Liga dos Campeões – 4ª Jornada – Paris Saint-Germain – Benfica

11 Outubro, 2022 at 9:54 pm Deixe um comentário

Paris Saint-Germain Paris Saint-Germain – Gianluigi Donnarumma, Danilo Pereira, Marcos Corrêa “Marquinhos”, Sergio Ramos, Achraf Hakimi, Vítor Ferreira “Vitinha” (85m – Fabián Ruiz), Marco Verratti, Juan Bernat (85m – Nordi Mukiele), Pablo Sarabia (74m – Hugo Ekitiké), Kylian Mbappé (90m – Carlos Soler) e Neymar Júnior

BenficaBenfica – Odysseas Vlachodimos, Alexander Bah (63m – Gilberto Moraes), António Silva, Nicolás Otamendi, Alejandro “Álex” Grimaldo, Florentino Luís (77m – Diogo Gonçalves), Fredrik Aursnes, Enzo Fernández, João Mário (90m – Francisco “Chiquinho” Machado), Rafael “Rafa” Silva (77m – Julian Draxler) e Gonçalo Ramos (77m – Rodrigo Pinho)

1-0 – Kylian Mbappé (pen.) – 40m
1-1 – João Mário (pen.) – 62m

Cartões amarelos – Nicolás Otamendi (21m), João Mário (43m), Florentino Luís (45m), Enzo Fernández (69m) e Gilberto Moraes (83m); Pablo Sarabia (29m) e Marco Verratti (61m)

Árbitro – Michael Oliver (Inglaterra)

Se a exibição e o resultado já tinham sido positivos em Lisboa, o Benfica reafirmou em Paris o seu estatuto de “grande” europeu, com uma equipa personalizada, a enfrentar o poderoso Paris Saint-Germain “olhos nos olhos”, com capacidade de reacção à adversidade, confiante, não se conformando com a desvantagem.

Privado de Neres, por lesão, o técnico alemão apostou em Aursnes, que teve papel importante de forma a suster – em zonas avançadas do terreno – as investidas adversárias, num encontro bastante mais “táctico” do que o da semana passada, mais fechado e sem grandes oportunidades de golo (do outro lado, também Messi ficou na bancada…).

O jogo começou repartido, tendo o Benfica tido até a primeira finalização, aos 17 minutos, com Rafa a rematar por cima. À passagem da meia hora, Donnarumma, pressionado por Gonçalo Ramos, teve de afastar a bola para fora. Do lado contrário, Vlachodimos apenas seria chamado a intervir aos 34 minutos, a remate fraco de Sarabia.

Porém, poucos minutos volvidos, surgiria o lance que originaria a sanção com “penalty”, de que resultou o tento inaugural da formação francesa: António Silva chegou atrasado para evitar uma incursão de Bernat na área, e o contacto faltoso foi inevitável.

Não parecendo acusar o toque, o Benfica teve nova investida, ainda antes do intervalo, outra vez com Rafa a não dar a melhor sequência. Em paralelo, Mbappé, ameaçador, obrigaria ainda a nova intervenção do guardião benfiquista.

No recomeço, com cinco minutos decorridos, Rafa fez cruzamento largo, para Aursnes, que não conseguiu finalizar da forma pretendida. Logo depois, outra vez Mbappé, a rematar em arco, com a bola quase a rasar o poste.

Contrariamente ao que poderia supor-se, o Benfica não se “escondeu” e passou a ser mais efectivo na saída de bola para o ataque. Aos 55 minutos, Gonçalo Ramos, a centro de João Mário, desviou de cabeça, mas com a bola a sair ao lado da baliza parisiense.

E, pouco depois da hora de jogo, seria Verratti a pisar Rafa, quando esta até inflectia para fora da grande área. Com a assistência do “VAR”, foi validada a grande penalidade, que proporcionaria ao Benfica restabelecer a igualdade, com João Mário a manter excelente grau de acerto.

Já depois de um arranque de Mbappé ter sido bem travado por Florentino, estavam decorridos 65 minutos, Roger Schmidt procurou refrescar a equipa, preparando-a para uma expectável ofensiva final do clube de Paris, mas seria ainda o Benfica a criar perigo, já nos derradeiros dez minutos, com Draxler, com boa iniciativa, mas pouco lesto no remate, a fazer a bola embater contra o corpo de Marquinhos, bloqueando o que poderia ter sido o tento da vitória benfiquista.

Este desfecho, conjugado com o surpreendente desaire da Juventus em Israel, deixa o Benfica a um empate, em casa, na partida frente à “vechia signora”, do apuramento (no pressuposto de que o Maccabi Haifa não vá ganhar a Paris…).

No pior cenário, mesmo em caso de “deslize” que pudesse adiar a decisão para a última ronda, também uma eventual igualdade em Israel poderia chegar, desde que a Juventus não batesse o PSG, ou, mesmo ganhando, salvo se tivesse também vencido na Luz por mais de um golo (se a Juventus triunfar em Lisboa por um golo, teria de, simultaneamente, derrotar os franceses por, pelo menos, três golos…).

Entry filed under: Desporto. Tags: , , , .

Prémio Nobel da Economia – 2022 Liga dos Campeões – 4ª Jornada – Resultados e Classificações

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Outubro 2022
S T Q Q S S D
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.


%d bloggers like this: