Memória (X)

27 Junho, 2008 at 10:59 pm 1 comentário

A Memória da Internet

As funcionalidades da informática permitem-nos “agarrar” o passado, “conservá-lo” e, mais que isso, sobretudo, fazê-lo “reviver” sempre que quisermos; trata-se de uma memória virtual, mas uma memória virtual viva.

Já em 2003, Pacheco Pereira lançava o alerta, em artigo no Público (de dia 17 de Julho) sobre o “Arquivo da Internet”: «Uma parte muito significativa do retrato do Portugal contemporâneo perde-se todos os dias sem apelo nem agravo: a Internet em português».

E, mais adiante, especificamente a propósito da blogosfera, então numa fase de crescimento fervilhante, «Veja-se o caso da blogosfera. A blogosfera devia ter um “depósito obrigatório” imediato. Os blogues, enquanto formas individualizadas de expressão, originais e únicas, são uma voz imprescindível para se compreender o país em 2003. Eles expressam um mundo etário, social, comunicacional, cultural, político que, sendo uma continuação do mundo exterior, tem elementos “sui generis”».

Para concluir com um grito lancinante: «Quem guarda os CD-ROM, quem guarda os discos alternativos, quem guarda os fanzines, quem guarda os panfletos políticos e a parafernália dos objectos de campanha, quem guarda os arquivos digitais, quem guarda a Internet portuguesa? Ninguém, diz o romeiro

E, no entanto, elas existem, as memórias da Internet… em arquivo!

Por exemplo, a Rede da Memória Virtual Brasileira, um projecto com a ambição de automatizar e disponibilizar no ciberespaço os acervos de todas as instituições brasileiras que disponham de um património visual ou textual, constituindo-se numa verdadeira memória digital, de acesso alargado.

Ou o arquivo da “Wayback Machine”, igualmente com um mirror na “nova Biblioteca de Alexandria”. Ou, ainda, noutra vertente, mais de 200 anos de história, tal qual ela foi escrita no momento em que ocorreu, com a disponibilização online dos arquivos – desde a sua fundação em 1785 – do jornal britânico The Times.

Também João Canavilhas se dedicou a estudar “A Internet como Memória“, que classifica mesmo como possível «memória colectiva da Humanidade», apontando o exemplo de uma vertente específica, o projecto MyLifeBits.

Aludindo que a Internet «veio facilitar o acesso à informação ao rebater em simultâneo as barreiras do espaço e do tempo», são suscitadas neste estudo questões relacionadas com a (limitada) longevidade dos suportes, restrições de acesso, as limitações das ferramentas de pesquisa, ou a questão da usabilidade das bases de dados.

O autor, constatando que «a internet surge, naturalmente, como uma extensão da memória», sublinha que «Um dos grandes desafios do futuro é compreender a internet e a forma como se pode tirar partido das suas características de uma forma eficiente», concluindo que o «desafio que se coloca à internet é aperfeiçoar as suas capacidades como memória».

About these ads

Entry filed under: Sociedade. Tags: .

Eleições Presidenciais EUA – 2008 (XXXV)

1 Comentário Add your own

Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Autor – Contacto

Destaques

Literatura de Viagens e os Descobrimentos
Tomar - História e Actualidade
União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Junho 2008
S T Q Q S S D
« Mai   Jul »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.


%d bloggers like this: