Liga Europa – 1ª Jornada – Resultados e Classificações

Grupo C
Hoffenheim – Sp. Braga – 1-2
Başakşehir – Ludogorets – 0-0

1º Sp. Braga, 3; 2º Başakşehir e Ludogorets, 1; 4º Hoffenheim, 0

Grupo I
Olympique Marseille – Konyaspor – 1-0
V. Guimarães – Salzburg – 1-1

1º Marseille, 3; 2º Salzburg e V. Guimarães, 1; 4º Konyaspor, 0

(mais…)

Anúncios

14 Setembro, 2017 at 10:00 pm Deixe um comentário

Liga dos Campeões – 1ª Jornada – Resultados e Classificações

Grupo A
Benfica – CSKA Moskva – 1-2
Manchester United – Basel – 3-0

1º Manchester United e CSKA Moskva, 3; 3º Benfica e Basel, 0

Grupo B
Bayern – Anderlecht – 3-0
Celtic – Paris St.-Germain – 0-5

1º Paris St.-Germain e Bayern, 3; 3º Anderlecht e Celtic, 0

Grupo C
Chelsea – Qarabağ – 6-0
Roma – At. Madrid – 0-0

1º Chelsea, 3; 2º At. Madrid e Roma, 1; 4º Qarabağ, 0

Grupo D
Barcelona – Juventus – 3-0
Olympiakos – Sporting – 2-3

1º Barcelona e Sporting, 3; 3º Olympiakos e Juventus, 0

Grupo E
Maribor – Spartak Moskva – 1-1
Liverpool – Sevilla – 2-2

1º Liverpool, Sevilla, Maribor e Spartak Moskva, 1

Grupo F
Feyenoord – Manchester City – 0-4
Shakthar Donetsk – Napoli – 2-1

1º Manchester City e Shakthar Donetsk, 3; 3º Napoli e Feyenoord, 0

Grupo G
RB Leipzig – Monaco – 1-1
FC Porto – Beşiktaş – 1-3

1º Beşiktaş, 3; 2º Monaco e e RB Leipzig, 1; 4º FC Porto, 0

Grupo H
Real Madrid – APOEL – 3-0
Tottenham – B. Dortmund – 3-1

1º Real Madrid e Tottenham, 3; 3º B. Dortmund e APOEL, 0

Duas derrotas caseiras, face a adversários teoricamente ao alcance das equipas portuguesas constituem – não obstante o triunfo em terreno alheio do Sporting (que, inclusivamente, chegou até ao minuto 90 com uma vantagem de 3-0, que mantinha já desde o primeiro tempo, não tendo evitado um pequeno susto no período de compensação) – um bastante mau arranque na edição deste ano da Liga dos Campeões.

Pese embora se tenha tratado apenas da ronda inaugural, os objectivos de Benfica e FC Porto poderão, de alguma forma, começar a ficar desde já comprometidos, salvo a cabal “rectificação” nos jogos de ida, respectivamente à Rússia e à Turquia, o que, contudo, não se afigura fácil.

Nos restantes desafios desta primeira jornada, destaque para as goleadas impostas pelo Paris St.-Germain em Glasgow, do Manchester City, em Roterdão, assim como do Chelsea, em casa, fazendo antecipar desde já fortes disparidades entre os vários clubes concorrentes.

A outro nível, merecem ainda referência os categóricos triunfos do Barcelona frente à Juventus, assim como do Bayern, ante o Anderlecht.

13 Setembro, 2017 at 9:41 pm Deixe um comentário

Liga dos Campeões – 1ª Jornada (Benfica – CSKA Moskva)

Benfica – Bruno Varela, André Almeida, Luisão, Lisandro López (89m – Rafa Silva), Alex Grimaldo (77m – Gabriel Barbosa), Filipe Augusto, Eduardo Salvio, Pizzi, Andrija Živković, Jonas (70m – Raúl Jiménez) e Haris Seferović

CSKACSKA Moskva – Igor Akinfeev, Mário Fernandes, Viktor Vasin, Vasili Berezutski, Aleksei Berezutski, Georgi Shchennikov, Aleksandr Golovin (87m – Konstantin Kuchaev), Pontus Wernbloom, Alan Dzagoev (77m – Bibras Natcho), Vitinho e Aaron Olanare (68m – Timur Zhamaletdinov)

1-0 – Haris Seferović – 50m
1-1 – Vitinho (pen.) – 63m
1-2 – Timur Zhamaletdinov – 71m

Cartões amarelos – André Almeida (62m) e Haris Seferović (80m); Aleksandr Golovin (43m), Alan Dzagoev (73m) e Pontus Wernbloom (75m)

Árbitro – Alberto Undiano Mallenco (Espanha)

A atravessar uma fase em que vem denotando algumas carências, o Benfica estreou-se na edição deste ano da Liga dos Campeões com uma exibição sombria, e, pior que isso, com um algo imprevisto revés – e, logo, frente a um “rival directo” -, principalmente depois de ter, inclusivamente, começado por chegar à vantagem, logo no início da segunda metade do encontro.

Com uma equipa que ainda não conseguiu provar ser um efectivo conjunto, revelando falta de ligação entre os sectores, com a defesa pouco consistente, a equipa portuguesa não aproveitaria as “facilidades” concedidas por uma também sofrível defesa russa em algumas fases do jogo. A primeira parte seria quase que um “deserto” a nível de efectivas ocasiões de golo, se exceptuarmos um ensaio de Grimaldo, rematando ao poste.

No reinício, o Benfica acabaria por chegar ao golo, numa das primeiras jogadas com sequência, com Živković a cruzar para a eficaz conclusão de Seferović. Porém, ao contrário do que se poderia supor, este tento, em vez de dar ânimo aos benfiquistas, viria a provocar uma reacção da equipa russa, que colocaria então a defensiva contrária em apuros, por mais de uma vez, obrigando Bruno Varela a aturado trabalho.

Numa decisão controversa do árbitro (assinalando grande penalidade, na sequência de um remate em que a bola embateria no braço de André Almeida), o CSKA restabeleceria a igualdade.

Para, menos de dez minutos volvidos, os russos, sem muito terem feito para tal, consumarem a reviravolta no marcador, surpreendendo um Benfica como que aturdido pela evolução que o jogo estava a ter.

Nos cerca de vinte minutos que faltava ainda jogar, Rui Vitória arriscou tudo, primeiro, substituindo o regressado Grimaldo pelo estreante Gabriel Barbosa, para, já nos derradeiros instantes, fazer sair um defesa central, para a entrada de Rafa.

Mas, nesse período, faltava já a serenidade e “cabeça” aos jogadores benfiquistas, a jogar de forma precipitada, facilitando a tarefa defensiva da formação russa, novamente reagrupada junto à sua área (tal como iniciara o jogo).

Numa partida em que o Benfica esteve muito abaixo do que seria expectável, fica ainda a nota das queixas de uma infeliz arbitragem, que não sancionou dois lances passíveis de grande penalidade, por faltas sobre Seferović (ainda no primeiro tempo) e Gabriel (já a menos de dez minutos do termo do desafio). Porém, aqui terá estado apenas uma parte da justificação para o desaire sofrido…

12 Setembro, 2017 at 9:35 pm Deixe um comentário

Campeonato do Mundo de Hóquei em Patins – Final

Final – Espanha – Portugal – 3-3 (3-3 a.p.) (2-1 g.p.)

3.º / 4.º lugar – Argentina – Itália – 4-2

5.º / 6.º lugar – Angola – Colômbia – 5-1

7.º / 8.º lugar – Chile – Moçambique – 5-5 (9-7 a.p.)

9.º / 10.º lugar – França – Alemanha – 6-4

11.º / 12.º lugar – Holanda – Áustria – 5-3

13.º / 14.º lugar – África do Sul – Macau – 7-2

15.º / 16.º lugar – EUA – Egipto – 6-1

Foi uma final de contornos verdadeiramente dramáticos a que opôs Portugal e Espanha, com o conjunto português a não ter aquela pequena dose de felicidade que lhe poderia ter proporcionado a reconquista do título de Campeão do Mundo.

O encontro começou com algumas similitudes face ao de ontem, frente à Argentina, com o nulo a manter-se praticamente até aos 20 minutos – também com Portugal a procurar jogar em ataque organizado, e os espanhóis sempre mais perigosos no contra-ataque -, altura em que uma desconcentração defensiva permitiu à Espanha inaugurar o marcador, por Albert Casanovas.

Os espanhóis viriam a ampliar a marca ainda antes do termo da primeira parte, com Jordi Adroher a aproveitar da melhor forma outra falha da defesa portuguesa, saindo para o intervalo com uma importante vantagem, que acabaria por condicionar toda o tempo restante.

De facto, apesar de Portugal ter revelado excelente capacidade de reacção, restabelecendo a igualdade a dois golos, ainda antes de estarem decorridos os cinco primeiros minutos do segundo tempo, graças a tentos apontados por Hélder Nunes e Gonçalo Alves, a verdade é que a turma portuguesa teria de andar sempre a “correr atrás do prejuízo”…

A expectativa seria então a de que a formação lusa, na “mó de cima” em termos de ascendente motivacional, concretizasse a reviravolta no marcador. Mas a Espanha recompor-se-ia, sempre a procurar impor uma toada lenta, mais de contenção, mantendo o empate durante mais dez minutos, até que viria mesmo a recolocar-se em vantagem, por Eduard Lamas.

Faltavam então dez minutos para o termo da contenda e Portugal teria então de porfiar muito, numa “luta contra o tempo” que começava, rapidamente, a esgotar-se. Até que, a dez segundos do fim, o guardião português, Ângelo Girão, procurando recuperar de forma algo precipitada a bola, numa disputa fora da área, já atrás da baliza, se envolveria com um contrário, fazendo falta, que seria sancionada com cartão azul e consequente livre directo.

Tudo parecia perdido. Só que, nesse momento, a Espanha não tomou a opção que seria mais inteligente nas circunstâncias e que lhe garantiria de imediato o triunfo, de rematar à tabela final e recuperar a bola para a conter nos segundos derradeiros. Falhando a conversão de tal livre directo, tal viria a suscitar novo choque junto à tabela de fundo, que originaria, desta feita, a punição com livre directo contra a Espanha, faltavam apenas quatro segundos para acabar o desafio!

Assumindo a responsabilidade por este momento crucial, Hélder Nunes não vacilaria; depois de permitir a defesa ao guarda-redes a um primeiro remate, recuperaria a bola, para o desfeitear, empatando o jogo a três, somente a dois segundos do final do tempo regulamentar. Portugal parecia ter conseguido o “milagre”: a final ia para prolongamento.

Só que aí, tendo de enfrentar ainda 1m50s em situação de inferioridade numérica (pela exclusão de Ângelo Girão, sendo que a Espanha, tendo sofrido o golo, voltava a estar completa), a equipa portuguesa viu-se condicionada, acabando por adoptar uma táctica de risco mínimo, que se prolongaria até final destes dez minutos suplementares, sem que tivesse sido obtido qualquer golo… tendo falhado então a sorte a Portugal, num remate de longe de Diogo Rafael, a embater no poste, no último segundo!

Chegava-se assim ao desempate da marca de grande penalidade. Depois de quatro tentativas falhadas (duas para cada lado), João Rodrigues colocaria Portugal, pela primeira vez nesta final, em vantagem. Porém, nas duas últimas tentativas, os portugueses não conseguiriam desfeitear o guardião contrário (Xavi Malian), tendo, ao invés, a Espanha marcado por duas vezes (por Lamas e Casanovas, os “carrascos”, que tinham já apontado dois dos três golos), assim se sagrando Campeã do Mundo de Hóquei em Patins, reconquistando o título que havia perdido para a Argentina há dois anos…

No palmarés da prova, a Espanha reforçou a liderança, agora com 17 títulos (1951, 1954, 1955, 1964, 1966, 1970, 1972, 1976, 1980, 1990, 2001, 2005, 2007, 2009, 2011, 2013 e 2017), seguida de perto por Portugal, com 15 campeonatos ganhos (1947, 1948, 1949, 1950, 1952, 1956, 1958, 1960, 1962, 1968, 1974, 1982, 1991, 1993 e 2003), a Argentina conquistou a prova por 5 vezes (1978, 1984, 1995, 1999 e 2015); a Itália obteve 4 títulos (1953, 1986, 1988 e 1997); e, por fim, a Inglaterra foi 2 vezes Campeã Mundial, nas duas edições inaugurais da competição (1936 e 1939).

A selecção de Portugal, pela décima vez no seu historial vice-campeã do Mundo, soma agora 42 lugares de honra (em todas as edições, à excepção da de 2007, em que se quedou na 6.ª posição):

               Campeão      2.º      3.º      4.º      Total
Portugal          15         10       15        2        42
Espanha           17         12        7        4        40
Itália             4          9       10        8        31
Argentina          5          8       10        4        27
Suíça              -          1        1        4         6
Bélgica            -          1        -        5         6 
Alemanha           -          -        -        6         6
Chile              -          -        -        4         4
Inglaterra         2          1        -        -         3
Holanda            -          1        -        2         3
Brasil             -          -        -        3         3
Moçambique         -          -        -        1         1

9 Setembro, 2017 at 1:42 pm Deixe um comentário

Campeonato do Mundo de Hóquei em Patins – 1/2 Finais

CAMPEONATO DO MUNDO

Espanha – Itália – 4-0
Portugal – Argentina – 5-0

14 anos depois, Portugal regressa a uma final do Campeonato do Mundo de Hóquei em Patins, na qual defrontará – apenas pela segunda vez, em finais, depois de 1989 – a Espanha.

Uma excelente exibição, de um grupo muito coeso e solidário, que soube dar a melhor resposta nas diferentes fases e vertentes do jogo, goleou o Campeão do Mundo em título, Argentina, por soberba marca de 5-0, assim se desforrando das três eliminações sofridas perante este mesmo adversário, nas últimas três edições do Mundial (assim como da derrota sofrida na partida inaugural desta competição, na fase de grupos).

Depois do nulo registado ao intervalo, marcaram os golos de Portugal: Reinaldo Ventura, aos 6 (de “penalty”) e 23 minutos, e Hélder Nunes, aos 14, 21 (de livre directo) e 25 minutos (a menos de cinco segundos do final).

No primeiro tempo, a selecção portuguesa procurou assumir o controlo do jogo, numa toada de ataque organizado, mas abusando dos remates de meia-distância, infrutíferos, enquanto os argentinos, aproveitando lances de contra-ataque rápido, iam levando o perigo até à baliza lusa, também sem concretização prática.

Na sequência da abertura no marcador, Portugal manteve a serenidade, enfrentando bem a forte “pressão alta” da Argentina, que se intensificaria a partir do 2-0, quando faltavam onze minutos para o final.

Nesse período, brilhou o guardião português, Ângelo Girão, que se revelaria então um obstáculo intransponível.

Após o 3-0, obtido a quatro minutos do termo da partida, Portugal “respirou” então, permitindo-se alguns momentos de menor concentração, que proporcionaram à Argentina beneficiar de dois lances de bola parada, que desperdiçaria, novamente com Girão imparável.

Apuramento do 5.º ao 8.º lugar:

Colômbia – Chile – 2-2 (3-2 a.p.)
Moçambique – Angola – 3-6

Apuramento do 9.º ao 12.º lugar:

Alemanha – Áustria – 8-1
Holanda – França – 2-9

Apuramento do 13.º ao 16.º lugar:

Macau – Egipto – 8-8 (10-9 a.p.)
África do Sul – EUA – 6-3
(mais…)

8 Setembro, 2017 at 1:10 pm Deixe um comentário

Campeonato do Mundo de Hóquei em Patins – 1/4 Final

CAMPEONATO DO MUNDO

Espanha – Colômbia – 5-1
Moçambique – Portugal – 2-6
Chile – Itália – 3-3 (3-3 a.p.) (3-6 g.p.)
Angola – Argentina – 3-3 (3-4 a.p.)

Nas 1/2 Finais, a disputar amanhã, sexta-feira, Portugal defrontará a Argentina. Por seu lado, a Espanha joga com a Itália.

Resultados dos jogos de apuramento do 9.º ao 16.º lugar:

Alemanha – Macau – 29-1
Holanda – África do Sul – 5-2
Egipto – Áustria – 5-7
EUA – França – 6-12

(mais…)

7 Setembro, 2017 at 1:21 pm Deixe um comentário

Campeonato do Mundo de Hóquei em Patins – 1ª Fase – 3ª jornada

CAMPEONATO DO MUNDO

Grupo A
03.09.17 – França – Itália – 2-6
03.09.17 – Portugal – Argentina – 2-5
04.09.17 – Argentina – França – 5-2
04.09.17 – Itália – Portugal – 4-2
05.09.17 – Argentina – Itália – 6-1
05.09.17 – Portugal – França – 6-5

1.º Argentina, 9; 2.º Itália, 6; 3.º Portugal, 3; 4.º França, 0

Grupo B
03.09.17 – Chile – Moçambique – 3-5
03.09.17 – Alemanha – Espanha – 2-8
04.09.17 – Moçambique – Alemanha – 7-3
04.09.17 – Espanha – Chile – 4-3
05.09.17 – Chile – Alemanha – 7-3
05.09.17 – Espanha – Moçambique – 3-2

1.º Espanha, 9; 2.º Moçambique, 6; 3.º Chile, 3; 4.º Alemanha, 0

É o seguinte o alinhamento dos 1/4 de final do Campeonato do Mundo de Hóquei em Patins:

Espanha – Colômbia
Moçambique – Portugal
Chile – Itália
Angola – Argentina

“FIRS CUP”

Grupo A
03.09.17 – Macau – Colômbia – 0-15
03.09.17 – Áustria – África do Sul – 5-3
04.09.17 – Colômbia – Áustria – 6-1
04.09.17 – África do Sul – Macau – 8-8
05.09.17 – Colômbia – África do Sul – 19-0
05.09.17 – Macau – Áustria – 3-13

1.º Colômbia, 9; 2.º Áustria, 6; 3.º África do Sul, 1; 4.º Macau, 1

Grupo B
03.09.17 – Egipto – EUA – 4-2
03.09.17 – Angola – Holanda – 18-1
04.09.17 – Holanda – Egipto – 8-0
04.09.17 – EUA – Angola – 1-32
05.09.17 – EUA – Holanda – 4-8
05.09.17 – Angola – Egipto – 24-1

1.º Angola, 9; 2.º Holanda, 6; 3.º Egipto, 3; 4.º EUA, 0

(mais…)

5 Setembro, 2017 at 12:59 pm 2 comentários

Campeonato do Mundo de Hóquei em Patins – 1ª Fase – 2ª jornada

CAMPEONATO DO MUNDO

Grupo A
03.09.17 – França – Itália – 2-6
03.09.17 – Portugal – Argentina – 2-5
04.09.17 – Argentina – França – 5-2
04.09.17 – Itália – Portugal – 4-2
05.09.17 – Argentina – Itália –
05.09.17 – Portugal – França –

1.º Argentina e Itália, 6; 3.º Portugal e França, 0

Grupo B
03.09.17 – Chile – Moçambique – 3-5
03.09.17 – Alemanha – Espanha – 2-8
04.09.17 – Moçambique – Alemanha – 7-3
04.09.17 – Espanha – Chile – 4-3
05.09.17 – Chile – Alemanha –
05.09.17 – Espanha – Moçambique –

1.º Espanha e Moçambique, 6; 3.º Chile e Alemanha, 0

(mais…)

4 Setembro, 2017 at 1:58 pm Deixe um comentário

Artigos Mais Antigos


Autor – Contacto

Destaques

Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Setembro 2017
S T Q Q S S D
« Ago    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.