Archive for 15 Fevereiro, 2023

Liga dos Campeões – 1/8 final (1.ª mão) – Club Brugge – Benfica

Club BruggeClub Brugge – Simon Mignolet, Clinton Mata, Jack Hendry, Brandon Mechele, Bjorn Meijer, Denis Odoi (65m – Casper Nielsen), Raphael Onyedika, Tajon Buchanan, Hans Vanaken, Kamal Sowah (79m – Ferran Jutglà) e Noa Lang

BenficaBenfica – Odysseas Vlachodimos, Alexander Bah, António Silva, Nicolás Otamendi, Alejandro “Álex” Grimaldo, Florentino Luís, Francisco “Chiquinho” Machado, Fredrik Aursnes, João Mário (90m – João Neves), Rafael “Rafa” Silva (65m – David Neres) e Gonçalo Ramos (65m – Gonçalo Guedes)

0-1 – João Mário (pen.) – 51m
0-2 – David Neres – 88m

Cartões amarelos – Denis Odoi (9m), Kamal Sowah (29m); Nicolás Otamendi (44m)

Árbitro – Davide Massa (Itália)

Na retoma da Liga dos Campeões, agora numa fase ainda “mais a doer”, já sem poder contar com Enzo Fernández (transferência “milionária” para o Chelsea – tendo a sua posição no terreno sido ocupada por Chiquinho), e com Rafa e Gonçalo Ramos de regresso ao “onze”, mesmo que ainda não a 100% (relegando David Neres e o entretanto “retornado” Gonçalo Guedes para o banco), o Benfica conseguiu um excelente resultado, em mais uma prova de afirmação europeia.

Foi uma equipa muito pragmática a que se apresentou esta noite na Bélgica: ciente da sua superioridade, e da importância de ganhar – no terreno do adversário – este jogo da 1.ª mão, teve uma actuação paciente, começando mesmo por ter de suster a pressão contrária, durante cerca de um quarto de hora, entre os 10 e os 25 minutos, para acabar, no cômputo global do desafio, por exibir amplo predomínio.

O Brugge só foi efectivamente ameaçador, num remate de Buchanan, logo aos cinco minutos, sem contar com o lance de golo invalidado, por fora-de-jogo, mesmo à beira do intervalo. Entretanto já a equipa portuguesa se tinha mostrado bastante perdulária, pelo menos em três oportunidades, aos 24 (Otamendi), 26 (António Silva) e 37 minutos, a que acresce o remate ao poste, por Rafa, à passagem da meia hora.

No recomeço, Gonçalo Ramos também não teria a eficácia devida, logo aos 47 minutos, mas estaria na origem do lance de que resultou a grande penalidade, que possibilitaria ao Benfica inaugurar o marcador, por João Mário, a marcar pelo quarto jogo consecutivo na prova.

Daí até final, ao longo de toda a segunda metade do desafio, “só deu” Benfica, tendo assumido por completo o controlo do jogo, mesmo que não tivesse construído soberanas ocasiões de golo. Num jogo parco em substituições, Roger Schmidt entendeu, aos 65 minutos, refrescar o seu sector atacante, com uma dupla substituição, fazendo sair os já desgastados Rafa e Ramos, por troca com Neres e Guedes.

A diferença de qualidade entre as duas equipas – bem evidenciada com os argumentos que cada uma delas tinha ao dispor, no banco de suplentes – ficaria mais apropriadamente traduzida, em termos do desfecho do encontro, com o segundo tento, de grande relevância, a conferir uma significativa vantagem, apontado por Neres, apenas a dois minutos do final, numa jogada precisamente com a intervenção da referida dupla de substitutos.

Num jogo em que pairou a sensação de nem sequer se ter empregado “a fundo”, o Benfica regressa de Brugges com “pé e meio” nos quartos-de-final. O que, não obstante, terá necessariamente de confirmar na segunda mão, na Luz, em que, caso a normalidade impere, será expectável novo triunfo benfiquista.

Com o resultado de hoje o Benfica fixa novo máximo de 12 jogos consecutivos sem perder nas competições europeias (desde 5 de Abril do ano passado – todos na Liga dos Campeões, mesmo que esta série inclua quatro partidas de eliminatórias prévias), nos quais defrontou, entre outros, o Liverpool (fora de casa), o D. Kyiv, a Juventus e o Paris Saint-Germain (duas vezes cada um deles, em casa e fora).

Este registo supera os 11 jogos sucessivos sem derrota na época de 2013-14 (os dois últimos encontros da fase de Grupos da Liga dos Campeões, e nove na Liga Europa, incluindo a final perdida com o Sevilla no desempate da marca de grande penalidade); os 10 jogos sem perder na Liga dos Campeões de 2011-12 (quatro de eliminatórias prévias e toda a fase de Grupos); e os 10 jogos de invencibilidade na excelente campanha até à final da Taça UEFA de 1982-83.

15 Fevereiro, 2023 at 10:52 pm Deixe um comentário


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Fevereiro 2023
S T Q Q S S D
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.