Liga dos Campeões – Sorteio dos 1/4 de final e das 1/2 finais

Realizou-se hoje o sorteio dos 1/4 de final e das 1/2 finais da Liga dos Campeões:

1/4 de final

12.08.2020 – Atalanta – Paris St.-Germain (Estádio da Luz)
13.08.2020 – RB Leipzig – At. Madrid (Estádio José Alvalade)
14.08.2020 – Napoli/Barcelona – Chelsea/Bayern (Estádio da Luz)
15.08.2020 – Real Madrid/Manchester City – Lyon/Juventus (Estádio José Alvalade)

1/2 finais

18.08.2020 – RB Leipzig/At. Madrid – Atalanta/Paris St.-Germain (Estádio da Luz)
19.08.2020 – Real Madrid/Manchester City ou Lyon/Juventus – Napoli/Barcelona ou Chelsea/Bayern (Estádio José Alvalade)

10 Julho, 2020 at 6:12 pm Deixe um comentário

Bruno Lage

Confesso que me sinto como se ainda estivesse em negação, incrédulo e sem conseguir compreender o que se passou desde Fevereiro.

Bruno Lage estreou-se no comando técnico do Benfica a 6 de Janeiro de 2019, no Estádio da Luz, recebendo o Rio Ave, em jogo da 16.ª jornada do campeonato.

Vindo de uma traumatizante derrota em Portimão – a qual sentenciou a carreira de Rui Vitória no clube -, por via de dois auto-golos (e que colocava então a equipa no 4.º lugar, a sete pontos do líder, FC Porto), aos vinte minutos de jogo, o Benfica, jogando em casa, via-se em desvantagem por 0-2… Era difícil começar pior. Mas o grupo uniu-se, revoltou-se e operou uma notável reviravolta, acabando por vencer por 4-2.

Até final da temporada de 2018-19, Bruno Lage acumularia um absolutamente incrível registo de 18 vitórias em 19 jornadas, tendo cedido um único empate, ante a B. SAD… depois de ter chegado a dispor de vantagem de 2-0.

Aos 4-2 frente ao Rio Ave, somaram-se outras doze (!) impressivas goleadas: 5-1 ao Boavista; 4-2 em Alvalade, frente ao Sporting; 3-0 nas Aves; 4-0 ao Chaves; 4-0 em Moreira de Cónegos; 4-1 em Santa Maria da Feira; 4-2 ao V. Setúbal; 6-0 ao Marítimo; 4-1 em Braga; 5-1 ao Portimonense (também numa épica reviravolta, com todos os cinco golos apontados na derradeira meia hora); 4-1 ao Santa Clara; para além do fantástico 10-0 ao Nacional (retenho especialmente a humildade de Bruno Lage nesse dia, quase como que a “pedir desculpa”).

Bruno Lage - 10-0

Numa caminhada que ninguém podia antecipar, o Benfica triunfaria em Guimarães, Alvalade, “Dragão”, Moreira de Cónegos, Braga e Vila do Conde, derrotando sucessivamente – em terreno alheio – todos os clubes classificados do 2.º ao 7.º lugares no final do campeonato!

Como consequência, o Benfica – com um sensacional registo de 103 golos marcados em 34 jogos – recuperou o significativo atraso com que partia, chegando, de forma brilhante, ao título.

A senda triunfal prosseguiu, na época de 2019-20, com um percurso quase a “papel químico”: nas primeiras 19 rondas, outra vez 18 vitórias, e um único desaire, em casa, com o FC Porto.

Isto é, sob a direcção de Bruno Lage, foi alcançado um impressionante ciclo de 18 vitórias consecutivas fora de casa, a que se somaram outros 18 triunfos (em 20 jogos) no Estádio da Luz, numa fenomenal série – a melhor de sempre da centenária história do Benfica – de 36 vitórias, 1 empate e 1 derrota, nos seus primeiros 38 jogos, com 119 golos marcados e 24 golos sofridos.

Subitamente, desde a 20.ª jornada, em dez jogos, apenas duas vitórias, quatro empates e quatro derrotas, invertendo-se os papéis: de sete pontos de avanço, na liderança, para seis pontos de atraso, em relação ao FC Porto.

O que se terá passado?

É verdade que Bruno Lage deixara entrever, no seu percurso triunfal, algumas fragilidades: se na primeira derrota, com o FC Porto, para a Taça da Liga, o resultado pareceu ser fortuito e injusto, perante a exibição efectuada, a eliminação nas meias-finais da Taça, em Alvalade, e, sobretudo, a oscilante campanha europeia não deixaram de suscitar alguma inquietude. Mas que, até certo ponto, tinha justificação na deliberada aposta na reconquista do título de Campeão.

Já esta época, no jogo com o FC Porto, na Luz – logo na 3.ª jornada -, o Benfica denotara absoluta incapacidade para conseguir contrariar a forma como o adversário se dispôs em campo. O desempenho a nível europeu voltou a ser titubeante; a participação na Taça da Liga, com três empates em outros tantos jogos, foi obviamente medíocre.

Mas a “roda” começou, claramente, a “desandar”, a partir do início de 2020: vitórias muito sofridas, em casa, ante o D. Aves, a B. SAD e, para a Taça, com o Famalicão, evidenciavam que algo não estava bem. A derrota no Porto seria o ponto culminante, do qual a equipa não conseguiria, nunca mais, recuperar.

As conferências de imprensa que eram um bálsamo (Bruno Lage nunca deixava de, pedagogicamente, de forma entusiasmada e completamente aberta, explicar as opções tomadas e dissecar as incidências de cada jogo) começaram gradualmente – à medida que os resultados negativos se iam tornando recorrentes – a banalizar-se, como se o discurso se tivesse de alguma forma esgotado, passando a socorrer-se de chavões e generalidades, “jogando mais à defesa”.

A contagiante alegria que transmitia, assim como alguma inocência e a genuinidade que transparecia foram-se esvaindo. Jogo após jogo, Bruno Lage parecia carregar um fardo cada vez mais pesado, aparentando crescente impotência para dar a volta à situação, pese embora, teimosamente, nunca tivesse deixado de acreditar, até ao fim (mesmo após a derrota na Madeira?).

O empate em Famalicão, que proporcionou o apuramento para a final da Taça, e as igualdades com Moreirense e V. Setúbal – ainda antes da interrupção do campeonato – eram sinais inequívocos. Depois de três meses de paragem, a retoma revelou-se penosa: outros dois empates, com Tondela e Portimonense, antes dos fatais desaires com o Santa Clara e Marítimo, função de erros defensivos primários (a par de uma quase total eficácia dos adversários).

Lamentável foi a forma como – ainda no cargo – a Direcção do Benfica logo começou, de forma atabalhoada, em notório desespero, a busca do seu sucessor, fragilizando ainda mais a sua posição, de incómodo extremo no que viria a ser o seu último desafio, na Madeira, em que, uma vez mais, faltou uma “pontinha” de felicidade, para evitar o descalabro.

Por tudo o que deu ao Benfica, Bruno Lage – um de nós, que tanto gostava de, no centro do relvado, fitar os adeptos nas bancadas – não merecia, nem a infeliz sucessão de resultados, que acabariam por ditar a sua saída, nem, sobretudo, a forma como foi “destratado” pela “estrutura” do clube.

Recupero as palavras de Vasco Mendonça, no “Expresso“:

Lembro-me que, depois de confirmado o 37, tinha elaborado mentalmente uma série de agradecimentos que partilharia se por acaso voltasse a cruzar-me contigo. Pelo título, claro, mas também pela cultura desportiva e pelos momentos dentro do 37: a reviravolta no primeiro jogo, a vitória no Dragão, o 10-0, outra reviravolta contra o Portimonense, uma das celebrações mais viscerais que este estádio da Luz viveu. […]

Há uma frase da qual tão cedo não me vou esquecer. Depois da vitória no Dragão, uma daquelas que dá a um treinador aquele capital que os benfiquistas reservam para os grandes, disseste humildemente que os jogadores fizeram de ti treinador. Tudo aquilo soou estranhamente decente no contexto do futebol português e foi-se prolongando ao ponto de até os adeptos dos rivais reconhecerem essa qualidade, um acontecimento muito raro por cá.

Não sei se os mesmos jogadores que fizeram de ti treinador campeão decidiram fazer de ti, por agora, treinador sem clube. Não sei exactamente em que parte do caminho é que te perdeste, ou se era eu que estava demasiado inebriado pelo milagre da época passada para ver o que estava à nossa frente. Talvez seja um pouco das duas coisas.

Suspeito que um dia saberemos todos melhor o que se passou e porque é que, de forma meio angustiante, te foste tornando parte do problema. Será que aceitaste ser parte do problema? Ou será que parte desse problema te foi imposto? Sinceramente ainda não percebi, mas uma coisa é evidente: acabaste por ser a única parte do problema que esta direcção pareceu interessada em resolver, ou seja, resolvendo pouco ou nada. Tu dirás de forma simples que é a vida de um treinador. E a vida de um adepto do Benfica é pedir a tua cabeça quando se ganha 2 jogos em 13. Faz parte. É um final triste, mas tenho a certeza que foi um dos maiores privilégios da tua vida.

Disseste uma vez, quase sem voz na noite mais feliz da tua passagem pelo clube, que era importante reconhecer a mais valia do adversário no momento das derrotas para que este reconhecesse a nossa mais valia no momento das vitórias. Obrigado pela decência que emprestaste ao cargo na maioria dos momentos. Não serviu para ganhar todos os jogos, mas penso que conquistou o respeito de muitos benfiquistas. Felicidades.

3 Julho, 2020 at 11:37 pm Deixe um comentário

COVID-19 – Evolução no mês de Junho

COVID-19 - Casos acumulados e Casos activos



30 Junho, 2020 at 2:52 pm Deixe um comentário

Fase Final da “Champions League” em Portugal

Troféu - EC-CLOs quartos-de-final, meias-finais e final da “Champions League” 2019/20 vão ser disputados em eliminatórias directas (num único jogo) em Portugal, no mês de Agosto, no Estádio da Luz (que acolherá a Final) e no Estádio José Alvalade, em Lisboa.

Se os 4 jogos ainda pendentes da 2.ª mão dos oitavos-de-final tiverem também de ser realizados em Portugal, seriam disputados no Porto (Estádio do Dragão) e em Guimarães (Estádio D. Afonso Henriques).

O calendário completo para conclusão da 65.ª edição da principal competição europeia de clubes é o seguinte:

  • 7-8 de Agosto: segunda mão dos oitavos-de-final (locais a confirmar)
  • 12-15 de Agosto: Quartos-de-final (Lisboa)
  • 18-19 de Agosto: Meias-finais (Lisboa)
  • 23 de Agosto: Final (Lisboa)

17 Junho, 2020 at 8:38 pm Deixe um comentário

I Liga – Quadro global resultados: 1934-35/2019-20

I Liga - Quadro Global de Resultados

Com o regresso da I Liga – após uma inaudita interrupção de praticamente três meses – apresento um quadro interactivo com todos os resultados dos 19.061 jogos até à data disputados, em todas as 2.423 jornadas, das 86 edições dos campeonatos da I Liga / I Divisão de futebol, desde a época de 1934-35.

Pode filtrar-se por vários critérios: Época; Jornada; Visitado; Visitante; n.º de Golos da equipa da Casa; e n.º de Golos da equipa que jogou Fora.

Todos os dados estatísticos apresentados, em termos de cômputo de Vitórias (V) / Empates (E) / Derrotas (D) e Golos da equipa da casa e da equipa que jogou fora, reportam-se sempre ao clube “Visitado” (independentemente do filtro seleccionado).

A título de curiosidade, regista-se, em tal base de dados de resultados, uma singular particularidade: no jogo entre o Sp. Braga e o Benfica, da última (30.ª) jornada do campeonato de 1986-87 (interrompido a escassos minutos do final, por “invasão pacífica” de campo, com o resultado em 1-1), ambos os clubes foram então sancionados pela Federação Portuguesa de Futebol com derrota “administrativa” por 0-3.

Acrescem ainda duas outras situações, em que – não tendo igualmente os jogos chegado ao seu termo –  a vitória foi atribuída a uma das equipas, mas, neste caso, sem contagem de golos: Atlético-Leixões (1960-61) e CUF-V. Setúbal (1974-75), tendo sido declarados vencedores, respectivamente, o Leixões e a CUF.

7 Junho, 2020 at 11:55 pm Deixe um comentário

COVID-19 – Evolução no mês de Maio

COVID-19 - Casos acumulados e Casos activos
Dados Boletim DGS - Maio
Maio - Media movel7d
COVID-19 - Internados - Maio

31 Maio, 2020 at 10:47 pm Deixe um comentário

O Pulsar do Campeonato

O pulsar do campeonato - 2019-20 - Campeonato cancelado

(“O Templário”, 28.05.2020)

Antecipava aqui, no último artigo desta série, publicado a 12 de Março, que, nesse fim-de-semana, ficariam definidos os finalistas da Taça do Ribatejo – isto, numa altura em que, paralelamente, com 21 das 30 jornadas disputadas, o Campeonato Distrital da I Divisão tinha, há já bastante tempo, um “Campeão anunciado”, o U. Almeirim, que só não confirmaria o título… se acontecesse alguma “calamidade”, de todo imprevisível.

Subitamente, a tal inesperada calamidade – de cariz global, numa muito significativa ameaça à nossa saúde, traduzindo um enorme desafio que todos tivemos de enfrentar – chegou, colocando termo antecipado, de forma abrupta, a todas as competições desportivas. Uma situação inaudita, em quase um século de disputa de provas sob a égide da Associação de Futebol de Santarém!

O surto pandémico associado ao designado “COVID-19” acabaria por vir a impor o cancelamento, atípico e excepcional, das várias provas, na sequência do decretar do “Estado de Emergência” no País, a 18 de Março, forçando a aplicação de amplas medidas restritivas, em prol da preservação de um valor da maior relevância, como é o da saúde pública.

Cancelamento das provas – Efectivamente, na sequência da suspensão de todos os jogos, logo nesse fim-de-semana de 14 e 15 de Março, começariam por ser canceladas, sem efeitos classificativos – não sendo atribuído o título, nem havendo promoções nem despromoções –, as competições dos escalões de formação, conforme deliberação da Federação Portuguesa de Futebol, de 27 de Março, ratificada no dia seguinte pela Associação de Futebol de Santarém.

De forma análoga, a 9 de Abril, ratificando a deliberação adoptada pela Federação Portuguesa de Futebol no dia precedente, a Associação de Futebol de Santarém viria a dar por concluídas, sem vencedores, todas as suas competições de seniores que se encontravam nessa data suspensas.

Novo escalão: “III Liga” – Já a 6 de Maio, a Federação Portuguesa de Futebol aprovou um “plano de emergência e reestruturação do terceiro escalão do futebol senior masculino”, tendo decidido criar, a partir da época de 2021-22, uma nova prova, com a designação de “III Liga”, que servirá de acesso à “LigaPro” (2.ª divisão do futebol profissional), sobrepondo-se, pois, ao Campeonato de Portugal, que passará, assim, a constituir o 4.º escalão do futebol em Portugal.

Deste modo, na próxima temporada, de 2020-21, competirão no Campeonato de Portugal as seguintes 96 equipas (repartidas em oito séries de 12 clubes): 2 despromovidas da “Liga Pro” (Cova da Piedade e Casa Pia); 70 que se mantêm (não tendo existido despromoções aos Distritais, decorrendo do cancelamento da época de 2019-20); 20 que ascendem das competições regionais; e 4 novas equipas “B”.

Em 2021-22, a nova “III Liga”, na sua edição de estreia, será disputada por 24 clubes: 2 despromovidos da “LigaPro”; os 6 clubes vencedores de série do Campeonato de Portugal que não alcançarem as 2 vagas de promoção ao segundo escalão; e os 16 apurados de entre os 2.º a 5.º classificados de cada uma das oito séries em que será dividido o Campeonato de Portugal.

Por seu lado, o Campeonato de Portugal da temporada de 2021-22 será disputado por 60 equipas: as 16 que não conseguirem a promoção à III Liga (de entre os 40 classificados entre o 2.º e 5.º lugar de cada série); as 24 que se classifiquem entre a 6.ª e a 8.ª posição em cada uma das oito séries; e 20 promovidas dos Distritais (o Campeão distrital de cada uma das 18 associações do continente, assim como os campeões regionais dos Açores e da Madeira).

Nas épocas seguintes, a “III Liga” e o Campeonato de Portugal verão o número de clubes reduzir-se a 76 (20 na “III Liga”, a partir de 2023-24; e 56 no Campeonato de Portugal, já em 2022-23).

U. Almeirim promovido ao Nacional – Em função desta deliberação, o U. Almeirim – líder destacado do campeonato distrital da I Divisão, com dez pontos de vantagem sobre o seu mais directo perseguidor (Fazendense), a nove jornadas do final –, não obstante não seja galardoado com o título de Campeão Distrital, viria a ser convidado a disputar a próxima edição do Campeonato de Portugal, da época de 2020-21, acabando, pois, por garantir a promoção.

Alargamento da I Divisão Distrital – A nível distrital, a Associação de Futebol de Santarém deliberou entretanto, a 20 de Maio, que não haveria lugar a despromoções (à II Divisão), pelo que – atendendo também à promoção do U. Almeirim ao Nacional – se tornou necessário recompor o quadro competitivo da I Divisão Distrital, tendo sido determinado o alargamento deste campeonato, a título excepcional, para a época de 2020-21, a 18 clubes.

Para tal – para além dos 15 que se mantêm –, foi decidida a integração nesse escalão dos clubes que, à data da suspensão das provas, ocupavam o 1.º lugar de cada uma das séries da II Divisão Distrital (respectivamente Alcanenense e Pontével), assim como da equipa que registava melhor desempenho (média pontual) de entre os 2.º classificados das duas séries (Entroncamento AC).

A I Divisão Distrital voltará a ser disputada por 16 equipas na temporada de 2021-22, o que implicará a descida de divisão, pelo menos, dos quatro últimos classificados (número que, porém, poderá ser acrescido, em função de eventuais despromoções do Campeonato de Portugal).

União de Tomar – A inopinada suspensão e cancelamento das competições impossibilitou algumas das equipas e atletas do U. Tomar de alcançarem o justo prémio para o esforço desenvolvido ao longo de vários meses da época, não tendo tido, portanto, possibilidade de concretizar algumas das duas meritórias aspirações.

A equipa senior de futebol estava à beira de assegurar nova presença na Final da Taça do Ribatejo (tinha vencido, fora de casa, na 1.ª mão das meias-finais), tendo também em mira a forte possibilidade de apuramento para a Supertaça Dr. Alves Vieira e, em paralelo, o regresso às provas nacionais, através da Taça de Portugal – situação que subsiste ainda por definir, à data.

A equipa de Iniciados (sub-15) disputava a fase final, de apuramento de Campeão, posicionando-se no 3.º lugar, somente a dois pontos do líder, praticamente a terminar a primeira volta.

A equipa de “Benjamins” (sub-10) liderava destacada a sua série, já na 2.ª fase da prova, somando por triunfos todos os nove jogos disputados. Contando também com a 1.ª fase, este invencível grupo acumulou 17 vitórias em 17 jogos, com um absolutamente fantástico registo de 274 golos marcados (uma incrível média de mais de 16 golos por jogo)!

Também o “Torneio Internacional dos Templários” (sub-8), que tinha agendada para Junho a sua 13.ª edição, teve de ser igualmente cancelado, como medida de precaução.

Entretanto, a estrutura responsável do União procedeu oportunamente (ainda no mês de Abril) à recomposição do plantel senior – a partir de agora com novo comando técnico, de Filipe Pinto, sucedendo a Lino Freitas (após oito épocas consecutivas como treinador principal, um máximo histórico no clube, com um notável notável “record” de 250 jogos, tendo conquistado a Taça do Ribatejo, e sido ainda duas vezes vice-campeão distrital, para além de se ter sagrado Campeão Distrital de Juniores), após as saídas de Wemerson Silva e Tiago Vieira (os melhores marcadores nas últimas épocas), tendo sido contratados diversos novos reforços, casos nomeadamente de Cláudio Major, Fábio Luzio, Hélio Ocante, Ivo Cristo, João Martins e Ricardo Simões, para além da renovação com praticamente todos os restantes jogadores mais utilizados na época finda.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 28 de Maio de 2020)

31 Maio, 2020 at 11:00 am Deixe um comentário

COVID-19 – Evolução de casos activos

De acordo com os dados oficiais da Direcção Geral de Saúde, hoje, pela primeira vez desde o início da pandemia em Portugal, o número de casos activos decresceu:

COVID-19 - Evolução de casos activos

12 Maio, 2020 at 7:23 pm Deixe um comentário

Grandes clássicos das competições europeias – (1) Real Madrid – Bayern München

Real Madrid Bayern_München

 Época Prova Ronda       1.ª Mão                2.ª mão
1975-76 TCE   1/2  R.Madrid-Bayern  1-1   Bayern-R.Madrid  2-0
1986-87 TCE   1/2  Bayern-R.Madrid  4-1   R.Madrid-Bayern  1-0
1987-88 TCE   1/4  Bayern-R.Madrid  3-2   R.Madrid-Bayern  2-0
1999-00 LCE  Grupo R.Madrid-Bayern  2-4   Bayern-R.Madrid  4-1
1999-00 LCE   1/2  R.Madrid-Bayern  2-0   Bayern-R.Madrid  2-1
2000-01 LCE   1/2  R.Madrid-Bayern  0-1   Bayern-R.Madrid  2-1
2001-02 LCE   1/4  Bayern-R.Madrid  2-1   R.Madrid-Bayern  2-0
2003-04 LCE   1/8  Bayern-R.Madrid  1-1   R.Madrid-Bayern  1-0
2006-07 LCE   1/8  R.Madrid-Bayern  3-2   Bayern-R.Madrid  2-1
2011-12 LCE   1/2  Bayern-R.Madrid  2-1   R.Madrid-Bayern  2-1
2013-14 LCE   1/2  R.Madrid-Bayern  1-0   Bayern-R.Madrid  0-4
2016-17 LCE   1/4  Bayern-R.Madrid  1-2   R.Madrid-Bayern  4-2
2017-18 LCE   1/2  Bayern-R.Madrid  1-2   R.Madrid-Bayern  2-2

      Balanço global                J    V    E    D   GM   GS
Real Madrid - Bayern München       26   12    3   11   41 – 39

Eis-nos chegados ao “clássico dos clássicos” do futebol europeu, entre Real Madrid e Bayern, o qual se caracteriza pela particularidade de – ao longo de 64 anos – estes dois colossos nunca se terem defrontado numa Final das competições europeias; não obstante, registam nada menos de sete embates em meias-finais, num total de 14 empolgantes desafios, apenas nessa fase decisiva!

Acresce que, tal como sucede no caso do Real Madrid-Juventus, os 26 encontros Real-Bayern foram – todos eles – disputados no âmbito da Taça dos Campeões Europeus (6) / Liga dos Campeões (20).

Num confronto com números globais equilibrados (12 vitórias a 11, a favor dos merengues, anotando-se o relativamente escasso número de empates, com o score global de golos também muito repartido, de 41-39), nas doze eliminatórias até à data já realizadas, opondo os clubes com maior número de títulos de Campeão de Espanha e da Alemanha, o Real Madrid saiu vencedor por sete vezes (1988, 2000, 2002, 2004, 2014, 2017 e 2018), tendo o Bayern levado a melhor nas restantes cinco ocasiões (1976, 1987, 2001, 2007 e 2012) – com os espanhóis a adquirirem vantagem sobre o rival nos últimos cinco anos, tendo actualmente em curso uma série de três eliminatórias ganhas sucessivamente (sendo de realçar ainda os nove golos apontados por Cristiano Ronaldo, nos oito jogos disputados, de 2012 a 2018).

Outro facto particularmente notável é o de, na sequência daquelas doze eliminatórias, em que madrilenos e bávaros se cruzaram, ter acabado por resultar um total de sete títulos de Campeão Europeu para estes dois emblemas: dois títulos para o Bayern e cinco para o Real Madrid!

Começando por restringir o campo de observação às sete meias-finais que disputaram, o Bayern impôs-se em quatro delas, face a três vezes em que o Real Madrid avançou para a Final. Nessas temporadas, o emblema germânico sagrar-se-ia Campeão Europeu em 1976 (Final em Glasgow, ante o Saint-Étienne, conquistando então o seu terceiro título consecutivo) e em 2001 (Final em San Siro, ganha ao Valencia no desempate da marca de grande penalidade), tendo perdido as Finais de 1987 (Viena, ante o FC Porto) e de 2012 (em casa, no “Allianz Arena” de Munique, igualmente no desempate da marca de grande penalidade, perante o Chelsea). Por seu lado, o Real Madrid obteria pleno sucesso nas três Finais que disputou: no Stade de France, também ante o Valencia (2000); no Estádio da Luz, com o At. Madrid (2014); e em Kiev, frente ao Liverpool (2018), correspondendo à conquista dos seus 8.º, 10.º e 13.º troféus de Campeão Europeu.

Nas outras cinco ocasiões em que se defrontaram, o Bayern, após suplantar o Real Madrid (em 2007), viria a ser afastado na eliminatória imediata, batido nos 1/4 de final pelo futuro Campeão Europeu, AC Milan. Em 1988, depois de ter superado, sucessivamente, o Napoli, FC Porto (então Campeão Europeu em título) e Bayern, o Real Madrid perderia nas meias-finais, também ante o clube que viria a conquistar o título (PSV Eindhoven, vencedor da Final de Estugarda, ante o Benfica); já em 2002, os merengues afastariam, nas meias-finais, o Barcelona, para se coroarem Campeões da Europa pela 9.ª vez (em Glasgow, frente ao Bayer Leverkusen); em 2004, o clube branco cairia logo nos 1/4 de final, aos pés do Monaco; por fim, em 2017, o Real ultrapassaria ainda o At. Madrid (nas meias-finais), antes de conquistar, em Cardiff, frente à Juventus, o seu 12.º título.

***

A estreia dos embates entre Real e Bayern sucedeu apenas em 1976 (já com vinte anos de competições europeias), numa altura em que o clube teutónico – contando nas suas fileiras com nomes como os de Sepp Maier, Frank Beckenbauer, Uli Hoeness, ou Gerd Müller – dominava o futebol na Europa, vindo, nessa época, a sagrar-se tri-Campeão Europeu. Nas meias-finais – imediatamente após o Real ter eliminado o então campeão alemão (Borussia M’gladbach) – as duas equipas começariam por empatar a um golo no “Santiago Bernabéu” (no final do desafio, um espectador invadiria o terreno, agredindo o árbitro), sendo que o Bayern ganharia por 2-0 na 2.ª mão (bis de Gerd Müller logo na meia hora inicial), apurando-se, pois, para a Final de Glasgow.

A 1.ª mão das meias-finais de 1987, na qual o Bayern goleou por 4-1 (tendo chegado a 3-0 antes dos 40 minutos de jogo), ficaria assinalada pela agressão de Juanito a Lothar Matthäus, o que valeria ao espanhol uma suspensão da UEFA por cinco anos. Em Madrid, os espanhóis não iriam além do 1-0, desfecho claramente insuficiente para inverter o rumo da eliminatória.

Na época imediata, de 1987-88, uma pujante equipa do Real (a famosa “Quinta del Buitre”, com Emilio Butragueño, Miguel Pardeza, Manolo Sanchís, Míchel González e Martín Vázquez), como que obteria a desforra, com dois golos nos últimos seis minutos da 1.ª mão, reduzindo uma goleada de 3-0 a uma esperançosa desvantagem de 3-2, o que lhe permitiria, em função do triunfo por 2-0 em Madrid, avançar para as meias-finais.

***

Após um interregno de onze anos, de 1988 a 1999, os dois clubes enfrentar-se-iam por quatro vezes no curto período de apenas quatro meses, entre Fevereiro e Maio de 2000.

De facto, em 23 participações do Bayern na Liga dos Campeões (sendo que o Real Madrid regista 24 presenças na competição, neste formato), apenas uma única vez partilharam o mesmo grupo de apuramento, na época de 1999-00 (então na 2.ª fase de grupos), com dois triunfos dos bávaros, repetindo a “chapa 4”: 4-2 em Madrid e goleando por 4-1 em Munique. Ainda assim, apuraram-se ambos para os 1/4 de final, tendo o Real eliminado o Manchester United, enquanto o Bayern afastava o FC Porto, antes de… se reencontrarem nas meias-finais.

Aí chegados – com um particular confronto de guardiões, entre o jovem Iker Casillas (então com 18 anos) e o já consagrado Oliver Kahn -, seria o Real a impor-se à sua “besta negra”, ganhando no “Santiago Bernabéu” por 2-0, adquirindo uma preciosa vantagem, que preservou em Munique, onde perderia por tangencial 2-1 (com o também novato Nicolas Anelka a marcar nos dois jogos), garantindo a presença na Final de Saint-Denis (Paris).

Os dois gigantes do futebol europeu voltariam a encontrar-se nas duas temporadas seguintes: em 2000-01, sendo agora a oportunidade de o Bayern se desforrar, ganhando os jogos das duas mãos (1-0 em Madrid, repetindo-se o 2-1 em Munique), apurando-se para a Final de San Siro; em 2001-02, depois do terceiro 2-1 sucessivo na Alemanha, o Real inverteria a tendência da eliminatória, ganhando 2-0 na 2.ª mão. Conforme referido, neste triénio, entre 2000 e 2002, repartiriam entre ambos os títulos de Campeão Europeu: dois para os espanhóis, um para os germânicos.

Apenas mais dois anos decorridos, Bayern e Real Madrid (então com Carlos Queiroz como responsável técnico) voltariam a reencontrar-se, desta feita em fase relativamente prematura (nos 1/8 de final da temporada de 2003-04), com os espanhóis a superiorizarem-se novamente: o empate a um golo em Munique (livre apontado por Roberto Carlos, a iludir Kahn), seguido de um tangencial triunfo caseiro (golo de Zidane) garantiram o apuramento, tendo, porém, os merengues sido travados, logo de seguida, pelo Monaco.

A alternância de sucessos nas eliminatórias entre os dois emblemas seria retomada em 2006-07, desta vez com o Bayern a evitar males maiores no “Santiago Bernabéu”, com um golo a dois minutos do fim, a reduzir a desvantagem para 3-2, o que permitiu aos bávaros, com mais um triunfo caseiro por 2-1 (com Makaay a inaugurar o marcador logo aos 10 segundos de jogo!), seguir em frente.

***

Os merengues ansiavam já há dez anos pela tão almejada “10.ª” quando (agora sob o comando de José Mourinho) se cruzaram novamente com o Bayern, nas meias-finais de 2011-12, tendo ripostado a outro 2-1 sofrido na Alemanha (5.ª vitória dos alemães por este “placard”, nos dez jogos até então disputados em Munique, correspondendo, por outro lado, ao último triunfo dos bávaros sobre o Real, até à data), com igual marca, a seu favor, em Chamartin, o que forçaria ao desempate da marca de grande penalidade. Depois de ter marcado dois golos no jogo, Cristiano Ronaldo viria a permitir a defesa a Manuel Neuer (que deteria também o remate de Kaká); Casillas negara igualmente as tentativas de Toni Kroos e Philipp Lahm, mas a falha de Sergio Ramos, a rematar muito por alto, proporcionaria aos alemães apurar-se para a Final, que disputariam no seu próprio terreno, ante o Chelsea… a qual, por amarga ironia, viriam a perder em tal fórmula de desempate.

Mas, de facto, só em 2014 um imperial Real Madrid (de Carlo Ancelotti) alcançaria tal desiderato, e em grande estilo, garantindo a presença na Final de Lisboa ao triunfar nos dois encontros das meias-finais (1-0 em Madrid) ante o Bayern (de Pep Guardiola), feito sublimado com uma estrondosa vitória no “Allianz Arena”, por 4-0, com Cristiano Ronaldo e… Sergio Ramos (este, com dois cabeceamentos, ainda antes dos 20 minutos) a bisarem ambos, no que constitui a pior derrota do emblema de Munique em todo o seu historial europeu!

A eliminatória de 2016-17 (1/4 de final) terá tido dos mais empolgantes jogos entre os dois clubes: depois de o Real ter começado por ganhar em Munique por 2-1 (com o terceiro bis de Cristiano Ronaldo), o Bayern devolveria tal resultado no final do tempo regulamentar da 2.ª mão, em pleno “Santiago Bernabéu”, forçando o prolongamento! Não obstante, com um “hat-trick” apontado por Cristiano, o Real Madrid, tendo operado nova sensacional reviravolta, acabaria por vencer por 4-2.

Por fim, na época imediata (2017-18) – na oitava semi-final consecutiva do Real, um registo único nas provas europeias – os merengues voltariam a ganhar vantagem na Alemanha (outra vez por 2-1, na sua terceira vitória sucessiva no “Allianz Arena”), tendo, não obstante, tido de sofrer na 2.ª mão, em Madrid, com a partida a ter por desfecho uma igualdade a dois golos, o que possibilitaria ao Real Madrid o apuramento para a Final de Kiev, onde – sempre sob o comando técnico de Zinédine Zidane – culminaria um fantástico ciclo de três edições da Liga dos Campeões conquistadas consecutivamente, sagrando-se, pois, tri-Campeões da Europa (um feito que não era igualado desde… a série do Bayern de 1974 a 1976)!

Poderá consultar-se a série completa de artigos sobre os Grandes clássicos da competições europeias“, aqui.

6 Maio, 2020 at 7:00 pm Deixe um comentário

COVID-19 – Evolução no mês de Abril

Dados Boletim DGS - Abril
Abril - Média móvel 7 dias
COVID-19 - Internados e Recuperados - Abril

30 Abril, 2020 at 7:42 pm Deixe um comentário

Artigos Mais Antigos Artigos mais recentes


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Agosto 2020
S T Q Q S S D
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

  • RT @carmoafonso: é o terceiro artigo. o tema é a extrema-direita. tem que se escrever sobre isto, tem que ser. Bring out the gimp https:/… 4 hours ago
  • RT @sergiolavos: Quando eles falam em ser um partido anti-sistema querem na verdade dizer um partido anti-lei, desde as assinaturas falsas… 4 hours ago
  • RT @FilipeSCosta: Os responsáveis políticos não fazem ideia do grau de revolta q notícias como esta provocam. A revolta contra o sistema ve… 4 hours ago

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.