1.º ano

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

10 Abril, 2014 at 9:49 am Deixe o seu comentário

Liga dos Campeões – 1/4 Final (2ª mão)

                                 2ª mão     1ª mão     Total
At. Madrid - Barcelona            1-0        1-1        2-1
Borussia Dortmund - Real Madrid   2-0        0-3        2-3
Chelsea - Paris St.-Germain       2-0        1-3        3-3
Bayern - Manchester United        3-1        1-1        4-2

Real Madrid e Chelsea tiveram de sofrer a bom sofrer para alcançar o apuramento para as 1/2 Finais da Liga dos Campeões: os espanhóis, ancorados numa confortável vantagem de três golos, tiveram de apelar a toda a concentração de Casillas para evitar que os alemães – depois de terem chegado ao 2-0 ainda no primeiro tempo -, conseguissem concretizar num terceiro golo, que levaria a decisão da eliminatória para prolongamento, a intensíssima pressão a que submeteram o adversário; em Londres, a equipa inglesa, assumindo também a iniciativa do jogo, apenas obteria o segundo e decisivo golo a escassos três minutos do final da partida.

O Atlético de Madrid é a grande “sensação” entre as equipas apuradas para as 1/2 Finais da prova, após ter eliminado a poderosa equipa do Barcelona; por seu lado, o Bayern, actual detentor do título, confirmou o seu favoritismo.

9 Abril, 2014 at 9:44 pm Deixe o seu comentário

Rali de Portugal 2014 – Classificação Final

1º Sébastien Ogier - Julien Ingrassia - VW Polo _____ 3:33:20
2º Mikko Hirvonen - Jarmo Lehtinen - Ford Fiesta RS _ 3:34:04
3º Mads Ostberg - Jonas Andersson - Citroen DS3 _____ 3:34:33
4º Andreas Mikkelsen - Mikko Markkula  - VW Polo ____ 3:38:11
5º Henning Solberg - Ilka Minor - Ford Fiesta RS ____ 3:38:31
6º Martin Prokop - Jan Tomanek - Ford Fiesta RS _____ 3:41:48
7º Thierry Neuville - Nicolas Gisoul - Hyundai i20 __ 3:41:53
8º Juho Hanninen - Tomi Tuominen - Hyundai i20 ______ 3:42:12
9º Nasser Al-Attiyah - Giovanni Bernacchini - Ford F_ 3:43:35
10º Jari Ketomaa - Kaj Lindstrom - Ford Fiesta RS ___ 3:43:47
11º Hayden Paddon - John Kennard - Subaru ___________ 3:47.27
12º Bruno Magalhães - Paulo Grave - Peugeot 207 _____ 3:50:14

6 Abril, 2014 at 10:29 pm Deixe o seu comentário

U. Tomar – Centenário (XXVII)

Centenario - 27

(“O Templário”, 03.04.2014)

Na sua quarta temporada na I Divisão, em 1972-73, o União de Tomar – então treinado por António Medeiros, que celebrizaria a expressão «Até os peixes do Nabão de hão-de curvar à nossa passagem» – atravessava um período difícil, somando quatro derrotas consecutivas na viragem da primeira para a segunda volta da prova.

Num assomo de honra, a equipa conseguiria ainda esboçar uma reacção, impondo uma igualdade a um golo na recepção ao Sporting, a 7 de Janeiro de 1973, tento marcado num remate de cabeça de Camolas, na sequência de um canto – numa fase em que os unionistas jogavam em inferioridade numérica –, aliás apenas vindo a deixar escapar o triunfo já em período de compensação.

«Afinal, nenhum dos contendores ganhou. E digamos já que assim é que ficou certo, um ponto para cada qual, porque nem o União nem o Sporting tiveram actuação merecedora de triunfo e, se os tomarenses podem lamentar-se de terem estado a vencer só com dez homens e de consentirem a igualdade quando já ninguém contaria com ela, também é verdade que os lisboetas, pelo maior domínio que exerceram, fizeram jus a não retirarem vencidos.

Como se não bastasse, porém, o modesto futebol explanado pelos dois conjuntos, houve a expulsão de um jogador da «casa» e houve, também, o facto de o golo sportinguista ter surgido quando o árbitro já entrava em linha de conta com o tempo perdido pela equipa que estava a ganhar. E, desses dois factores, resultou um final muito triste – dos tais que fazem o descrédito do futebol e levam a que dele se afaste, cada vez mais, quem vai aos jogos para assistir a um espectáculo e não para sair de lá incomodado.»(1)

«Águas, aos 3 minutos, depois de ter sido lançado em profundidade por M. José, esgueira-se a C. Pereira e José Carlos, e à entrada da grande área tem potente remate fazendo a bola embater na trave, ante a impossibilidade de Damas lhe chegar. Com um pouco mais de sorte teria sido um golão, mas serviu para mostrar que a equipa não se entregaria e teriam de contar com ela.

A turma unionista, conseguia assim, manter não só sobre Águas, como também sobre Camolas e Pavão, uma vigilância que lhe permitia, a meio campo, manter uma luta de igual para igual, não permitindo que a equipa leonina tomasse conta do encontro. Com o jogo a desenrolar-se ora num meio campo ora noutro, assistiu-se a uma bela primeira parte […].»(2)

«O resultado verificado no final do encontro, tendo numa maneira geral, sido o que mais se ajusta ao trabalho desenvolvido por ambas as equipas, deixa no entanto uma – a do UNIÃO DE TOMAR – mais insatisfeita, pois foi aquela que estava à beira do triunfo, fugindo-lhe precisamente no último minuto que o árbitro concedeu para o jogo.»(3)

A verdade é que, até à derradeira jornada dessa época, o União completaria uma longa “travessia do deserto”, de mais de seis meses sem conseguir ganhar no campeonato, o que, inevitavelmente, se traduziria a nível da classificação final…

____________

(1) Cf. “A Bola”, 8 de Janeiro de 1973 – Crónica de Cruz dos Santos
(2) Cf. “Cidade de Tomar”, 13 de Janeiro de 1973 – Crónica de F. N. (Fonseca Nogueira)
(3) Cf. “O Templário”, 13 de Janeiro de 1973 – Crónica de NFC (Nelson Forbes da Costa)

6 Abril, 2014 at 11:00 am Deixe o seu comentário

Liga Europa – 1/4 Final (1ª mão) – AZ – Benfica

AZAZ – Esteban Alvarado, Mattias Johansson, Jeffrey Gouweleeuw, Nick Viergever, Simon Poulsen (49m – Jóhann Gudmundsson), Roy Beerens, Nemanja Gudelj (80m – Markus Henriksen), Celso Ortiz, Viktor Elm, Steven Berghuis e Aron Jóhannsson

BenficaBenfica – Artur, Maxi Pereira, Luisão, Ezequiel Garay, Siqueira, Rúben Amorim (39m – André Almeida), André Gomes, Eduardo Salvio, Nico Gaitán, Rodrigo (77m – Lazar Marković) e Óscar Cardozo (64m – Lima)

0-1 – Eduardo Salvio – 48m

Cartões amarelos – Mattias Johansson (79m); Nico Gaitán (61m), Siqueira (90m), Eduardo Salvio (90m) e Maxi Pereira (90m)

Árbitro – Svein Oddvar Moen (Noruega)

Defrontando o 7.º classificado do campeonato holandês, a larga distância dos lugares de topo da tabela, o Benfica assumia-se como favorito, não só para a eliminatória, mas, inclusivamente, para este jogo.

Porém, nos minutos iniciais seria de alguma forma surpreendido por uma entrada determinada da equipa holandesa, apenas conseguindo reequilibrar a partida após o quarto de hora inicial. A partir daí, sempre numa toada repartida, o Benfica foi, não obstante, dando sinais de que poderia chegar ao golo, o que não conseguiria contudo concretizar até final do primeiro tempo.

Mas, logo a abrir a metade complementar do desafio, Eduardo Salvio regressava aos golos, após longa paragem, devido a lesão, colocando a equipa portuguesa em vantagem. Até final, o Benfica poderia ainda ter ampliado o marcador, mas não seria eficaz na concretização de algumas ocasiões de perigo de que dispôs. Acabaria por preocupar-se mais em gerir a vantagem do que aumentá-la.

Alcançou, não obstante, o terceiro triunfo em terreno alheio, em outras tantas eliminatórias da presente edição da “Liga Europa”, partindo assim, pela terceira vez, em vantagem para a partida da 2.ª mão, onde terá de confirmar a sua superioridade, de forma a evitar os sustos que passou na ronda anterior, face ao Tottenham.

3 Abril, 2014 at 8:57 pm Deixe o seu comentário

Artigos mais antigos Artigos mais recentes


Autor – Contacto

Destaques

Literatura de Viagens e os Descobrimentos
Tomar - História e Actualidade
União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Abril 2014
S T Q Q S S D
« Mar    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.