Archive for 23 Maio, 2007

AC MILAN – HEPTA-CAMPEÃO EUROPEU

AC MilanNuma reedição da Final de 2005, AC Milan e Liverpool reencontraram-se hoje em Atenas, na Final da Liga dos Campeões… que proporcionaria à equipa italiana a tão ambicionada “desforra”, consagrando-a pela 7ª vez como Campeã da Europa (marca apenas superada pelos 9 títulos do R. Madrid).

Numa partida dominada pelo tacticismo, sem grandes “rasgos” de génio, que valeu essencialmente pelos golos e pelos últimos 10 minutos, o Liverpool foi a equipa que entrou melhor, assumindo algum controlo do jogo durante a primeira parte… até ao último minuto, em que, na sequência de um livre (a penalizar uma falta sobre kaká) apontado por Pirlo, a bola tabelou em Inzaghi, traindo o guarda-redes espanhol (no que foi o 500º golo do Milan em provas europeias).

Em superioridade no marcador, a segunda parte foi-se “arrastando”, com o Liverpool a não denotar capacidade para inverter o marcador… e o AC Milan, matreiramente, aguardando até que surgisse uma oportunidade de desferir o “golpe final”, o que aconteceria, novamente com Inzaghi a marcar, já nos últimos 10 minutos.

O vencedor parecia encontrado, mas, a 2 minutos do fim, sob um extraordinário apoio dos seus adeptos, o holandês Kuyt reduzia para 1-2, fazendo pairar por momentos a incerteza sobre o desfecho final… fazendo recordar o que acontecera na final de há 2 anos, com o Liverpool a recuperar então de uma desvantagem de 3 golos, para vencer no desempate da marca de grande penalidade.

Avisada, a equipa italiana jogou com o tempo (apenas sendo disputados cerca de 2 minutos e meio dos três de período de compensação assinalados – o que deixaria Rafael Benitez “à beira de um ataque de nervos”), não concedendo possibilidades de recuperação ao adversário.

AC Milan – Dida, Oddo, Nesta, Maldini, Jankulovski (80m – Kaladze), Gattuso, Pirlo, Ambrosini, Seedorf (90m – Favalli), Kaká e Inzaghi (88m – Gilardino)

Liverpool – Reina, Finnan (88m – Arbeloa), Carragher, Agger, Arne Riis, Pennant, Xabi Alonso, Mascherano (78m – Crouch), Zenden (59m – Kewell), Gerrard e Kuyt

1-0 – Inzaghi – 45m
2-0 – Inzaghi – 82m
2-1 – Kuyt – 89m

No Palmarés da Prova, após 52 edições, são os seguintes os (21) vencedores: AC Milan (1963, 1969, 1989, 1990, 1994, 2003 e 2007), Barcelona (1992 e 2006), Liverpool (1977, 1978, 1981, 1984 e 2005), FC Porto (1987 e 2004), R. Madrid (1956, 1957, 1958, 1959, 1960, 1966, 1998, 2000 e 2002), Bayern (1974, 1975, 1976 e 2001), M. United (1968 e 1999), B. Dortmund (1997), Juventus (1985 e 1996), Ajax (1971, 1972, 1973 e 1995), Marseille (1993), Crvena Zvezda (1991), PSV Eindhoven (1988), Steaua (1986), Hamburger (1983), Aston Villa (1982), Nottingham Forest (1979 e 1980), Feyenoord (1970), Celtic (1967), Inter Milan (1964 e 1965) e Benfica (1961 e 1962).

A nível de países, foi a 11ª vitória para (3) equipas de Itália, igualando a marca das (2) equipas de Espanha e superando as (4) de Inglaterra (10 vitórias).

Para a história ficam ainda outros registos, a nível individual: Paolo Maldini igualou as 8 presenças em Finais do espanhol Gento (o único jogador com 6 títulos de Campeão Europeu, pelo R. Madrid, nas décadas de 50 e 60); igualou também as 5 vitórias de Di Stéfano e de Zárraga. Por seu lado Seedorf alcançou a 4ª vitória (2ª pelo Milan), sendo o único a vencer por 3 equipas diferentes (também pelo Ajax e R. Madrid). O treinador Carlo Ancelotti também alcançou a 5ª vitória, segunda enquanto treinador (sendo apenas um dos 5 treinadores que conquistaram essa proeza também como jogador).

23 Maio, 2007 at 9:57 pm 1 comentário

O CODEX ARQUIMEDES

“O Sr. B disse-me que comprou um livro feio. Como ele pagara dois milhões de dólares por ele, não tomei isto à letra. Mas não. Agora que o tinha nas mãos via que ele fora sincero. Era feio. Era pequeno – mais ou menos do tamanho de um pacote de quilo de açúcar. Ao abri-lo, vi que as páginas tinham manchas castanhas na sua coloração. Eram visíveis marcas de água coincidentes ao abrir as páginas face a face. As páginas tendiam a ser mais claras no meio do que nas margens, onde ainda estavam mais manchadas. Aliás, as pontas das folhas estavam pretas, como se tivessem sido queimadas. Sobreposto ao castanho das páginas estava bordada uma rede de letras gregas castanho escuras todas desordenadas. A monotonia das páginas só era quebrada por uma ou outra mancha vermelha de uma capitular ou, por vezes, por manchas arroxeadas de bolor. Ao folhear as páginas, pude por vezes distinguir os círculos e as rectas de algo que pareciam diagramas que, para grande aborrecimento de quem lia, desapareciam na margem interior, na lombada. Comparado com outros manuscritos em que trabalhara, as páginas não dobravam muito bem e estavam deformadas. Por vezes, quando virava uma página acontecia-me deparar subitamente com um formato diferente. Volta e meia ficava pura e simplesmente com uma página na mão. À medida que fui folheando o livro todo houve quatro páginas que se destacaram por terem um certo encanto, pois tinham gravuras, mas no conjunto foi uma experiência sensaborona. E então para o fim, as páginas tinham um aspecto tão frágil e tão bolorento que fechei o livro, alarmado. Este livro, pelo qual o Sr. B pagara uma fortuna, estava nas últimas.

Esta descrição não é muito útil, por isso, permitam-me que descreva o livro etimologicamente. É um manuscrito, ou em termos mais técnicos, um códice manuscrito. Derivado das palavras latinas manu (à mão) e scriptus (escrito), um manuscrito é todo escrito à mão. Fundamentalmente, difere de um livro impresso porque não é um de muitos livros impressos numa edição. É único. Outros manuscritos podem conter alguns dos textos. Nesta fase, tudo o que eu sabia é que nenhum outro manuscrito continha as obras em grego de Arquimedes, Método, Stomachion ou Dos Corpos Flutuantes. Em segundo lugar, este manuscrito é um palimpsesto. A palavra deriva dos termos gregos palin (outra vez) e psan (raspar), o que significa que o pergaminho utilizado para o fazer foi raspado por mais de uma vez. Como veremos, para fazer pergaminho há que raspar a pele de animais. E se se quiser reutilizar pergaminho já usado para fazer um livro, há que raspar novamente a pele para apagar o texto preexistente antes de se escrever por cima deste. Este palimpsesto manuscrito era composto por 174 fólios. O fólio, do latim folium (folha), tem uma frente e um verso – um recto e um verso –, que equivalem às páginas dos livros modernos. Estavam numerados de 1 a 177 mas, misteriosamente, faltavam três números. Espero que o Sr. B soubesse que lhe faltavam alguns fólios

Actualmente o livro chama-se o Palimpsesto Arquimedes, mas isto pode ser algo confuso. Desenganem-se: o manuscrito é um livro de orações. Parece um livro de orações, tem o toque de um livro de orações, tem até o cheiro de um livro de orações, e são orações o que vê nos seus fólios. Só se chama Palimpsesto Arquimedes porque foram usados para o fazer os fólios retirados a um manuscrito mais antigo que continha os tratados de Arquimedes. Mas, atenção, o texto de Arquimedes fora raspado. Note-se, também, que os copistas do livro de orações usaram fólios retirados de vários outros manuscritos bem como dos manuscritos de Arquimedes. Aquando da venda ninguém fazia ideia do que estava nestes fólios: estes não se pareciam com fólios do manuscrito de Arquimedes nem aparentavam ser todos do mesmo manuscrito.”

O Codex Arquimedes, Reviel Netz e William Noel, Edições 70 (excerto do Capítulo I)

23 Maio, 2007 at 12:32 pm Deixe um comentário

O CODEX ARQUIMEDES

23 Maio, 2007 at 8:51 am Deixe um comentário


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Maio 2007
S T Q Q S S D
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

  • RT @Benficaplural: Futre disse esta semana que JJ era um génio. Eu concordo com ele, a forma como JJ consegue valorizar-se e tornar-se um d… 34 minutes ago
  • A média de novos casos nos últimos 7 dias é agora de 519 (ontem, 512) - face a uma média de 541 casos nos 7 dias pr… twitter.com/i/web/status/1… 7 hours ago
  • RT @thern_jonas: Hugo Miguel deu três minutinhos de compensação. Só por aí se percebe ao que veio. Durante os 3 minutos não houve sequer jo… 12 hours ago

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.