Joan Baez – Fare Thee Well

Joan Baez no Coliseu: De Woodstock a Grândola, o adeus à voz de um povo

Naquela que foi a primeira data europeia da sua última digressão de sempre (os 78 anos impressionam, mas também pesam; e ela também tem direito à sua reforma), Joan Baez apresentou-se sem os pés nus que a caracterizaram no início da década de 60 («a Madona dos pés descalços», chamaram-lhe), mas com o mesmo espírito do festival de Woodstock no qual participou. Ali, perante centenas de pessoas, estava a mulher que marchou lado a lado com Martin Luther King, a mulher que atuou no Vietname em tempo de guerra, a mulher que nunca se esqueceu dos mais desafortunados, a mulher que entre os seus amantes conta nomes tão díspares quanto Steve Jobs e Dylan.

Foi precisamente este último quem teve a honra de “abrir” o espetáculo, através de uma das suas canções mais icónicas: ‘Don’t Think Twice, It’s Alright’. Não foi a única que se ouviu do Nobel da Literatura, ao longo de quase duas horas de concerto; afinal de contas, Dylan «compôs as melhores canções», conforme no-lo explica Baez. Subindo ao palco para «prestar homenagem a Portugal e ao público português», a cantautora trouxe consigo temas das mais diversas épocas e quadrantes, mesmo que o mote tenha sido a apresentação de “Whistle Down the Wind”, o seu derradeiro álbum, editado no ano passado. Saímos do Coliseu a pensar que acabámos de presenciar uma enorme aula de cançonetismo, a pensar que toda a história da música está interligada, que todos aqueles poetas de outrora escolheram a sua profissão por um bem comum: o de ensinar as novas gerações, que ensinarão as subsequentes.

Primeiro a solo, depois na companhia de Dirk Powell e do seu filho, Gabriel – do qual estava grávida quando atuou em Woodstock – Joan Baez foi circulando por temas ainda hoje tão capazes de emocionar como ‘Farewell, Angelina’, ‘It Ain’t Me Babe’, ‘Deportee’ (a qual dedicou aos emigrantes e refugiados de todo o mundo, ela que é filha de pai mexicano) ou ‘Diamonds & Rust’, que mereceu um dos aplausos mais efusivos da noite, da parte de um público que mal ela entrou já a estava a aplaudir de pé. Com a ajuda de Grace Stumberg, que por momentos, blasfémia!, quase soou tão grande quanto a própria Baez, interpretou ‘Me and Bobby McGee’, da autoria de um mago da country, Kris Kristofferson. E não escondeu um sorriso irónico ao apontar ‘Hello in There’ como uma canção sobre… velhos.

O grande momento – porque nos toca invariavelmente, e demasiado – aconteceria pouco depois, ao interpretar «a única canção portuguesa» que conhecia: ‘Grândola, Vila Morena’. Quer dizer: ela apresentou-a, mas quem a cantou foi o público, a uma só voz, possuído pela liberdade no mesmo dia em que uma manifestação anti-fascista juntou cerca de meio milhar de pessoas no Rossio. Tornou-se quase como que um cliché ver um artista “de fora” recuperar Zeca Afonso (já muitos o fizeram, do rock à eletrónica), mas é um momento sempre pungente. Seguir-se-ia ‘A Hard Rain’s A-Gonna Fall’, que fez sentido se pensarmos no temporal que se abateu sobre o país esta sexta-feira, e ‘The President Sang Amazing Grace’, canção escrita por Zoe Mulford, do tempo «em que o [seu] país tinha um Presidente a sério», no caso Barack Obama.

Até final, ainda houve espaço para muitos pedidos do público (um dos quais, ‘Gracias A La Vida’, de Violeta Parra, deixou para o final), para a tradicional ‘The House of the Rising Son’ (conhecida por todos os roqueiros deste mundo e mais alguns) e para dois encores, primeiro com ‘Imagine’, de Lennon e ‘Here’s To You’, e depois com ‘Forever Young’ e ‘The Boxer’, de Paul Simon, outro artista que se reformou recentemente. O concerto terminaria com Baez a receber, em mãos, o ramo de flores oferecido por uma fã mais extremosa. E isso nem foi a única prenda que teve esta noite: também ganhou a nossa gratidão eterna. Até sempre.

(Paulo André Cecílio)


Se todas as despedidas fossem como a de Joan Baez, não cansaria dizer adeus

O que difere, essencialmente, nesta Fare Thee Well Tour, para além de se afirmar como derradeira (deixando as digressões antes dos 80 anos), é a pose e o empenho. Melhor do que a víramos em 2010, no mesmo Coliseu, há nela uma inesperada jovialidade que se espelha na forma como lida com o envelhecimento natural da voz. Em lugar de surgir, ali, como uma cantora idosa numa despedida a contragosto, Joan Baez mostra-se altiva e enérgica, como se não lhe pesassem mais do que duas décadas de carreira (e na verdade já lá vão 6 décadas, feitas agora, desde a sua primeira actuação regular em clubes folk).

(Nuno Pacheco – Público)

Anúncios

1 Fevereiro, 2019 at 11:55 pm Deixe um comentário

O Pulsar do Campeonato – 15ª Jornada

o pulsar do campeonato - 2018-19 - 15jornada

(“O Templário”, 24.01.2019)

Com os quatro primeiros classificados a empatar os respectivos jogos, poder-se-ia dizer que tudo ficou na mesma. Mas, nem todos os empates serão “iguais”: poderá valer mais o alcançado pelo Coruchense em Santarém, frente a um rival directo; poderá valer menos o registado pelo U. Almeirim em Ferreira do Zêzere; e, ainda menos, o cedido em casa pelo Amiense, ante o At. Ouriense. Por outro lado, há um ganhador nesta 15.ª ronda: o Cartaxo, em recuperação, paulatinamente a aproximar-se dos lugares de topo, agora “só” a cinco pontos do líder…

Destaques – No jogo grande, entre dois candidatos, em Santarém, opondo o União local e o Coruchense, repetiu-se o desfecho da primeira volta (1-1), desta feita com os escalabitanos a alcançarem o tento da igualdade já a findar o desafio (depois de terem desperdiçado vantagem de três golos na partida anterior). Um resultado que permite à formação do Sorraia manter-se isolada na liderança, após ter enfrentado um dos mais difíceis obstáculos no seu percurso.

Por seu lado, o U. Almeirim registou exactamente o mesmo desfecho (1-1) na deslocação a Ferreira do Zêzere, não tendo, pois, conseguido dar sequência ao ciclo de excelentes resultados que averbara nas rondas precedentes, com goleadas frente aos líderes da classificação. Deste modo, não retirou, no imediato, qualquer benefício da igualdade registada entre os seus actuais mais directos concorrentes na disputa pelo título.

Em Alcanena, num confronto entre dois clubes históricos, que, de forma imprevista, ocupavam as duas últimas posições do campeonato, o Torres Novas conseguiu, enfim, após quinze jornadas, o seu primeiro triunfo na competição, derrotando o Alcanenense por tangencial 1-0, o suficiente para trespassar a “lanterna vermelha” ao seu oponente, mas, sobretudo, um resultado que permite alimentar esperança na recuperação da turma torrejana.

No sempre difícil reduto de Amiais de Baixo, o At. Ouriense (que mantém uma boa 6.ª posição na pauta classificativa) impôs um empate (1-1) ao Amiense, grupo a atravessar período de menor fulgor – depois do brilhante ciclo de seis vitórias consecutivas, não vence há já três jogos –, mantendo-se, não obstante, no quarteto da frente, apenas a dois pontos do líder, mas, agora, também com o Cartaxo já à espreita, três pontos abaixo.

Surpresa – O resultado mais surpreendente ocorreu nas Fazendas de Almeirim, onde o Fazendense prosseguiu a sua senda de empates – sexto consecutivo! –, na recepção ao Marinhais, também a uma bola, com os visitantes, agora os únicos ainda sem ter conseguido estrear-se a vencer, prosseguindo a sua luta pela fuga à zona perigosa da classificação, a pontuarem pela quinta vez em terreno alheio (depois das igualdades já averbadas em Ourém, Samora Correia, Ferreira do Zêzere e Torres Novas).

Confirmações – Na Glória do Ribatejo, o Cartaxo confirmou o seu favoritismo, ganhando por 2-0, o que lhe proporcionou, não só isolar-se no 5.º posto, mas, sobretudo, encurtar distâncias face aos clubes que o precedem na tabela, agora somente a três pontos do Amiense, a quatro do par formado por U. Almeirim e U. Santarém, e a cinco do guia Coruchense (há apenas quatro jornadas, o atraso para o líder era de 11 pontos!), reentrando assim na disputa do 1.º lugar.

Por fim, o U. Tomar deu um passo atrás no ciclo positivo que vinha desenvolvendo, perdendo em Samora Correia por 2-0, interrompendo assim uma série de cinco encontros sem derrota. Num jogo de reduzida qualidade, também condicionado pelo vento que se fez sentir, assinalam-se duas partes distintas: na primeira, os unionistas estiveram claramente por cima, empurrando o adversário para a sua zona defensiva, todavia sem conseguir criar efectivas ocasiões de golo.

Numa partida que parecia talhada para o 0-0, tal a inoperância dos samorenses, até então sem qualquer lance ofensivo digno de nota, uma contestada grande penalidade, na fase inicial do segundo tempo, permitiu aos visitados inaugurar o marcador. Tendo começado, já então, a dar algum espaço de manobra ao seu opositor, que ganhou confiança, a partir daí os tomarenses ressentiram-se, não mais voltando a pegar no jogo, sem conseguirem impor-se na zona nevrálgica do meio-campo. Só nos derradeiros minutos, já mais com o coração, o União voltaria a intensificar a carga sobre a defesa contrária, mas era tarde para que tal pudesse ainda frutificar.

II Divisão Distrital – O Abrantes e Benfica, ganhando ao mais directo rival, Pego, por 1-0, mantém a sua campanha 100% vitoriosa, após 13 jornadas. Realce ainda para a vitória do Riachense (3-1) ante a U. Atalaiense, o que, conjugado com o nulo registado no Ortiga-Tramagal e a derrota caseira do U. Tomar “B” ante o Caxarias (1-2) permitiu maior folga ao conjunto dos Riachos (cinco pontos a mais que o Ortiga e sete face a Caxarias e U. Tomar “B”).

A Sul, com a vitória do Rio Maior em Pontével (2-0), o triunfo do Forense sobre o Espinheirense (3-1), e apesar de o Moçarriense não ter ido além do empate (1-1) no “derby”, ante os Empregados do Comércio, tudo parece já decidido a nível do apuramento para a fase final, dado que o Pontével regista agora um atraso de oito pontos em relação ao 3.º classificado.

Campeonato de Portugal – Quem parece ter também a sua situação definida, mas por más razões, é o Mação, derrotado em casa pelo Alverca (0-1), curiosamente um adversário que proporcionara aos maçaenses estrear-se a vencer, no arranque da 1.ª volta. O atraso, já de onze pontos, em relação à “linha de água” afigura-se praticamente intransponível.

Melhor esteve o Fátima, não desperdiçando a oportunidade de somar mais três preciosos pontos ao seu pecúlio, recebendo e batendo o Santa Iria (primeiro clube abaixa de tal linha) por 2-1, passando a dispor de uma boa margem, de onze pontos, a qual, em circunstâncias normais, lhe deveria permitir gerir com tranquilidade a segunda metade da competição.

Antevisão – Os campeonatos distritais sofrem novo interregno, para disputa da eliminatória correspondente aos 1/4 de final da Taça do Ribatejo. Dois confrontos avultam em especial: começando pelo Coruchense-U. Tomar, que coloca frente a frente o actual líder do campeonato e o detentor do troféu, numa partida de características sempre especiais como são os jogos a eliminar; por outro lado, um “derby” do município de Santarém, entre U. Santarém e Amiense.

De interesse será também o Abrantes e Benfica-Ferreira do Zêzere, colocando à prova a carreira vitoriosa dos abrantinos; assim como curioso se apresenta o embate entre Marinhais e Pontével.

No Campeonato de Portugal, o Fátima desloca-se à Sertã, para defrontar o Sertanense, com expectativa de poder pontuar, enquanto o Mação visita o actual vice-líder, U. Leiria.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 24 de Janeiro de 2019)

27 Janeiro, 2019 at 12:00 pm Deixe um comentário

Benfica / FC Porto / Sporting – Títulos

SLB-FCP-SCP-Títulos

26 Janeiro, 2019 at 11:23 pm Deixe um comentário

O Pulsar do Campeonato – 14ª Jornada

o pulsar do campeonato - 2018-19 - 14jornada

(“O Templário”, 17.01.2019)

Com “choques de titãs” a sucederem-se a cada jornada, e múltiplas cambiantes entre o quarteto da frente, o desfecho da presente edição do campeonato distrital afigura-se imprevisível. Sairá vencedor o Coruchense que, de imediato, recuperou o comando, por via de uma goleada? Impor-se-á o U. Almeirim, que, nas duas jornadas já disputadas no ano de 2019, goleou dois líderes? No final, acabará o U. Santarém por voltar a superiorizar-se sobre a “linha de meta”, como sucedeu no termo da primeira volta? Será o Amiense capaz de protagonizar nova senda de invencibilidade, que o catapulte novamente para o topo? E o Cartaxo, poderá ainda “renascer”?

Destaques – O primeiro destaque da ronda de abertura da segunda volta vai, de novo, para o U. Almeirim, que depois de ter triunfado categoricamente em Coruche, goleou também o Amiense, por 4-1. Um registo tanto mais assinalável quanto a turma de Amiais de Baixo – que não perdia há 14 jogos (onze no campeonato e três na Taça) – tinha consentido, em toda a primeira metade da prova, somente seis tentos, continuando, aliás, a ter a defesa menos batida. Os almeirinenses ascenderam à 2.ª posição, a par do U. Santarém, um único ponto abaixo da formação do Sorraia.

No Cartaxo, num empolgante desafio, o U. Santarém chegou a dispor de vantagem de 3-0, o que teria constituído um golpe fatal nas aspirações dos cartaxeiros, ao mesmo tempo que poderia ter alimentado a confiança dos escalabitanos, que, desse modo, se teriam isolado na frente; não obstante, os “donos da casa” revelariam ainda uma notável capacidade de reacção, acabando por alcançar a igualdade a três bolas, conseguindo assim “ressuscitar” para o campeonato, pese embora se tenham voltado a atrasar ligeiramente, agora a sete pontos do guia.

Confirmações – Nos restantes quatro jogos – o Torres Novas-Glória foi adiado, devido a trabalhos no Estádio Dr. Alves Vieira, de preparação para jogo internacional da selecção feminina –, confirmaram-se as expectativas, seja no caso dos empates entre At.Ouriense-Fazendense e Marinhais-Samora Correia, como nos triunfos de Coruchense e U. Tomar.

O agora novamente líder, Coruchense, que vinha de dois desaires sucessivos, “desforrou-se” no Ferreira do Zêzere, aplicando uma expressiva goleada, por 6-0 – como que a querer afirmar bem alto: “contem connosco” –, aproveitando também alguma fragilidade que vem sendo denotada pelos ferreirenses, sofrendo sexta derrota em oito partidas disputadas na condição de visitante.

Em Ourém, At. Ouriense e Fazendense, tranquilamente instalados na primeira metade da tabela, reeditaram o que tem constituído, de certa forma, um “resultado padrão” nesta época, empatando a uma bola – foi a quinta igualdade dos visitados e sexta dos forasteiros em 14 jornadas do campeonato, quinta consecutiva dos homens das Fazendas de Almeirim (incluindo o jogo da Taça), que ostentam agora o ciclo mais longo de invencibilidade (seis jornadas).

Ainda não foi desta que o Marinhais se estreou a vencer na presente edição da prova, registando sétimo empate, não conseguindo desfazer o nulo no marcador, na recepção ao Samora Correia, mantendo-se em zona delicada da pauta classificativa, em igualdade pontual com o Alcanenense, apenas à frente do “lanterna vermelha”, Torres Novas (com um jogo em atraso).

O U. Tomar, notoriamente mais capacitado que o seu adversário, tendo assumido desde o começo a iniciativa do jogo, voltou a experimentar dificuldades para inaugurar o marcador frente a uma bastante inexperiente formação do Alcanenense, tendo acabado por superiorizar-se, com naturalidade, com dois golos apontados já no segundo tempo, repetindo o 2-0 da passada semana. Com as duas vitórias averbadas nas duas jornadas realizadas em 2019, atingiu os 20 pontos, um importante patamar de tranquilidade, mantendo-se somente a três pontos do “candidato” Cartaxo (e, paralelamente, do 5.º lugar). Por curiosidade, na época passada, por esta altura, os unionistas estavam a 8 pontos do líder, sendo actualmente a distância de 10 pontos.

II Divisão Distrital – Com mais uma goleada (5-0 no Sardoal), somando a 12.ª vitória em outras tantas partidas, o Abrantes e Benfica garantiu já, matematicamente – ainda com seis rondas por disputar –, o apuramento para a fase final, de disputa do título de Campeão e da promoção. Também o Pego deu passo determinante para tal, ganhando ao Riachense por 3-1, dispondo agora de onze pontos de vantagem sobre o 4.º classificado. A terceira vaga mantém-se em aberto, com forte concorrência (Riachense, Ortiga, U. Tomar “B”, U. Atalaiense, Caxarias e Tramagal estão separados por oito pontos, quando subsistem em disputa 18 pontos).

A Sul, o Moçarriense obteve também importante vitória, por 3-0, sobre o Forense, ampliando para oito pontos a vantagem em relação ao 4.º classificado. Tal como o guia, Rio Maior, parece bem encaminhado, com a vaga restante em disputa entre Forense, Pontével e Benavente.

Campeonato de Portugal – O Fátima reagiu positivamente ao desaire caseiro da jornada anterior, concluindo a primeira volta com um bom triunfo, em Alcains, por 2-0, o que lhe proporcionou subir a um posto a meio da tabela (9.º lugar), com oito pontos de vantagem em relação à “linha de água”. Por seu lado, o Mação continua a perder (0-2, na recepção ao Sintrense), na sétima derrota em casa em nove jogos, onde não fez melhor que dois empates; mantém, assim, a “lanterna vermelha” (a par do Alcains), já a dez pontos da “salvação”, no que se vai começando a parecer cada vez mais uma “missão impossível”.

Antevisão – Sem pausas para “respirar” na disputa entre os primeiros, a próxima jornada tem mais um desafio de grande cartel, colocando frente a frente os candidatos U. Santarém e Coruchense; enquanto o U. Almeirim terá uma saída difícil a Ferreira do Zêzere. Por seu lado, o Amiense recebe o At. Ouriense, com a expectativa de ver como reagirá ao desaire sofrido.

Outros encontros de interesse serão o Glória do Ribatejo-Cartaxo, com os cartaxeiros sem margem de erro, assim como o Samora Correia-U. Tomar. Em Alcanena, defrontam-se os dois últimos classificados, com o Alcanenense a receber o Torres Novas, dois históricos do Distrito.

Na II Divisão, subsiste a curiosidade de saber se o Abrantes e Benfica conseguirá vencer todos os jogos da prova, enfrentando o que será o adversário com maior potencial, o vice-líder, Pego. A Sul, as eventuais aspirações do Pontével serão colocadas à prova na recepção ao Rio Maior.

No Campeonato de Portugal, a abrir a segunda volta, o Fátima terá a visita do Santa Iria, dispondo de boa oportunidade para se distanciar da zona perigosa, enquanto o Mação recebe o Alverca, esperando poder repetir o triunfo da ronda inaugural, estreando-se a vencer em casa.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 17 de Janeiro de 2019)

20 Janeiro, 2019 at 12:00 pm Deixe um comentário

O Pulsar do Campeonato – 13ª Jornada

o pulsar do campeonato - 2018-19 - 13jornada

(“O Templário”, 10.01.2019)

Os resultados da derradeira ronda da primeira volta da prova provocaram um reagrupamento no topo da classificação, com os quatro primeiros agora separados por apenas dois pontos, uma situação de extremo equilíbrio que não se registava já há quatro épocas. Tal como então (por via dos Empregados do Comércio), também agora a liderança é pertença de clubes do município de Santarém: U. Santarém (que, sobre a “linha de meta”, se alcandorou a tal posição) e Amiense.

Destaques – O grande realce vai para a notável vitória do U. Almeirim no reduto do anterior guia, Coruchense, por categórica marca de 3-0. Vindo de um ciclo de dois desaires caseiros, intercalados pela eliminação da Taça, os almeirinenses reagiram da melhor forma, aplicando ao seu adversário idêntica “receita”: também a turma do Sorraia sofre segunda derrota sucessiva, depois de ter perdido em Amiais de Baixo, cedendo assim a liderança, que ostentou durante toda a primeira metade do campeonato (chegou a ter cinco pontos de avanço, até há apenas três jornadas!), tendo baixado mesmo ao 3.º posto, um único ponto acima da equipa de Almeirim.

Noutro jogo de grande cartaz, disputado nas Fazendas de Almeirim, Fazendense e Amiense não desfizeram o nulo inicial, mantendo assim as respectivas séries de invencibilidade: no caso dos visitados, foi o sétimo desafio sem perder; já o conjunto liderado por Jorge Peralta segue há 14 encontros (incluindo na Taça) sem ser batido! Conforme referido, tal proporcionou à formação de Amiais de Baixo continuar a partilhar o comando, agora com o grupo da capital do Distrito.

Surpresa – Não se poderá afirmar que tenha sido uma grande surpresa o facto de um emblema que ainda não venceu na competição (Marinhais) não ter conseguido derrotar o Alcanenense, saldando-se o embate por uma igualdade a um golo. Não obstante, atendendo à trajectória da equipa de Alcanena (tendo acumulado oito derrotas nas dez jornadas precedentes), antevia-se que esta seria uma boa oportunidade para os visitados se estrearem a vencer, o que acabou por não se concretizar, mantendo-se ambos em posição muito periclitante na tabela.

Confirmações – Nas restantes partidas imperou a lógica, com os favoritos a confirmar os seus superiores argumentos potenciais.

Começando pelo novo comandante, U. Santarém, não foi sem dificuldades que acabou por arrancar o triunfo em Torres Novas (2-1, com o tento da vitória obtido já na última fase do jogo), num encontro em que se cruzaram os dois extremos da classificação; com um dos piores desempenhos de sempre do seu rico historial, os torrejanos concluem a metade inicial do campeonato num impensável último lugar, ainda sem ter conseguido vencer uma única vez!

No Cartaxo, os donos da casa superiorizaram-se ao Ferreira do Zêzere, vencendo por 2-0, reduzindo para seis pontos a distância face aos líderes. De forma porventura já algo inesperada, o anunciado candidato ao título parece reentrar na luta por tal objectivo, uma candidatura que será objecto de confirmação já no próximo fim-de-semana.

Em Ourém, o At. Ouriense, que vinha de uma sensacional vitória em Almeirim, prosseguiu a senda de bons resultados, ganhando, mesmo que por tangencial 3-2, ao Samora Correia, partilhando a 5.ª posição com os cartaxeiros, também a seis pontos dos líderes.

O União de Tomar conseguiu, enfim, quebrar o enguiço, voltando aos triunfos no campeonato, após uma “travessia no deserto” de sete jornadas (nas quais somou cinco empates). Recebendo a turma da Glória do Ribatejo, começou por denotar alguma ansiedade em chegar rapidamente ao golo – com um intenso caudal atacante, mas alguma precipitação no momento da finalização –, o que só viria a suceder já na segunda metade do desafio, vindo a chegar ainda, com naturalidade, ao tento da tranquilidade.

Um resultado positivo, com impacto bem relevante: não só possibilitou a subida ao 8.º lugar (a cinco pontos do 5.º), como ampliou para onze pontos a margem em relação à “linha de água”, conferindo plena confiança para encarar a segunda metade da época de forma mais ambiciosa, começando já pela próxima ronda, em que terá boa oportunidade de somar novo triunfo.

II Divisão Distrital – Abrantes e Benfica, a Norte, mantendo o pleno de vitórias (11, após o 2-0 na recepção ao Tramagal) e Rio Maior, a Sul (triunfo por 3-1 ante o Espinheirense) – já com vantagens significativas, respectivamente de 15 pontos e 8 pontos, em relação ao 4.º classificado de cada uma das séries correspondentes – encaminham-se para a fase final de disputa do título de Campeão. O mesmo se poderá aplicar também ao Pego (2.º da série Norte, com oito pontos de avanço sobre o Ortiga), vencedor em Tomar, frente ao U. Tomar “B”, por 2-1.

Campeonato de Portugal – Depois de o Fátima, em jogo antecipado, ter perdido em casa com o Oliveira do Hospital (0-2), também o Mação foi desfeiteado, goleado nas Caldas por 3-0. Mais uma ronda negativa para as equipas do Distrito, a suscitar cada vez mais fortes motivos de preocupação, perante a ameaça de despromoção: os maçaenses voltaram à condição de “lanterna vermelha” (a par do Alcains), a sete pontos da “linha de água”; quanto aos fatimenses, ocupam actualmente o 10.º lugar, ainda cinco pontos acima de tal linha. Porém, os sinais que vêm sendo transmitidos não são nada tranquilizadores, antecipando-se “nuvens sombrias” no horizonte.

Antevisão – No arranque da segunda volta, a I Divisão Distrital apresenta um cartaz de grande aliciante, com destaque para os embates entre Cartaxo e U. Santarém e U. Almeirim e Amiense (envolvendo, novamente, quatro dos cinco primeiros classificados), em que se poderá começar a definir algo mais a nível do que se antevê venha a ser uma acesa disputa pelo título, até final.

Uma jornada em que o Coruchense – caso cumpra a sua parte, de vencer uma bem organizada equipa do Ferreira do Zêzere – poderá colher alguns “dividendos”. Na parte mais baixa da pauta classificativa, o Torres Novas-Glória do Ribatejo poderá ser crucial para uma esperada recuperação torrejana. Em Tomar, o União, recebendo o Alcanenense, pensará certamente em rectificar a má estreia no campeonato, na partida disputada em Alcanena.

No escalão secundário, realce para o confronto entre o Pego e Riachense, em que uma eventual vitória dos pegachos lhes proporcionará praticamente a garantia de apuramento para a fase final. A Sul, as atenções estarão centradas no Moçarriense-Forense.

No Campeonato de Portugal, na última ronda da primeira volta, o Fátima desloca-se a Alcains, podendo aproveitar para pontuar, enquanto o Mação recebe o Sintrense, clube ainda de olhos postos nos lugares de topo da tabela (actual 4.º classificado, a quatro pontos dos líderes).

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 10 de Janeiro de 2019)

13 Janeiro, 2019 at 12:00 pm Deixe um comentário

Liga dos Campeões – Cruzamentos na fase de Grupos

Nas suas 27 edições – desde a época de 1992-93 –, são já 140 os clubes que disputaram a fase de Grupos da Liga dos Campeões. No quadro abaixo podem observar-se os cruzamentos registados entre as 32 equipas que apresentam, pelo menos, dez participações em tal fase da competição.

lce - grupos-32

(clicar no quadro para ampliar)

Por curiosidade, verifica-se que o maior número de cruzamentos entre clubes na fase de Grupos da Liga dos Campeões é de 4, apurando-se um total de 16 pares de equipas com tal registo histórico:

  • Real Madrid – com o FC Porto, Olympiakos, Ajax, B. Dortmund e Roma
  • Barcelona – com AC Milan, Galatasaray e Celtic
  • Manchester United – com Juventus, Benfica e Valencia
  • Bayern – com Spartak Moscovo e Paris St.Germain
  • FC Porto – com Real Madrid
  • Arsenal – com Olympiakos e Borussia Dortmund
  • Juventus – com Manchester United
  • AC Milan – com Barcelona e Ajax
  • Olympiakos – com Real Madrid e Arsenal
  • Galatasaray – com Barcelona
  • Ajax – com Real Madrid e AC Milan
  • Benfica – com Manchester United
  • B. Dortmund – com Real Madrid e Arsenal
  • Valencia – com Manchester United
  • Roma – com Real Madrid
  • Spartak Moscovo – com Bayern
  • Paris St.-Germain – com Bayern
  • Celtic – com Barcelona

Ao invés, assinala-se a curiosidade de não se terem verificado nunca cruzamentos na fase de Grupos da Liga dos Campeões – ao longo das 27 edições já disputadas –, nomeadamente entre:

  • Real Madrid – com Barcelona, Manchester United, Arsenal ou Chelsea
  • Barcelona – com Real Madrid ou B. Dortmund
  • Manchester United – com Real Madrid, FC Porto, Arsenal, AC Milan ou Chelsea
  • Bayern – com FC Porto, Chelsea ou B. Dortmund
  • FC Porto – com Manchester United, Bayern ou B. Dortmund
  • Arsenal – com Real Madrid, Manchester United, AC Milan, Chelsea ou Benfica
  • Juventus – com AC Milan ou Benfica
  • AC Milan – com Manchester United, Arsenal ou Juventus
  • Chelsea – com Real Madrid, Manchester United, Bayern ou Arsenal
  • Benfica – com R. Madrid, FC Porto, Arsenal, Juventus, Chelsea ou B. Dortmund
  • B. Dortmund – com Barcelona, Manchester United, Bayern, FC Porto ou Chelsea

Noutro plano, em termos gerais, o Bayern München, com um total de 25 participações em Grupos (tendo marcado presença em 22 das 27 edições da prova) é o clube que defrontou mais adversários: um total de 52 (dos quais 22 de entre os 32 com mais presenças). Seguem-se:

  • Barcelona – 26 presenças em Grupos, tendo participado em 23 edições da competição, que defrontou 51 equipas (24 das 32 com mais presenças);
  • Real Madrid – 27 presenças, em 23 edições, com 50 clubes (22 dos 32 primeiros);
  • M. United – 26 presenças, em 22 edições, com 49 clubes (19 dos 32 primeiros);
  • FC Porto – 25 presenças, em 23 edições, com 49 clubes (22 dos 32 primeiros);
  • Arsenal – 22 presenças, em 19 edições, com 48 clubes (23 dos 32 primeiros);
  • Juventus – 21 presenças, em 19 edições, com 47 clubes (20 dos 32 primeiros);
  • Galatasaray – 17 presenças, em 15 edições, 39 clubes (19 dos 32 primeiros);
  • Chelsea – 16 presenças, em 15 edições, com 39 clubes (17 dos 32 primeiros);
  • Olympiakos – 18 presenças, em 18 edições, com 38 clubes (21 dos 32 primeiros);
  • AC Milan – 19 presenças, em 17 edições, com 37 clubes (16 dos 32 primeiros);
  • D. Kyiv – 17 presenças, em 16 edições, com 36 clubes (21 dos 32 primeiros);
  • PSV – 16 presenças, em 16 edições, com 36 clubes (19 dos primeiros);
  • Lyon – 16 presenças, em 15 edições, com 35 clubes (20 dos 32 primeiros);
  • Benfica – 14 presenças, em 14 edições, com 35 clubes (17 dos 32 primeiros).

5 Janeiro, 2019 at 6:55 pm Deixe um comentário

O Pulsar do Campeonato – Taça do Ribatejo – 1/8 de final

O pulsar do campeonato - 2018-19 - TRibatejo-1-8final

(“O Templário”, 27.12.2018)

Pela sexta vez nas últimas dez temporadas, o União de Tomar garantiu o apuramento para os quartos-de-final da Taça do Ribatejo, registo apenas superado pelo Amiense (com sete presenças em tal fase da competição, durante esse período). Numa ronda (1/8 de final) marcada por quatro igualdades a um golo (nos oito desafios disputados), é de assinalar ainda a eliminação do U. Almeirim, menos eficaz no desempate da marca de grande penalidade, permitindo ao Marinhais seguir em frente na prova.

Destaques – No encontro de maior cartaz dos 1/8 de final, o U. Tomar afastou o Fazendense, clube com o palmarés mais recheado de entre todas as formações do Distrito, sendo recordista de títulos na competição, com quatro troféus conquistados (três dos quais na última década).

Numa partida em que o equilíbrio foi nota dominante, tendo rareado as oportunidades de golo, o grupo das Fazendas de Almeirim começaria por chegar à vantagem no marcador logo aos cinco minutos, na sequência de um pontapé de canto, o que, nos minutos seguintes, provocou algum abalo de confiança dos unionistas, tendo experimentado, no decurso do primeiro tempo, dificuldades na construção de lances que pudessem levar perigo até junto da área contrária.

Na metade complementar, os tomarenses, assentando o seu jogo, foram persistindo, não abdicando nunca de procurar chegar ao empate, o que viriam a conseguir por volta da passagem da hora de tempo decorrido, numa boa combinação, a que João Pedro Nascimento deu a melhor sequência. Até final, a assinalar apenas mais uma boa ocasião para os donos da casa, já à entrada dos derradeiros dez minutos, mas sem eficácia na concretização, tendo subsistido o 1-1 no marcador até ao termo do tempo regulamentar (noventa minutos, sem prolongamento).

No desempate da marca de grande penalidade, o Fazendense falhou primeiro, com um remate ao poste, tendo, de seguida, os tomarenses permitido também a defesa do guardião contrário. Já depois de nova tentativa desperdiçada por parte dos homens das Fazendas, a explosão de júbilo dos unionistas surgiria com a defesa do seu jovem guarda-redes, Mahal Miranda, a deter o quinto remate do adversário, o que, com o marcador em 3-2, dispensou, desde logo, o que seria o último pontapé dos visitados.

Para além das surpresas desta ronda, de seguida referenciadas, realce igualmente para o bom desempenho evidenciado pelo Pego, vice-líder da série A da II Divisão, que impôs também um empate a uma bola, na recepção ao U. Santarém – que tem ocupado idêntica posição na tabela classificativa, mas no principal escalão –, vindo a baquear apenas no desempate da marca de grande penalidade, impedido o culminar do que teria sido o desfecho teoricamente mais imprevisto da eliminatória.

Surpresas – Nos outros dois jogos que se saldaram por empates (1-1), a principal surpresa foi a eliminação do U. Almeirim, que, pela segunda vez nesta época não conseguiu vencer em Marinhais (depois da igualdade ali registada, pela mesma marca, em encontro do campeonato), tendo os almeirinenses acabado por vir a ser desfeiteados por via da já referida fórmula de desempate.

Em Pontével, a equipa da casa alcançou o mesmo desfecho ante o Rio Maior, vindo a ser bem-sucedida da marca de grande penalidade, constituindo, a par do Abrantes e Benfica, o duo de sobreviventes na Taça, de entre os clubes da divisão secundária.

Confirmações – Nos restantes desafios, os favoritos impuseram a sua lei, vencendo com maior ou menor dificuldade.

Os dois líderes da I Divisão, Amiense e Coruchense, bateram dois adversários do escalão inferior, respectivamente, o Moçarriense (2-0, em Amiais de Baixo) e a equipa sensação da fase de grupos da Taça do Ribatejo (que afastara o Cartaxo), o Espinheirense (3-0, no Espinheiro, a favor do grupo do Sorraia).

Por seu lado, o Ferreira do Zêzere eliminou, por tangencial 1-0, o Riachense, clube também com fortes pergaminhos na competição (conta três troféus no seu palmarés).

Quanto ao líder da II Divisão, Abrantes e Benfica, voltou a ganhar, em duas semanas sucessivas, ante um mesmo opositor, tendo, desta feita, repetido a goleada, no reduto do Aldeiense: depois dos 8-1 registados na passada semana, no encontro a contar para o campeonato, venceu agora por 4-0, no confronto da Taça.

Para além da sétima presença do Amiense, e sexta do U. Tomar, nos quartos-de-final da Taça do Ribatejo, nas dez últimas edições da prova, o Coruchense obteve o seu 5.º apuramento, o U. Santarém passa a registar agora quatro, face a três do Ferreira do Zêzere e dois do Abrantes e Benfica; Marinhais e Pontével estreiam-se nesta fase da competição, no referido período.

A próxima eliminatória, agendada para 27 de Janeiro de 2019, terá o seguinte alinhamento de jogos: o encontro entre estes dois “estreantes”, Marinhais-Pontével; o “derby” municipal da capital do Distrito, U. Santarém-Amiense; o Coruchense-U. Tomar, outra vez com os nabantinos em embate do maior grau de dificuldade; e Abrantes e Benfica-Ferreira do Zêzere.

Campeonato de Portugal – Aproveitando a folga no calendário do Campeonato de Portugal, para disputa dos 1/8 de final da Taça de Portugal, o Fátima antecipou o desafio da próxima jornada (16.ª, agendada para 6 de Janeiro), tendo sido desfeiteado, no seu terreno, pelo Oliveira do Hospital (0-2), mantendo a 10.ª posição, não tendo conseguido afastar-se da “linha de água”.

Antevisão – Os campeonatos (Distritais e de Portugal) apenas terão a retoma do respectivo curso normal das jornadas já no novo ano.

Entretanto, estão agendados para o próximo fim-de-semana alguns encontros para acerto de calendário, que haviam sido adiados devido ao mau tempo: na I Divisão Distrital, o U. Almeirim-At. Ouriense (da 8.ª jornada), que poderá, em caso de triunfo dos almeirinenses, deixá-los somente a um escasso ponto do duo da liderança – a outra partida que estava em atraso, entre Glória do Ribatejo e Alcanenense, realizou-se no passado domingo, com triunfo categórico dos donos da casa, por 3-0, “afundando” ainda mais a formação de Alcanena; no escalão secundário, teremos o Salvaterrense-Espinheirense e Benavente-Rio Maior (7.ª jornada).

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 27 de Dezembro de 2018)

29 Dezembro, 2018 at 12:00 pm Deixe um comentário

O Pulsar do Campeonato – 12ª Jornada

O pulsar do campeonato - 2018-19 - 12jornada

(“O Templário”, 20.12.2018)

Começam a faltar adjectivos para qualificar a fantástica campanha que o Amiense, sob a direcção técnica de Jorge Peralta, vem realizando na presente temporada, tendo alcançado o sexto triunfo sucessivo, o que lhe proporcionou ascender à liderança (partilhada) do Distrital da I Divisão, precisamente a par do oponente que derrotou. A formação de Amiais de Baixo alia tal desempenho colectivo ao de defesa menos batida (apenas seis golos sofridos, em doze jogos), e, ainda, ao facto de dispor de dois dos actuais melhores marcadores (Moleiro e Cristiano).

Destaques – No “tira-teimas”, entre Amiense e o anterior guia isolado, Coruchense, os visitados levaram a melhor (1-0), impondo à turma do Sorraia o primeiro desaire nesta época, igualando assim o adversário no comando, isto quando se atinge já a viragem do ano, confirmando que, aos (quatro) candidatos assumidos, haverá que somar mais um sério pretendente…

Numa jornada repleta de aliciantes embates, o grupo de Amiais de Baixo beneficiou ainda dos deslizes de U. Santarém e U. Almeirim. De facto, os almeirinenses – que tinham em curso um ciclo de seis vitórias nos últimos sete jogos disputados (tendo empatado o desafio restante) –, recebendo nesta 12.ª ronda a visita do Cartaxo, acabariam por ser surpreendidos, perdendo por 0-1, não tendo, pois, conseguido tirado benefício do confronto entre Amiense e Coruchense. Os cartaxeiros parecem estar já afastados do título (reduziram, entretanto, o atraso face aos líderes para oito pontos), mas não deixarão de ter um papel fortemente interventivo na definição dos primeiros lugares, uma vez que dispõem de potencial para “bater o pé” a qualquer opositor.

Quanto ao U. Santarém, não conseguiu desfazer o nulo na recepção ao U. Tomar, ficando muito distante do desfecho averbado no confronto entre os dois velhos rivais a contar para a Taça do Ribatejo. Num jogo com a metade inicial muito animada, seriam até os nabantinos a dispor das primeiras oportunidades para marcar, sendo de anotar que também Nuno Ribeiro protagonizou grande exibição na defesa da sua baliza, impedindo que os escalabitanos chegassem ao golo; a divisão de pontos ajusta-se ao que ambas as equipas apresentaram em campo, num encontro que faria maior jus ao labor de ambos os grupos caso o “placard” tivesse ficado “colorido”.

Foi o quinto empate dos tomarenses nas sete últimas jornadas, nas quais não conseguiram triunfar, o que penaliza deveras a sua posição na pauta classificativa, partilhando agora o 9.º posto com o Ferreira do Zêzere, somente a dois pontos do 7.º lugar, mas já a cinco do 5.º e 6.º.

Realce ainda para o triunfo averbado pelo At. Ouriense em Alcanena, agudizando ainda mais a crise de resultados do conjunto Alcanenense (sem vencer há onze jogos), que terá de melhorar bastante o seu rendimento se almeja libertar-se da zona perigosa da classificação.

Surpresa – A demonstrar à sagacidade que “não há dois jogos iguais”, tivemos mais um cabal exemplo no Glória do Ribatejo-Marinhais. Depois de, entre clubes do escalão secundário, termos tido, em semanas sucessivas, dois jogos entre Abrantes e Benfica e Riachense, pese embora, em ambos os casos, com triunfos dos abrantinos, primeiro por 7-0 (para a Taça), e, depois, por tangencial 1-0 (em Riachos), a formação da Glória do Ribatejo teve agora o ensejo de se “desforrar” da goleada sofrida ante o Marinhais no desafio da Taça (0-6), derrotando o seu rival (2-1), no “derby” do município de Salvaterra de Magos, voltando enfim aos triunfos, de que se encontrava arredada desde a jornada inaugural, o que lhe possibilitou, para já, transpor a “linha de água”, abaixo da qual caiu o Alcanenense (para além de Torres Novas e Marinhais).

Confirmações – Em Samora Correia, com os donos da casa a receberem o Fazendense, assistiu-se também a uma partida de grande interesse, entre dois conjuntos equilibrados, a qual se saldou por uma igualdade a três bolas, num encontro de toada de “parada e resposta”, sem que nenhum dos contendores se tivesse deixado conformar com a evolução do marcador.

Por fim, o Ferreira do Zêzere voltou às vitórias, por convincente marca de 4-2, ante uma equipa do Torres Novas que, não obstante a mudança de treinador, não conseguiu, no imediato, inverter a tendência de resultados negativos, com este clube histórico do futebol distrital a atingir a 12.ª jornada sem ter conseguido ainda estrear-se a vencer (tal como o Marinhais), partilhando assim com o grupo do sul do Distrito a indesejada posição de “lanterna vermelha” do campeonato.

II Divisão Distrital – Agora com o calendário em dia, o Abrantes e Benfica prossegue o seu percurso perfeito, com dez triunfos em outras tantas jornadas, somando o pleno de trinta pontos, depois de ter obtido mais uma retumbante goleada (8-1) no terreno do Aldeiense. Na série mais a Norte, menção ainda à vitória (1-0) do Riachense no Tramagal, retomando o 3.º lugar, beneficiando do empate (1-1) cedido pela equipa “B” do U. Tomar no Sardoal. O mesmo desfecho foi averbado pelo Pego na recepção ao Caxarias, o que não impede os pegachos de manterem, de forma destacada (cinco pontos de vantagem), a 2.ª posição.

A Sul, o Forense, pese embora não tenha conseguido também melhor que a igualdade (3-3) no “derby” com o Salvaterrense, ascendeu (à condição) à liderança, com um ponto a mais que Rio Maior (ainda com um jogo em atraso) e Moçarriense, tendo beneficiado precisamente da derrota (1-2) caseira da turma da Moçarria perante os riomaiorenses.

Campeonato de Portugal – Numa jornada positiva, o Fátima voltou a “respirar melhor”, ao vencer, em Loures, por 1-0, ampliando a sua margem de segurança, agora de seis pontos, precisamente sobre aquele opositor, actualmente a primeira equipa abaixo da “linha de água”. Quanto ao Mação, ainda não foi desta que se estreou a vencer em casa, não tendo ido além do empate (2-2) frente à formação de Santa Iria. Em função de sanção administrativa aplicada ao Alverca, os maçaenses “trespassaram” a “lanterna vermelha”, mas continuam com um importante atraso (sete pontos) em relação à zona de manutenção. Será ainda possível sonhar?

Antevisão – Os campeonatos distritais têm nova pausa, estando a disputa da derradeira ronda da primeira volta agendada apenas para o primeiro fim-de-semana de 2019, dando lugar à entrada em cena da Taça do Ribatejo, para disputa dos 1/8 de final, com jogos agendados para Sábado.

O desafio de maior cartaz será o U. Tomar-Fazendense, um “jogo de tripla”, para além do outro encontro entre equipas do principal escalão: Marinhais-U. Almeirim. Regista-se ainda a curiosidade de nova “repetição” de jogos do Abrantes e Benfica em semanas sucessivas, voltando a cruzar-se com o Aldeiense. De interesse serão também o Pego-U. Santarém e Ferreira do Zêzere-Riachense, assim como o “derby” municipal entre Amiense e Moçarriense.

O Campeonato de Portugal será também retomado já no novo ano, dando lugar, neste fim-de-semana, à disputa da eliminatória correspondente aos 1/8 de final da Taça de Portugal.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 20 de Dezembro de 2018)

22 Dezembro, 2018 at 12:00 pm Deixe um comentário

Liga Europa – Sorteio dos 1/16 de Final

Viktoria Plzeň – D. Zagreb
Brugge – RB Salzburg
Rapid Wien –  Inter
Slavia Praha – Genk
Krasnodar – Bayer Leverkusen
Zürich – Napoli
Malmö – Chelsea
Shakhtar Donetsk – E. Frankfurt
Celtic – Valencia
Rennes – Betis
Olympiakos – D. Kyiv
Lazio – Sevilla
Fenerbahçe – Zenit
Sporting – Villarreal
BATE Borisov – Arsenal
Galatasaray – Benfica

Os jogos da primeira mão serão disputados a 14 de Fevereiro de 2019, estando a segunda mão agendada para 21 de Fevereiro.

17 Dezembro, 2018 at 1:29 pm Deixe um comentário

Liga dos Campeões – Sorteio dos 1/8 de Final

Schalke 04 – Manchester City
At. Madrid – Juventus
Manchester United – Paris St.-Germain
Tottenham – B. Dortmund
Lyon – Barcelona
Roma – FC Porto
Ajax – Real Madrid
Liverpool – Bayern

Os jogos da primeira mão serão disputados nas seguintes datas: 12, 13, 19 e 20 de Fevereiro de 2019. Por seu lado, as partidas da segunda mão estão agendadas para 5, 6, 12 e 13 de Março.

17 Dezembro, 2018 at 12:19 pm Deixe um comentário

Artigos Mais Antigos Artigos mais recentes


Autor – Contacto

Destaques

Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Fevereiro 2019
S T Q Q S S D
« Jan    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.