Taça das Confederações – 2ª Jornada

GRUPO A         Jg  V  E  D   G  Pt Rússia - N. Zelândia...2-0
1º México    México 2  1  1  -  4-3  4 Portugal - México......2-2
2º Portugal  Portugal 2  1  1  -  3-2  4 Rússia - Portugal......0-1
3º Rússia    Rússia 2  1  -  1  2-1  3 México - N. Zelândia...2-1
4º N.ZelândiaN. Zelândia 2  -  -  2  1-4  - México - Rússia........---
                                    N. Zelândia - Portugal.---

GRUPO B         Jg  V  E  D   G  Pt Camarões - Chile.......0-2
1º Chile     Chile 2  1  1  -  3-1  4 Austrália - Alemanha...2-3
2º Alemanha  Alemanha 2  1  1  -  4-3  4 Camarões - Austrália...1-1
3º Austrália Austrália 2  -  1  1  3-4  1 Alemanha - Chile.......1-1
4º Camarões  Camarões 2  -  1  1  1-3  1 Alemanha - Camarões....---
                                    Chile - Austrália......---

22 Junho, 2017 at 8:51 pm Deixe um comentário

Rússia – Portugal (Taça das Confederações – 2ª Jor.)

Rússia Rússia – Igor Akinfeev, Roman Shishkin (45m – Aleksandr Erokhin), Georgy Dzhikya, Viktor Vasin, Fedor Kudriashov (83m – Aleksandr Bukharov), Dmitry Kombarov (68m – Dmitry Poloz), Alexander Samedov, Denis Glushakov, Aleksandr Golovin, Yury Zhirkov e Fedor Smolov

Portugal Portugal – Rui Patrício, Cédric Soares, Pepe, Bruno Alves, Raphaël Guerreiro (65m – Eliseu), Bernardo Silva, William Carvalho, Adrien Silva (83m – Danilo Pereira), André Gomes, Cristiano Ronaldo e André Silva (78m – Gelson Martins)

0-1 – Cristiano Ronaldo – 8m

Cartões amarelos – Denis Glushakov (26m), Georgy Dzhikya (72m) e Alexander Samedov (76m); Pepe (57m) e Bernardo Silva (71m)

Árbitro – Gianluca Rocchi (Itália)

Como “da noite para o dia”, tal foi a transformação da selecção portuguesa, entre o jogo com o México e o desta tarde – decorridos apenas três dias -, com as alterações tácticas determinadas por Fernando Santos – com a entrada, como titulares, para além de Bruno Alves, de três “Silvas”: Bernardo Silva, Adrien Silva e André Silva – a resultarem “em cheio”, nas várias vertentes de jogo, quer a atacar, quer a defender.

De facto, se, nas iniciativas de ataque, a equipa se mostrou muito mais solta, com Bernardo Silva, beneficiando da solidez de Adrien Silva, a pautar o jogo a meio-campo, gerando diversos jogadas de desequilíbrio da equipa adversário, e André Silva, assumindo uma posição de referência no ataque, a proporcionar espaços para que Cristiano Ronaldo pudesse surgir, liberto de oposição, como no lance que resultaria no único tento da partida, logo aos 8 minutos, já no sector defensivo, a dupla Pepe – Bruno Alves evidenciaria a consistência que falhara na partida anterior (em parte pela substancial melhoria exibicional de Pepe.

No final, Portugal até ficou aquém do primeiro jogo em número de golos, o que só foi possível pela superior intervenção de Akinfeev, a negar soberanas oportunidades a Cristiano Ronaldo e a André Silva, respectivamente, aos 32 minutos, com uma defesa com os pés, e aos 50 minutos. Acresce ainda o cabeceamento perdulário de Cristiano Ronaldo, aos 63 minutos, numa jogada de golo “fácil”. Não obstante, a dinâmica e controlo do jogo dos portugueses não permitiram que a equipa russa conseguisse esboçar a mínima ocasião de perigo, num primeiro tempo categoricamente dominado pela turma lusa.

Só na fase final da partida, com o meio-campo português a denotar algumas dificuldades a nível físico (em especial o esforçado Adrien Silva), o conjunto da casa conseguiria algumas investidas sobre a zona defensiva contrária, procurando apostar nas bolas bombeadas pelo ar, segmento de jogo em que os centrais portugueses não deram hipótese, curiosamente com a Rússia a criar os maiores momentos de perigo já em tempo de compensação.

Defrontando a equipa anfitriã do torneio – e do Mundial do próximo ano -, a formação nacional atingiu uma exibição categórica, de que resultou um justíssimo, pese embora tangencial, triunfo, o que lhe “entreabre” as portas das meias-finais: bastará empatar com a Nova Zelândia, na derradeira ronda, podendo mesmo vir a garantir o apuramento, em caso de derrota, por exemplo se o México vencer também os russos, ou, alternativamente, se a Rússia bater os mexicanos por maior diferença de golos.

21 Junho, 2017 at 5:52 pm Deixe um comentário

Taça das Confederações – 1ª Jornada

GRUPO A         Jg  V  E  D   G  Pt Rússia - N. Zelândia...2-0
1º Rússia    Rússia 1  1  -  -  2-0  3 Portugal - México......2-2
2º México    México 1  -  1  -  2-2  1 Rússia - Portugal......---
2º Portugal  Portugal 1  -  1  -  2-2  1 México - N. Zelândia...---
4º N.ZelândiaN. Zelândia 1  -  -  1  0-2  - México - Rússia........---
                                    N. Zelândia - Portugal.---

GRUPO B         Jg  V  E  D   G  Pt Camarões - Chile.......0-2
1º Chile     Chile 1  1  -  -  2-0  3 Austrália - Alemanha...2-3
2º Alemanha  Alemanha 1  1  -  -  3-2  3 Camarões - Austrália...---
3º Austrália Austrália 1  -  -  1  2-3  - Alemanha - Chile.......---
4º Camarões  Camarões 1  -  -  1  0-2  - Alemanha - Camarões....---
                                    Chile - Austrália......---

19 Junho, 2017 at 5:52 pm Deixe um comentário

“Porquê”?

Publico
DN
JN

19 Junho, 2017 at 7:36 am Deixe um comentário

Portugal – México (Taça das Confederações – 1ª Jor.)

Portugal Portugal – Rui Patrício, Cédric Soares, Pepe, José Fonte, Raphaël Guerreiro, William Carvalho, João Moutinho (58m – Adrien Silva), Ricardo Quaresma (82m – André Silva), André Gomes, Nani (58m – Gelson Martins) e Cristiano Ronaldo

México México – Guillermo Ochoa, Carlos Salcedo (67m – Néstor Araujo), Diego Reyes, Hector Moreno, Miguel Layun, Jonathan dos Santos, Hector Herrera, Andres Guardado, Carlos Vela (57m – Giovani dos Santos), Javier Hernández “Chicharito” e Raúl Jiménez (79m – Oribe Peralta)

1-0 – Ricardo Quaresma – 34m
1-1 – Javier Hernández “Chicharito” – 42m
2-1 – Cédric Soares – 86m
2-2 – Hector Moreno – 90m

Cartões amarelos – Adrien Silva (68m) e André Gomes (90m); Andres Guardado (73m)

Árbitro – Néstor Pitana (Argentina)

Não foi uma boa exibição da selecção nacional, no seu jogo de estreia na participação inaugural na Taça das Confederações, prova que reúne os actuais campeões continentais ao Campeão do Mundo em título (Alemanha), para além do país organizador do próximo Mundial (Rússia).

Falhou, sobretudo, o colectivo, denotando falta de coesão do “onze”, numa partida em que as individualidades estiveram acima do conjunto, em que foram patentes – para além de algum desacerto nos lances de finalização -, especialmente, os lapsos e a pouca concentração defensiva, num tão flagrante quão imprevisto contraste face ao encontro de há apenas nove dias, na Letónia.

E, não obstante, Portugal até poderia ter ganho: por duas vezes esteve em vantagem; por outras tantas vezes a podia ter inclusivamente ampliado; por duas vezes consentiu a igualdade, em ambos os casos já na parte final do tempo de jogo (em cada uma das partes), com o derradeiro tento da equipa mexicana a surgir já em tempo de compensação…

Mas, como reconheceu o próprio Fernando Santos, foi a selecção do México a que melhor entrou no jogo, de forma mais incisiva, disputando com garra a generalidade dos lances, e levando a melhor na maior parte deles, pese embora, depois, acabasse também por ser algo inconsequente na sua conversão em jogadas de ataque.

Apenas recorrendo às suas individualidades, Portugal se começaria a impor no jogo, chegando ao golo na sequência de uma excelente abertura de Cristiano Ronaldo, a desmarcar por completo Ricardo Quaresma, a surgir isolado em plena área, com grande frieza, com uma finta de corpo, a tirar do lance o guardião contrário, para, de imediato, praticamente entrar pela baliza dentro.

Uma posição de liderança no marcador que, contudo, apenas perduraria por oito minutos, com a formação lusa a ser penalizada por desatenções defensivas.

Na segunda metade, com os mexicanos, à medida que o tempo ia avançando e o jogo se ia aproximando do seu termo, a mostrarem satisfação com o empate, seria então a equipa portuguesa a arriscar, em busca da vitória, com a opção pela entrada de André Silva – somente a oito minutos do final -, a proporcionar a Cristiano Ronaldo soltar-se mais, configuração táctica que, quase de imediato, apenas quatro minutos volvidos, resultaria no segundo golo da turma lusa.

Quando se pensava que o triunfo estava garantido, acabaria por ser de alguma forma inesperado o restabelecimento da igualdade por parte do campeão da zona da América do Norte,  na sequência de um pontapé de canto, uma vez mais com a defensiva portuguesa a conceder demasiadas facilidades, numa altura em que se aguardava já o apito derradeiro do árbitro.

Um encontro que, apesar de tudo, poderá revelar-se útil na construção da caminhada que se pretende nesta competição, pelos ensinamentos que do mesmo poderão ser extraídos. Mas, para que a mesma possa ser bem sucedida, é preciso que a equipa seja muito mais equipa, já no próximo desafio, frente aos anfitriões.

18 Junho, 2017 at 9:21 pm Deixe um comentário

Letónia – Portugal (Mundial 2018 – Qualif.)

Letónia Letónia – Andris Vaņins, Vitālijs Maksimenko, Kaspars Gorkšs, Nikita Kolesovs, Vitālijs Jagodinskis, Aleksandrs Solovjovs, Oļegs Laizāns, Jevgenijs Kazacoks (72m – Edgars Vardanjans), Glebs Kļuškins (62m – Davis Indrans), Valērijs Šabala e Dāvis Ikaunieks (68m – Deniss Rakels)

Portugal Portugal – Rui Patrício, Cédric Soares (71m – Nélson Semedo), José Fonte, Bruno Alves, Raphaël Guerreiro, Gelson Martins (58m – Ricardo Quaresma), William Carvalho, João Moutinho, André Gomes, Cristiano Ronaldo e André Silva (79m – Nani)

0-1 – Cristiano Ronaldo – 41m
0-2 – Cristiano Ronaldo – 63m
0-3 – André Silva – 67m

Cartões amarelos – Glebs Kluskins (39m) e Oļegs Laizāns (76m); Gelson Martins (55m) e Ricardo Quaresma (90m)

Árbitro – Bobby Madden (Escócia)

A equipa portuguesa estava, à entrada para este jogo, perfeitamente consciente do que necessitava fazer – ganhar, imperiosamente -, assim como das dificuldades que poderia enfrentar.

A mentalidade ganhadora e a concentração defensiva terão sido factores-chave para que o conjunto luso tivesse superado uma fase inicial menos afirmativa do que se poderia esperar, com vários jogadores aparentemente alheados do jogo, sem conseguir construir jogadas de ataque consequentes.

Mas o grupo nunca de desuniu, nem denotou qualquer sinal de desconfiança, antes sabendo que, com o decorrer do tempo, o seu rendimento tenderia a subir.

Acabou por de alguma forma um lance fortuito a proporcionar a inauguração do marcador, já à beira do termo do primeiro tempo, momento que seria decisivo, uma vez que colocava em causa a estratégia da turma letã, apostada em manter o nulo na sua baliza, na expectativa que pudesse surgir um lance de contra-ataque a seu favor.

O central José Fonte, muito bem colocado, já em plena área contrária, conseguiu desferir um forte cabeceamento, obrigando o guardião da Letónia a defesa de recurso, surgindo, muito oportuno, Cristiano Ronaldo, na recarga, a não perdoar, no que, não obstante, era já a sua terceira tentativa de remate à baliza. O mais difícil estava alcançado.

Curiosamente, a Letónia até começaria por, de alguma forma, surpreender, na fase inicial da segunda metade, aparecendo mais espevitada em campo, a procurar o ensejo de alguma desatenção da defesa lusa, chegando mesmo a colocar à prova Rui Patrício, com intervenção notável, a defender um perigoso remate, na sequência de um livre.

Mas seria “sol de pouca dura” para a selecção da casa; já após uma boa entrada em jogo de Ricardo Quaresma, bastariam cerca de cinco minutos, para, apontando mais dois tentos, o desfecho do encontro ficar sentenciado, com destaque para o 12.º tento de Cristiano Ronaldo (outra de vez de cabeça, praticamente em cima da linha de baliza) – e quinto de André Silva – nos últimos cinco jogos de Portugal nesta fase de qualificação, em que somou outros tantos triunfos.

Até final, o ritmo e intensidade de jogo decairiam naturalmente, não obstante Cristiano Ronaldo ter ainda, por duas ou três ocasiões, procurado chegar ao “hat-trick”.

Sem ter feito uma exibição deslumbrante, a equipa de Portugal mostrou a sua coesão e forte competitividade, ganhando com inteira justiça, de forma categórica, mantendo a sua caminhada rumo à fase final, que, todavia, continua a pressupor vitórias nos quatro desafios que restam, que incluem, em particular, a deslocação à Hungria, e a recepção à Suíça.

Mas, neste grupo, nesta ronda, o grande acontecimento foi mesmo a fantástica vitória de Andorra na recepção à Hungria, com a selecção do principado pirenaico a conseguir alcançar tal proeza, em jogos de cariz oficial, pela primeira vez nos últimos 13 anos (o último triunfo anterior datava de 2004, frente à Macedónia, na fase de qualificação para o Mundial de 2006)!

GRUPO B        Jg   V   E   D     G    Pt
1º Suíça        6   6   -   -  12 - 3  18
2º Portugal     6   5   -   1  22 - 3  15
3º Hungria      6   2   1   3   8 - 7   7
4º I. Faroé     6   1   2   3   2 -10   5
5º Andorra      6   1   1   4   2 -13   4
6º Letónia      6   1   -   5   2 -12   3

6ª jornada

09.06.2017 – Andorra – Hungria – 1-0
09.06.2017 – I. Faroé – Suíça – 0-2
09.06.2017 – Letónia – Portugal – 0-3

(mais…)

9 Junho, 2017 at 9:37 pm Deixe um comentário

Liga dos Campeões – Final – Juventus – Real Madrid

JuventusJuventus – Gianluigi Buffon, Andrea Barzagli (66m – Juan Cuadrado), Leonardo Bonucci, Giorgio Chiellini, Dani Alves, Miralem Pjanić (71m – Claudio Marchisio), Sami Khedira, Alex Sandro, Paulo Dybala (78m – Mario Lemina), Gonzalo Higuaín e Mario Mandžukić

Real Madrid – Keylor Navas, Daniel Carvajal, Sergio Ramos, Raphaël Varane, Marcelo, Toni Kroos (89m – Álvaro Morata), Casemiro, Luka Modrić, Isco (82m – Marco Asensio), Karim Benzema (77m – Gareth Bale) e Cristiano Ronaldo

0-1 – Cristiano Ronaldo – 20m
1-1 – Mario Mandžukić – 27m
1-2 – Casemiro – 61m
1-3 – Cristiano Ronaldo – 64m
1-4 – Marco Asensio – 90m

Cartões amarelos – Paulo Dybala (12m), Miralem Pjanić (66m), Alex Sandro (70m) e Juan Cuadrado (72m); Sergio Ramos (31m), Daniel Carvajal (42m), Toni Kroos (53m) e Marco Asensio (90m)

Cartão vermelho – Juan Cuadrado (84m)

Árbitro – Felix Brych (Alemanha)

Confirmando a sua supremacia global na principal prova de futebol de clubes, o Real Madrid, conquistando o seu terceiro troféu nos últimos quatro anos, atravessa novo período hegemónico, tendo sido, paralelamente, o primeiro emblema a conseguir repetir a vitória em duas edições da Liga dos Campeões, sob o seu formato actual.

O marcador final é algo ilusório de facilidades que, apenas na derradeira meia hora se manifestaram. Efectivamente, numa primeira metade bem repartida, e não obstante os espanhóis tenham começado por inaugurar o marcador, a Juventus rapidamente restabeleceria a igualdade, resultado justo com que se chegaria ao intervalo.

No segundo tempo, a toada parecia continuar a ser de equilíbrio, com Keylor Navas a ser colocada a prova, até que, num remate feliz de Casemiro (de longa distância, com um desvio a trair Buffon), o Real Madrid voltou a colocar-se em vantagem.

O segundo tento de Cristiano Ronaldo – que lhe proporcionou o título de melhor marcador da prova pela sexta vez, as cinco últimas de forma consecutiva -, apontado apenas três minutos volvidos, sentenciaria o desfecho desta final.

A expulsão de Cuadrado – forçada por Sérgio Ramos -, a seis minutos do final, numa fase em que a Juventus já se tinha “entregue”, não teve outras implicações que o poder ter contribuído para facilitar o atingir da goleada, por parte dos vencedores.

Com um conjunto muito sólido, que teve a capacidade para contrariar a forte organização italiana (viria a sofrer mais golos neste jogo decisivo do que nos 12 encontros disputados anteriormente, até chegar à final de Cardiff), o Real Madrid foi um justo vencedor, possibilitando também a Cristiano Ronaldo – em grande destaque esta noite – sagrar-se Campeão Europeu pela quarta vez (2008, 2014, 2016 e 2017).

A lista de vencedores, nas 62 edições já disputadas da competição, passou a ser assim ordenada: Real Madrid, 12 (1955-56, 1956-57, 1957-58, 1958-59, 1959-60, 1965-66, 1997-98, 1999-00, 2001-02, 2013-14, 2015-16 e 2016-17); AC Milan, 7 (1962-63, 1968-69, 1988-89, 1989-90, 1993-94, 2002-03 e 2006-07); Liverpool, 5 (1976-77, 1977-78, 1980-81, 1983-84 e 2004-05); Bayern München, 5 (1973-74, 1974-75, 1975-76, 2000-01 e 2012-13); Barcelona, 5 (1991-92, 2005-06, 2008-09, 2010-11 e 2014-15); Ajax, 4 (1970-71, 1971-72, 1972-73 e 1994-95); Inter, 3 (1963-64, 1964-65 e 2009-10); Manchester United, 3 (1967-68, 1998-99 e 2007-08); Benfica, 2 (1960-61 e 1961-62); Nottingham Forest, 2 (1978-79 e 1979-80); Juventus, 2 (1984-85 e 1995-96); FC Porto, 2 (1986-87 e 2003-04);  Celtic (1966-67); Feyenoord (1969-70); Aston Villa (1981-82); Hamburg (1982-83); Steaua București (1985-86); PSV Eindhoven (1987-88); Crvena Zvezda (1990-91); Marseille (1992-93); Borussia Dortmund (1996-97); e Chelsea (2011-12).

3 Junho, 2017 at 10:40 pm Deixe um comentário

Benfica / FC Porto / Sporting – Títulos

SLB-FCP-SCP-Títulos8

28 Maio, 2017 at 7:20 pm Deixe um comentário

Artigos Mais Antigos


Autor – Contacto

Destaques

Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Junho 2017
S T Q Q S S D
« Maio    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.