Archive for 7 Março, 2007

LIGA DOS CAMPEÕES – 1/8 FINAL (ACT.)

AC Milan – Celtic - 1-0 (a.p.) / 0-0 (1-0)
Arsenal - PSV - 1-1 / 0-1 (1-2)
Manchester United – Lille - 1-0 / 1-0 (2-0)
Bayern
 - Real Madrid - 2-1 / 2-3 (4-4)
Lyon – Roma - 0-2 / 0-0 (0-2)
Liverpool – Barcelona - 0-1 / 2-1 (2-2)
Chelsea – FC Porto - 2-1 / 1-1 (3-2)
Valencia – Internazionale - 0-0 / 2-2 (2-2)


Nos jogos de hoje, mais 4 clubes apurados / mais 4 clubes eliminados; a competição “afunila” a caminho da final de Atenas.

E se, ontem, haviam já ficado pelo caminho três das equipas teoricamente favoritas nesta eliminatória (Barcelona, Inter e Lyon), hoje foi a vez de Real Madrid e Arsenal (impossibilitando o “pleno” das equipas inglesas), com o AC Milan a ser obrigado a um prolongamento frente ao Celtic. Para já - tal como ontem o Chelsea -, apenas o Manchester United confirmou o favoritismo… a que se juntaria mais tarde o Milan.

Manchester United, Liverpool e Chelsea (um fortíssimo contingente inglês), AC Milan e Roma (dois representantes italianos), PSV, Bayern e Valencia são agora os candidatos à conquista do ceptro máximo do futebol europeu.


Reeditando um antigo duelo entre José Mourinho e Jesualdo Ferreira, o Chelsea recebeu hoje em Londres o FC Porto, numa partida decisiva para definir o apuramento para os 1/4 Final da Liga dos Campeões.

Entrando em vantagem (a que resultava do empate a um no Estádio do Dragão), a equipa inglesa pareceu começar o jogo – de forma pragmática - tacticamente na expectativa, concedendo espaços ao FC Porto… que aproveitou: logo aos 14 minutos, Lucho Gonzalez desmarcou Quaresma, que se isolou, não dando hipóteses ao guarda-redes Petr Cech. 

O FC Porto passava (novamente) para a frente da eliminatória e colocava o Chelsea sob pressão.

Até à meia-hora de jogo, o FC Porto, personalizado, continuou a ser atrevido, a jogar o “jogo pelo jogo”. No quarto de hora final da primeira parte, a equipa portuguesa começou a ter mais cautelas e, em contrapartida, o Chelsea tornou-se mais ofensivo.

Ainda assim – com o FC Porto a conseguir segurar a vantagem até final do primeiro tempo - ao intervalo, notavam-se sinais de apreensão nos rostos dos responsáveis do Chelsea, com os adeptos também notoriamente insatisfeitos… até por que, um eventual segundo golo do FC Porto, obrigaria o Chelsea a ter de marcar 3!

Mas, as coisas rapidamente tomariam um rumo diferente; logo no segundo minuto da etapa complementar da partida, num remate forte de Robben, Helton – algo desatento – deixando a bola bater no terreno à sua frente, seria traído, sendo mal batido. Estava reposta a igualdade no jogo… e na eliminatória.

A partir daí o Chelsea exerceu mais pressão, com maior intensidade física, com um futebol “directo”, colocando – nos minutos imediatos – o FC Porto em apuros. Parecia estar eminente - no decorrer do primeiro quarto de hora – novo golo da equipa inglesa.

Gradualmente, o FC Porto foi-se reposicionando, procurando reequilibrar a tendência do jogo.

Já com 73 minutos, o FC Porto passaria por novo sobressalto, com Helton a defender mal, a bola a ressaltar e Drogba a rematar contra o corpo de um jogador portista, a evitar o golo.

…Era o aviso do que aconteceria 5 minutos depois: numa triangulação perfeita, de cabeça, entre Drogba e Shevchenko, a bola chegaria a Ballack (com todos estes jogadores do Chelsea sem a marcação adequada) que, em pleno centro da área, não teve dificuldade em bater Helton, concretizando a “reviravolta” no marcador e colocando o Chelsea – agora, de modo efectivo – novamente em vantagem na eliminatória.

Que se viria a revelar definitiva, dado que o FC Porto não conseguiria criar oportunidades de perigo para marcar novo golo, que lhe conferiria o apuramento.

O Chelsea (e José Mourinho) seguem em frente, para os 1/4 Final, juntamente com o Liverpool, a Roma e o Valencia. 

O FC Porto fica pelo caminho, ao mesmo tempo que o Barcelona (o Campeão Europeu em título foi ganhar a Liverpool – Campeão de há 2 anos -, mas os ingleses vencem a eliminatória, graças ao triunfo em Camp Nou); e também, outros dois grandes da Europa, o Inter de Milan e o Lyon (uma vez mais a não conseguir demonstrar o seu efectivo poderio).

7 Março, 2007 at 9:43 pm Deixe o seu comentário

EVOLUÇÃO DO TEMPO MÉDIO A VER TELEVISÃO – 1992-2005

Minutos/dia  4 - 14 anos > 14 anos  Global
1992             169        164       165
1993             168        170       170
1994             153        174       170
1995             124        177       169
1996             118        179       169
1997             120        174       165
1998             109        166       157 
1999 186 205 202 2000 193 202 203 2001 179 195 193 2002 177 187 185 2003 179 211 207 2004 185 218 214 2005 178 217 212

Fonte: AGB – Portugal (1992-1998); Marktest / MediaMonitor (1999-2005)

(os 3 Quadros apresentados, via http://www.ics.pt/index.php?op=cont&lang=pt&Pid=78&area=330)

7 Março, 2007 at 6:05 pm 1 comentário

EVOLUÇÃO DA TV CABO – 1995-2005

Milhares      Alojamentos cablados       Assinantes
1995                        377                   58
1996                        977                  171
1997                       1466                  383
1998                       1827                  596
1999                       2259                  760
2000                       2601                  925
2001                       3024                 1119
2002                       3361                 1262
2003                       3488                 1334
2004                       3624                 1416
2005                       3775                 1398

Fonte: ANACOM – Autoridade Nacional de Comunicações

7 Março, 2007 at 1:59 pm Deixe o seu comentário

EVOLUÇÃO DO SHARE DE AUDIÊNCIA – 1992-2005

%         RTP 1       RTP 2        SIC        TVI

1992        72,2        17,9        8,5          -
1993        61,5        17,6       14,3        6,6
1994        46,9         9,8       28,4       14,7
1995        38,4         6,4       41,4       13,8
1996        32,6         6,5       48,6       12,3
1997        33,0         5,6       49,3       12,1
1998        31,5         6,2       49,2       13,1
1999        28,5         6,0       48,1       17,4
2000        24,3         5,6       42,2       20,8
2001        20,1         5,6       34,0       31,9
2002        21,1         5,3       31,5       31,4
2003        23,8         5,0       30,3       28,5
2004        24,7         4,4       29,3       28,9
2005        23,6         5,0       27,2       30,0

Fonte: Marktest / MediaMonitor

7 Março, 2007 at 12:37 pm Deixe o seu comentário

RTP – 50 ANOS

7 Março, 2007 at 8:05 am 2 comentários

Artigos mais antigos


Autor – Contacto

Destaques

Literatura de Viagens e os Descobrimentos
Tomar - História e Actualidade
União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Março 2007
S T Q Q S S D
« Fev   Abr »
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.