Archive for Janeiro, 2021

O Pulsar do Campeonato – 11ª Jornada

(“O Templário”, 14.01.2021)

Pela quarta vez (em cinco vitórias até à data averbadas no presente campeonato) o União obteve uma goleada, numa ronda que, à partida, se previa já fosse apenas “meia jornada”… mas que acabaria por se ficar por “um quarto”, dado apenas terem sido disputados dois dos oito desafios inicialmente agendados. O que, em paralelo, começa a suscitar fortes dúvidas, não só sobre a possibilidade de levar a “bom porto” esta prova, até à sua conclusão, como, inclusivamente, sobre a pertinência e oportunidade de se continuar a jogar, nas actuais circunstâncias e condicionantes.

Destaque – Somente com dois jogos em análise, os respectivos desfechos proporcionam o cabal enquadramento de cada um deles nas secções de “Destaques” e “Surpresas”.

No primeiro caso, tivemos um afirmativo U. Tomar a golear por categóricos 5-0 a “equipa sensação”, Alcanenense, que, antes desta ronda, ocupava um notável 4.º posto na tabela (baixou, em função deste desaire, ao 5.º lugar, ultrapassado, precisamente, pelo emblema nabantino).

Por curiosidade, a eficácia, que tanta falta tem feito em vários dos encontros anteriores dos unionistas – o que lhes custou muito comprometedoras perdas de pontos, já com quatro empates cedidos, para além de duas derrotas –, foi atingida quase em pleno nesta partida.

Ao invés do que vem sendo habitual, as primeiras ocasiões soberanas de golo (duas, ainda nos dez minutos iniciais) surgiram a favor do grupo de Alcanena, em perigosos contra-ataques. Mas, como tantas vezes se repete: “quem não marca, sofre”. E foi o que sucedeu: de imediato, em dois lances sucessivos, num intervalo de pouco mais de um minuto, o União marcou dois golos, que muito desequilibraram a contenda a seu favor, tudo isto ainda no primeiro quarto de hora de jogo!

O terceiro tento, obtido ao cair do pano da primeira parte, praticamente selou o desfecho do desafio, acabando por não surpreender – atendendo também à juventude da equipa adversária – que o resultado continuasse a ser ampliado, fechando-se a contagem nos 5-0, com destaque especial para o “hat-trick” de Siaka Bamba… um médio defensivo. E, isto, porque, num dia em que “tudo saiu bem”, o guardião Nuno Ribeiro defenderia inclusivamente uma grande penalidade. Um resultado que poderá constituir um incentivo para o futuro…

Surpresa – Após uma sucessão de nove derrotas consecutivas, o Moçarriense tinha, no passado fim-de-semana, pontuado pela primeira vez (empate nos Riachos). Não obstante, poucos seriam os que arriscariam na possibilidade de uma vitória da turma da Moçarria – ainda “lanterna vermelha”, mas agora bem mais próxima dos seus mais directos concorrentes – em Rio Maior.

Pois, foi precisamente o que sucedeu, tendo bastado para tal um único golo. Três preciosos pontos conquistados pelo Moçarriense, que muito poderão moralizar igualmente a equipa.

II Divisão Distrital – Também a jornada (10.ª, primeira da segunda volta) do segundo escalão foi afectada pelo adiamento de vários jogos (neste caso, metade dos desafios), destacando-se a vitória do At. Ouriense frente ao Abrantes e Benfica “B”, por 3-1, que proporcionou aos oureenses ascender à liderança, assim como, por outro lado, o triunfo (4-1) do Caxarias sobre o Tramagal.

A Sul, tendo os dois primeiros (Benavente e Salvaterrense) “folgado”, o realce vai para a vitória (2-1) da equipa do Benfica do Ribatejo ante o Porto Alto, entrando assim também na disputa pelos três lugares cimeiros, que, normalmente, darão acesso à fase final, de apuramento de Campeão.

Campeonato de Portugal – Passo a passo, o U. Santarém vai fazendo o seu caminho, tendo, desta feita, obtido importante triunfo (2-0) em Sacavém, face ao Sacavenense, o que permite aos escalabitanos trepar até a uma muito boa 3.ª posição (partilhada com o Caldas, este com um jogo a menos), e, mais importante, dilatar para nove pontos a sua margem de segurança em relação à “linha de água”, mesmo que o U. Almeirim (9.º classificado), primeiro clube abaixo de tal divisória, tenha dois jogos a menos – tendo o seu desafio frente ao Lourinhanense sido adiado.

Antevisão – Subsiste, nesta altura, a incógnita sobre se poderá haver jogos no(s) próximo(s) fim(ns)-de-semana, em função das previstas medidas reforçadas para procurar minorar o impacto da pandemia, que deverão passar por novo confinamento geral, de duração ainda indeterminada.

O cenário que se afigura de maior probabilidade, para já, será o de nova suspensão das competições, eventualmente a retomar mais adiante, quando (e se) vier a haver condições mais propícias para tal, e em tempo oportuno para finalização da temporada.

Mas vai-se, aliás, intensificando o clamor – pelo menos por parte de responsáveis de alguns dos clubes – advogando o cancelamento dos campeonatos, atendendo às dificuldades em prolongar este contexto de “pára e arranca” e às implicações associadas à prossecução da disputa das provas, quer em termos sanitários, como dos próprios reflexos que daí poderão decorrer a nível da actividade profissional dos envolvidos (tratando-se, na essência, de jogadores amadores); isto para além, claro, das muito precárias condições de sustentabilidade de agremiações privadas de praticamente todas as suas fontes de receita há cerca de dez meses.

Num contexto de grande imprevisibilidade – e tendo necessariamente de ser privilegiado o factor saúde de todos os agentes e, em geral, as condições de saúde pública –, parece, pois, adivinhar-se a inevitabilidade de novo interlúdio (mais ou menos prolongado, temporário ou definitivo, será o que ficará para aquilatar mais tarde).

Em qualquer caso, e no que respeita à I Divisão Distrital, de entre os embates previstos para a 12.ª jornada, destacam-se o Alcanenense-Coruchense, Abrantes e Benfica-U. Tomar e Amiense-Fazendense, partidas que, a realizarem-se, poderão ajudar a clarificar posições.

A nível do escalão secundário, o realce vai para os jogos At.Ouriense-Caxarias, Tramagal-Fátima, Marinhais-Benavente e Porto Alto-Salvaterrense.

No Campeonato de Portugal, a ronda 12 prevê o confronto entre os dois clubes do Distrito, cabendo ao U. Almeirim receber o U. Santarém, portanto, um prélio de redobrado interesse.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 14 de Janeiro de 2021)

17 Janeiro, 2021 at 11:00 am Deixe um comentário

O Pulsar do Campeonato – 5ª Jornada

(“O Templário”, 31.12.2020)

Afinal disputada de novo em horário matinal (o qual prosseguirá, pelo menos, no próximo fim-de-semana), a 5.ª jornada do Distrital da I Divisão – com o consequente acerto de calendário, recuperando os jogos que se encontravam em atraso desde 1 de Novembro – terá clarificado posições, pese embora estar completado apenas o terço inicial do campeonato. O Coruchense parece lançado para a conquista do título, após ter imposto pesadas goleadas aos seus mais directos rivais, Cartaxo e Abrantes e Benfica, que partilham a vice-liderança, mas já a sete pontos.

Destaques – Depois de há cerca de mês e meio ter “atropelado” o Cartaxo por 7-1, uma indomável equipa do Coruchense voltou agora a golear, de forma categórica (5-1), na recepção ao Abrantes e Benfica, formação em notória quebra de rendimento, a qual acumulou o quarto encontro seguido sem ganhar – após ter triunfado em todas as seis partidas precedentes –, tendo perdido nada menos de dez pontos nesses quatro jogos mais recentes.

Uma impressiva afirmação de poderio por parte do grupo do Sorraia, que, nesta altura – mesmo faltando ainda percorrer um assaz longo trajecto até final –, se afigura como o mais provável próximo Campeão, porventura apenas podendo vir ainda a ser eventualmente apoquentado, na disputa pelo 1.º lugar, precisamente pela turma cartaxeira.

O emblema de Coruche beneficiou aliás, em paralelo, do facto de outros dois candidatos aos lugares cimeiros se terem “anulado”, com o Mação-Cartaxo a saldar-se por uma igualdade (1-1), resultado mais penalizador para os maçaenses, agora a dez pontos do guia.

Assim como, adicionalmente, do triunfo (2-0) do Torres Novas na recepção ao Fazendense, com os torrejanos, depois de sete jornadas sem conhecer o sabor da vitória, a ganhar pela terceira vez consecutiva, afastando-se da zona perigosa da tabela, subindo mesmo ao 9.º lugar (apenas a três pontos do U. Tomar)! Ao invés, em função deste resultado adverso, o conjunto das Fazendas de Almeirim partilha agora o 5.º lugar com o Mação, portanto ainda mais afastado da frente.

Surpresa – Apesar de vir atravessando fase pouco profícua, não se esperaria que o U. Tomar cedesse pontos ante o Ferreira do Zêzere, que tinha perdido três dos quatro desafios anteriores. Porém, com uma exibição pouco conseguida, os unionistas não evitariam o empate, a dois golos.

Começaram, aliás, por ser surpreendidos logo aos 9 minutos, altura em que se viram em desvantagem; reagindo prontamente, os tomarenses igualariam no minuto imediato, operando a reviravolta no marcador à beira do intervalo. No segundo tempo, os visitados procuraram ampliar a vantagem, mas geralmente com pouco discernimento, num jogo muito aos repelões, com a bola a esbarrar quase sempre numa floresta de adversários, que, por seu lado, nunca deixaram de espreitar a possibilidade de rápidas transições, mantendo em sentido a defesa contrária.

Num embate, entre vizinhos, de cariz especialmente motivacional para os ferreirenses, à medida que o tempo decorria e o resultado tangencial ia subsistindo, foram acreditando que seria possível alcançar resultado positivo, para o que contribuiu também o bom desempenho do seu guardião, a negar um par de ocasiões de perigo. A cerca de dez minutos do termo do encontro, os visitantes conseguiriam mesmo restabelecer a igualdade, sem que os nabantinos tivessem, no tempo de que dispunham ainda, a serenidade necessária para reverter o rumo dos acontecimentos.

O desfecho deste desafio afasta praticamente em definitivo as ilusões dos tomarenses, agora a muito distantes onze pontos do objectivo, conferindo um travo agridoce num dia em que o capitão Nuno Rodrigues – titular absoluto, com o pleno nos 900 minutos já disputados no actual campeonato – comemorava a notável marca de 200 jogos envergando a camisola do União, apenas no presente ciclo, que vai já na oitava temporada consecutiva, desde a época de 2013-14.

Confirmações – Nos outros confrontos da jornada, que tinha diversificados motivos de interesse, assinalam-se ainda os importantes triunfos averbados por Rio Maior (por convincente 3-0, frente à Glória do Ribatejo) e Alcanenense (3-1, na recepção ao Amiense), o que proporcionou à formação de Alcanena, recém-promovida, recorde-se, pular até ao 4.º lugar, de forma sensacional somente a dois pontos do duo que reparte a 2.ª posição.

Noutras duas partidas (Samora Correia-Entroncamento e Riachense-Moçarriense), envolvendo equipas que procuram fugir à parte baixa da classificação, registaram-se empates, em ambos os casos a uma bola, os quais não terão deixado plenamente satisfeitos nenhum dos contendores, não obstante o grupo da Moçarria ter pontuado pela primeira vez nesta temporada, ao décimo jogo!

De facto, Entroncamento (7 pontos), Riachense (5) e Moçarriense (1) continuam a ocupar os três últimos lugares (nesta altura, em zona de despromoção), enquanto o Samora Correia (11 pontos) se posiciona imediatamente acima desse trio, integrando outro terceto, com Rio Maior e Ferreira do Zêzere, portanto, todos em situação pouco tranquila.

II Divisão Distrital – O Espinheirense foi surpreendido no seu próprio reduto, perdendo (1-3) ante o Tramagal, vendo aproximar-se o At. Ouriense (tinha ganho, já no início do mês, ao Vasco da Gama, por 4-1, mantendo dois jogos em atraso) e o Fátima (vencedor por 1-0 na Ortiga), ambos a dois pontos. O Caxarias (no 4.º lugar, dois pontos mais abaixo) goleou a U. Atalaiense por 4-0.

Depois de duas rondas a marcar sete golos em cada jogo, o Benavente reforçou a dose, goleando por 8-0 o Rebocho, afirmando a sua condição de comandante, apesar de dispor de um único ponto de vantagem face ao Salvaterrense (que venceu, por tangencial 2-1, o Samora Correia B).

Campeonato de Portugal – O U. Almeirim teve uma semana mista, perdendo em Torres Vedras, por 1-2, com o líder, mas ganhando (2-1) ao Sintrense, em casa, em encontros de acerto de calendário, subindo ao 9.º posto, imediatamente abaixo da “linha de água” (agora a dois pontos).

Antevisão – A próxima jornada (11.ª) do principal escalão, a abrir o novo ano de 2021, terá como “pratos fortes” o Coruchense-Mação e o Fazendense-Abrantes e Benfica, jogos em que, quer os maçaenses, quer o grupo das Fazendas de Almeirim jogarão as respectivas “derradeiras cartadas”.

Por seu lado, o Cartaxo terá difícil saída à Glória do Ribatejo (única equipa a conseguir travar o líder, tendo vencido também o Abrantes e Benfica). Nota ainda para o “derby” Torres Novas-Riachense, com favoritismo dos torrejanos. O U. Tomar recebe adversário valoroso, Alcanenense.

Na II Divisão Distrital, já a abrir a segunda volta, destacam-se os encontros Caxarias-Tramagal, Benfica do Ribatejo-Porto Alto e o “derby” Samora Correia B-Benavente.

Na retoma do calendário regular (10.ª jornada) do Campeonato de Portugal, cabe também ao U. Santarém receber o Sintrense, deslocando-se o U. Almeirim ao terreno do vice-líder, Alverca.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 31 de Dezembro de 2020)

3 Janeiro, 2021 at 11:00 am Deixe um comentário


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Janeiro 2021
S T Q Q S S D
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.