Archive for Dezembro, 2004

2005

Espera por nós…
Votos de um óptimo ano de 2005 a todos!
Até lá!

31 Dezembro, 2004 at 3:31 pm 1 comentário

MENSAGEM (V)

Vasco da Gama realizou a extraordinária façanha, o grande objectivo dos Descobrimentos: a conquista da Índia por via marítima (“Os Deuses da tormenta e os gigantes da terra / Suspendem de repente o ódio da sua guerra / E pasmam”).

Este empreendimento teria naturalmente custos significativos, causando grandes sofrimentos, com muitas vidas perdidas:

“Ó mar salgado, quanto do teu sal
São lágrimas de Portugal!
Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
Quantos filhos em vão rezaram!
Quantas noivas ficaram por casar
Para que fosses nosso, ó mar!”;

mas valeu a pena?:

“Valeu a pena? Tudo vale a pena
Se a alma não é pequena.
Quem quere passar além do Bojador
Tem de passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo deu,
Mas nele é que espelhou o céu”.

O desastre de Alcácer Quibir, o mistério que envolve o desaparecimento de D. Sebastião deverá ser o impulso para o renascimento de Portugal:

“Não sei a hora, mas sei que há a hora,
Demore-a Deus, chame-lhe a alma embora
Mistério.
Surges ao sol em mim, e a névoa finda:
A mesma, e trazes o pendão ainda
Do Império”.

Seguiu-se a perda da independência (“Senhor, a noite veio e a alma é vil”), mas é preciso acreditar que é possível renascer:

“Mas a chama, que a vida em nós criou,
Se ainda há vida ainda não é finda.
O frio morto em cinzas a ocultou:
A mão do vento pode erguê-la ainda”.

(“Republicação”)

[1951]

31 Dezembro, 2004 at 2:25 pm

"BLOGOSFERA" EM 2004 (XXXI)

A 17 de Dezembro, Paulo Querido anuncia o primeiro caso de pedido de informação por parte de um tribunal relativamente a um conteúdo do weblog.com.pt.

Também em Dezembro, e no espaço de poucos dias, o jornal “Público” edita dois artigos, baseando-se em “entradas de blogues”, sem contudo referir as fontes. A 26 de Dezembro, Joaquim Furtado aborda a questão, em “A Coluna do Provedor do Leitor: Copyright na Net“, concluindo:

“O jornal cometeu, em conclusão, dois erros, reconheceu-os nas suas páginas como era, aliás, seu dever, deixando claro quais deveriam ter sido os procedimentos correctos. O processo de reflexão interna produzido pelos responsáveis do jornal e exposto nesta coluna, responde à transparência reclamada pelo leitor.”

A fechar esta resenha sobre a “blogosfera” em 2004, que melhor final do que esta sensacional “entrada” (“Exposição de Coelhos Suicidas“) de João Pedro da Costa, nas Ruínas Circulares (há por lá muitas outras “entradas” a admirar!…):

“Sejam bem vindos à exposição dos Coelhos Suicídas na Galeria de Arte AS RUÍNAS CIRCULARES. O meu nome é João Pedro da Costa e irei ser o vosso guia durante a visita. Peço o favor de desligarem os telemóveis e de guardarem eventuais perguntas ou comentários para a caixa que estará à vossa disposição no final da visita. Lembro igualmente que, nesta galeria, podem fumar à vontade, que não faltam por aí cinzeiros. (Se tenho lumes? Claro. Ora, com licença. De nada).

Para os que não sabem, a presente exposição reúne os trabalhos enviados pelos leitores de um certo blog, tendo por mote a obra clássica de Andy Riley, THE BOOK OF THE BUNNY SUICIDES, cujo primeiro volume já se encontra editado em Portugal pelas Publicações Europa-América.”

E, já quase em “post-scriptum”, as palavras de Pacheco Pereira no “Veritas Filia Temporis” em 29.12.04 (originalmente publicadas na revista “Sábado”): “Os blogues portugueses foram a mais importante alteração positiva do sistema comunicacional nacional. Têm, todos sabemos, coisas péssimas: leviandade, cobardia anónima, agressividade balofa, arrogância moral, manipulação, militantismo sectário. Mas são miasmas que vêm da nossa atmosfera pequena e asfixiante, cheia de ressentimentos e escassez de bens e lugares, para a blogosfera. Mas, da blogosfera para fora, saiu qualidade, debate, controvérsia, imaginação e notícias.”

[1950]

31 Dezembro, 2004 at 8:48 am 2 comentários

MENSAGEM (IV)

A II Parte – “Mar Português” inclui: “O Infante”; “Horizonte”; “Padrão”; “O Monstrengo”; “Epitáfio de Bartolomeu Dias”; “Os Colombos”; “Ocidente”; “Fernão de Magalhães”; “Ascensão de Vasco da Gama”; “Mar Português”; “A Última Nau” e “Prece”.

A posse do mar permite a ligação do mundo (relembrando o Infante D. Henrique):

“Deus quere, o homem sonha, a obra nasce.
Deus quis que a terra fosse toda uma,
Que o mar unisse, já não separasse”,

mas a missão de Portugal não está ainda concluída:

“Cumpriu-se o Mar, e o Império se desfez.
Senhor, falta cumprir-se Portugal!”;

não basta o “mar com fim”:

“E ao imenso e possível oceano
Ensinam estas Quinas, que aqui vês,
Que o mar com fim será grego ou romano:
O mar sem fim é português”,

é necessário o “mar sem fim”, através do qual se alcançará um ponto divino:

“E a Cruz ao alto diz que o que me há na alma
E faz a febre em mim de navegar
Só encontrará de Deus na terra calma
O porto sempre por achar”.

Tal como o Adamastor em “Os Lusíadas”, o “Monstrengo” representa o temor de vencer sentido pelos marinheiros, mas, ao mesmo tempo, os obstáculos a vencer:

“E disse: «Quem é que ousou entrar
Nas minhas cavernas que não desvendo,
Meus tectos negros do fim do mundo?»
E o homem do leme disse, tremendo:
«El-Rei D. João Segundo!»”

Colombo, que tentara durante anos o apoio do Rei de Portugal, acabaria por descobrir o Novo Mundo sob a égide dos reis católicos de Espanha; significa aqui as oportunidades perdidas (“Outros haverão de ter / O que houvermos de perder”), mas também que a missão de Portugal vai mais além da dos “Colombos” (“Mas o que a eles não toca / É a Magia que evoca / O longe e faz dele história”).

Ocidente”, porque Portugal, sendo a “cabeça da Europa“, tem de cumprir a missão do Ocidente.

(“Republicação”)

[1949]

30 Dezembro, 2004 at 6:29 pm

APOIO ÀS VÍTIMAS DO TSUNAMI

CRUZ VERMELHA PORTUGUESA – APOIO ÀS VÍTIMAS DO TSUNAMI
BANCO BPI
NIB 0010 0000 137 222 70009 70
Conta nº: 1-1372227000009

[1948]

30 Dezembro, 2004 at 11:04 am

"BLOGOSFERA" EM 2004 (XXX)

Na edição de 16 de Dezembro da revista “Visão”, é apresentada, sob o título “A nossa selecção – Elegemos os melhores recantos da blogosfera, onde se fala de política de não só”, referência particular a alguns “blogues”, da autoria de Mário Rui Cardoso:

Abrupto“Uma instituição na blogosfera – José Pacheco Pereira foi o primeiro responsável pela mediatização dos blogues. JPP – sigla com que assina os posts – contribuiu sobremaneira para o incremento da popularidade da blogosfera e para a subsequente explosão do número de bloggers.”

Barnabé“É o blogue do momento da esquerda portuguesa – com direito a livro em destaque nos hipermercados e tudo. Sendo dos mais visitados, é dos mais comentados. Os seus posts, muitas vezes redigidos em tom provocatório, desencadeiam longas discussões na zona de comentários.”

Portugal dos Pequeninos“De João Gonçalves, um crítico refinado de Santana Lopes e do seu Governo, é um blogue culto, informado, consistente e com memória.”

Causa Nossa“Políticos e comentadores que, até ao aparecimento da blogosfera, se limitavam a dois, no máximo três comentários semanais em órgãos de comunicação social, com os blogues ganharam um espaço de exposição permanente das suas opiniões.”

O Acidental“É uma espécie de negativo do Barnabé. […] Lançado por Paulo Pinto de Mascarenhas, jornalista da área da direita, próximo de Paulo Portas, este blogue opta, também, muitas vezes, pelo tom irónico e provocatório.”

Gato Fedorento“Há muito que o gato não fede nem cheira. Os posts de jeito continuam ausentes […] mas, até à data, ainda não foi anunciado o encerramento do blogue. Pelo que se mantém a esperança de, um dia, o Gato Fedorento regressar, com a corda toda.”

Blogue dos Marretas“Os velhos Marretas foram outros que deram enorme fama aos blogues em 2003, e que se mantêm no activo, com a verve intacta.”

Janela Indiscreta“Infelizmente, a Janela Indiscreta encerrou. Ao fim de quase dois anos a propor-nos filmes, livros, músicas e artes plásticas, depois de todo este tempo a inspirar-nos como nenhum outro, o blogue fechou.”

A montanha mágica“É um paraíso das letras, na blogosfera. Ganhou expressão a fazer divulgação literária […] continua a constituir uma paragem obrigatória para nos informarmos sobre os livros que temos de ler, mas também das músicas que devemos ouvir.”

Xupacabras“Um fotoblogue, um blogue que nos cativa pelas imagens e não pelas palavras.”

Médico Explica Medicina a Intelectuais“com um programa de intenções meritório à nascença, o de prestar esclarecimentos sobre aquilo que, alegadamente, os jornalistas tentam mas não conseguem explicar aos seus leitores, espectadores ou ouvintes, no que à saúde diz respeito. Obrigatório.”

Dias com árvores“Um completo roteiro para conhecer as árvores do Porto. […] Onde há árvores ou onde há problemas com árvores na Invicta, está este blogue. E ensina. Explica tudo sobre as árvores de que nos fala.”

Ponto Media“Do jornalista António Granado, foi distinguido pela estação alemã Deutsche Welle com o prémio para o melhor blogue jornalístico em Português.”

[1947]

30 Dezembro, 2004 at 8:25 am

MENSAGEM (III)

“As Quinas” começam com “O Eloquente” D. Duarte, prosseguindo com os Infantes D. Fernando, o “santo cavaleiro”:

“Deu-me Deus o seu gládio, porque eu faça
A sua santa guerra
Cheio de Deus, não temo o que virá,
Pois venha o que vier, nunca será
Maior do que a minha alma”,

D. Pedro e D. João; finaliza com a “personagem-símbolo”, o (“loucamente”) ambicioso D. Sebastião:

“Louco, sim, louco, porque quis grandeza
Qual a sorte a não dá
Minha loucura, outros que me a tomem
Com o que nela ia
Sem a loucura que é o homem
Mais que a besta sadia,
Cadáver adiado que procria?”.

A “loucura pela grandeza” de D. Sebastião alia-se de seguida ao misticismo da espada de Nuno Álvares Pereira, o líder preparado para a batalha:

“Mas que espada é que, erguida,
Faz esse halo no céu?
É Excalibur, a ungida
Que o Rei Artur te deu”.

A I Parte conclui-se com: o Infante D. Henrique, o senhor do mar, com “O globo mundo em sua mão”; D. João II, uma das figuras de maior influência na História da humanidade, por via do decisivo impulso dos Descobrimentos:

“Braços cruzados, fita além do mar.
Parece em promontório uma alta serra.
O limite da terra a dominar
O mar que possa haver além da terra”;

e, por fim, o vice-rei da Índia D. Afonso de Albuquerque.

(“Republicação”)

[1946]

29 Dezembro, 2004 at 6:28 pm

Artigos mais antigos


Autor – Contacto

Destaques

Literatura de Viagens e os Descobrimentos Tomar - História e Actualidade União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Dezembro 2004
S T Q Q S S D
« Nov   Jan »
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

Arquivos

Pulsar dos Diários Virtuais

O Pulsar dos Diários Virtuais em Portugal

O que é a memória?

Memória - TagCloud

Jogos Olímpicos

Eleições EUA 2008

Twitter

Categorias

Notas importantes

1. Este “blogue" tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular páginas na Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, que nem sempre será viável citar ou referenciar.

Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo o favor de me contactar via e-mail (ver no topo desta coluna), na sequência do que procederei à sua imediata remoção.

2. Os comentários expressos neste "blogue" vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste "blogue", pelo que publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo.

Reservo-me também o direito de eliminar comentários que possa considerar difamatórios, ofensivos, caluniosos ou prejudiciais a terceiros; textos de carácter promocional poderão ser também excluídos.