, 1963, 1965, 1967, 1971, 1973, 1975, 1977, 1987, 1992, 1994, 1996, 1998 e 2016), Portugal foi vice-campeão por 13 vezes (1951, 1953, 1954, 1957, 1969, 1979, 1981, 1983, 2000, 2002, 2008, 2010 e 2012), e 3.º classificado noutras 9 ocasiões (1936, 1937, 1939, 1955, 1985, 1990, 2004, 2006 e 2014); apenas por duas vezes tendo ficado em 4.º lugar (1932 e 1938).

Depois de o Benfica se ter sagrado Campeão Europeu e o Barcelos ter vencido a Taça CERS, com mais este título de Campeão da Europa, para a selecção de Portugal, este é um ano de ouro para o Hóquei em Patins português.

No espaço de uma semana, PORTUGAL sagra-se CAMPEÃO DA EUROPA de Futebol e de Hóquei em Patins! MAGNÍFICO!

16 Julho, 2016 at 10:21 pm Deixe o seu comentário

Campeonato da Europa de Hóquei em Patins – 1/2 finais

1/2 finais:

Itália – Espanha – 1-0
Suíça – Portugal – 0-8

Portugal e Itália apuraram-se para a Final do Campeonato da Europa de Hóquei em Patins, a disputar amanhã em Oliveira de Azeméis.

Apuramento do 5.º ao 8.º lugar:

Áustria – Alemanha – 0-9
França – Inglaterra – 5-2

15 Julho, 2016 at 11:10 pm Deixe o seu comentário

Campeonato da Europa de Hóquei em Patins – 1/4 de final

Itália – Áustria – 12-1
França – Suíça – 1-6
Alemanha – Espanha – 0-9
Inglaterra – Portugal – 0-12

É o seguinte o alinhamento dos jogos das 1/2 finais, a disputar amanhã:

Itália – Espanha –
Suíça – Portugal –

Jogos para apuramento do 5.º ao 8.º lugar:

Áustria – Alemanha –
França – Inglaterra –

14 Julho, 2016 at 11:07 pm Deixe o seu comentário

Campeonato da Europa de Hóquei em Patins – 1ª Fase – 3ª jornada

Grupo A
11.07.16 – Alemanha – França – 2-3
11.07.16 – Inglaterra – Itália – 1-8
12.07.16 – França – Inglaterra – 2-0
12.07.16 – Itália – Alemanha – 11-0
13.07.16 – Alemanha – Inglaterra – 3-1
13.07.16 – Itália – França – 2-2

1º Itália, 7; 2º França, 7; 3º Alemanha, 3; 4º Inglaterra, 0

Grupo B
11.07.16 – Áustria – Espanha – 0-12
11.07.16 – Portugal – Suíça – 8-0
12.07.16 – Suíça – Áustria – 4-1
12.07.16 – Espanha – Portugal – 1-6
13.07.16 – Espanha – Suíça – 8-1
13.07.16 – Portugal – Áustria – 14-1

1º Portugal, 9; 2º Espanha, 6; 3º Suíça, 3; 4º Áustria, 0

É o seguinte o alinhamento dos jogos dos 1/4 de final, a disputar amanhã, 14.07.2016:

Itália – Áustria
França – Suíça
Alemanha – Espanha
Inglaterra – Portugal

13 Julho, 2016 at 11:11 pm Deixe o seu comentário

Artigos mais antigos Artigos mais recentes


Autor – Contacto

Destaques

Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Setembro 2016
M T W T F S S
« Aug    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.