50.º título do Sporting – Taça de Portugal 2018-19

Títulos - Clubes - Actualizado
Taças - Décadas - 2019

25 Maio, 2019 at 8:24 pm Deixe um comentário

Taça de Portugal – Palmarés

          Vencedor Finalista   Épocas (Vencedor / Finalista)

Benfica        26     10   1939-40; 1942-43; 1943-44; 1948-49;
                           1950-51; 1951-52; 1952-53; 1954-55;
                           1956-57; 1958-59; 1961-62; 1963-64;
                           1968-69; 1969-70; 1971-72; 1979-80;
                           1980-81; 1982-83; 1984-85; 1985-86;
                           1986-87; 1992-93; 1995-96; 2003-04;
                           2013-14; 2016-17
                           1938-39; 1957-58; 1964-65; 1970-71;
                           1973-74; 1974-75; 1988-89; 1996-97;
                           2004-05; 2012-13
Sporting       17     12   1940-41; 1944-45; 1945-46; 1947-48;
                           1953-54; 1962-63; 1970-71; 1972-73;
                           1973-74; 1977-78; 1981-82; 1994-95;
                           2001-02; 2006-07; 2007-08; 2014-15;
                           2018-19                           
                           1951-52; 1954-55; 1959-60; 1969-70;
                           1971-72; 1978-79; 1986-87; 1993-94;
                           1995-96; 1999-00; 2011-12; 2017-18
FC Porto       16     14   1955-56; 1957-58; 1967-68; 1976-77;
                           1983-84; 1987-88; 1990-91; 1993-94;
                           1997-98; 1999-00; 2000-01; 2002-03;
                           2005-06; 2008-09; 2009-10; 2010-11
                           1952-53; 1958-59; 1960-61; 1963-64;
                           1977-78; 1979-80; 1980-81; 1982-83;
                           1984-85; 1991-92; 2003-04; 2007-08;
                           2015-16; 2018-19
Boavista        5      1   1974-75; 1975-76; 1978-79; 1991-92;
                           1996-97/ 1992-93
V. Setúbal      3      7   1964-65; 1966-67; 2004-05
                           1942-43; 1953-54; 1961-62; 1965-66
                           1967-68; 1972-73; 2005-06
Belenenses      3      5   1941-42; 1959-60; 1988-89/ 1939-40
                           1940-41; 1947-48; 1985-86; 2006-07
Sp. Braga       2      4   1965-66; 2015-16
                           1976-77; 1981-82; 1997-98; 2014-15
Académica       2      3   1938-39; 2011-12
                           1950-51; 1966-67; 1968-69
V. Guimarães    1      6   2012-13/ 1941-42; 1962-63; 1975-76;
                           1987-88; 2010-11; 2016-17
Leixões         1      1   1960-61/ 2001-02
Beira-Mar       1      1   1998-99/ 1990-91
E. Amadora      1      -   1989-90
D. Aves         1      -   2017-18
Atlético        -      2   1945-46; 1948-49
Marítimo        -      2   1994-95; 2000-01
Rio Ave         -      2   1983-84; 2013-14
Estoril         -      1   1943-44
Olhanense       -      1   1944-45
Torreense       -      1   1955-56
Covilhã         -      1   1956-57
Farense         -      1   1989-90
Campomaiorense  -      1   1998-99
U. Leiria       -      1   2002-03
Paços Ferreira  -      1   2008-09
Chaves          -      1   2009-10

25 Maio, 2019 at 8:24 pm Deixe um comentário

Finais da Taça de Portugal

Edição    Época     Vencedor      Finalista
LXXIX    2018-19   Sporting      FC Porto        2-2 (5-4 g.p.)
LXXVIII  2017-18   D. Aves       Sporting        2-1
LXXVII   2016-17   Benfica       V. Guimarães    2-1
LXXVI    2015-16   Sp. Braga     FC Porto        2-2 (4-2 g.p.)
LXXV     2014-15   Sporting      Sp. Braga       2-2 (3-1 g.p.)
LXXIV    2013-14   Benfica       Rio Ave         1-0
LXXIII   2012-13   V. Guimarães  Benfica         2-1
LXXII    2011-12   Académica     Sporting        1-0
LXXI     2010-11   FC Porto      V. Guimarães    6-2
LXX      2009-10   FC Porto      Chaves          2-1
LXIX     2008-09   FC Porto      Paços Ferreira  1-0
LXVIII   2007-08   Sporting      FC Porto        2-0
LXVII    2006-07   Sporting      Belenenses      1-0
LXVI     2005-06   FC Porto      Setúbal         1-0
LXV      2004-05   Setúbal       Benfica         2-1
LXIV     2003-04   Benfica       FC Porto        2-1
LXIII    2002-03   FC Porto      U. Leiria       1-0
LXII     2001-02   Sporting      Leixões         1-0
LXI      2000-01   FC Porto      Marítimo        2-0
LX       1999-00   FC Porto      Sporting        1-1   2-0
LIX      1998-99   Beira-Mar     Campomaiorense  1-0
LVIII    1997-98   FC Porto      Sp. Braga       3-1
LVII     1996-97   Boavista      Benfica         3-2
LVI      1995-96   Benfica       Sporting        3-1
LV       1994-95   Sporting      Marítimo        2-0
LIV      1993-94   FC Porto      Sporting        0-0   2-1
LIII     1992-93   Benfica       Boavista        5-2
LII      1991-92   Boavista      FC Porto        2-1
LI       1990-91   FC Porto      Beira-Mar       3-1
L        1989-90   E. Amadora    Farense         1-1   2-0
XLIX     1988-89   Belenenses    Benfica         2-1
XLVIII   1987-88   FC Porto      V. Guimarães    1-0
XLVII    1986-87   Benfica       Sporting        2-1
XLVI     1985-86   Benfica       Belenenses      2-0
XLV      1984-85   Benfica       FC Porto        3-1
XLIV     1983-84   FC Porto      Rio Ave         4-1
XLIII    1982-83   Benfica       FC Porto        1-0
XLII     1981-82   Sporting      Sp. Braga       4-0
XLI      1980-81   Benfica       FC Porto        3-1
XL       1979-80   Benfica       FC Porto        1-0
XXXIX    1978-79   Boavista      Sporting        1-1   1-0
XXXVIII  1977-78   Sporting      FC Porto        1-1   2-1
XXXVII   1976-77   FC Porto      Sp. Braga       1-0
XXXVI    1975-76   Boavista      V. Guimarães    2-1
XXXV     1974-75   Boavista      Benfica         2-1
XXXIV    1973-74   Sporting      Benfica         2-1
XXXIII   1972-73   Sporting      V. Setúbal      3-2
XXXII    1971-72   Benfica       Sporting        3-2
XXXI     1970-71   Sporting      Benfica         4-1
XXX      1969-70   Benfica       Sporting        3-1
XXIX     1968-69   Benfica       Académica       2-1
XXVIII   1967-68   FC Porto      V. Setúbal      2-1
XXVII    1966-67   V. Setúbal    Académica       3-2
XXVI     1965-66   Sp. Braga     V. Setúbal      1-0
XXV      1964-65   V. Setúbal    Benfica         3-1
XXIV     1963-64   Benfica       FC Porto        6-2
XXIII    1962-63   Sporting      V. Guimarães    4-0
XXII     1961-62   Benfica       V. Setúbal      3-0
XXI      1960-61   Leixões       FC Porto        2-0
XX       1959-60   Belenenses    Sporting        2-1
XIX      1958-59   Benfica       FC Porto        1-0
XVIII    1957-58   FC Porto      Benfica         1-0
XVII     1956-57   Benfica       Sp. Covilhã     3-1
XVI      1955-56   FC Porto      Torreense       2-0
XV       1954-55   Benfica       Sporting        2-1
XIV      1953-54   Sporting      V. Setúbal      3-2
XIII     1952-53   Benfica       FC Porto        5-0
XII      1951-52   Benfica       Sporting        5-4
XI       1950-51   Benfica       Académica       5-1
X        1948-49   Benfica       Atlético        2-1
IX       1947-48   Sporting      Belenenses      3-1
VIII     1945-46   Sporting      Atlético        4-2
VII      1944-45   Sporting      Olhanense       1-0
VI       1943-44   Benfica       Estoril         8-0
V        1942-43   Benfica       V. Setúbal      5-1
IV       1941-42   Belenenses    V. Guimarães    2-0
III      1940-41   Sporting      Belenenses      4-1
II       1939-40   Benfica       Belenenses      3-1
I        1938-39   Académica     Benfica         4-3

25 Maio, 2019 at 8:22 pm Deixe um comentário

Niki Lauda (1949-2019)

Niki Lauda - 1976 - Ferrari

Quando comecei a acompanhar a Fórmula 1, no ano de 1976, Niki Lauda acabara de se sagrar, pela primeira vez, Campeão do Mundo, à frente de Emerson Fittipaldi.

Pilotando um monolugar da mítica Ferrari, tornara-se já no meu primeiro ídolo, ainda antes do terrível acidente de Nürburgring, a 1 de Agosto, de que escapou miraculosamente, com severas queimaduras, retirado do bólide em chamas por Arturo Merzario, Brett Lunger, Guy Edwards e Harald Ertl.

Liderava já, nessa altura, de forma absolutamente destacada, o campeonato – após os nove primeiros Grandes Prémios da temporada -, com 58 pontos, face a apenas 35 pontos de James Hunt.

Não foi sem o que então me pareceu uma forte injustiça, que vi Lauda, gradualmente – após período de convalescença que o afastou das pistas durante cerca de mês e meio – ir perdendo a sua vantagem. Quando regressou, a 12 de Setembro, em Monza, o seu avanço face a Hunt reduzira-se somente a 2 pontos – que ampliaria ainda, nesse dia (mercê de um extraordinário desempenho que lhe proporcionou um excelente 4.º lugar), para 5 pontos. Entretanto, surgiria a notícia da desqualificação de Hunt na corrida da Grã-Bretanha, o que recolocava então a vantagem de Lauda em 17 pontos!

Contudo, os dois triunfos do inglês no Canadá e nos EUA apertaram a diferença para uma estreita margem de três pontos. A retirada do austríaco (à semelhança do que fizeram também, por exemplo, Fittipaldi e José Carlos Pace) na derradeira prova, no Japão – numa pista em perigosíssimas condições, inundada pela água -, permitiram a James Hunt (3.º classificado, a uma volta de Mario Andretti), pela primeira vez em toda a época, assumir o comando, sagrando-se Campeão do Mundo, por um ponto!

Depois de recuperar – logo no ano imediato – o título de Campeão do Mundo, que ingloriamente deixara escapar em 1976 (ganhando então com uma clara vantagem de 17 pontos sobre o 2.º classificado, Jody Scheckter, com James Hunt a terminar o campeonato em 5.º, a 32 pontos do vencedor), e após ter mudado para a Brabham em 1978, Lauda retirar-se-ia das pistas no final do ano de 1979.

Regressaria em 1982, na McLaren, para, no ano de 1984, obter, de forma absolutamente fantástica (tendo somado três triunfos e três segundos lugares nas sete últimas provas) – com o 2.ª posição alcançada na derradeira corrida (depois de sair do 11.º posto da grelha de partida), no Grande Prémio do Estoril, no retorno da Fórmula 1 a Portugal, após um interregno desde 1960 -, o seu terceiro título de Campeão do Mundo, superando o seu colega de equipa, Alain Prost, por 0,5 pontos de vantagem!

Ao longo da sua magnífica carreira, figurando como um dos maiores ícones da modalidade rainha do automobilismo, venceu 25 Grandes Prémios, obteve 24 “pole positions”, tendo subido ao pódio por 54 vezes.

21 Maio, 2019 at 3:10 pm Deixe um comentário

I Liga / I Divisão – Historial de lugares de honra

 Época    Campeão           2º           3º           4º 
2018-19   Benfica      FC Porto     Sporting     Sp. Braga
2017-18   FC Porto     Benfica      Sporting     Sp. Braga
2016-17   Benfica      FC Porto     Sporting     V. Guimarães
2015-16   Benfica      Sporting     FC Porto     Sp. Braga  
2014-15   Benfica      FC Porto     Sporting     Sp. Braga 
2013-14   Benfica      Sporting     FC Porto     Estoril      
2012-13   FC Porto     Benfica      P. Ferreira  Sp. Braga
2011-12   FC Porto     Benfica      Sp. Braga    Sporting
2010-11   FC Porto     Benfica      Sporting     Sp. Braga
2009-10   Benfica      Sp. Braga    FC Porto     Sporting
2008-09   FC Porto     Sporting     Benfica      Nacional
2007-08   FC Porto     Sporting     V. Guimarães Benfica
2006-07   FC Porto     Sporting     Benfica      Sp. Braga
2005-06   FC Porto     Sporting     Benfica      Sp. Braga
2004-05   Benfica      FC Porto     Sporting     Sp. Braga
2003-04   FC Porto     Benfica      Sporting     Nacional
2002-03   FC Porto     Benfica      Sporting     V. Guimarães
2001-02   Sporting     Boavista     FC Porto     Benfica
2000-01   Boavista     FC Porto     Sporting     Sp. Braga
1999-00   Sporting     FC Porto     Benfica      Boavista
1998-99   FC Porto     Boavista     Benfica      Sporting
1997-98   FC Porto     Benfica      V. Guimarães Sporting
1996-97   FC Porto     Sporting     Benfica      Sp. Braga
1995-96   FC Porto     Benfica      Sporting     Boavista
1994-95   FC Porto     Sporting     Benfica      V. Guimarães
1993-94   Benfica      FC Porto     Sporting     Boavista
1992-93   FC Porto     Benfica      Sporting     Boavista
1991-92   FC Porto     Benfica      Boavista     Sporting
1990-91   Benfica      FC Porto     Sporting     Boavista
1989-90   FC Porto     Benfica      Sporting     V. Guimarães
1988-89   Benfica      FC Porto     Boavista     Sporting
1987-88   FC Porto     Benfica      Belenenses   Sporting
1986-87   Benfica      FC Porto     V. Guimarães Sporting
1985-86   FC Porto     Benfica      Sporting     V. Guimarães
1984-85   FC Porto     Sporting     Benfica      Boavista
1983-84   Benfica      FC Porto     Sporting     Sp. Braga
1982-83   Benfica      FC Porto     Sporting     V. Guimarães
1981-82   Sporting     Benfica      FC Porto     V. Guimarães
1980-81   Benfica      FC Porto     Sporting     Boavista
1979-80   Sporting     FC Porto     Benfica      Boavista
1978-79   FC Porto     Benfica      Sporting     Sp. Braga
1977-78   FC Porto     Benfica      Sporting     Sp. Braga
1976-77   Benfica      Sporting     FC Porto     Boavista
1975-76   Benfica      Boavista     Belenenses   FC Porto
1974-75   Benfica      FC Porto     Sporting     Boavista
1973-74   Sporting     Benfica      V. Setúbal   FC Porto
1972-73   Benfica      Belenenses   V. Setúbal   FC Porto
1971-72   Benfica      V. Setúbal   Sporting     CUF
1970-71   Benfica      Sporting     FC Porto     V. Setúbal
1969-70   Sporting     Benfica      V. Setúbal   Barreirense
1968-69   Benfica      FC Porto     V. Guimarães V. Setúbal
1967-68   Benfica      Sporting     FC Porto     Académica
1966-67   Benfica      Académica    FC Porto     Sporting
1965-66   Sporting     Benfica      FC Porto     V. Guimarães
1964-65   Benfica      FC Porto     CUF          Académica
1963-64   Benfica      FC Porto     Sporting     V. Guimarães
1962-63   Benfica      FC Porto     Sporting     Belenenses
1961-62   Sporting     FC Porto     Benfica      CUF
1960-61   Benfica      Sporting     FC Porto     V. Guimarães
1959-60   Benfica      Sporting     Belenenses   FC Porto
1958-59   FC Porto     Benfica      Belenenses   Sporting
1957-58   Sporting     FC Porto     Benfica      Belenenses
1956-57   Benfica      FC Porto     Belenenses   Sporting
1955-56   FC Porto     Benfica      Belenenses   Sporting
1954-55   Benfica      Belenenses   Sporting     FC Porto
1953-54   Sporting     FC Porto     Benfica      Belenenses
1952-53   Sporting     Benfica      Belenenses   FC Porto
1951-52   Sporting     Benfica      FC Porto     Belenenses
1950-51   Sporting     FC Porto     Benfica      Atlético
1949-50   Benfica      Sporting     Atlético     Belenenses
1948-49   Sporting     Benfica      Belenenses   FC Porto
1947-48   Sporting     Benfica      Belenenses   Estoril
1946-47   Sporting     Benfica      Belenenses   FC Porto     
1945-46   Belenenses   Benfica      Sporting     Olhanense
1944-45   Benfica      Sporting     Belenenses   FC Porto
1943-44   Sporting     Benfica      Atlético     FC Porto
1942-43   Benfica      Sporting     Belenenses   Unidos Lisboa
1941-42   Benfica      Sporting     Belenenses   FC Porto
1940-41   Sporting     FC Porto     Belenenses   Benfica
1939-40   FC Porto     Sporting     Belenenses   Benfica
1938-39   FC Porto     Sporting     Benfica      Belenenses
1937-38   Benfica      FC Porto     Sporting     Carcavelinhos
1936-37   Benfica      Belenenses   Sporting     FC Porto
1935-36   Benfica      FC Porto     Sporting     Belenenses
1934-35   FC Porto     Sporting     Benfica      Belenenses

Resumo:

– Benfica – 37 vezes Campeão / 28 vezes 2º / 15 vezes 3º / 4 vezes 4º classificado
– FC Porto – 28 vezes Campeão / 27 vezes 2º / 12 vezes 3º / 12 vezes 4º classif.
– Sporting – 18 vezes Campeão / 21 vezes 2º / 29 vezes 3º / 12 vezes 4º classif.
– Belenenses – 1 vez Campeão / 3 vezes 2º / 15 vezes 3º / 8 vezes 4º classificado
– Boavista – 1 vez Campeão / 3 vezes 2º / 2 vezes 3º / 10 vezes 4º classificado
– V. Setúbal – 1 vez 2º / 3 vezes 3º / 2 vezes 4º classificado
– Sp. Braga – 1 vez 2º / 1 vez 3º / 14 vezes 4º classificado
– Académica – 1 vez 2º / 2 vezes 4º classificado
– V. Guimarães – 4 vezes 3º / 10 vezes 4º classificado
– Atlético – 2 vezes 3º / 1 vez 4º classificado
– CUF – 1 vez 3º / 2 vezes 4º classificado
– Paços Ferreira – 1 vez 3º classificado
– Nacional – 2 vezes 4º classificado
– Estoril – 2 vezes 4º classificado
– Barreirense – 1 vez 4º classificado
– Olhanense – 1 vez 4º classificado
– Unidos Lisboa – 1 vez 4º classificado
– Carcavelinhos – 1 vez 4º classificado

19 Maio, 2019 at 10:00 pm Deixe um comentário

I Liga – 2018-19 – Classificação final

     Equipa             J     V     E     D    GM   GS     P
 1.º Benfica           34    28     3     3   103 - 31    87
 2.º FC Porto          34    27     4     3    74 - 20    85
 3.º Sporting          34    23     5     6    72 - 33    74
 4.º Sp. Braga         34    21     4     9    56 - 37    67
 5.º V. Guimarães      34    15     7    12    46 - 34    52
 6.º Moreirense        34    16     4    14    39 - 44    52
 7.º Rio Ave           34    12     9    13    50 - 52    45
 8.º Boavista          34    13     5    16    34 - 40    44
 9.º Belenenses SAD    34    10    13    11    42 - 51    43
10.º Santa Clara       34    11     9    14    43 - 45    42
11.º Marítimo          34    12     3    19    26 - 44    39
12.º Portimonense      34    11     6    17    44 - 59    39
13.º V. Setúbal        34     8    12    14    28 - 39    36
14.º D. Aves           34    10     6    18    35 - 49    36
15.º Tondela           34     9     8    17    40 - 54    35
16.º Chaves            34     8     8    18    34 - 57    32
17.º Nacional          34     7     7    20    33 - 73    28
18.º Feirense          34     3    11    20    27 - 64    20

Campeão – Benfica – Entrada directa na Fase Grupos da Liga dos Campeões
2.º classificado – FC Porto – 3ª eliminatória acesso à Fase Grupos Liga Campeões
3.º classificado – Sporting – Entrada directa na Fase Grupos da Liga Europa
4.º classificado – Sp. Braga – 3ª eliminatória acesso à Fase Grupos Liga Europa
5.º classificado – V. Guimarães – 2ª eliminatória acesso à Fase Grupos Liga Europa

Despromovidos – Chaves, Nacional e Feirense
Promovidos – Paços Ferreira, Famalicão e Gil Vicente (promoção administrativa)

Melhores marcadores:

1. Haris Seferović (Benfica) – 23
2. Bruno Fernandes (Sporting) – 20
3. Rafa Silva (Benfica) – 17

Palmarés – Campeões:

Benfica (37) – 1935-36; 1936-37; 1937-38; 1941-42; 1942-43; 1944-45; 1949-50; 1954-55; 1956-57; 1959-60; 1960-61; 1962-63; 1963-64; 1964-65; 1966-67; 1967-68; 1968-69; 1970-71; 1971-72; 1972-73; 1974-75; 1975-76; 1976-77; 1980-81; 1982-83; 1983-84; 1986-87; 1988-89; 1990-91; 1993-94; 2004-05; 2009-10; 2013-14; 2014-15; 2015-16; 2016-17; 2018-19

FC Porto (28) – 1934-35; 1938-39; 1939-40; 1955-56; 1958-59; 1977-78; 1978-79; 1984-85; 1985-86; 1987-88; 1989-90; 1991-92; 1992-93; 1994-95; 1995-96; 1996-97; 1997-98; 1998-99; 2002-03; 2003-04; 2005-06; 2006-07; 2007-08; 2008-09; 2010-11; 2011-12; 2012-13; 2017-18

Sporting (18) – 1940-41; 1943-44; 1946-47; 1947-48; 1948-49; 1950-51; 1951-52; 1952-53; 1953-54; 1957-58; 1961-62; 1965-66; 1969-70; 1973-74; 1979-80; 1981-82; 1999-00; 2001-02

Belenenses (1) – 1945-46

Boavista (1) – 2000-01

19 Maio, 2019 at 9:56 pm Deixe um comentário

O Pulsar do Campeonato – Taça do Ribatejo – Final

O pulsar do campeonato - 2018-19 - TRibatejo-Final

(“O Templário”, 16.05.2019)

Depois do Amiense (em 1976-77), Samora Correia (1982-83 e 1993-94), Águias de Alpiarça (1984-85), Benavente (1990-91), Rio Maior (2001-02), Abrantes FC (2002-03), Monsanto (2003-04), Riachense (2008-09 e 2009-10) e Coruchense (2014-15), também o U. Santarém conseguiu agora obter a chamada “dobradinha”, juntando, numa mesma época, o título de Campeão Distrital e a conquista da Taça do Ribatejo.

Destaque – Tal como se poderia perspectivar, no desafio da “festa da Taça”, disputado no passado Domingo no Entroncamento, os escalabitanos acabaram por impor o seu actual maior ânimo, vencendo o Coruchense por 2-0, exponenciando, em paralelo, as fragilidades decorrentes do “trauma” sofrido pela formação do Sorraia, ao ver escapar-se sobre a “linha de meta” o título de uma competição em que liderara durante meses a fio (ao longo de 20 das 26 jornadas).

Procurando atacar de frente essa teórica debilidade, o técnico da turma de Coruche, Gonçalo Silva adoptou uma estratégia de assumpção da iniciativa, logo desde os minutos iniciais do jogo, procurando surpreender o adversário, que, contudo, fazendo valer a sua experiência, encarou essa fase com a devida serenidade, sem vacilar.

Com pouco mais de vinte minutos decorridos do primeiro tempo, num lance imprevidente, um defesa do Coruchense teve de recorrer à falta para travar a perigosa progressão de um contrário, o que lhe custaria um cartão vermelho, que se viria a traduzir em mais de 70 minutos em inferioridade numérica. Um rude golpe nas aspirações da sua equipa, que acusou sobremaneira mais esta adversidade, agravada com a obtenção do tento inaugural por parte dos escalabitanos.

Para a segunda metade, tendo operado alterações tácticas no xadrez do seu grupo, reforçando o sector defensivo e intermediário, a verdade é que o conjunto do Sorraia, não virando a cara à luta, voltou a tentar tudo o que, em tais circunstâncias, seria possível para chegar ao golo.

Mas, do outro lado, Mário Ruas preparara a sua equipa para, de forma concentrada, mesmo que aparentemente algo na expectativa, aproveitar qualquer oportunidade que viesse a surgir para desferir o golpe decisivo nesta final. O que – outra vez, em momento nevrálgico do desafio –, aconteceria também a meio dessa segunda parte, percebendo-se, desde logo, que seria missão quase impossível a hipótese de reversão do resultado por parte do Coruchense.

No termos dos noventa minutos, o triunfo assenta bem a um personalizado colectivo de Santarém, a patentear, de novo, a sua superioridade no panorama do futebol distrital na presente temporada.

No palmarés da prova, após 42 edições disputadas, o Fazendense continua a ser o único emblema já com quatro troféus conquistados, mantendo-se o Coruchense no quarteto de perseguidores, cada um com três Taças ganhas (a par de Tramagal, Riachense e Amiense), enquanto o U. Santarém – que repetiu a proeza averbada há precisamente quarenta anos – passou a integrar um “pelotão” de sete clubes, cada um com dois títulos na “prova rainha”.

Resta, aos homens de Coruche, ainda uma terceira possibilidade de alcançar um título esta época, já no próximo Domingo, enfrentando, outra vez, “olhos nos olhos”, o mesmo oponente…

Campeonato de Portugal – De forma absolutamente imprevista ao longo de vários meses, ficou reservado para a 34.ª e derradeira jornada desta maratona que é o Campeonato Nacional promovido pela Federação Portuguesa de Futebol, um “golpe de teatro”, em prol do Sertanense, deveras penalizador para o Nogueirense, que, felizmente, não afectou as pretensões do Fátima.

Indo por partes: os fatimenses, que dependiam apenas de si próprios, cumpriram a sua missão, ganhando por 3-1 ao antepenúltimo classificado Alcains, acabando por subir duas posições nesta última ronda, fixando-se no 11.º posto final, garantindo assim a manutenção no Nacional.

Por seu lado, o Sertanense – que, durante semanas, se perfilou como a grande ameaça do Fátima –, recebendo o penúltimo, Peniche, goleou por 4-0, vindo a beneficiar das derrotas do Loures (0-1 em Alverca) e do Nogueirense (1-2 em Vila Franca de Xira) para igualar pontualmente estes adversários, conseguindo transpor, pela primeira vez ao fim de 14 jornadas, a “linha de água”, abaixo da qual caiu inapelavelmente a equipa de Nogueira do Cravo (esbanjando uma vantagem de treze pontos de que chegou a dispor já na segunda volta – e de nove pontos, a quatro jornadas do fim!), com a turma da Sertã a conseguir assim, “in extremis”, a salvação.

Quanto ao Mação, acabou por ter uma desalentada despedida desta sua época de estreia nos Nacionais, goleado pelo Sintrense por 5-0, quedando-se como “lanterna vermelha”, a oito pontos dos adversários mais próximos, afinal a longínquos 26 pontos do Sertanense. Uma experiência ingrata que não deixará de traduzir uma aprendizagem para este clube do Distrito.

No topo da pauta classificativa, U. Leiria (vencedor desta Série C) e Vilafranquense garantiram o apuramento para o “play-off” de apuramento de Campeão Nacional e de promoção à II Liga, que disputarão com os dois primeiros classificados das restantes três séries: Vizela, Fafe, Sp. Espinho, Lusitânia de Lourosa, Praiense e Real (ou Casa Pia).

Antevisão – Mudando o cenário, do Entroncamento para Torres Novas, Campeão e vice-campeão, vencedor da Taça e finalista vencido, respectivamente U. Santarém e Coruchense, voltam a encontrar-se, este fim-de-semana, para encerramento da temporada, em mais um duelo, na disputa da Supertaça Dr. Alves Vieira, esperando-se que ambas as equipas possam surgir agora mais libertas da pressão competitiva, proporcionando um bom espectáculo de futebol, sem que, “a priori”, se possa apontar um claro favorito.

A II Divisão Distrital entra na segunda volta da fase final de apuramento de Campeão – a qual se prolongará ainda por mais um mês, com cinco jornadas até ao dia 16 de Junho –, estando agora já confirmado que serão quatro os clubes premiados com a promoção ao escalão principal.

Esta 6.ª ronda está recheada de desafios de interesse, com o líder incontestado, Abrantes e Benfica, já próximo de garantir matematicamente o título, a deslocar-se a Rio Maior, enquanto, nos outros dois jogos, o Forense, recebendo o Moçarriense, e o Riachense, visitando o Pego, terão testes cruciais às respectivas aspirações à subida, numa contenda bastante nivelada.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 16 de Maio de 2019)

19 Maio, 2019 at 11:00 am Deixe um comentário

BENFICA CAMPEÃO – 37

Títulos - Clubes
Campeões - Décadas

18 Maio, 2019 at 8:32 pm Deixe um comentário

Benfica – 3.000 Jogos em provas de âmbito nacional

Competição Pres. J V E D GM GS
I Liga / I Divisão 85 2.397 1.639 449 309 5.806 2.112
Taça de Portugal 79 442 337 36 69 1.431 417
Campeonato de Portugal 12 72 48 8 16 201 100
Taça da Liga 12 53 39 11 3 110 40
Supertaça Cândido Oliveira 19 36 11 9 16 31 42
Total (provas nacionais) 3.000 2.074 513 413 7.579 2.711

O Benfica disputou hoje o jogo n.º 3.000 da sua história a contar para competições de âmbito nacional, com o balanço global acima indicado.

A propósito, clicando na imagem abaixo poderá aceder ao quadro interactivo que preparei, actualizado com todos os resultados do Benfica ao longo do seu historial, nos 3.852 jogos oficiais já disputados pelo clube (incluindo também 436 jogos em provas internacionais e 416 no Campeonato de Lisboa):

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau

  • 2.397 – Campeonatos Nacionais – I Liga / I Divisão
  • 442 – Taça de Portugal
  • 36 – Supertaça Cândido de Oliveira
  • 53 – Taça da Liga
  • 72 – Campeonato de Portugal (até 1938)
  • 416 – Campeonato de Lisboa (épocas de 1906-07 a 1945-46)
  • 252 – Liga dos Campeões / Taça dos Campeões Europeus
  • 126 – Liga Europa / Taça UEFA
  • 42 – Taça dos Vencedores de Taças
  • 4 – Taça das Cidades com Feiras
  • 7 – Taça Latina; e
  • 5 – Taça Intercontinental

Os dados podem ser filtrados com base em múltiplas combinações dos seguintes parâmetros:

  • Por “Época”
  • Por “Prova”
  • Por “Ronda”
  • Por jogos em “Casa”, “Fora” ou em campo “Neutro”
  • Por Vitórias, Empates ou Derrotas
  • Por “Adversário”
  • Por “Treinador”
  • Por “Árbitro”
  • Por “GM” (Golos Marcados) e “GS” (Golos Sofridos).

Na parte inferior do grafismo, são listados todos os jogos que correspondem a cada uma das modalidades de filtros seleccionados (por exemplo: por época, por prova, por adversário, por treinador, ou, até, por resultado), em sequência cronológica, do mais recente para o mais antigo (deslizar o cursor na barra lateral do lado direito para aceder à lista completa).

Passando o cursor sobre cada resultado (GM – GS), no lado direito dessa lista detalhada (da parte inferior do grafismo), surge a indicação, em “janela”, de um conjunto de dados relativos a cada jogo, nomeadamente a época a que respeita, a prova, a ronda, os marcadores de todos os golos do Benfica (com indicação do correspondente n.º de golo de cada jogador), o treinador e o árbitro do desafio.

Adicionalmente, clicando na imagem de Eusébio, José Águas e Nené, poderá visualizar quadro com a lista dos 50 melhores marcadores da história do Benfica – no qual é possível ordenar por coluna (“Total”, ou por cada uma das competições, clicando no símbolo à direita da designação de cada coluna) e, seleccionando no filtro por “Marcador”, podem ainda consultar-se os valores detalhados, época a época, para cada jogador que for seleccionado nesse filtro.

Benfica - Top 50 Marcadores

Por fim, clicando na imagem dos logotipos da Liga dos Campeões e da Liga Europa, será reencaminhado para página específica com as fichas detalhadas de todos os jogos do Benfica em competições europeias.

12 Maio, 2019 at 10:00 pm Deixe um comentário

O Pulsar do Campeonato – 26ª Jornada

O pulsar do campeonato - 2018-19 - 26jornada

(“O Templário”, 09.05.2019)

No longo historial do futebol distrital era, até à data, caso único a acumulação, em dois anos sucessivos, dos títulos de Campeão Distrital da II Divisão e da I Divisão: o Clube Desportivo “Os Águias” de Alpiarça fora vencedor de tais competições nas temporadas de 1983-84 (escalão secundário) e de 1984-85 (divisão principal).

No passado fim-de-semana o U. Santarém reeditou tal proeza; após ter conquistado o título da II Divisão na época passada, sagrou-se agora Campeão da I Divisão Distrital, uma estreia na sua cinquentenária história (apenas na sua 9.ª participação neste escalão, e depois de ter suspenso a competição de 2008 a 2013 e de ter militado entretanto quatro anos na divisão secundária).

De facto, a União Desportiva de Santarém, fundada em Agosto de 1969 – decorrendo da junção do Sport Grupo União Operária e do Sport Grupo Scalabitano “Os Leões”, clubes com grandes pergaminhos, ostentando no seu palmarés, respectivamente 8 e 5 títulos de Campeão Distrital, conquistados sobretudo nas décadas de 20 e 30 do século passado –, registara, ao longo de 32 anos (de 1969 a 2001) presença ininterrupta nos Nacionais (13 participações na II Divisão e 19 na III Divisão), a que retornará agora, no actualmente denominado Campeonato de Portugal.

Destaques – A derradeira e decisiva jornada, no que respeita à disputa do título e à luta pela manutenção, acabou por ser bem mais “tranquila” do que se poderia esperar, se atendermos a que praticamente tudo ficou “definido” logo nos minutos iniciais dos desafios.

Em Almeirim, o União local, já sem nada a ganhar ou a perder, dignificando a 3.ª posição obtida, cedo inaugurou o marcador, na recepção ao líder Coruchense, que, com o avançar dos ponteiros do relógio, ia denotando incapacidade de reagir, não tendo o marcador sofrido qualquer outra alteração até final. A tangencial derrota sofrida (0-1) custaria à turma do Sorraia nova ultrapassagem “in extremis”, outra vez suplantada pelo U. Santarém, tal como sucedera no final da primeira volta (igualmente em função de desaire caseiro ante os almeirinenses…), deixando assim escapar o que poderia ter sido o seu terceiro título nas três últimas participações.

Por seu lado, o U. Santarém, recebendo o Torres Novas, asseguraria a sua parte na tarefa (afinal, até o empate lhe teria bastado), tendo-se colocado igualmente em vantagem ainda na fase inicial da partida. O tento da tranquilidade demoraria ainda, mas, no final, o marcador de 3-0 a favor dos escalabitanos espelhava a superioridade que, de forma mais lata, se pode aplicar também à globalidade do campeonato – com os homens da capital do Distrito a registarem o ataque mais concretizador (62 golos) e a defesa menos batida (22 golos), tendo consentido uma única derrota (nas Fazendas de Almeirim, logo à 9.ª ronda), nunca tendo abdicado da perseguição ao grupo que liderou durante praticamente toda a temporada, apresentando em geral exibições mais convincentes que o rival, sendo de justiça reconhecer-lhes o mérito na conquista deste título.

Em Alcanena, o Marinhais entrou “a todo o gás”, alcançando vantagem substancial (de três golos) logo nos minutos iniciais, praticamente selando a sua vitória, que era imprescindível para que pudesse acalentar ainda a esperança na manutenção. O desfecho saldar-se-ia num 5-3 a favor dos visitantes, que, não obstante, acompanharão o Alcanenense na descida à II Divisão.

Isto porque, na Glória do Ribatejo, a turma da casa – com a vantagem de depender apenas de si própria e de lhe bastar o empate –, recebendo o U. Tomar, porfiando de início a fim, lutou, pelo menos, pela preservação do nulo, começando por suster o ímpeto ofensivo inicial dos tomarenses, gradualmente ganhando confiança, perante um adversário também compreensivelmente menos disponível física e animicamente à medida que o tempo ia avançando, tendo o 0-0 final servido na perfeição os objectivos dos donos da casa, ao contrário dos unionistas que, deste modo, ficaram “a um golo” da meta do 6.º lugar, numa época pautada por múltiplas condicionantes, com ponto alto na notável série invicta frente aos cinco primeiros na recta final da prova (depois de outros resultados bastante meritórios na primeira metade da temporada, em especial os empates averbados em Santarém, frente ao Campeão, e no Cartaxo).

Confirmações – Numa jornada sem especiais surpresas a assinalar, o Amiense fechou da melhor forma a muito boa campanha realizada, ganhando ao Fazendense por 3-2, confirmando um assinalável 4.º lugar na tabela final – não obstante em igualdade pontual com o 5.º classificado, Cartaxo (vencedor em Ferreira do Zêzere por 3-1), cujo desempenho geral não deixa de consubstanciar-se na maior decepção da prova, que, perante o significativo investimento realizado, iniciara com assumida ambição de candidatura ao título. A conquista, pelo segundo ano sucessivo, do troféu de melhor marcador do campeonato, por parte de Wemerson Silva (19 golos, depois dos 22 apontados na edição anterior, ao serviço do U. Tomar), será parco lenitivo ante tal desapontamento do conjunto cartaxeiro a nível colectivo.

Em Samora Correia, em encontro realizado no Sábado, a igualdade a um golo averbada pelo visitante At. Ouriense, proporcionou-lhe um porventura inesperado 6.º posto, primeiro de entre os “não candidatos”, pese embora a significativa distância de dez pontos face à 5.ª posição.

II Divisão Distrital – Após a disputa da primeira volta da fase final, o Abrantes e Benfica (tendo goleado por 6-2 na deslocação ao terreno do Forense) prossegue a sua carreira 100% vitoriosa, com a promoção já “segura” por uma vantagem de nove pontos em relação ao 4.º e 5.º classificados, e o título de Campeão igualmente “prometido”, dado o avanço de sete pontos em relação ao mais directo perseguidor, agora o Moçarriense (vencedor na recepção ao Riachense, por 2-1). Talvez algo inesperada (pela expressão do marcador) a goleada (5-1) imposta pelo Rio Maior ao Pego, agora com quatro clubes “embrulhados” num intervalo de apenas dois pontos.

Campeonato de Portugal – O Fátima terá de sofrer até ao fim para poder alcançar o objectivo “mínimo” da manutenção no Nacional: tendo perdido por 1-2 em Oliveira do Hospital, viu o Sertanense ir ganhar a Loures (3-2), pelo que a sua vantagem se reduziu, à entrada para a derradeira ronda, a dois pontos, que, todavia, não lhe permitem qualquer “margem de erro”.

Não obstante dependam de si próprios (bastar-lhes-á vencer na recepção ao já despromovido Alcains), qualquer outro resultado implicará a necessidade de recorrer à “calculadora”, numa situação também deveras ensarilhada, podendo dar-se mesmo o caso de se verificar, no final, uma igualdade entre nada menos de quatro clubes (em caso de empate do Fátima, vitória do Sertanense ante o Peniche e derrota do Loures e Nogueirense) – os fatimenses evitarão a descida em qualquer combinação de empate pontual… excepto num único cenário, a de igualdade exclusivamente com o Sertanense, em que teriam desvantagem na diferença global de golos.

Por seu lado, o Mação – que se despedirá do Nacional em Sintra, com o Sintrense –, sofreu mais um desaire caseiro (0-1), permitindo ao Caldas ficar desde já liberto de qualquer preocupação.

Antevisão – No Domingo os principais protagonistas do Distrital, U. Santarém e Coruchense, respectivamente Campeão e vice-campeão, enfrentam-se no primeiro de dois “rounds”, na disputa directa de outros dois troféus: primeiro, a Taça do Ribatejo; de seguida, a Supertaça. No imediato, os escalabitanos, com o ânimo em alta, aparentam dispor de teórico favoritismo…

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 9 de Maio de 2019)

12 Maio, 2019 at 11:00 am Deixe um comentário

Artigos Mais Antigos


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Maio 2019
S T Q Q S S D
« Abr    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.