Archive for Abril, 2010

Lançado o site da candidatura Ibérica ao Mundial 2018

13 Abril, 2010 at 7:30 pm Deixe um comentário

Prémio Pulitzer atribuído a sítio Internet

O site ProPublica – agência independente, sem fins lucrativos – tornou-se no primeiro meio de comunicação exclusivamente online a ser distinguido com o prestigiado Prémio Pulitzer (na categoria de jornalismo de investigação), pelo trabalho de reportagem do médico Sheri Fink, intitulado The Deadly Choices at Memorial, redigido em colaboração com o New York Times, sobre as decisões num centro médico, relativamente a pacientes em fase terminal, na sequência do furacão Katrina, que assolou Nova Orleães.

Por seu lado, ao site Sfgate.com, do San Francisco Chronicle, foi atribuído o galardão relativo ao portfólio de cartoons.

12 Abril, 2010 at 11:44 pm Deixe um comentário

Espólio de “O Primeiro de Janeiro” em leilão

O espólio de “O Primeiro de Janeiro” – compreendendo nomeadamente o arquivo fotográfico do jornal, «constituído por um conjunto considerável de envelopes numerados, contendo inúmeras fotografias, desenhos e gravuras e no verso anotações do evento e/ou das personagens nelas registadas, avaliado em 55 mil euros», assim como o arquivo histórico do jornal, «constituído pelo conjunto de todos os espécimes publicados no jornal O Primeiro de Janeiro desde a sua fundação (1868), encadernado em pele até ao ano de 2003 e o restante em avulso», avaliado em 160 mil euros – vai ser colocado à venda, por decisão judicial, devendo as propostas (com o valor base de cerca de 223 mil euros), a apresentar em carta fechada, ser efectuadas até ao próximo dia 27, conforme anúncio ontem publicado, por ordem do Tribunal do Comércio de Vila Nova de Gaia.

(via Da caverna ao ciberespaço)

11 Abril, 2010 at 11:47 pm Deixe um comentário

Liga Europa – 1/4 Final (2ª mão)

                                        2ª mão 1ª mão Total

08.04.10 - Liverpool - Benfica            4-1    1-2   (5-3)
08.04.10 - Wolfsburg - Fulham             0-1    1-2   (1-3)
08.04.10 - Standard Liège - Hamburger     1-3    1-2   (2-5)
08.04.10 - At. Madrid - Valencia          0-0    2-2   (2-2)

LiverpoolLiverpool – Pepe Reina, Glen Johnson, Jamie Carragher, Sotirios Kyrgiakos, Daniel Agger, Javier Mascherano, Lucas, Steven Gerrard (88m – Alberto Aquilani), Dirk Kuyt, Yossi Benayoun (90m – Nabil El Zhar) e Fernando Torres (86m – David Ngog)

BenficaBenfica – Júlio César (81m – Moreira), Ruben Amorim, Luisão, Sidnei, David Luiz, Javi García, Ramires, Carlos Martins (67m – Alan Kardec), Di María, Pablo Aimar (87m – Fábio Coentrão) e Óscar Cardozo

1-0 – Dirk Kuyt – 27m
2-0 – Lucas – 34m
3-0 – Fernando Torres – 59m
3-1 – Óscar Cardozo – 70m
4-1 – Fernando Torres – 82m

Cartões amarelos – Yossi Benayoun (75m); Pablo Aimar (84m)

Árbitro – Björn Kuipers (Holanda)

No jogo da 2ª mão dos 1/4 Final da Liga Europa, a equipa do Benfica teria uma entrada personalizada, pressionante, com posse de bola e investindo no meio-campo adversário, conseguindo mesmo os dois primeiros pontapés de canto da partida.

A partir do quarto de hora, o Liverpool começaria a inverter a tendência, ganhando alguma superioridade, que culminaria com a concretização de um golo algo controverso, primeiro anulado e só num momento subsequente validado pelo árbitro, aparentemente por indicações contraditórias dos árbitros assistentes, dada a entrada de rompante de Dirk Kuyt na área de protecção do guarda-redes.

Pouco depois, numa falha de concentração da defesa benfiquista, com uma excelente diagonal da ofensiva do Liverpool, surgindo Lucas isolado perante um Júlio César hesitante na saída da baliza, a ficar a meio caminho, com o jogador da equipa inglesa a não ter grande dificuldade para ampliar a vantagem.

Abanando um pouco, o Benfica começou a procurar um jogo mais directo, de lançamentos em profundidade para a zona defensiva do Liverpool; paradoxalmente teria então, a findar a primeira parte, a melhor oportunidade de marcar, com Sidnei, na esquerda, no enfiamento da linha de pequena área, a rematar/centrar, com a bola a cruzar toda a área de baliza… sem que Cardozo conseguisse ter a frieza necessária para, encostando o pé na bola, a empurrar para o fundo das redes.

No segundo tempo, quando o Benfica tentava dar organização ao seu jogo ofensivo, e no momento em que beneficiou de um livre na zona atacante, teria uma perda de bola fatal, proporcionando um rapidíssimo contra-ataque, com o Liverpool a não perdoar e a elevar para 3-0!

Com Jesus a apostar no ataque – única alternativa viável -, com Kardec a substituir Carlos Martins, o episódio poderia ter-se repetido aos 68 minutos, na sequência de mais um canto a favor do Benfica, em que, perdida a bola, foi bem patente a dificuldade de recuperação e reposicionamento defensivo da equipa.

Quase de imediato o Benfica começaria a colher frutos dessa aposta, quando Cardozo, na sequência de um livre, reduziu o marcador para 1-3, reentrando na disputa da eliminatória. E, aos 76 minutos, um lance bastante similar ao da primeira parte, com a bola a cruzar toda a grande área do Liverpool, desta vez, da direita para a esquerda… sem que Cardozo conseguisse desviar para o golo uma vez mais.

As opções tácticas de Jesus reduziam-se quando Júlio César, indisposto, com notórias dificuldades de visão – depois de um choque com um adversário que, na queda, caiu sobre ele – teve de ser substituído por Moreira… que, na primeira investida do Liverpool, em mais um rápido contra-ataque, seria batido, com Fernando Torres a bisar, colocando o Benfica novamente com 3 golos de desvantagem, assim decidindo o desfecho desta eliminatória.

Um Benfica já muito “espremido”, com inesperadas falhas de concentração e grandes dificuldades de recuperação, acaba por sofrer uma dura penalização, reflectindo o bom aproveitamento por parte do Liverpool das oportunidades de que beneficiou, assim terminando a (boa) carreira europeia benfiquista desta época.

8 Abril, 2010 at 8:57 pm Deixe um comentário

Liga dos Campeões – 1/4 Final (2ª mão) – Act.

                                         2ª mão 1ª mão Total

06.04.10 - CSKA Moscovo - Inter            0-1    0-1   (0-2)
06.04.10 - Barcelona - Arsenal             4-1    2-2   (6-3)
07.04.10 - Manchester United - Bayern      3-2    1-2   (4-4)
07.04.10 - Bordeaux - Lyon                 1-0    1-3   (2-3)

Quatro golos de um soberbo Lionel Messi destroçaram um impotente Arsenal, incapaz de reagir à avalanche catalã, não obstante até ter começado por inaugurar o marcador em Barcelona.

O Inter, somando a quinta vitória consecutiva na prova, volta a assegurar a presença nas 1/ 2 Finais da Liga dos Campeões, sete anos depois, no que constituirá novo regresso de José Mourinho “a casa”, agora para defrontar o Barcelona, depois de ter já eliminado o Chelsea nos 1/8 Final.

A outra meia-final será disputada entre Bayern e Lyon, com a equipa alemã a conseguir eliminar o Manchester United, não obstante a equipa inglesa já vencer por 2-0 aos 6 minutos e ter mesmo chegado ao 3-0, com dois dos golos apontados pelo português Nani; na segunda parte, a expulsão de um jogador do Manchester facilitou a recuperação da equipa alemã, reduzindo para a desvantagem mínima, beneficiando dos dois golos marcados em Inglaterra.

No duelo gaulês, o campeão francês em título não conseguiu completar a reviravolta na eliminatória, frente ao Lyon, uma equipa mais experiente na Liga dos Campeões, que, não obstante, alcança pela primeira vez as 1/2 Finais da competição.

7 Abril, 2010 at 8:38 pm Deixe um comentário

Tendências e prospectivas. Os “novos” jornais

O OberCom – Observatório da Comunicação, apresenta um novo trabalho, da autoria  de Gustavo Cardoso, Jorge Vieira e Sandro Mendonça, intitulado Tendências e prospectivas. Os “novos” jornais, no qual são propostas 10 ideias sobre o futuro dos jornais:

1. Na sociedade de informação os leitores fazem parte do jornal.

2. Se algo não for facilmente acessível ao leitor ele encontrará forma de o obter em qualquer outro lado e de qualquer outro modo.

3. Os jornais não são de papel – nem apenas de palavras escritas.

4. Os jornais sobreviventes e renovados serão as novas agências
noticiosas do século XXI.

5. Os jornais são organizações que servem propósitos económicos e
éticos.

6. Os jornais trabalham num território situado entre os dados brutos e o conhecimento refinado.

7. A “marca” de um jornal tem vida para além das páginas.

8. O jornal foi uma rede social antes das redes sociais.

9. Num jornal e no jornalismo há novas profissões a emergir.

10. O jornal de hoje pode bem ter de ser diferente do de ontem.

(via Jornalismo & Comunicação)

5 Abril, 2010 at 8:07 pm Deixe um comentário

A história do livro, do manuscrito ao livro electrónico


(foto via Público.es)

O Museu da Biblioteca Nacional, de Madrid, inaugura amanhã a exposição “Del códice al libro electrónico”, a qual estará patente até ao próximo dia 3 de Outubro, tendo acesso livre.

Desta mostra fazem parte, entre outros, manuscritos autógrafos de Pedro Calderón de la Barca e de Francisco de Quevedo, máquinas de escrever, exemplares dos primeiros computadores pessoais, assim como – apenas no primeiro mês do evento – o “Livro de Ester” (na imagem), em formato de rolo em cilindro de prata.

5 Abril, 2010 at 6:14 pm Deixe um comentário

Liga Europa – 1/4 Final (1ª mão)

Benfica – Liverpool – 2-1
Fulham – Wolfsburg – 2-1
Hamburger – Standard Liège – 2-1
Valencia – At. Madrid – 2-2

BenficaBenfica – Júlio César, Maxi Pereira (66m – Nuno Gomes), Luisão, David Luiz, Fábio Coentrão, Javi García, Ramires, Carlos Martins (72m – Ruben Amorim), Di María, Pablo Aimar (87m – Airton) e Óscar Cardozo

LiverpoolLiverpool – Pepe Reina, Glen Johnson, Daniel Agger, Jamie Carragher, Emiliano Insúa, Lucas, Javier Mascherano, Steven Gerrard (90m – Benayoun), Ryan Babel, Dirk Kuyt e Fernando Torres (82m – Ngog)

0-1 – Daniel Agger – 9m
1-1 – Cardozo – 59m (pen.)
2-1 – Cardozo – 79m (pen.)

Ainda as equipas se encontravam naquela fase baptizada como de “estudo mútuo” e já o Liverpool – na sua primeira investida – inaugurava o marcador, logo aos 9 minutos, num livre descaído sobre a esquerda da área, com a bola a ser atrasada para o miolo do terreno, onde, com um toque de calcanhar, surgiu Agger – recuado em relação à defesa, portanto livre de marcação – a desviar subtilmente a bola para o fundo da baliza.

Praticamente na resposta, Cardozo – na zona da pequena área, descaído junto ao poste direito da baliza adversária – teve nos pés o golo do empate, mas não conseguiu dominar bem a bola, que saiu sem a direcção devida. O mesmo Cardozo que não daria a melhor sequência a um par de outros lances (aos 12 e 17 minutos), antes de Ramires e Di María, próximo da meia hora de jogo, ameaçarem a baliza defendida por Reina, com remates espontâneos, o primeiro de cabeça, a sair por alto, o segundo, de meia-distância, em força, a criar grande frisson, mas a sair ligeiramente descentrado. O Benfica criava bastantes situações ofensivas, mas não tinha eficácia na finalização.

Até que, precisamente em cima dos 30 minutos, Babel, em discussão com Luisão – que cometera falta, na sequência da qual viu o cartão amarelo – colocou a mão na cara do defesa benfiquista, gesto pouco digno, em que de imediato reincidiria, levando o árbitro a exibir-lhe, de forma ajustada, o cartão vermelho. 

Com menos um jogador, curiosamente, o Liverpool surgiria de seguida mais afoito, primeiro introduzindo a bola na baliza benfiquista, na sequência da marcação de um livre, sendo o lance anulado por fora de jogo já previamente sancionado pelo árbitro assistente, e, no minuto seguinte, com a bola de novo a rondar perigosamente a baliza de Júlio César. Não obstante, até final da primeira parte, haveria ainda tempo para Pepe Reina ver colocada à prova a sua concentração, em mais um bom lance de ataque construído pela equipa do Benfica. 

Cardozo confirmaria estar numa noite de desacerto, novamente, mais duas vezes, quase de seguida, a abrir a segunda parte, ainda antes dos 50 minutos. E, ainda, uma vez mais, quando, na conversão de um livre perigoso, praticamente em cima da linha da área – punindo uma falta sobre ele cometida – rematou forte, com a bola a embater estrondosamente no poste, imediatamente antes de, na sequência da jogada, Aimar ser derrubado por Insúa, originando a grande penalidade… que, desta feita, Cardozo não desperdiçaria, empatando o jogo! Na oportunidade, a falha seria do árbitro, ao não mostrar o segundo amarelo a Insúa, que colocaria o Liverpool a jogar apenas com 9 elementos.

O Benfica ia empurrando o Liverpool para a sua zona defensiva e Jorge Jesus, percebendo isso, reforçou a mensagem, substituindo o lateral direito por mais um elemento de ataque, Nuno Gomes. Viria a reequilibrar a equipa pouco depois, com a entrada de Ruben Amorim.

O elemento mais determinante da equipa inglesa, Fernando Torres apenas por duas vezes criaria perigo: primeiro, surgindo lançado, sendo desarmado por um irrepreensível David Luiz; depois, aproveitando o desequilíbrio provocado por um mau passe (atrasado) de Nuno Gomes, num rapidíssimo contra-ataque, quando a equipa benfiquista estava toda balanceada no ataque, mas rematando de forma deficiente, ao lado da baliza.

Em mais uma ofensiva do Benfica, com Di María em cima da linha de fundo, já quase sem ângulo, conseguiria ainda fazer o cruzamento, interceptado por Carragher, já em queda, com o braço, originando a segunda grande penalidade assinalada (após dois outros lances terem sido já perdoados pelo árbitro). Depois de um remate em força, Cardozo fecharia uma exibição menos conseguida, com o segundo golo, convertendo o lance com uma espécie de tentativa de “folha seca” ou “penalty à Panenka”, traindo o guarda-redes espanhol do Liverpool.

Até final, a equipa portuguesa preocupou-se mais em segurar a vitória, do que continuar a arriscar na exploração da inferioridade numérica do Liverpool. Com uma excelente exibição, em que teve de assumir desde cedo as “despesas do jogo”, apenas pecando na concretização, o Benfica consegue uma boa vitória, uma vantagem importante para a batalha que se antevê muito disputada, em Anfield Road, já na próxima semana.

Cartões amarelos – Luisão (29m) e David Luiz (37m); Emiliano Insúa (45m), Pepe Reina (74m) e Jamie Carragher (78m)

Cartão vermelho – Ryan Babel (30m)

Árbitro – Jonas Eriksson (Suécia)

1 Abril, 2010 at 9:58 pm Deixe um comentário

Artigos mais recentes


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Abril 2010
S T Q Q S S D
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.