BILINGUISMO – O CASO DO CANADÁ (V)

1 Abril, 2005 at 8:37 am

De forma paradoxal (ou talvez não…), o referendo de 1980 sobre a eventual independência do Québec (com apenas 40 % de votos “Sim”) marcou um ponto de viragem em termos sociopolíticos, travando os intuitos nacionalistas – ao mesmo tempo que o governo central canadiano começava a dar mais atenção às reivindicações quebequenses.

Porém, o Québec não reconheceria formalmente a Constituição canadiana de 1982 (situação que subsiste ainda hoje), apesar da sua aceitação tácita. O acordo de 1987 que reconhecia a natureza dual da sociedade canadiana seria recusado (em 1990) por um deputado indígena de Manitoba (em defesa da “terceira nação” constitutiva do Canadá, a indígena), impedindo a necessária unanimidade.

Quinze anos depois do primeiro referendo, a população do Québec seria chamada novamente, em 1995, a pronunciar-se sobre o seu futuro; com 93 % de participação, os votos “Sim” subiram para 49,4 %; praticamente um empate técnico que, ainda assim, assegurou a subsistência do Canadá como Estado único (seriam necessários 51 % de votos “Sim” para que o referendo se tornasse vinculativo).

O francês predomina hoje de forma expressa; 97 % dos comerciantes de Montreal colocam os seus anúncios em francês (50 % adoptam o bilinguismo); 72 % das empresas adoptam o francês como língua de negócio; 88 % dos trabalhadores utilizam preferencialmente o francês.

A nível do continente Americano, o equilíbrio de línguas dos quatro principais grupos linguísticos (40 % de falantes de espanhol, 38 % de inglês, 20 % de português e apenas 2 % de francês) continua a ser constantemente colocado em causa.

A mundialização das economias e a introdução massiva das tecnologias de informação e de comunicação constituem um novo e forte desafio ao francês, concorrendo com a generalizada utilização do inglês, numa província que tem por lema oficial a expressão “Je me souviens” (inscrita em todas as matrículas automóveis, em todos os edifícios públicos e em todos os documentos oficiais), assim expressando a sua consciência histórica (desde o abandono pela monarquia francesa em 1763, à crise de 1970 – com o recuperar, pela “Front de Libération du Québec, de inspiração marxista-leninista, do “grito” de De Gaulle, “Vive le Québec Libre!” –, passando pela União de 1840, pela Confederação de 1867, pela supressão das escolas francófonas de Ontário em 1911 e pela “Revolução Tranquila” de 1960) de afirmação da sua identidade própria no seio do “grande Canadá”.

P. S. A fechar, um bom exemplo de “blogosfera bilingue” canadiana, Ni vu, Ni connu. Também interessante, a divulgação de um livro relativo a “escritores bilingues”.

[2177]

Entry filed under: Sociedade.

BRASIL (IV) WEBLOG.COM.PT


Autor – Contacto

Destaques

Benfica - Quadro global de resultados - Printscreen Tableau
Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Abril 2005
S T Q Q S S D
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.


<span>%d</span> bloggers like this: