Archive for 16 Abril, 2017

O Pulsar do Campeonato – 25ª Jornada

Pulsar - 25

(“O Templário”, 13.04.2017)

Tendo somado o ponto que lhe faltava (que, aliás, acabaria por nem ser necessário, dado o desaire averbado pelos samorenses), o Riachense confirmou a 2.ª posição na tabela final da I Divisão Distrital, o que lhe confere, portanto, o direito a participar na próxima edição da Taça de Portugal. Paralelamente, à entrada para a derradeira ronda da prova, o União de Tomar igualou o Samora Correia no 3.º posto, necessitando, todavia, de superar o resultado que o rival obtiver nessa última partida, na qual receberá o Coruchense – sendo que essa vaga no pódio será disputada somente entre aqueles dois clubes, dado que, num eventual cenário de igualdade pontual, Amiense e Fazendense terão desvantagem nos factores de desempate.

Destaques – O principal destaque da 25.ª e penúltima jornada vai para o embate entre Riachense e União de Tomar, o qual se saldou por um nulo, atenta a superioridade manifestadas pelas defesas (com realce para os dois guardiões, Telmo Rodrigues e Fábio Silva) face aos ataques contrários. Um resultado que poderá ter servido as aspirações de ambos os grupos, pese embora os unionistas se mantenham dependentes de terceiros (no caso, do Samora Correia).

Na outra grande frente de luta, nesta altura decisiva da competição – a da busca da manutenção –, o Pego, recebendo uma já tranquila equipa dos Empregados do Comércio, não desperdiçou a oportunidade de somar três pontos, ganhando (por tangencial 1-0) – o que consegue apenas pela segunda vez, nos últimos 16 desafios disputados –, interrompendo um ciclo de quatro derrotas sucessivas, o que lhe permite, não só manter a pressão sobre o At. Ouriense (apenas dois pontos acima), mas, sobretudo, a vantagem num eventual desempate pontual com o Cartaxo, que, contra todas as expectativas no início do campeonato, subsiste abaixo da “linha de água”.

Por fim, salienta-se ainda a expressão do triunfo do Mação sobre o Amiense (3-0), ficando o conjunto de Amiais de Baixo assim arredado da disputa pelo 3.º lugar, porventura mais apostado, nesta fase, em atingir a final da Taça do Ribatejo.

Surpresa – Num esforço titânico para procurar evitar uma, à partida, absolutamente imprevisível despromoção ao escalão secundário, o Cartaxo – vice-campeão na época anterior, recorde-se – voltou a causar, pelo menos, uma “meia-surpresa”, impondo-se face ao Samora Correia, ganhando por 3-1, pelo que, embora também dependente de terceiros (do At. Ouriense e do Pego… e, ainda, do Alcanenense), mantém as esperanças em que tudo termine como se de um “sonho mau” se tivesse passado, sem maiores consequências nefastas.

Confirmações – Nos restantes encontros os resultados registados ficaram dentro das expectativas, desde logo com o Coruchense, na festa de consagração da reconquista do título de Campeão, a bater o Torres Novas (agora em fase menos exuberante, contando um único triunfo nos últimos cinco jogos realizados), mercê de um solitário golo.

Já no que respeita ao Fazendense, recebendo no seu reduto o At. Ouriense, apenas na fase final do desafio conseguiria chegar à vitória, neste caso por 2-1, podendo aspirar ainda a alcançar o 4.º posto, ao mesmo tempo que prolongam a agonia dos oureenses, que, para garantir, por si próprios, sem depender de terceiros, a manutenção, necessitam agora ganhar na última jornada, na qual receberão a equipa do Mação.

Por seu lado, o U. Almeirim confirmou o favoritismo na deslocação ao terreno do Benavente, já há muito tempo condenado à posição de “lanterna vermelha” e consequente despromoção (nas últimas quinze rondas apenas por uma vez triunfou, tendo perdido 14 vezes), tendo os almeirinenses ganho por 2-0.

II Divisão Distrital – Na fase final, de disputa do título de Campeão, uma equipa sobressai, contando por vitórias as três jornadas já realizadas: a U. Abrantina. Efectivamente, tendo ganho ao Moçarriense por 3-1, a turma de Abrantes somou, de forma sensacional, o seu 10.º triunfo consecutivo no campeonato! Desde 18 de Dezembro de 2016, data em que sofreu o último desaire, que a turma abrantina não conhece, nesta competição, outro desfecho que não a vitória (a única excepção, em jogo da Taça do Ribatejo, foi o empate em Tomar, ante o União).

Tendo-se isolado no comando da prova, a U. Abrantina dispõe agora de dois pontos de vantagem em relação ao Marinhais (que não foi além do empate a uma bola na recepção ao Ferreira do Zêzere), três pontos face ao adversário que derrotou, Moçarriense, e, principalmente, seis pontos relativamente ao 4.º classificado, U. Santarém, que, por seu lado, goleando por imponente marca de 6-1 na Atalaia, apresenta boas credenciais na corrida à promoção.

Campeonato de Portugal – Na série de promoção, o Fátima voltou a ser surpreendido no seu terreno, tendo sido desfeiteado pelo Torreense, perdendo por 2-3. Valeu, na circunstância, que os seus mais directos perseguidores, Real e Praiense, como que se anularam no confronto entre si, empatando a uma bola em Massamá, o que possibilita aos fatimenses manter a posição de liderança, agora presa por um escasso ponto de vantagem, com o Torreense a dois pontos.

Procurando reagir à adversidade, o Alcanenense conseguiu enfim voltar às vitórias, ganhando ao Vilafranquense por 2-1. Subiu assim ao 3.º lugar, o que, contudo, não lhe permite ainda descansar, dado que o avanço sobre o trio que se segue de imediato na pauta classificativa (Carapinheirense, Oleiros e, precisamente, a turma de Vila Franca) é de apenas dois pontos.

Antevisão – Neste fim-de-semana de Páscoa, os campeonatos distritais têm a sua derradeira pausa, para disputa das meias-finais da Taça do Ribatejo, a duas mãos, com jogos a realizar na sexta-feira Santa e na quarta-feira seguinte), cabendo ao Amiense defrontar o Coruchense (emblema que visa alcançar a “dobradinha”), enquanto o Torres Novas se cruza com o Mação.

No Campeonato de Portugal, a entrar numa fase determinante, atingindo-se já a 10.ª jornada (de um total de 14), o líder Fátima recebe o Real, actual 2.º classificado (a par do Praiense); por seu lado, o Alcanenense desloca-se à Carapinheira, sendo-lhes “interdito” perder.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 13 de Abril de 2017)

16 Abril, 2017 at 11:00 am Deixe um comentário


Autor – Contacto

Destaques

Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Abril 2017
S T Q Q S S D
« Mar   Maio »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.